Um fórum de RPG online no formato de PBF (Play by Forum).


  • Responder ao tópico

Capítulo 5: O Início da Grande Trama

Compartilhe
Luxi
Moderador
avatar
Moderador

Mensagens : 952
Data de inscrição : 02/03/2016

Re: Capítulo 5: O Início da Grande Trama

Mensagem por Luxi em Seg Maio 15, 2017 9:12 pm

Anna estava infeliz e preocupada naquele lugar. Cada pessoa que respirava a mais perto dela a fazia ficar paranoica. Nunca tinha vivido situações reais de perigo, então como deveria saber quando estava prestes a acontecer uma? Seu parâmetro era Jack, que não estava ali o tempo todo, e mesmo que estivesse, ela nem poderia ficar olhando demais. 

- Bem, acho que eu vou...- tentou sair de perto de Buck com delicadeza, mas a ação tornou-se impossível com o prefeito chamando a atenção de toda a festa para ela. Annalise fez um gracejo, sorriu e cumprimentou educadamente as pessoas em volta. Não podia fazer o pai acabar mal visto também. Precisava lembrar a todo momento quem estava representando ali. Decidiu então aquietar, só precisava ficar esperta e confiar em Ratchford. 

Quando o plano foi revelado, a jovem ficou tão surpresa que não conseguiu esconder. Lembrou-se da cena horrível que tinha visto na chegada à cidade, que era a mais feia que já tinha visto, e como aquele povo da floresta os tinha atacado... não era para menos. Seria por um motivo assim? Sentiu-se novamente culpada, embora já tivesse aceitado que não tinham escolha. E se eles estivessem preocupados com as construções que estavam fazendo em Vicari? Mesmo que o senhor Scoresby tivesse explicado que eram apenas ladrões de peças... De qualquer forma, sabia que seu pai acharia a ideia fantástica, pois poderia exportar materiais da cidade mais facilmente, mas não conseguia pensar desse jeito. Eles provavelmente estavam ignorando muitos fatores ali no meio.

Enquanto sorria aplaudindo, procurava por reações nos rostos dos outros e acabou vendo uma pessoa se afastando dos demais. Quem estava faltando entre aqueles que conhecia? Ficou nervosa, pois não era deixada em paz por Buck e precisava tentar ser discreta. Então ela passou a mão livre em seu belo coque, fingindo que ajeitava o pingente, mas deixou o indicador estendido na direção do banheiro. Esperava com todas as forças que Ratchford pudesse ver - e entender - aquele gesto esquisito. Pega de surpresa pela fala de Buck, ela virou o rosto para o dele, disfarçando.

- Sim, é mesmo! Seria ótimo poder vê-lo mais vezes. Papai ficará feliz em recebê-lo com sua família. - não pensou muito no significado das palavras, porque não esperava que ele as levasse a sério, só queria mantê-lo entretido, já que não conseguia se livrar dele.
Makaveli Killuminati
Adepto da Virtualidade
avatar
Adepto da Virtualidade

Mensagens : 1704
Data de inscrição : 11/11/2013

Re: Capítulo 5: O Início da Grande Trama

Mensagem por Makaveli Killuminati em Ter Maio 16, 2017 10:53 pm

Jack riu quando Ratchford fez a primeira pergunta, mas logo o respondeu. - Se existe algum lugar que corre perigo de ser atacado em Vicari hoje... É exatamente este lugar. - A situação era preocupante, mas o gatuno não perdia o humor, e de certa forma aquilo era uma máscara para esconder o quão preocupado Jack estava. - Olhe em volta, quantos nobres dançando e se esbaldando por aqui... Pense sobre isto. - O gatuno não queria entregar seu ponto de vista de bandeja, preferiu que Ratchford tirasse a sua própria conclusão. O guarda-costas de Annalise lhe contaria algo a mais, mas parou ainda enquanto formulava a frase. Jack fitou Ratchford, e depois voltou os olhos para Annalise, dançando com outro homem. Parecia que alguém estava com ciúmes. Mas no final, ele faz a pior pergunta possível diante daquela situação, e Jack responde de acordo. - Serias um tolo se confiasse. Seu trabalho como guarda-costas de Annalise é desconfiar de tudo e de todos... - Jack deu a costa ao homem e seguiu seu caminho.

