Um fórum de RPG online no formato de PBF (Play by Forum).


Capítulo 2 - Seleucia

Compartilhe
Tsumai
Cavaleiro Jedi
avatar
Cavaleiro Jedi

Mensagens : 276
Data de inscrição : 28/10/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Tsumai em Qua Dez 14, 2016 8:51 pm

Chui se espantou ainda mais ao ver Rosso. Encarar assim de cara o comandante não era fácil, principalmente com seu olhar inquisidor, como se já soubesse o que ele fizera. Quando ele olhou a queimadura no braço de Chui - e que doía bastante -, sua expressão parecia ainda mais ameaçadora. E para terminar a sessão terror, Rosso chamou os outros membros da equipe e ralhou com eles, como Chui imaginava. Isso o deixou meio abatido, não queria que os outros ouvissem um sermão tão cedo, principalmente por estarem tão empenhados como pareciam estar.

- Bem, senhor comandante, acontece que encontrei com eles aqui, cada um tava fazendo sua tarefa. Eles não sabiam que eu tinha me ferido. Acontece que... - Chui baixou os olhos e gastou alguns segundos procurando coragem. - Acontece que enquanto eu lavava minha área eu acabei derrubando uma caixa e... sabe, eu toquei nela... e ela berrou alguma coisa como "biometria incorreta" ou algo assim e... bem. e... e depois se auto destruiu. E foi isso que causou essa queimadura.

Chui continuou de olhos baixos e não olhou nem para Rosso nem para os outros. Estava se preparando mentalmente para o provável sermão ou castigo que viria.
Gakky
Mestre Jedi
avatar
Mestre Jedi

Mensagens : 1254
Data de inscrição : 08/07/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Gakky em Qua Dez 14, 2016 9:26 pm

- Quando eu disse para não colocarem fogo na nave, não imaginei que poderia acontecer. Chui o que você encontrou devia ser o Re-tool, ele guarda relatórios de missões passadas, mas só pessoas autorizadas podem ler, se ele estiver no modo de defesa, ele se autodestrói quando alguém estranho o toca. Mas se estava no compartimento dianteiro, devia ser apenas um lixo quebrado. Eu vou checar, mas antes quero saber porque a Rhaenee está como se tivesse nadado? Por que Chui estava sozinho? E Marin, não estava fugindo de um sermão, estava?

OFF: isso é um diálogo de NPC, não é um turno novo, farei isso algumas vezes durante a campanha.
Luxi
Moderador
avatar
Moderador

Mensagens : 956
Data de inscrição : 02/03/2016

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Luxi em Qui Dez 15, 2016 8:14 am

Ray sorriu orgulhosa de ter conseguido enganar o príncipe. Estava com vontade de pregar algumas peças nele, agora que estava aprendendo a ser um "militar". Em seguida observou Chui na porta de Rosso.

Pensou em repreendê-lo. Se o comandante se irritasse, poderia forçar algum trabalho desagradável a eles, mas ele parecia tão esquisito...


Bateu continência para o comandante, em silêncio, e ficou imóvel até perceber que o caçador estava ferido.


- Chui... - murmurou. Como ele tinha escondido aquilo? Sentiu-se culpada por não ter podido ajudar. Ficou preocupada ainda mais quando entendeu o que tinha acontecido e  olhou Rosso esperando uma bronca como uma criança arteira. - Senhor comandante, tive alguns problemas com as funções do chuveiro, mas agora está tudo sob controle. Chui estava sozinho porque eu distribui as tarefas para fazermos o trabalho mais rapidamente, e Marin só estava seguindo as ordens do comandante e seguindo para a limpeza da próxima sala, senhor.
Pallando
Troubleshooter
avatar
Troubleshooter

Mensagens : 790
Data de inscrição : 05/01/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Pallando em Qui Dez 15, 2016 9:54 pm

Marin parou surpreso ao ouvir seu nome ser chamado. Olhou de volta no corredor e viu que Chui dera de cara com Rosso na porta, e agora o que muito provavelmente seria um sermão os aguardava. O evo andou de volta para perto do grupo com um olhar confuso, pois também descobrira sobre a queimadura de Chui só agora. Sentiu-se incomodado por não ter percebido antes.

Não lhe agradava ver o caçador cabisbaixo daquele jeito, com dificuldades para explicar-se, afinal parecia ser bem incomum encontrar uma caixa daquelas enquanto fazia limpeza, mas entendia que o acidente era algo que merecia repreensão.

Ouviu Ray se dirigir ao comandante, explicando a situação e a razão pela qual Chui estava sozinho. ..pensando bem, a explicação sobre dedicar-se completamente não fazia tanto sentido agora. O evo olhou brevemente para Gail para ver se ele também chegara à mesma conclusão, mas não ousou comentar a respeito na frente de Rosso. Marin seguiu de boca fechada e olhar calmo, apenas observando o desenrolar das coisas.

Gakky
Mestre Jedi
avatar
Mestre Jedi

Mensagens : 1254
Data de inscrição : 08/07/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Gakky em Sex Dez 16, 2016 12:08 pm

Marin olha para Gail, mas só vê que o príncipe parecia preocupado e concentrado no comandante. Rosso suspirou e colocou a mão na testa. Depois falou ao grupo algo que não esperavam ouvir:

- Tudo bem, acidentes acontecem. Só que se Chui não estivesse sozinho, ele teria ajuda. Rhaenee eu sei que na academia ensinaram que dividir é conquistar, e é bom ver que está assumindo as responsabilidades do grupo. Mas eu faço as coisas de uma forma diferente. E ouçam bem para que não esqueçam, soldados do Rosso não ficam sozinhos. Dessa vez não terão nenhuma penitência, porque não foi como se me desobedecessem. Mas que fiquem alertas, na próxima vez será considerado como uma falha.

O comandante perguntou a Ray como estava indo o trabalho, o que já tinham limpado e o que faltava a fazer. Depois da explicação dela, ele redistribuiu as tarefas de uma forma diferente:

- Façam o seguinte agora, Rhaenee e Gail vão limpar o deck superior juntos, o lounge e a sala médica ficarão com Chui e Marin, devem limpar juntos. Depois voltem e terminem os quartos, assim quando terminarem já estarão perto para me avisarem. Não quero que se separem, se alguém passar mal ou acontecer algo, precisam de alguém perto para ajudar ou para ir me chamar. Entenderam? Dividir e conquistar é uma técnica que sim garante a vitória, mas não garante soldados vivos. Eu não uso essa técnica nem mesmo para tarefas simples. É bom que aprendam desde agora.

Rosso puxa novamente o pulso de Chui para olhar a queimadura, depois solta e fala:

- Marin, vá com Chui para a sala médica, no armário, na terceira gaveta, tem emplastros para queimaduras, tem cor vermelha. É como um adesivo com uma pasta, coloque em cima do ferimento do Chui. Isso fará com que cicatrize rápido. Depois aproveitem e limpem a sala juntos.

O comandante boceja e diz antes de entrar para seu quarto:

- Quando terminarem me avisem. Lembrem-se, sempre juntos.

Depois que o comandante entrou, vocês obedeceram as ordens e seguiram cada um para onde iriam continuar a tarefa. Podem ter comentado algo antes de se separarem, é só descrever no post.

-> Cena Deck superior (Ray e Gail)

Gail e Ray varriam juntos o deck superior, o príncipe dessa vez tinha alguém para copiar e não errar tanto na limpeza. Enquanto limpavam, ele não deixou o incidente do banheiro passar. Quando foi varrer perto de Ray, esbarrou nela com o cotovelo e provocou rindo:

- Tentando esconder que tinha se atrapalhado... Tsc... Tsc...

Se ela ficar irritada, o príncipe vai rir. Os dois não demoram muito varrendo. (Se quiser pode conversar com ele, perguntar algumas coisas). Ray pega um pano seco para tirar a poeira das máquinas e das telas dos computadores. Porém tenta alcançar o topo de um monitor e não consegue, pois era mais alto que ela, era frustante ser baixinha. Vendo a cena, Gail chega inesperadamente por trás e agarra suas pernas a levantando para cima. Ray tinha sido pega de surpresa e começa a perder o equilibro. (Role um teste de agilidade CD 8, se não passar, Ray vai se mexer tanto que vai acabar fazendo os dois caírem juntos no chão, se passar Ray consegue recuperar o equilíbrio e alcançar o monitor sem cair/ mesmo esquema, rolar no tópico de dúvidas para saber como descrever a cena).

-> Cena Sala Médica (Chui e Marin)

Ao entrarem na sala médica, Chui e Marin percebem que era pequena. Havia uma cama no centro e aparelhos médicos embutidos nas paredes e na própria cama. O cômodo era o mais de branco de toda nave, porém estava empoeirado. Mas não tão sujo quanto os outros cômodos. Há um cheiro forte de éter no ambiente e uma luz forte acima da cama. Os armários ficavam embutidos nas paredes e eram feitos de um material branco e duro como metal.