_____________

Encostado no peitoril do mezanino, Jack faz suas primeiras observações. Não estava surpreso pela alta guarnição do prefeito, o quê foi surpreendente é que o político não utilizou da presença de sua filha para ter algum efeito em sua popularidade ou carisma. Isso queria dizer que Cornélius tinha algum escrúpulo, ou estava preocupado demais com sua pequena. De todo modo, aquilo era algo bom e agradava a Jack. Sir Galaham descendo as escadas também trazia um pouco mais de segurança a Jack, seria bom ter a presença de um militar no salão caso surgisse algum imprevisto.

O discurso do prefeito ficava apenas no segundo plano na mente do gatuno, estava concentrado demais na multidão, mas não deixou passar batido a reverência a Annalise e outros nobres. Assim como a maioria dos presentes, Jack bateu palmas e esperou até que o discurso continuasse, voltando sua atenção à multidão. Mas é claro que a surpresa da noite não deixa de roubar a atenção de Jack. Era claro, se achou um tolo por não ter percebido antes. Tudo aquilo se tratava de uma linha ferroviária. Mas o gatuno se perdoa, afinal, não tinha dado muita atenção aquilo, estava mais preocupado em salvar o próprio rabo e o daquelas pessoas. Merecendo ou não. A notícia era vista com bons olhos por Jack, que entendia que de fato aquilo traria benefícios, e não apenas para a nobreza, pelo menos da forma que imaginava que seria administrado a linha ferroviária. Mas entendia também que aquela obra deixaria algumas pessoas irritadas, embora Jack não compactuasse de tais motivos. Por um momento, o gatuno deixou-se sorrir com a notícia e aplaudiu a decisão do prefeito.

Logo, um sujeito salta salta aos olhos de Jack, não parecia tão empolgado com a notícia. Pelo menos Jack concluía que alguém que deixasse de ouvir o restante do pronunciamento do prefeito não havia ficado empolgado com a notícia, ou era indiferente quanto aquilo, ou estava muito apurado para ir ao banheiro. O gatuno hesitou, e preferiu pensar que era só alguém apurado, precisando dar conta de suas necessidades. Mas alguns pensamentos corriam pela mente de Jack. O banheiro seria um ótimo local para esconder uma arma ou bomba, alguém poderia ter implantado em algum local do banheiro para que algum convidado conseguisse ter acesso as armas. Talvez fosse só paranoia, e outra vez o gatuno fitou seus olhos para a multidão.

- Droga! - Jack exclamou sem fazer barulho. Dando um soco no peitoril do mezanino. O gatuno havia perdido a concentração. O sujeito que havia entrado no banheiro tinha conseguido roubar sua atenção. No final das contas, a paranoia de Jack o vence. O gatuno se afasta do mezanino e caminha em passos apressados até o banheiro aonde o sujeito havia adentrado. Entraria no banheiro silenciosamente, com uma das mãos no cabo de sua bengala e outra dentro do seu sobretudo.


_____________________________
Elminster Aumar
Administrador
avatar
Administrador

Mensagens : 7504
Data de inscrição : 20/01/2012

Re: Capítulo 5: O Início da Grande Trama

Mensagem por Elminster Aumar em Sab Maio 20, 2017 1:22 pm



O gatuno havia deixado Ratchford pensativo em sua última fala antes dos dois se separarem. Voltando para o momento em que o prefeito anunciava a construção de uma linha férrea, Jack avistou a figura se desprendendo do resto dos convidados e se dirigindo ao banheiro, e resolveu segui-lo. Ele foi em direção às escadas e as desceu enquanto o prefeito Cornélius ainda proferia algumas palavras de seu discurso.

- É realmente uma satisfação muito grande poder anunciar esse presente a vocês, em primeira mão. - Nesse momento, Cornélius lançou um olhar à Haffarin, sub-diretor de um dos jornais mais populares da cidade. O homem fazia notas numa caderneta. Seu olhar seguiu passando pelos convidados, até que ele viu Jack descendo às escadarias e engoliu em seco. - Bom, senhoras e senhores, não quero tomar muito mais o tempo de vocês. Sei que todos estão ansiosos para que a verdadeira festa comece. Madame Lavínia, traga os carrinhos com as máscaras.

Madame Lavínia, que estava no térreo, deu sinal para que dois funcionários entrassem empurrando um carrinho que continha várias máscaras, dos mais diversos tipos. Algumas chegavam a ser assustadoramente feias, com formas e desenhos semelhantes a demônios. Quando o carrinho se aproximou, Annalise viu Buck pegar uma com o desenho de um corvo. Ele a pôs no rosto e perguntou:

- Como acha que eu fiquei, senhorita? - perguntou, com o sorriso branco aparecendo pela abertura da máscara. Ele parece ter visto a confusão de Anna sobre o que estava acontecendo, ou pelo menos julgou a expressão tensa em seu rosto dessa forma. - Ah, talvez a senhorita não saiba, então deixe eu lhe explicar. É uma tradição de Vicari as pessoas usarem máscaras em festas particulares. Não usar uma pode ser encarado como uma desonra ao anfitrião. Quer ajuda para escolher a sua?

Havia realmente muitas opções no carrinho. Nesse momento, porém, Anna sente alguém segurar o seu braço. Foi um alívio ver que o dono do toque era Ratchford. O guarda-costas comentou:

- Temos que sair daqui. Agora.

Buck o encarou, soltou uma risada e disse:

- Pra que a pressa, homem? A verdadeira diversão começa agora. Venha, eu vou escolher uma máscara para você também. Que tal esta daqui?

Buck Heffren apresentou uma máscara de um bobo da corte para Ratchford, e Anna viu o rosto de seu guarda-costas avermelhar-se de raiva. Ratch empurrou com força Buck, que recuou três passos e o olhou de forma perplexa. Convidados próximos perceberam o pequeno entrevero entre os dois.

- Por favor, Anna, venha comigo. Vamos embora - pedia Ratch.

Enquanto isso Jack seguia para o banheiro do salão principal. Ele era dividido em dois: o banheiro masculino e feminino. A porta do banheiro feminino encontrava-se já aberta e não havia ninguém ali. A porta do banheiro masculino estava fechada, porém, como Jack averiguou ao puxar a maçaneta, ela havia sido trancada. Ao abrir a porta, Jack viu que ele também encontrava-se vazio, porém a pequena janela circular que dava para fora da mansão estava aberta. Era um espaço pequeno para se passar, mas plenamente possível. Jack se apertou pelo buraco para pular pro lado de fora, e a primeira coisa que viu foi o corpo de um guarda estirado no chão. Sua garganta estava aberta e a lua era refletida na poça de sangue que formara ao seu lado.

Jack percebeu que não havia mais nenhum guarda naquele lado da mansão, o que contrariava todas as decisões relativas à segurança do evento. Numa segunda olhada, eis que o gatuno percebe um vulto no alto, escalando a parede da mansão, tentando chegar até uma das janelas que dava acesso ao segundo andar da casa. O homem - agora Jack podia definir que se tratava de um homem - estava há uns 5 metros acima do gatuno, quase alcançando o seu destino. Jack não conseguia ver muito da posição em que estava, mas o que viu o preocupou. Ele carregava uma besta às costas enquanto a parede estava sendo escalada.

 

Makaveli Killuminati
Adepto da Virtualidade
avatar
Adepto da Virtualidade

Mensagens : 1704
Data de inscrição : 11/11/2013

Re: Capítulo 5: O Início da Grande Trama

Mensagem por Makaveli Killuminati em Seg Maio 22, 2017 11:13 am

Jack deparou-se com a entrada dos dois banheiros, um masculino e outro feminino. Como não havia identificado o sexo da figura que viu caminhando até um dos banheiros, decidiu averiguar discretamente aquele que estava com a porta aberta, o banheiro feminino. Jack colocou sua cabeça para dentro do banheiro feminino e recuou rapidamente para o caso de alguém notá-lo. A espiada rápida foi o suficiente para perder o interesse e seguir sua investigação no banheiro masculino.