Marin encontrará facilmente o emplastro indicado por Rosso, mas sente um estranho incomodo por estar em um lugar assim, ele não sabe o porquê dessa angustia no peito. Chui estava por perto e trazia os produtos de limpeza. Os dois estão sozinhos, mas pelo menos dessa vez, Marin tem orientação de alguém que sabe limpar.




OFF: Se ficar alguma dúvida, podem perguntar. Podem descrever tudo que fizeram até irem limpar os quartos. Digam o que falaram para o companheiro e tal. Se ficar difícil, façam como achar melhor. I love you

- Para consultar o mapa: http://www.novaerarpg.com/t1882-mapa-de-seleucia
Luxi
Moderador
avatar
Moderador

Mensagens : 956
Data de inscrição : 02/03/2016

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Luxi em Sab Dez 17, 2016 4:20 pm

- Sinto muito - comentou, cabisbaixa, sentindo-se responsável. Achava que tivera uma ideia ótima para otimizar o trabalho, mas agora parecia um erro ter deixado trabalho individual e tão distante um do outro. Explicou como tinha feito a distribuição e observou Chui, será que estava doendo muito?

- Entendido, senhor! - bateu continência. Dessa vez não queria decepcionar e já tentava aprender para a missão de verdade. Não deveria deixar ninguém sozinho. Aliás, especialmente Gail, que poderia ter se ferido mais uma vez por neglicência.