A porta estava trancada, mas não por muito tempo. Jack retira uma gazua de seu bolso e coloca dentro da fechadura. Dois ou três movimentos foram o suficiente para destrancar aquela fechadura simples. O gatuno puxou a maçaneta e abriu vagarosamente, evitando barulho. Adentrou com calma e fechou a porta novamente, mas não a trancou. Uma rápida vistoria fez com que o gatuno percebesse que seja lá quem fosse que adentrou o banheiro, não estava mais ali, e isso era o suficiente para o gatuno concluir que o sujeito estava por trás de alguma coisa suja, e provavelmente seria a ameaça que estavam esperando para a noite. A janelinha do banheiro era o único local que dava acesso para o exterior da mansão, o quê fez o gatuno suspirar incomodado, pois se viu obrigado a seguir os passos daquela pessoa, e isso implicaria em ter que se apertar para passar por ali.

Jack retira a mão da bengala e salta até a janela usando a própria parede para se impulsionar. Passou primeiro com a parte superior do corpo, o quê fora uma péssima ideia. Quase caiu de mal jeito no lado de fora da mansão. Bateu com as mãos nos ombros e braços, limpando a sujeira de sua roupa, e continuou a partir dali. A primeira vítima do sujeito estava bem diante de seus olhos. Um corte seco e impiedoso, o sujeito atacou o guarda pelas costas. Jack passou os olhos para onde deveria ter outros guardas, e não havia ninguém. Isso fortalecia seu pensamento de não trabalhar com planos. As infinitas variáveis do universo trabalham para destruir planos, e quanto mais elaborado fosse, maior era a chance de falhar. O gatuno se move adiante, deixando para trás o corpo do guarda.

Eis que seus olhos encontram o sujeito escalando a parede da mansão. O gatuno teria que tomar uma decisão rápida, e instintivamente decide por não alertar os guardas sobre o homem. Jack corre até a janela do banheiro e adentra novamente a mansão, deixando que o sujeito seguisse seu caminho como quem não tivesse sido descoberto ainda. A segunda vez era sempre mais fácil, passou primeiro as pernas após apoiar as mãos na esquadria da janela, e logo estava dentro da mansão novamente.

Jack se apressou, abriu a porta do banheiro e correu imediatamente para o segundo piso. O gatuno tentava antecipar os passos do alvo, e todo guarda que via no caminho avisava que havia um intruso no segundo andar, reforçando a segurança do pavimento superior. Jack queria interceptar o sujeito, pegando-o de surpresa antes que chegasse até um ponto onde pudesse atirar no prefeito, mas não elimina a possibilidade do sujeito tentar usar a filha do prefeito como refém, colocando-se em uma posição na mansão onde poderia intervir no caminho do sujeito até o prefeito e até o quarto onde Lizzie estava. Tudo de acordo com o quarto de hóspede onde a janela que o sujeito tentava alcançar dava acesso. Encontrando o local quisto, Jack se esconde, aguardando o sujeito dar continuidade ao seu plano.


_____________________________
Luxi
Moderador
avatar
Moderador

Mensagens : 952
Data de inscrição : 02/03/2016

Re: Capítulo 5: O Início da Grande Trama

Mensagem por Luxi em Seg Maio 22, 2017 2:15 pm

Anna não sabia se o guarda-costas tinha conseguido ver seu sinal esquisto atrás da cabeça e isso deixou sua expressão tensa. Viu  a disposição de máscaras e em outra ocasião, provavelmente acharia muito divertido. No momento, só conseguia pensar o quanto isso mesclava os convidados e tornava muito mais fácil para qualquer ação ali dentro. Observou Buck com ar de preocupação, que poderia facilmente ser confundido com simples dúvida sobre a tradição do local, que foi logo sanada.

- Verdade? - Sorriu, um pouco sem jeito, mas a verdade é que ficava com um pouco de medo daquela face do corvo, fantasiando uma imagem de vilão por trás dela. - Ah~ é uma tradição muito divertida. - riu de leve de nervoso e virou para olhar as máscaras, quando na verdade espiou na direção do banheiro rapidamente - Hm. Como farei para combinra com a sua? Me ajude a escolher...  - de repente o guarda-costas chegou e a fez levar um susto.


Como um animal acuado com pupilas dilatadas, ela o observou de baixo, com receio do que quer que ele tivesse descoberto. Eis que Buck soltou aquele comentário e ofereceu uma máscara de bobo da corte, que a fez crispar o lábios e respirar fundo, mas antes que ela pudesse falar alguma coisa, Ratchford já empurrara o nobre. Era uma falta grave naquele lugar. Precisava atenuar a situação se não quisesse um problema diplomático. Ela deu um passo à frente, ficando entre eles.