- Desculpa, Chui. Espero que você melhore logo. Se estiver com dor, eu cubro sua parte depois. Tá? Bem, bom trabalho pessoal, vamos lá!

~~~


- Ei! Calma lá! Eu... eu estava sozinha tá bom!? - tentou justificar, com o rosto corado. - Para de rir! Eu peguei leve com você e ainda fiquei preocupada!! Er.. quero dizer... a propósito. Tome cuidado para tomar banho. Os botões são meio confusos e tem um que pode acabar te queimando. Pelo menos essa confusão me fez aprender. Er... como foi com Marin? Vocês se deram bem? O que achou de não ser um príncipe por um dia? - alargou o sorriso. Gostava que ele tivesse experiências normais.


Estava muito concentrada tentando alcançar o móvel sem sofrer brincadeiras do príncipe, quando de repente arregalou os olhos, pega completamente de surpresa.

- G-GAIL!




Ela gritou, achando que ia cair, mas firmou as pernas e, com a ajuda dele, acabou conseguindo ficar em pé. Teve um chilique praticamente a toa.

- V-v-... A .. a gente quase caiu!! N-não faça mais isso...

Não podia completar dizendo que ele quase a matou do coração e que era muito difícil pensar em limpar quando ele a segurava e agora passava o pano no monitor com todo o cuidado, corada, e timidamente, tentando redimir-se da gritaria e de como ficara exaltada. Por dentro, no entanto, estava prestando atenção em cada movimento.
Tsumai
Cavaleiro Jedi
avatar
Cavaleiro Jedi

Mensagens : 276
Data de inscrição : 28/10/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Tsumai em Sab Dez 17, 2016 8:37 pm

Chui não sentia muito bem a queimadura, a menos que se movimentação ou alguém encostasse na área queimada. Mas também, quando sentia, ardia bastante. Mesmo ele explicando, Rosso ainda insistia em culpar os outros, o que deixava o garoto irritado; coitada da Ray, estava tomando as rédeas da situação e acabou sofrendo a culpa! Não era uma tarefa complicada assim pra exigir que o grupo ficasse unido, afinal, era só para limpar as coisas, não tinha segredo. Claro, tudo ficava pior quando se tem uma caixa de autodestruição espalhada por um canto, mas, fora isso, nada demais.

- Sim, senhor. - murmurou Chui a Rosso, antes de ele ir. Então ouviu as palavras de Ray. - Ah, não se preocupe, isso é de boas. Desculpe fazer Rosso ralhar com vocês, foi mal cuidado meu mesmo. Bom, vamos lá, Marin?

Sigo com o evo para a sala médica. Lá, ajudo ele a colocar o curativo em mim (um trocinho gelado e reconfortante) e então começamos a limpeza. Deu pra notar que Marin não sabia muito bem como fazer as coisas, então Chui foi ensinando o passo a passo: primeiro varrer e passar algum pano para tirar a poeira grossa, então jogar água no chão para lavar e depois ensaboar com o material disponível para enxaguar novamente. Chui notou também que Marin não parecia muito bem naquele lugar, estando mais distante que o normal.

- ... e então podemos esfregar assim com a vassoura, com movimentos rápidos... tá tudo bem, Marin? Tá cansado?
Pallando
Troubleshooter
avatar
Troubleshooter

Mensagens : 790
Data de inscrição : 05/01/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Pallando em Sab Dez 17, 2016 10:22 pm

Realmente era uma surpresa ver Rosso não distribuir punições ou dar um sermão maior, mas nem tanto. O discurso sobre deixar passar impune desta vez e nunca usar o "dividir e conquistar" se encaixavam bem na imagem que o evo tinha do comandante. Não duvidava de sua dureza ou comprometimento dele, mas ainda assim o julgava "gentil" o suficiente para perdoar alguns erros.

- Sim, senhor.- Respondeu atento aos detalhes fornecidos sobre a pasta para queimadura que deveria encontrar. Estranhou o som que a palavra "senhor" tinha ao sair de sua boca.

Assim que o comandante entrou na sala, Marin esperou por Chui, que felizmente dizia para Ray que não ter problemas com a queimadura, depois assentiu com cabeça e seguiu com o caçador. Quando chegaram na sala médica o evo apressou-se em ajudar Chui com o curativo, mesmo que estivesse receoso em faze-lo, afinal poderia errar e piorar ainda mais o estado da queimadura, mas tudo correu bem.

Seguiu todas as instruções do caçador e sentiu-se grato por ter certeza de que estava fazendo tudo direito dessa vez. Fazia o que era ensinado enquanto prestava atenção no que Chui dizia ao mesmo tempo, mas parou por um breve momento quando a pergunta de Chui o pegou de surpresa.

Novamente não soube ao certo o que responder pois, se realmente havia algo errado, não saberia expressar com palavras o que era.

- Apenas uma sensação de estranhamento, mas acho que é natural e inevitável no meu caso. Nada preocupante.- Respondeu enquanto voltava a fazer o que Chui ensinara. Estava grato pela simples pergunta, mesmo não tendo uma boa resposta para dar em troca.- Obrigado. Logo encontro alguma coisa, como um médico...ou não. Darei um jeito.
Gakky
Mestre Jedi
avatar
Mestre Jedi

Mensagens : 1254
Data de inscrição : 08/07/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Gakky em Dom Dez 18, 2016 8:39 pm

-> Cena Deck superior (Ray e Gail)

Depois de rir de sua guarda-costas, Gail responde as perguntas dela enquanto varriam:

- Ahn... Até que fomos bem na limpeza, apesar de ficarmos perdidos no começo. Marin sabia tanto quanto eu. Mas não tivemos problemas entre nós, ele é calmo e teve boas ideias - Gail olha para outro lado quando responde a última pergunta - Er... Não tem sido como imaginei, até agora só limpamos, não posso dizer que foi divertido... Mas tudo bem, não pense que estou desistindo.

Então continuaram a limpeza até o momento em que Ray grita por quase cair. Enquanto a segurava, o príncipe comenta:

- Eu só estava tentando ajudar. Não tenho culpa de você ter pernas curtas, sem mim não alcançaria o monitor nem saltando.

Depois da guarda-costas limpar o monitor, seu protegido a coloca de volta no chão lentamente com muito cuidado para que não caísse. Os dois terminaram de limpar todo o deck superior e quando iam para baixo, Gail interrompe Ray de continuar o seu caminho. A garota estava com as costas perto da parede, quando ele apoiou a mão nessa mesma parede ao lado do rosto dela, isto fez com que os dois ficassem um de frente para o outro.

- Você é mesmo legal - Comentou Gail com um sorriso sincero - Limpou sozinha o lugar mais difícil.

Em seguida ele se afastou normalmente e se encaminhou para o andar de baixo junto com a garota. (Ver última cena)

-> Cena Sala Médica (Chui e Marin)

Marin e Chui trabalhavam bem juntos, pareciam ser amigos de longas datas. Se a irmã de Chui o visse limpar desse jeito tão esforçado, ficaria orgulhosa, já que limpeza nunca tinha sido o forte dele. Os dois terminam de limpar a sala médica e vão para o lounge.

A queimadura de Chui já tinha parado de doer, esse tipo de emplastro fazia efeito muito rápido e permitia que a pele se regenerasse gradualmente. Daqui há alguns dias, sua queimadura iria ter uma ótima cicatrização. Quando chegaram ao lounge, perceberam que era um lugar amplo, havia bancadas de cozinha na parede, geladeira e armários. Além disso, ainda havia um sofá para três lugares e uma poltrona. O chão do lounge descia um degrau antes de chegar a parte dos sofás. Uma mesa de jantar se localizava em frente a grandes janelas, que mostravam o universo lá fora. Era uma paisagem incrível que poderia ser fechada ao pressinonar um botão. Seria um bom lugar para meditar apenas apreciando o cenário. Dos lados estavam as passagens para entrar nas capsulas de escape, havia seis delas. Chui e Marin ainda descobrem que se apertar um botão, um monitor suspenso surgia de frente para o sofá de três lugares. Deveria dar para assistir algo nele.

Os dois terminaram de limpar o lounge com um bom trabalho de equipe, depois voltaram para o corredor, onde vão limpar os quartos. (ver última cena)

-> Cena Lounge (Chui, Marin e Ray)

Os primeiros a chegarem nos quartos foi Gail e Ray. Depois Marin e Chui aparecem. Os quatro varrem e tiram poeira dos quartos, sacodem os lençóis, os colocam para lavar e finalmente terminam a tarefa. Gail e Marin não tiveram problemas nessa parte, pois tinham orientação dos colegas. O grupo avisa ao comandante que terminaram. Novamente Rosso estava com os cabelos bagunçados, dessa vez ele os libera para tomarem banho. Primeiro foram os três rapazes, pois o único compartimento de banho possuía três chuveiros sem divisória entre eles. Enquanto isso, Ray esperava em seu quarto ou no lounge. Mas Ray não deixou de alertá-los sobre como usar o painel do chuveiro. (Se os rapazes quiserem falar algum comentário um com o outro durante o banho, podem descrever).

Não demorou para ser a vez de Ray tomar o seu banho. Depois o comandante os guiou para o lounge e disse para se sentarem à mesa. O lounge era amplo, possuía sofás, móveis de cozinha e uma mesa perto de grandes janelas que mostravam o universo lá fora (ver cena de Marin e Chui para maiores detalhes). Gail foi o primeiro a se sentar, ao seu lado sentou Ray. Chui ficou ao lado da guarda-costas e o evo sentou ao seu lado. Rosso pegou alguns pacotes brancos do armário e os colocou dentro de uma espécie de microondas.

Vocês se sentem cansados depois de tanto trabalho, as pernas doíam, o estômago roncava e o corpo já estava começando a cobrar por uma boa noite de sono. De vez em quando, um bocejava enquanto esperavam o jantar. Era visível principalmente o cansaço do príncipe, que deitou a cabeça sobre a mesa e fechou os olhos. Rhaenee notou que seu protegido estava cochilando. Chui era o menos afetado, pois estava acostumado a passar por situações mais extremas, porém ansiava pelo jantar.

Rosso voltou e entregou um pacote para cada um, assustando o príncipe, que acordou de seu sono um pouco espantado. O comandante também trouxe copos e uma garrafa. Ele rasgou um pacote pequeno e derramou o pó dentro da garrafa. Depois de por a tampa e agitá-la, serviu a todos um suco de cor azul.

- Podem comer, esse é o jantar de vocês, é só abrir - Disse o comandante sentando-se a mesa também, em uma cadeira de frente para vocês.

Quando abrem o pacote percebem que é um tipo de kit militar. Havia um prato com uma película por cima, que podia ser retirada, do tipo daqueles pratos militares com divisória. Também tinha talheres descartáveis que vinham acompanhando o kit. A comida é normal ao estilo de Primus, havia um pouco de espuma de queijo, pudim de peixe, tofu esferificado e uma sobremesa deliciosa: uma salada de frutas em cubo. Rhaenee logo lembrou que o príncipe odiava pudim de peixe. Não demorou muito para Gail se queixar, assim que viu o seu prato, fez uma careta e reclamou desanimado:

-Argh... Tinha que ser logo pudim de peixe...

- Gail... - Comentou o comandante - Durante a missão você vai descobrir que o melhor tempero é fome.

O grupo começa a comer, embora Gail estivesse deixando o pudim de lado. Enquanto comem, Rosso explica algumas coisas:

- Amanhã precisamos resolver um problema do grupo. Nós temos 4 soldados, Gail e Ray possuem seus gudans, mas os outros não. Eu não posso ir em missão sem que todos os meus soldados tenham um gudam. Por isso iremos treinar pela manhã, tenho alguns relógios aqui e vou ensinar Marin e Chui a pilotar. É claro que temos pouco tempo para isso, mas o básico não tem mistério. Tem um simulador na nave que vai nos ajudar. Como comandante, eu tenho controle sobre todos os gudans, caso alguém faça alguma burrice, posso ter o controle a partir do meu gudam. Por isso devem dormir logo depois do jantar, nada de conversinhas. Já escolheram qual quarto vão ficar?

Marin tentava ouvir o comandante, mas estava exausto. Havia acontecido muitas coisas em um único dia, era até um pouco estressante tantas informações de uma vez. Ele usava a mão esquerda para segurar seu copo, ainda estranhava seu braço mecânico. Seus olhos piscavam querendo se fechar, de repente o evo se viu no meio de vários flashs, podiam ser sonhos ou memórias. Nos flahs ele se vê amarrado em uma cama médica enquanto algumas pessoas manuseavam seu braço com aparelhos estranhos. Uma luz forte vinda do teto ardia seus olhos. Sentia-a assustado e nevoso. Porque aquelas pessoas o prendiam ali? Alguns flashs o levaram a ver o rosto da jovem de cabelos castanhos. Marin havia se desligado da realidade, quando voltou a si, estava tão desorientado e nervoso que a mão que segurava o copo se fechou com força quebrando-o. Pedaços de vidro encravaram em sua mão, um sangue vermelho começou a transbordar e pingar sobre a mesa branca. O evo olhou para os que estavam ao redor e não os reconheceu. Marin também não conseguia se lembrar de nada que havia acontecido durante o dia.

Os outros da mesa percebem o acidente que evo acabava de sofrer, notam que ele tinha quebrado o copo com sua própria força, que parecia confuso e que uma grande quantidade de sangue escorria de sua mão.




OFF:

- Vou usar gudam para me referir aos robôs gigantes.
- Para consultar o mapa: http://www.novaerarpg.com/t1882-mapa-de-seleucia
Imagem bônus: (salada de fruta)

Spoiler:
Luxi
Moderador
avatar
Moderador

Mensagens : 956
Data de inscrição : 02/03/2016

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Luxi em Seg Dez 19, 2016 2:42 pm

Ray não sabia tanto sobre os evos, então não tinha pensado que ele podia não saber como fazer limpeza. Dividia o mundo de uma maneira simplista: nobres e não-nobres, e a segunda categoria sabia praticamente fazer as mesmas coisas básicas de sobrevivência, era o que achava. Sorriu com a resposta do príncipe. Estava empenhado em viver uma vida comum, mesmo que só por um tempo.

- Limpar não é divertido, mas é muito importante. Tem a ver com pensar no próximo, o espaço que outra pessoa irá usar depois. E agora já sabemos que o comandante quer que trabalhemos como um time. Além do mais, vamos nos tratar como iguais, pois passamos pelas mesmas tarefas juntos. Ninguém vai ter medo de te chamar de Gail, por exemplo.

A guarda-costas deu sua pequena lição, com um sorriso. Gostava de fazer isso sobre as pequenas coisas.

(...)

- QUEM AQUI tem pernas curtas? - ela esperou voltar para o chão para bater nele com o pano. - Hein!? Hunf.

Apesar de ralhar com ele como se não se importasse, ela ficou olhando para baixo, medindo e checando se havia algo de errado com as pernas. Era baixinha, sim, mas suas pernas eram proporcionais, não eram!? Fez um muxoxo, irritada.

- Tá, para de brincar e vamos lá pra baixo e... eh!?

Ela o fitou, corada, primeiro porque não esperava aquela ação e proximidade,  depois, porque ele tinha percebido que escolhera de propósito o banheiro sozinha. Desviou o olhar e deu um pequeno sorriso em agradecimento.

(...)

Quando avistou Chui, Rhaenee fez um sinal de positivo/negativo, perguntando se ele estava bem e só depois foi trabalhar normalmente. Estava gostando daquele grupo. Talvez por todos serem de funções diferentes, não havia arrogância militar nenhuma.  Ela aguardou pacientemente sua vez, alertando antes sobre os botões do chuveiro, mas foi um grande alívio quando pôde tirar o cheiro de produtos de limpeza e também amolecer a tensão muscular com água morna. Pronta, foi logo para o jantar, tentando parecer pronta para outra, embora não fosse nada verdade. Agora, observava Gail cochilando e  sorria por dentro. Ah, se ele realmente soubesse que isso não tinha sido nada...

- Já estava sonhando com a cama do palácio? - brincou com o príncipe quando ele acordou de sobressalto.

Ray não se surpreendeu com a comida, pois já sabia que funcionava dessa forma e tentou não expressar nada, mas olhava para o príncipe esperando sua reação. Sorriu com a afirmação do comandante. Era a mais pura verdade.

- Hoje posso trocar algo do meu prato pelo seu pudim. Depois eu te cobro um favor - sussurou a Gail no comecinho da explicação e sorriu. Adorava aqueles joguinhos de desafio.

- Que legal, gudans! - ficou empolgada com o anuncio do gudans. - Ah... eu meio que tinha deixado minhas coisas em qualquer quarto, mas... Ah!

O primeiro movimento que fez ao ouvir o barulho foi tentar proteger o príncipe, levantando-se, mas logo viu que tinha sido um copo estourado pelo evo.

- O que... o que aconteceu?  Sangue! Marin! Chui, você limpou a sala médica, vá pegar uma gaze ou algo assim. Marin, vamos lavar isso...

A garota estava um pouco desnorteada, mas disposta a ajudar com o que quer que fosse, chegando ao lado do evo e lhe tocando o braço. Não sabia por que tinha acontecido, mas queria agir.
Tsumai
Cavaleiro Jedi
avatar
Cavaleiro Jedi

Mensagens : 276
Data de inscrição : 28/10/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Tsumai em Seg Dez 19, 2016 8:28 pm

Mesmo estando acostumado com uma rotina de exercícios e funções assim, Chui estava cansado já quando foi limpar o quarto. A diferença é que por ser comum a ele, seu corpo não demonstrava tanto. Mas ainda assim era um serviço enjoado de fazer, principalmente pela parte da poeira, e ficou aliviado quando terminaram e foram tomar banho. Fechou os olhos no chuveiro e deixou a água bater em seu rosto, mesmo sendo um pouco fria era reconfortante e revigorante.

- Nossa, que delícia! - exclamou ele, mas não fez nenhum outro comentário. Apesar de não se importar de tomar banho junto com outros (que aliás era um costume militar), Chui não sabia se Gail ficaria envergonhado ou algo assim, então preferiu não puxar assunto. Quanto a Marin, sabi que pouco se importava com coisas desse tipo, ou ao menos imaginava que o evo pensava dessa forma.

Quando voltaram ao lounge (que estava bem limpo, fazendo Chui estufar o peito de orgulho) sentaram nas cadeiras à mesa, sentindo o cansaço bater de vez. O garoto deixou escapar alguns bocejos, mas, se precisasse, aguentaria mais uma ou duas horas acordado (a menos que fosse para ouvir Rosso falar, mas, pela aparência do comandante e seus cabelos desalinhados, este devia estar dormindo anteriormente). Recebeu sua comida e sentiu um tanto eufórico: mesmo que a aparência não agradece à maioria das pessoas comuns, Chui tinha um estranho desejo de experimentar comidas exóticas, e aquela dali era novidade para ele. Comeu com vontade e em porções grandes, chegando a se engasgar em um momento. A comida não era lá essas coisas, mas por ser algo novo ao paladar dele o deixou satisfeito, principalmente o pudim de peixe.

Terminada a refeição, aí sim os olhos de Chui pareceram ficar pesados e ele piscou seguidamente, porque além da comida Rosso estava preparando algum discurso; mas o garoto despertou um pouco quando ouviu o comandante citar os gudan, e isso o deixou extremamente empolgado! Nunca pilotara um mas sempre tivera a curiosidade. Será que ele conseguiria? Bom, não devia ser difícil assim, se não Rosso não deixaria nas mãos de destreinados. Já estava fantasiando com batalhas estelares em robôs colossais quando ouviu o estilhaçar do copo, e dessa vez ele ficou completamente desperto.

- Marin? - Chui se lembrou que anteriormente o evo parecia esquisito, distante, e agora essa cena. O que estava acontecendo? Alguma reação com o lugar que estava? Chui ia se aproximar, mas com a ordem de Ray ele lançou um olhar assustado e preocupado para o evo antes de correr desembestado até a ala médica para procurar o curativo.
Pallando
Troubleshooter
avatar
Troubleshooter

Mensagens : 790
Data de inscrição : 05/01/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Pallando em Ter Dez 20, 2016 2:06 pm

Da sala médica até o momento do jantar, Marin continuara limitando suas palavras como sempre, mas esforçando-se para não passar a impressão de estar distante de novo. Havia gostado bastante do lounge, com o grande sofá e as passagens para as seis capsulas de escape, e principalmente da visão proporcionada pelas janelas em frente uma mesa. Uma visão digna de apreciação, inspiradora de certa forma, mas que não fazia nada além de obriga-lo a se perguntar o que fazia ali. Os botões para fechada da janela e aparição do monitor não o agradaram, deixando-o incomodado por imaginar as engenhocas não vistas que provavelmente faziam tudo aquilo acontecer.

Depois do lounge e do encontro com Ray e Gail nos quartos, onde finalizaram a tarefa dada e limparam as acomodações sem maiores problemas, Rosso finalmente libera-os para o banho. E até onde o evo conseguia se lembrar(obviamente não muito) esse seria seu primeiro banho, mas pouco lhe deu importância. No máximo serviu-lhe para descansar um pouco, afinal estava mais cansado do que esperava depois de tudo aquilo. Quando todos haviam terminado o comandante os guiou de volta até o lounge, retorno que agradou Marin pois poderia apreciar a vista do espaço mais uma vez. O Evo sentou-se ao lado de Chui e relaxou no sofá, embora não tanto quanto Gail, aguardando pacientemente enquanto observava Rosso preparar alguns estranhos pacotes brancos, que na verdade era o jantar. O pó chacoalhado dentro da garrafa, aquilo que viria a ser o suco azul, também teve todo o processo bem observado pelo evo curioso.

Gail comentou algo, Ray sussurrou outra coisa e Rosso retrucou, mas Marin não captou nada. Não por não querer ouvir, pois sempre insistiria em ouvir as conversas mesmo quando irrelevantes, mas por que estava cansado demais. O comandante começou a falar sobre algo que parecia ser importante e a única coisa que o evo conseguia fazer era lutar para se manter acordado, pois seus olhos insistiam em querer fecharem-se. E então começaram os flashes.

Mais uma vez amarrado em uma mesa médica, a visão de seu braço sendo manuseado por aparelhos lhe era agonizante, principalmente por estar preso enquanto assistia àquilo tudo. A luz forte que ardia em seus olhos o irritava, fazendo crescer o nervosismo do evo que já via-se assustado. Entre os flashes e a confusão, o rosto da jovem de cabelos castanhos veio-lhe como principal foco de atenção, uma das poucas imagens que não lhe trazia somente sentimentos ruins. Mais uma vez seu rosto parecia ser a última coisa que veria.

~~~X~~~

A primeira coisa que sentiu ao acordar foi dor, totalmente concentrada na mão em que o líquido vermelho já escorria. Seu olhar foi automaticamente levado ao ferimento causado por...pedaços de vidro. Como? Por quê? Era como despertar de um pesadelo trazendo o nervosismo e um pouco de medo consigo, sentimentos que somente se ampliavam conforme olhava ao redor e via um bando de pessoas que pareciam quase tão surpresas quanto ele. Não reconhecia nenhuma delas e isso fazia seu coração acelerar fortemente.

"Marin!", ouviu de um deles. Assim que seu braço foi tocado, seus olhos se cerraram e a mão metálica impulsivamente se fechou. Eram quatro os "inimigos" e o ideal seria lidar rapidamente com o mais forte enquanto pareciam estar despreparados, mas o Evo tinha raiva e era impulsivo, além de não ter tido tempo para pensar a respeito. Se não encontrasse um motivo para recuar ou se não nenhum deles fosse realmente forte, o evo lidaria com toda a situação por meio da brutalidade desenfreada.

Usou os pés para chutar a mesa sobre aquele que vestia um uniforme para ganhar tempo, atrasar sua reação, e não se importou em deixar um deles correr para a dita "sala médica", afinal um combate contra todos de uma só vez era exatamente o que queria evitar. O outro, aquele de cabelo prateado, não parecia ser uma ameaça. Normalmente, seguiria com a ofensiva independente de a garota demonstrar intenção de reagir ou não e provavelmente tentaria nocauteá-la no primeiro golpe, no entanto não foi assim que aconteceu.

Obviamente havia diferença, mas sem sequer dispor de tempo para analisa-la, para o reflexo de uma mente confusa ela era apenas uma jovem de cabelos castanhos. Não quis seguir com um ataque direto contra o rosto dela. O punho se desfez e o plano do evo mudou.

Tentou usar a mão metálica para agarrar a jovem pelo pescoço e ergue-la ou prende-la contra o chão. Tentaria rende-los sem precisar enfrenta-los, fazendo isso por meio de uma refém.
Gakky
Mestre Jedi
avatar
Mestre Jedi

Mensagens : 1254
Data de inscrição : 08/07/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Gakky em Qua Dez 21, 2016 2:43 pm

O jantar acontecia tranquilamente, Rosso estava falando com o grupo, enquanto o príncipe respondia a proposta de Ray, sussurrando e com um sorriso esperto:

- Se o favor não for limpar algo, eu aceito...

Porém algo estava errado, Marin não estava em seu estado normal. Ray viu todo aquele sangue e se aproximou imediatamente do evo, Chui saiu correndo em direção a sala médica. De repente Marin chutou a mesa para cima de Rosso, que não conseguiu esquivar. Enquanto o comandante tentava se levantar, o evo sentiu o toque da garota e tentou agarrá-la pelo pescoço com sua prótese.