- Senhor Heffren, por favor, me perdoe pelos maus modos do guarda-costas de minha família. Ele não está habituado completamente a nossos costumes ou nossas piadas. No entanto, é verdade que meu pai confiou minha vinda até aqui a ele, por isso devo ouvir o que ele tem a dizer, com sua licença. Será breve, eu já venho. - agarrou uma máscara da mesa e fez uma reverência antes de sair.

Não via a hora de se livrar dele, então precisou de algum esforço para não sair correndo pelos salões. Simplesmente andou um pouco apressada com a desculpa de que queria voltar logo. Tentou segurar uma expressão neutra, quando na realidade queria xingar o nobre, mas estava preocupada demais para isso.
Elminster Aumar
Administrador
avatar
Administrador

Mensagens : 7504
Data de inscrição : 20/01/2012

Re: Capítulo 5: O Início da Grande Trama

Mensagem por Elminster Aumar em Qui Maio 25, 2017 10:45 pm


Anna olhou em direção ao banheiro no momento exato em que via Jack saindo dele. Ela tinha certeza que o homem - ou mulher - que vira adentrando o local não era ele. Jack caminhava com pressa por entre os convidados e parava para falar rapidamente com alguns guardas pelo caminho. Anna voltou a sua atenção para o nobre a sua frente. Buck escolhera uma máscara de coruja para ela no momento em que surgira Ratchford e os dois tiverem aquele entrevero. Um ficou encarando o outro por alguns segundos. Ratch pedia para Anna ir com ele, mas a jovem garota se interpôs entre os dois e pediu desculpas à Buck.

Naquela altura, muitas pessoas olhavam em direção ao trio, tantas que nem o prefeito poderia fingir mais que não estava vendo nada.

- Senhores, algum problema aí embaixo? - o prefeito resolveu perguntar, e muitos sentiram sua voz tremulante.

- Nenhum problema, Sr. Prefeito - disse Buck, ajeitando o seu terno. Ele não dirigiu mais palavra à Anna, e deixou-a que ela acompanhasse o seu guarda-costas. O prefeito, por outro lado, finalizava o seu discurso.

Annalise seguiu com a máscara de coruja em mãos e Ratch ao seu lado. Ele segurava o seu braço para que ela se mantivesse ao seu lado e andando rápido. Ele não fazia questão de evitar esbarrar em alguns convidados, tudo para chegar logo próximo a porta de saída. Quando estavam se aproximando, os dois foram interpelados pela Madame Lavínia, que tinha os braços abertos e um sorriso no rosto. Ela olhava para Anna.

- Para onde vocês vão? A festa mal começou. Fiquem conosco, tenho certeza que vocês gostarão do que vamos proporcionar.

Jack avançava até as escadas, não sem antes avisar alguns guardas sobre o intruso. A maioria entendeu o recado e começou a subir para andar de cima, mas Jack sentiu que um deles tentara lhe atrasar fazendo perguntas que não tinha cabimento para uma hora daquelas. Era hora de agir primeiro e perguntar depois. O gatuno foi o primeiro as chegar no piso em que estava o prefeito. O Cornélius tinha acabado de finalizar o discurso, recebendo mais uma salva de palmas dos convidados e começava a se retirar do local. Jack chegou até o corredor que dava acesso ao quarto de hóspedes, mas logo percebeu que algo estava errado. A porta do quarto estava entreaberta, e ele tinha certeza que estava fechada na última vez que passara por ali. Antes que pudesse raciocinar qualquer coisa, um grito de dor forte abalou o ambiente. O gatuno se virou e viu o prefeito caído no chão, com um virote atravessado em seu ombro, e ele gritava de dor enquanto os convidados lá embaixo gritavam de pânico. Anna e Ratch também ouviram o grito de Cornélius e um pequeno caos começava a se formar no andar de baixo. Anna viu a Madame Lavínia gritar para o trolloide que cuidava da porta de entrada.

- NÃO DEIXE NINGUÉM SAIR! ALGUÉM ATACOU O PREFEITO!