Ray sente a prótese fria de Marin encostar no seu pescoço e percebe imediatamente a intenção desse gesto, antes que o evo tivesse tempo para fechar a mão, a garota se esquivou com movimentos rápidos e livrou-se antes que estivesse suspensa. O cansaço não havia comprometido os reflexos de Ray. Gail viu tudo e ficou nervoso, se levantou e exclamou preocupado:

- Ray!

O príncipe saiu de seu lugar e correu para cima do Marin com um soco preparado. Porém o evo desviou desse golpe e o rapaz passou direto para o outro lado, perto das janelas. O comandante já tinha conseguido se levantar depois de empurrar a mesa de cima dele para o lado.

- Marin! - Gritou o comandante se colocando na frente de Ray com a mão pousada na bainha de sua espada - O que pensa que está fazendo?

Logo Chui volta para o lounge com a mão cheia de gazes e emplastros. O caçador vê uma cena estranha quando chega, a mesa de jantar estava jogada no chão junto com a comida. No outro canto, Rosso estava entre o evo e Ray, e tinha a mão pousada sobre a bainha de sua espada. Já Gail estava próximo as janelas e se virava de volta na direção de Marin. Chui sente uma tensão no ar, mas vê que a mão do evo ainda sangrava.

- Não vou permitir que machuque a Ray! - Exclamou Gail em posição de combate.

De repente Marin sente que aqueles rostos lhe eram familiar, principalmente a expressão do comandante e o rosto do garoto que chegava com as gazes. Apesar da dor do corte, ele força sua mente para se lembrar (Role teste de vontade dado 10, CD5, se passar, ele se lembrará de todos e do dia). O sangue do evo fazia um rastro no chão e escorria generosamente por seus dedos, os cacos de vidro ainda estava encravados na sua carne.




OFF: Todos rolem um teste de iniciativa, se forem atacar, rolem também antes de postar. A iniciativa é para garantir a ordem da batalha, caso tenha uma. Definirá quem foi mais rápido em aplicar o golpe, caso tenha golpe.

Todos os ataques aqui são considerados desarmados, exceto do comandante. Vou considerar que a arma de vocês está junto com as malas no corredor. Da próxima vez que forem andar armados, avisem nos posts. Melhor assim, acho.

Ataque desarmado: É um ataque normal, mas sem o bônus de ataque da classe.
Luxi
Moderador
avatar
Moderador

Mensagens : 956
Data de inscrição : 02/03/2016

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Luxi em Qua Dez 21, 2016 5:47 pm

Rhaenee arregalou os olhos, assustada. Quando Marin chutou a mesa, primeiro assumiu que tinha sido por um reflexo à dor. Mas não. Sentiu o corpo gelar por dentro, de medo, mas principalmente o pescoço. Nunca tivera contato desse jeito com a prótese de um evo.

Evos são temidos. Por um motivo.

Foi o que passou em sua mente por uma fração de segundo e, por um tipo de milagre, suas pernas se afastaram sozinhas, enquanto ela colocava a mão no pescoço, simplesmente concluindo o que teria acontecido se ela não afastasse. Evos eram muito fortes. Mais um segundo e talvez ela...

- GAIL, NÃO FAÇA ISSO!

Não esperava uma ação explosiva de Gail, tampouco conseguiu reagir e correr atrás dele antes de ele tentar dar um soco no evo. Por sorte, ele havia falhado. Não queria Marin irritado. Por que tudo isso estava acontecendo? Tinha julgado mal o caráter do evo?
Agora estava atrás do comandante e, embora seu coração continuasse disparado, pelo menos tinha esperança que Rosso fizesse alguma coisa.

- Por favor, não lutem com ele... Ele precisa de uma chance para se explicar! Marin, por que está fazendo isso?

Depositava a última confiança naquela pergunta. Rhaenee ainda não conseguia acreditar que Marin era um tipo de traidor infiltrado, ainda que as coisas fossem evidenciadas assim. Se o príncipe tivesse sido o escolhido do evo para o ataque, as coisas seriam diferentes.

Tsumai
Cavaleiro Jedi
avatar
Cavaleiro Jedi

Mensagens : 276
Data de inscrição : 28/10/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Tsumai em Qua Dez 21, 2016 8:43 pm

Chui corre pela nave desenfreado enquanto tentava entender o que aconteceu, mas sem sucesso. Pegou rapidamente várias ataduras e tudo que encontrou para fazer curativos e voltou na mesma velocidade em que fora, mas a cena que viu quando voltou foi ainda mais surpreendente do que antes: o lugar estava bagunçado, a mesa virada com a comida espalhada pelo chão, todos com cara de assustados e Rosso em posição de combate, entre Marin e Ray. Chui não entendeu muito bem o que estava acontecendo, mas aparentemente Marin fez alguma coisa absurda, para levar Rosso àquele estado; até Gail estava com um olhar furioso no rosto. Mas que diabos estava acontecendo? Será que a ferida na mão do evo o despertou pra alguma coisa?

- Ah... o que aconteceu aqui?

Chui estava parado à porta, os olhos arregalados, o semblante confuso e os curativos bem seguro nas mãos.
Pallando
Troubleshooter
avatar
Troubleshooter

Mensagens : 790
Data de inscrição : 05/01/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Pallando em Sex Dez 23, 2016 11:43 am

Logo uma situação que parecia desenhar-se favorável para o evo se tornou uma verdadeira complicação. Chegara tão perto de agarrar o pescoço da garota que já até sentia ter tudo sob controle, mas para sua surpresa e espanto parecia ter subestimado a jovem, que demonstrou ter reflexos treinados ao esquivar-se de sua mão. A mão metálica agarrou o ar, surpresa essa que o deixou momentaneamente sem reação.
Não houve tempo para raciocinar uma vez que o garoto de cabela prateado, o mesmo que antes julgara ser um não combatente, avançou tentando acertar-lhe um soco. O evo esquivou o corpo para trás e viu o rapaz passar direto para o lado das janelas, mas nesse curto tempo o que estava uniformizado já havia se livrado da mesa. A frustração inicial fez sua raiva crescer.

"Marin!", ouviu mais uma vez. Seu olhos foram de encontro ao uniformizado que o chamava, agora posicionado entre ele e a jovem que tentara atacar. O uniformizado tinha a mão pronta para pegar sua arma, mas não o fazia. A jovem, mesmo depois de ser atacada, tentava impedir o de cabelo prateado de ataca-lo mais uma vez. Tudo aquilo irritava o evo e o deixava ainda mais confuso. Por que pareciam hesitar em ataca-lo? Como sabiam seu...nome? Antes que pudesse começar a pensar em respostas, o outro rapaz retornou da sala médica.

Algo mais começava a incomoda-lo àquela altura. Aqueles rostos, as expressões, tudo lhe era familiar demais. Mantinha-se em guarda, preparado para reagir aos possíveis ataques, mas seus esforços estavam focados na tarefa de lembrar-se de algo. A agonia e a irritação o fizeram fechar os olhos, como se forçar os olhos fosse ajuda-lo a se lembrar de algo, praticamente ignorando a dor em sua mão.

Marin, começou com o seu próprio nome...Ray, o nome pelo qual o rapaz de cabelo prateado havia chamado a jovem há pouco tempo...o rapaz de cabelo prateado...Gail. Chui e Rosso eram os nomes que procurava. Cada nome se encaixava nos rostos que via e traziam memórias relacionadas a eles, como se uma coisa puxasse a outra. Lembrou-se de Rosso à sua espera na nave enquanto o palácio ruía, do convite de Chui para se tornar o ajudante, da tentativa de Ray de ajuda-lo com a coleira de choque e da conversa com Gail durante a limpeza. Lembrou-se de tudo.

Marin olhou ao redor, finalmente acordando do pesadelo e ainda em tempo de ouvir a pergunta de Ray. "Por quê?" ela perguntava, e a pergunta fez o evo sentir o medo de verdade pela primeira vez. Olhou para a prótese por um breve momento, sentindo uma imensa repulsa ao objeto metálico...objeto que quase alcançou a garganta de Ray. Sentia os olhares confusos que despertavam nele algo novo. Seria vergonha?

De qualquer maneira, não havia mais hostilidade alguma no olhar ou na postura de Marin.

- Eu...- "Não sei"? O evo era ingênuo nesse aspecto, mas não tanto para não saber como essa resposta soava ridícula. Sequer conseguia encarar Ray nos olhos para responder.- Eu vi alguns flashes e...depois não me lembrava de nada. Não me lembrava de ninguém...- Sabia muito bem do peso que aquelas palavras carregavam. Marin deixou-se cair de joelhos em um gesto de rendição.- O resultado disso...eu vou entender.
Gakky
Mestre Jedi
avatar
Mestre Jedi

Mensagens : 1254
Data de inscrição : 08/07/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Gakky em Sex Dez 23, 2016 1:55 pm

O comandante ouviu as palavras de Marin com uma expressão seria e indecifrável. Quando o evo abaixou-se rendido, Rosso tirou a mão da bainha de sua espada e disse:

- Perdeu a memória... Imagino que deve ter achado que eramos inimigos... Chui, traz aqui essas gazes. Depois falamos de consequências, agora só quero resolver tudo isso.