Ratch colocou a mão em sua cintura como um gesto automático, mas não havia arma ali para ser sacada. Cornélius estivera caminhando em direção ao seu quarto pessoal quando fora atacado, e agora ele estava perto do topo da escadaria, e se via muito sangue jorrar de seu ferimento. Jack rapidamente voltou a procura do homem que atacara o prefeito, e o encontrou. Ele estava semi-encoberto pela mureta do corredor. Mais do que isso, Jack viu o rosto do homem pela primeira vez e não acreditou no que seus olhos diziam. Agachado e com a besta em mãos, preparando-se para armar um novo virote, encontrava-se Lugos. Com os cabelos um pouco mais cheios do que antes e uma barba rala e mal aparada que antes não tinha, o resto da figura da Víbora permanecia o mesmo. Seus trajes, propícios para um evento chique como aquele, não parecia fazer parte de Lugos, contudo, lá estava ele, preparando-se para disparar um novo virote enquanto o prefeito permanecia agonizando no chão e o resto das pessoas ainda tentavam entender o que estava acontecendo.


Luxi
Moderador
avatar
Moderador

Mensagens : 952
Data de inscrição : 02/03/2016

Re: Capítulo 5: O Início da Grande Trama

Mensagem por Luxi em Seg Maio 29, 2017 9:10 pm

Anna saiu mal humorada pela festa. Tinha atraído atenção demais naquele momento, mas queria fingir, para os demais, que só estava se ausentando para uma conversa pouco importante com seu guarda-costas em um canto. Tanto que levou a máscara, para sinalizar que voltaria. Por esse motivo, evitou sair correndo ou parecer desesperada, embora acompanhesse os passos rápidos e suspirasse nervosamente no caminho.
Seu disfarce não pareceu suficiente para a Madame Lavínia, talvez muito menos para as pessoas em quem esbarravam no caminho. Gostaria de pedir mais compostura, mas estava com medo do que realmente ele tinha descoberto, ainda mais porque Jack também se movimentara.

- Ah, vamos participar, é claro. Meu guarda-costas apenas se recordou de uma pequena instrução de meu pai. Uma bobagem - sorriu, simpática,embora não gostasse nada daquela mulher, ainda mais porque ela aparecia nesse momento tão inoportuno.

Seu sorriso se desfez ao ouvir um grito pelo salão e ela olhou horrorizada para Ratchford, como se perguntasse que era aquilo que ele queria evitar. Mais do que isso, a nobre olhou para trás, buscando entender como tinha acontecido o ataque. Teria sido capaz de ajudar a evitá-lo? No fim, tinha sido completamente inútil naquela situação!
O último pensamento foi que ela também poderia ser atingida em uma situação daquela e que agora tudo apenas incitaria o caos la dentro, mas antes que desse mais de um passo para frente, as saídas eram bloqueadas.

- E agora? - murmurou, perdendo toda a coragem de aventureira falsa momentaneamente. Ela olhou em volta para identificar as reações das pessoas e se mais alguém ali no meio se mostraria a favor do ataque por algum motivo. - O que fazemos? - perguntou na genuína intenção de querer fazer algo produtivo.



Makaveli Killuminati
Adepto da Virtualidade
avatar
Adepto da Virtualidade

Mensagens : 1704
Data de inscrição : 11/11/2013

Re: Capítulo 5: O Início da Grande Trama

Mensagem por Makaveli Killuminati em Qua Maio 31, 2017 9:55 pm

Jack se desvencilha do guarda que o questionava inconvenientemente e da uma pausa em sua correria após subir a escadaria até o segundo piso. As salvas de palmas do público se dava no exato momento em que o gatuno tomava sua decisão e partia apressadamente por um dos corredores. E ao final dele, a porta entreaberta de um dos quartos de hóspedes perturba Jack. Era o quarto onde dava a janela que o invasor havia escalado. Simultaneamente, o grito de dor do prefeito chegava até ele, chamando a atenção de Jack para o corpo caído do prefeito. O virote havia causado um estrago considerável, não surpreenderia o gatuno se o prefeito não sobrevivesse àquilo. Toda organização havia ido pelos ares com o pânico se alastrando entre os convidados.