Gail ainda estava desconfiado e não tirava os olhos do evo, como se esperasse alguma reação. Rosso suspirou, passou a mão nos cabelos para trás, como era seu costume quando estava nervoso. Ele pegou o material que o caçador trouxe e disse:

- Chui, o que aconteceu foi que do nada Marin jogou a mesa para cima de mim e tentou enforcar a Rhaenee. Parece que foi uma perda de memória que causou tudo isso... - Em seguida falou para todos- Mas fiquem afastados.

Rosso abaixou-se em frente ao evo e olhou nos olhos dele como se tentasse analisá-lo. O comandante pegou o pulso do evo, ainda mantendo o olhar nele, avisou:

- Isso vai doer, espero que não tente me enforcar... Se sentir algo diferente ou sentir que vai perder o controle, me avise... Enquanto isso, me diga o nome de cada um que está nesta sala para que eu possa checar sua memória.

Rosso tirou com a própria mão os cacos de vidro enterrados na mão do evo, em seguida tentou juntar a pele que estava cortada, pegou um emplastro e o abriu colocando sobre o ferimento e apertando para que o corte fechasse. Enquanto fazia isso, o comandante hesitava a cada momento e voltava a encarar o evo como que se prevenindo por qualquer reação.

O príncipe aproveitou o momento para se aproximar de Ray, dessa vez com os braços mais relaxados, a puxou pelo pulso, devagar, não era como se tivesse obrigando, afastou-se mais de Marin e sussurrou a garota:

- Ele chegou a te machucar? Não quero que fique perto dele.

Depois que terminou de enfaixar a mão do evo, o comandante se levantou e começou a falar:

- Acredito que agora é seguro.  Mas não se aproximem muito... Como ele perdeu a memória de repente, é preocupante... Se isso pode acontecer a qualquer momento, todos corremos perigo.

Rosso colocou a mão perto do queixo, pensativo, tentava avaliar a situação.

- Marin, você sabe se foi por causa do corte que esses flashes começaram? Estava irritado antes? Quero saber se foi uma reação a dor, tente me explicar o que o deixou assim. Acha que podemos confiar em você agora? Responda sinceramente, eles são seu amigos, não acho que queira que eles fiquem em perigo.




OFF: Se precisar, usarei um npc para responder antes de fechar o turno.
Tsumai
Cavaleiro Jedi
avatar
Cavaleiro Jedi

Mensagens : 276
Data de inscrição : 28/10/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Tsumai em Dom Dez 25, 2016 7:01 pm

Chui soltou um "quê??" mentalmente diante da explicação de Rosso, mal acreditando que isso fosse possível. Mesmo que a mesa estar naquele estado e a expressão de todos os presentes indicasse que era real, Chui não conseguia conceber. Por que Marin faria aquilo? O garoto se aproximou do evo, um tanto espantado e receoso, mas não com medo; talvez por não ter presenciado a cena não tenha constatado o real perigo da situação ou mesmo sua gravidade. Mas ainda assim Chui não se aproximou demais, até para não desobedecer as ordens de Rosso.

- Mas... isso aconteceu mesmo? É sério? - Chui olhava para o comandante e para Marin como se buscasse uma confirmação em que ele pudesse acreditar.

O evo estava ajoelhado ao chão, aparentemente deprimido. Chui não deixou de sentir pena e compaixão pelo rapaz; não sabia pelo que ele tinha passado, ou que memórias ele guardava para engatilhar aquela situação. E por não ter visto ataque de Marin aos companheiros não conseguia sentir medo ou raiva... apenas queria conversar com o evo.
Luxi
Moderador
avatar
Moderador

Mensagens : 956
Data de inscrição : 02/03/2016

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Luxi em Dom Dez 25, 2016 7:35 pm

Rhaenee suspirou quando o evo contou o que tinha acontecido. De alguma forma ele tinha conseguido acessar suas memórias. Então a amnésia que ele tinha quando os encontrou poderia acontecer de novo? Poderia esquecer-se de todos eles de repente e tentar atacar? Ray nao sabia o que desencadeava esse tipo de reação, e é claro que ficava com medo, mas sentia muita pena dele por ter perdido o controle daquela forma. Soava arrependido.
Enquanto os demais cuidavam dele, Gail a puxou para conversar em particular. Entendia a preocupação do príncipe, sentia-se um tanto importante por isso, mas não conseguia deixar de sentir muito pelo evo.

- Eu estou bem. Ele não conseguiu fazer nada... Obrigada por me ajudar. Você foi muito valente... mas espero que pense na sua segurança da próxima vez.

O tom de voz era suave, agradecido, mas apesar disso, sua preocupação com o que tinha acabado de acontecer ainda gritava em seu rosto. Olhou para trás, para espiar como estavam cuidando do ferimento de Marin.

- O que será que aconteceu com ele? As memórias que ele perdeu, a vida que tinha... tudo deve estar impregnado nele de alguma forma. Parece doloroso...

Pallando
Troubleshooter
avatar
Troubleshooter

Mensagens : 790
Data de inscrição : 05/01/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Pallando em Seg Dez 26, 2016 11:02 am

Uma parte do evo ainda prestava atenção ao que o comandante dizia, esperando o momento em que teria de responder mais perguntas, mas conscientemente tentava ignorar todo o resto. Mantinha a cabeça baixa, evitando os problemas que o contato visual com qualquer um ali traria, e deixou as mãos repousadas no chão. Mesmo quando Rosso aproximou-se e pegou-lhe o pulso para retirar os cacos de vidro, Marin continuou imóvel, sem que nenhuma reação partisse dele.

Obviamente sentia dor enquanto o rápido tratamento era feito, mas sua inexpressividade facial não seria afetada por tão pouco, ainda mais quando sua mente parecia tão dispersa.- Rosso, Ray, Chui e Gail.- Disse os nomes quase que automaticamente, logo depois de ouvir o comandante pedir por isso. Também não se importou com as hesitações de Rosso, afinal eram de se esperar.

Quando finalmente ouviu as perguntas do comandante, o evo levantou a cabeça e começou sua busca por respostas para dar. Eram questões de extrema importância, então outro "não sei" como resposta seria inadmissível.

- Já não me lembrava de nada quando quebrei o copo, então não foi o corte que causou isso. Posso apontar a exaustão, coisa que não estou acostumado a sentir, mas ainda é cedo para afirmar que seja isso.- A última pergunta era a mais importante, isso sem dúvidas, então tomou mais tempo para responde-la.- Não. Acho que não deveriam voltar a confiar em mim.
Gakky
Mestre Jedi
avatar
Mestre Jedi

Mensagens : 1254
Data de inscrição : 08/07/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Gakky em Seg Dez 26, 2016 9:12 pm

O comandante Rosso não responde os questionamentos de Chui, mas assentiu com a cabeça enquanto cuidava do ferimento de Marin. Uma situação dessas era complicado de se resolver. Todos sentiam-se apreensivos, talvez até sem fome, o jantar havia se arruinado. O príncipe ainda estava preocupado, ele não levava a sério o trabalho de sua guarda-costas, não falava, mas via isso apenas como uma desculpa para ter uma amiga ao seu lado. Ele não tira os olhos do evo quando responde aos comentários de Ray:

- Minha própria segurança... Desse jeito parece minha irmã falando... Obrigado por estar bem... Seus reflexos estão muito bons, você realmente tem se esforçado nos treinos... - O príncipe faz uma pausa e continua - Não sei o que aconteceu com o evo, só sei que se ele tentar te machucar de novo, eu não vou ficar parado.

Rosso termina de de cuidar do ferimento, e depois de fazer suas perguntas ouve a resposta de Marin. Gail ficou nitidamente surpreso com a resposta do evo, com certeza não esperava por isso, sua expressão de preocupado mudou para um semblante perplexo. Não era comum ver alguém condenando a si mesmo em vez de tentar se defender. Mas o comandante teve uma reação diferente, um sorriso discreto formou-se eu seus lábios. Sua voz estava confiante quando disse a Marin:

- Era tudo que eu queria ouvir. Você nos considera importantes o bastante para dizer isso, também é relevante para nós Marin. É um soldado, e como um soldado todos vocês são de minha responsabilidade. Não serei injusto e nem negligente.

Em seguida Rosso foi até a mesa caída e enquanto a levantava, explicou:

- Está muito tarde e todos precisam dormir para o treino de amanhã. Vocês vão limpar essa sujeira e se ainda quiserem jantar, é só pegar no armário. Mas depois todos para seus quartos, não quero ninguém me enchendo o saco com isso. Mas Marin, fique aqui no sofá, quero falar com você.

Rosso sentou em uma das cadeiras, olhou para vocês calmamente e continuou:

- O que estão esperando? Vão arrumar.

- Mas e o evo? Não será feito nada? - Perguntou Gail preocupado.

- Quanto ao Marin, é melhor que ele descanse. Eu já ia explicar... Talvez seja mesmo a exaustão que causou a sua perda de memória. Hoje foi como seu primeiro dia, deve estar estressado. Porém como ele mesmo disse, é um perigo para todos nós. Pelo menos enquanto não soubermos o motivo. Mas Marin aceitou as consequências, para a segurança do grupo, eu vou vigiá-lo durante essa noite, enquanto vocês dormem, estarei preparado para caso algo aconteça. Também quero observá-lo para ver se tiro alguma conclusão, quero saber seus sonhos, se terá pesadelos e outros detalhes. E a partir de amanhã, Marin deverá ficar sempre a minha vista, quando tiver que ficar sozinho, terei que trancá-lo em seu quarto até que pelo menos eu encontre uma solução melhor. Se sentirem ainda algum receio, podem trancar o quarto de vocês quando forem dormir... Mas o que estão fazendo parados me ouvindo? A audição não fica nas mãos. Sejam eficientes, ao trabalho! Exceto Marin, e nem pense discordar, sente-se e descanse. Não queremos que tenha outro surto.

Enquanto o grupo arrumava as coisas. Rosso faz questão que Marin descanse no sofá e comenta com ele:

- Tente relaxar, vou por uma cadeira no seu quarto e estarei lá até que acorde. Vou aproveitar para fazer relatórios da missão. Eu acredito que o que teve foi apenas um estresse. Quando for se acostumando, vai se sentir melhor. Só não podemos tirar conclusões agora. Amanhã vou ligar para um amigo, que é um médico excelente. Ele saberá o que fazer, está acostumado com casos diferentes. Mas faça sua parte, quero que durma logo, precisa estar bem para amanhã. Não quero ter mais dor de cabeça.

Chui, Ray e Gail arrumam a sujeira. Durante a limpeza, o príncipe ainda parecia preocupado e distraído, estava pensativo, tanto que nem reclamou de limpar, mas não quis terminar de jantar. Quando falam com ele, parece estar longe e presta atenção só depois de o chamarem mais de uma vez. Gail somente dirigiu a palavra a Chui uma vez, quando jogava os restos no lixo, perguntou em voz baixa ao caçador:

"- O que acha de tudo isso?"

Aqueles que ainda quiserem jantar, podem fazer se preferirem. Os três terminaram de limpar rápido, não tinha muito o que limpar. Depois vão para seus quartos, se vão dormir rápido ou não, descrevam. Mas um pouco antes de entrarem, quando chegarem ao corredor, Gail vai sussurrar para Ray: (Rolem dado 10 com CD 7 para ouvirem a conversa se quiserem - bônus de vontade)

"- Ray, não esquece de trancar sua porta por dentro. Não confio nele..."

O príncipe só vai para o seu quarto depois de verificar se Ray estava tomando as medidas de segurança, ele sabia ser teimoso. Dessa vez, Gail só consegue pensar em sua guarda-costas, esquecendo-se até da amizade com Chui e com Marin. Até seu sono havia ido embora.

Marin entra em seu quarto antes dos seus colegas, o comandante cumpre o que prometeu. Ele coloca uma cadeira ao lado de sua cama, se senta calmamente e começa a escrever em um tipo de prancheta digital. A expressão estava séria e indecifrável como antes. Não demorou para que lançasse um olhar para o evo e comentasse:

- Se tiver algum sonho, me conte assim que acordar. Agora vá logo dormir, facilite o meu trabalho, ok?

Apesar do jeito durão, quando o evo deitar, o comandante vai perguntar:

- Como está se sentindo? Quer falar algo agora que não está perto dos outros?




Qualquer conversa que quiserem ouvir desse tópico, que esteja em voz baixa, rolem dado 10 com bônus de vontade, CD7.
(Ontem fiz reparo de uns errinhos 26/12 - releiam quem viu antes disso)
Tsumai
Cavaleiro Jedi
avatar
Cavaleiro Jedi

Mensagens : 276
Data de inscrição : 28/10/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Tsumai em Ter Dez 27, 2016 9:55 pm

Chui ficou surpreso e intrigado com a resposta de Rosso; será que ele estava realmente de bem com Marin? Essa era uma situação complicada e incômoda que deixava Chui chateado e sem saber o que fazer. Queria poder resolver as coisas mas ele não tinha a capacidade, então apenas acatou as palavras do comandante e foi arrumar a cozinha. Ao menos o trabalho o distraía um pouco. Enquanto separava alguns cacos de vidro do chão, Gail tocou no assunto com Chui.

- Não sei... eu não vi a cena. Não consigo conceber muito bem... só espero que as coisas se resolvam.

Terminado o trabalho, Chui jogou todo o lixo fora, lançou um olhar para Marin e saiu para o seu quarto. Não tinha mias fome, mesmo que quisesse experimentar a comida, mas não havia mais clima para isso, então seguiu para o seu quarto. Não se preocupou em trancar a porta; se Rosso ia ficar mesmo com o evo não tinha com o que se preocupar. Chui revirou na cama algumas vezes antes de de conseguir dormir, tentando imaginar uma forma de ajudar o amigo. Sem conseguir nada, e quando o cansaço o venceu, Chui apagou em um sono recheado de sonhos incompreensíveis.
Luxi
Moderador
avatar
Moderador

Mensagens : 956
Data de inscrição : 02/03/2016

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Luxi em Qua Dez 28, 2016 2:58 pm

Dessa vez Ray apenas olhou para baixo e corou.

Ele parecia bem firme na decisão de protegê-la. Era uma sensação boa saber que alguém gostaria de defendê-la e estava disposto a se arriscar por isso. Mas ao mesmo tempo, sabia que significava que não podia deter o príncipe de fazer uma besteira. Aparentemente precisava andar armada. Não achava que Marin era uma ameaça, mas podia dizer isso com certeza? Era com tristeza que deveria começar a desconfiar.

Foi aí que o evo comentou exatamente sobre a confiança entre eles e a fez sentir um pouco de vergonha por estar vivendo esse dilema. Não conseguia dizer nada confortante a ele. Não podia garantir que não atiraria se precisasse proteger Gail. Ficou olhando a cena feito boba, sem conseguir encontrar palavras, mas no fim, tinham uma tarefa para fazer.

- Sim, senhor comandante - antes de sair, ouviu o questionamento do príncipe. Ele realmente ficaria de marcação para cima do evo? Isso seria uma pena, antes estavam se dando tão bem... E agora sentia que era responsável também, por ter sido a pessoa que o superestimou e deu uma área tão grande para limpar. Suspirou. A cabeça começava até a doer de preocupação. - O comandante tem razão. Vamos limpar, alte--... Gail.

Ela andou para arrumar as coisas, sem se importar em ouvir a conversa. Na verdade, não queria saber o que estavam conversando. Estava igualmente distraída, tanto que não percebeu que o príncipe e Chui conversavam. Estava triste por ser hipócrita na defesa do evo e então ser a primeira a desconfiar dele. Também não gostava do clima esquisito que tinha sido criado, mas além de tudo, não podia esquecer a sensação gelada no pescoço e os segundos de reação que a salvaram. Suspirava de tempos em tempos, avoada. Terminando, acompanhou o grupo para os quartos.

- Boa noite - falou vagamente para o grupo como um todo, até que Gail conversou com ela. Deu um sorriso fraco. Não queria que os dois deixassem de ser amigos, mas sabia que ele tinha razão -  ... Você também. - pediu, também em voz baixa.

- Boa noite, Gail - sorriu, notando que ele não voltaria para o quarto a menos que ela entrasse.

Ela trancou a porta como recomendado, e fez questão de levar a pistola para perto do travesseiro. Ficou sentada na cama um tempo,  pensativa, mas precisava dormir para o longo dia seguinte.
Pallando
Troubleshooter
avatar
Troubleshooter

Mensagens : 790
Data de inscrição : 05/01/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Pallando em Qui Dez 29, 2016 4:45 pm

Apesar de não deixar transparecer na face cansada, a atitude inicial do comandante bastou para surpreender o evo mais uma vez. Ainda não conseguia dizer se Rosso realmente acreditava nele ou se apenas levava as coisas daquela maneira para testa-lo, embora intuitivamente confiasse no comandante por tudo que ele já havia lhe feito. Enquanto ouvia as ordens aos outros, Marin continuou ajoelhado para que os outros não ficassem tensos, pois poderiam imaginar que ele atacaria de novo. Foi o tempo que precisou para se recompor um pouco.

Não sentiu raiva de Gail ao ouvi-lo o chamar por "evo", por que entendia a reação do príncipe. No entanto, Marin apenas conseguia ser tão compreensivo por se tratar de Gail, um dos quatro indivíduos que considerava como amigos.

Em seguida, pouco antes de todos os outros serem mandados fazer a arrumação, a medida adotada pelo comandante foi outra surpresa para o evo. Não só pelo trabalho que Rosso teria nesse processo, por vigia-lo e responsabilizar-se tanto, mas também porque a coleira de choque não foi mencionada. Marin encarou o comandante enquanto ele ainda explicava, atento a cada palavra como se não acreditasse no que ele dizia, e voltou a baixar a cabeça ao fim de tudo. Não sentia-se a vontade para dizer mais nada, mas naquele momento sentia-se imensamente grato.

Quando o grupo começou a arrumar, Marin não encontrou palavras para argumentar e sentou-se no sofá como Rosso lhe havia mandado fazer. Ouviu-o com atenção, embora seus olhos estivessem empenhados em observar os outros trabalhando, e quando o comandante mencionou seu amigo médico, o evo lembrou-se dos "médicos para memória" que Gail mencionara mais cedo. Talvez pudesse fazer disso uma de suas esperanças para redescobrir sua própria história.

Após o fim do serviço, Marin foi o primeiro a seguir para seu quarto. Ainda estava com os pensamentos inertes, efeito não só do cansaço físico como também da exaustão mental, como se ainda estivesse assimilando todo o desastre que o jantar fora. Também não havia clima para que cumprimentasse qualquer um dos outros antes de ir dormir. O Evo apenas deitou-se e olhou para o teto do quarto.

- Ok.- Respondeu quase sussurrando, sem tirar os olhos do teto. Tinha muito para pensar e pouca vontade para faze-lo, além de que, embora não tivesse dado atenção para isso antes, o que sentia era tristeza. Tristeza que o cansava mais do que todo o resto, e Marin não tinha ideia de como lidar com isso além do silêncio.

Porém, antes que fecha-se os olhos na tentativa de encerrar aquele dia, Rosso mais uma vez o pegou de surpresa com a pergunta. Marin o olhou com calma por um breve momento, sentindo a tristeza apertar, mas optou por se concentrar na gratidão que sentia. A partir dali o comandante teria sua confiança total.

- Obrigado.
Gakky
Mestre Jedi
avatar
Mestre Jedi

Mensagens : 1254
Data de inscrição : 08/07/2015

Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Gakky em Qui Dez 29, 2016 6:47 pm

--> Cena no quarto de Marin

Depois que Marin diz obrigado, ele percebe um sorriso discreto no rosto do comandante. Não demorou muito para que pegasse no sono, não teve pesadelos ou qualquer outro sonho, também não teve nenhum surto durante a noite e apesar de tudo dormiu bem. As horas da noite finalmente passaram. O relógio de Rosso marcava sete horas da manhã quando acordou o evo. Marin percebe que o comandante não parecia cansado e que enquanto arrumava o cabelo com os dedos, começou a falar:

- Marin, vou te dar um conselho. Não deixe que problemas digam o que você é. Somos nós que traçamos nosso próprio destino, então é bom que comece desde já a pensar no objetivo de sua vida. Você também vai precisar ganhar de volta a confiança dos seus amigos, e em si mesmo. Ouça bem o que vou dizer, não desista deles, sei que gostam de você. E mesmo que seja perigoso, nós vamos resolver isso. Para todo problema há uma solução. Ontem também fiquei surpreso com Gail, não esperava que ele agisse daquela forma, deve ser por isso que o conde implicou tanto com a Rhaenee, não suporta ver que o príncipe dá tanta importância a alguém sem status social. Esse lado de Gail, mostra que ele não é como a maioria dos nobres.

Havia uma janela no quarto, por ela era possível ver as estrelas do espaço. Rosso olha para a vista e comenta com o olhar distante:

- Se eu deixasse meus problemas dizerem o que eu era, nunca teria sido comandante. Todos duvidaram de mim, todos eram contra, menos uma pessoa... Eu mesmo. Venci todos os meus problemas, até os que pareciam impossíveis, e agora estou aqui. É um processo doloroso, se doer demais, pode me procurar. Mas isso não significa que vou pegar leve com você, ainda sou seu comandante. Agora vamos acordar os outros!

--> Cena para todos

O quarto em que dormiram era simples, só tinha uma cama de solteiro soldada no chão, um armário para guardarem suas roupas e uma escrivaninha. Os lençois são de cor cinza e o travesseiro branco. Em cada quarto há uma janela que dá para ver o espaço. Durante a noite, todos tiveram alguma dificuldade para dormir, alguns mais que outros. Chui teve sonhos confusos com tudo que aconteceu durante o dia, porém o sonho que mais lhe chamou atenção foi o que sua irmã aparecia pedindo ajuda no meio de uma guerra entre monstros gigantes e gudans. O caçador acordou quando um robô gigante ia esmagá-la, porém foi vencido pelo cansaço e conseguiu voltar a dormir. Ray não teve sonhos e conseguiu descansar durante a noite, embora tivesse dificuldades para dormir no começo, ela estava acostumada com a rotina militar e isso a ajudava.

Um alarme alto desperta todos de seus sonos. Era hora de acordar. O comandante já havia acordado e estava com Marin no corredor, também bateu na porta de cada um de vocês. Ray acordou assustada, mas rapidamente notou que era apenas o Rosso chamando. Ela não sentia-se mais cansada. Quando saiu de seu quarto, viu Gail e Chui saindo de seus quartos, porém notou que seu protegido parecia deprimido. Já Chui estava com o corpo descansado, embora o pesadelo ainda era muito vivo em sua mente. Marin já estava ao lado do comandante quando vocês saíram de suas cabines. Porém estava um silêncio incômodo enquanto caminhavam para o lounge. Apesar de ter ficado acordado a noite inteira, Rosso não parecia cansado.

No lounge vocês sentam ao redor da mesa. O lugar ainda lhes trazia lembranças da noite anterior. Rosso preparava o que seria o café da manhã de vocês. As grandes janelas do lounge estavam fechadas. Um relógio na parede marcava sete horas e dez minutos da manhã, embora no espaço não desse para sentir a diferença do dia e da noite. O comandante volta com o lanche e os entrega para cada um, sentando de frente para vocês. A comida era um tipo de sanduíche acompanhado de uma caneca com uma bebida cafeinada.

O príncipe lançou um olhar para Marin quando se sentou ao lado de Ray, ele fez questão de manter sua guarda-costas na cadeira da ponta, para que não se sentasse ao lado do evo. Gail também estava com seus olhos cansados e com olheiras, provavelmente havia dormido mal. Ele não comenta nada com o grupo, desde que chegou permaneceu em silêncio e agora encarava distraído sua caneca sem tocar no sanduíche. O máximo que fez foi responder bom dia por educação. Rhaenee nota que era muito raro ver seu protegido com olheiras e se pergunta se havia outro motivo para isto além do que houve com Marin. Rosso não parecia preocupado, estava calmo e mais animado do que das outras vezes. Ele bebeu o líquido de sua caneca e lançou um comentário a Gail:

- Ficar olhando não vai encher seu estômago. Se não comer agora, só teremos outra refeição ao meio-dia, não adianta insistir depois.

Porém o príncipe não pareceu motivado, estava distante e com seus próprios pensamentos. O comandante não insistiu, mas começou a falar com todo o grupo:

- Que caras são essas? Marin não teve nenhum outro surto, deve ter sido o cansaço. Ontem foi o primeiro dia dele depois de acordar da cápsula, ele ainda estava se recuperando.Claro que vou manter a segurança até que esteja provado. Mas vocês parecem até que dormiram mal. Há naves com quartos bem piores, quando fui escolher nossa nave, tive que optar entre uma com um quarto coletivo e tanque cheio, ou esta com o tanque pela metade, mas com quartos separados. Se vocês fossem todos homens, eu teria escolhido a primeira. Por isso teremos que aterrissar em Duos, será rápido, apenas para abastecer o que faltava. Por causa da invasão, não pude fazer isso em Primus. É claro que quartos separados são bem mais confortáveis que beliches. Se vissem, iam se sentir dormindo em gavetas. Mas chega de conversa fiada, vamos ao que interessa. Ainda quero checar as notícias da invasão, mas não agora.

O comandante pegou uma caixa e colocou em cima da mesa, dentro havia vários relógios, do tipo que dava acesso a um gudam. Logo ele explicou:

- Marin e Chui podem escolher seus gudans, é só verem as informações no visor de cada relógio. Por enquanto estão bloqueados para transformação, então é seguro que mexam. Daqui a pouco vamos treinar no simulador. O treino será feito em duplas. Também tenho uma boa notícia para vocês, a dupla com mais pontos irá ganhar uma recompensa secreta. Para não ficar injusto, a dupla não pode ser Chui e Marin, já que é a primeira vez deles. Entenderam? Podem começar a escolher com quem vão fazer o treino.

O sanduíche preparado pelo comandante estava delicioso para aqueles que já começaram a comer. A bebida tem cor de chá mate e é um pouco amarga.




- Marin e Chui - Escolham o robô da lista de regras do sistema. É livre para escolher, só que o robô ainda pertence ao Rosso.
Conteúdo patrocinado


Re: Capítulo 2 - Seleucia

Mensagem por Conteúdo patrocinado


    Data/hora atual: Seg Jun 26, 2017 9:06 am