Sentindo um combate se aproximar, Jack aciona sua lâmina oculta pressionando o pulso direito e acionando o mecanismo da lâmina, apenas para verificar a prontidão do equipamento, em seguida volta a ocultar a lâmina. O gatuno continuou seu caminho por onde o intruso deveria ter ido, deixou sua bengala em frente ao seu tronco, uma das mãos segurando o cabo e a outra a bainha que ocultava a lâmina da bengala. O gatuno esgueirou-se até atrás de uma das pilastras que enfeitavam o corredor onde havia visto a silhueta do invasor. E quando espiou por um dos cantos surpreendeu-se com quem era o invasor. Lugos, a Víbora.

Tanto tempo ocupando as atividades da Irmandade buscando pelo paradeiro da Víbora e durante todo aquele tempo Lugos estava conspirando contra o prefeito da cidade. Jack hesitou, ficou pensativo por alguns instantes. Não podia espantar a dúvida de que Lugos poderia estar conspirando o tempo todo enquanto fez parte da Irmandade, ou se algo havia acontecido depois que se perdeu no sanatório, sé é que havia se perdido naquela noite sangrenta. Apesar de sempre ter existido desavenças entre Lugos e todos da Irmandade, incluindo Jack, ele era um membro como qualquer outro, e portanto, um "irmão". O gatuno sentia a traição de Lugos e não sabia qual medida tomar. Tentava pensar como Vivaldi pensaria, mas logo percebe que Vivaldi nunca se colocaria na posição que o gatuno estava agora, ficando ainda mais confuso. Lugos não estava assassinando o prefeito pelo prazer da coisa, havia alguma intenção naquilo, um "porquê", e isso Jack sabia muito bem. Sempre havia um "porquê" quê atrás de tudo.

Em meio a um dilema, Jack lembra-se que Barry era quem havia pedido para que fizesse o serviço ao prefeito, então era claro que haveria uma boa razão para manter o prefeito vivo. Seu padrinho era uma pessoa de bem, embora vivesse às margens da lei. Seja qual fosse o motivo de Lugos, Jack sente que deveria confrontar a Víbora, cuja alcunha nunca combinou tão bem quanto agora.

O barulho do pânico dos convidados impedia que outros escutassem uma conversa entre eles, mesmo com a distância entre eles. Jack tinha certeza que se isolou dos demais guardas para aquilo.

- Dois meses Víbora!.. - Exclamou o gatuno detrás da pilastra, esperando que Lugos se surpreendesse com sua presença ali. - Dois meses que vasculhamos a cidade inteira atrás de você... Um irmão não abandona outro, Víbora! - Jack ainda não estava disposto a combater Lugos, queria entender suas motivações antes de qualquer coisa. - Deus do céu, Víbora!..
Você sequer se importa com o estado da saúde da Raposa...
- Por mais que sua missão atual pedia pela intervenção de Jack sobre Lugos, a Irmandade estava acima de um serviço mundano como aquele. Por hora, queria apenas ter uma conversa com Lugos, pelo menos pra ter algo a falar para Vivaldi, Jerome e Amanda, quando ela acordasse. Mas o diálogo teria que ser rápido, em breve os guardas encurralaria Lugos.

- Diga algo homem! - O gatuno suplicava com o coração partido.


_____________________________
Elminster Aumar
Administrador
avatar
Administrador

Mensagens : 7504
Data de inscrição : 20/01/2012

Re: Capítulo 5: O Início da Grande Trama

Mensagem por Elminster Aumar em Ter Jun 06, 2017 9:29 pm


O choque de Jack ao se deparar com Lugos não era para menos; os dois estavam juntos na Irmandade há alguns anos e compartilhavam de um mesmo estilo de vida. A Víbora, que até então estava concentrada no prefeito, só reparou em Jack quando este se revelou ao sair detrás da pilastra, e a surpresa em seu rosto era um reflexo da própria expressão de surpresa de Jack. Os dois irmãos encontravam-se agora em lados opostos.

- O que você tá fazendo aqui? - foi a primeira coisa que Lugos falou, em voz baixa, mas o suficiente para que Jack escutasse. Ele estava com a besta armada e apontada na direção do prefeito, mas o seu olhar havia se desviado para a Harpia. - Eu nunca abandonei vocês! - argumentou a Víbora, irritando-se com as colocações de Jack, sobretudo sobre ele não se importar com o estado de saúde da Raposa. - É claro que me importo, eu os ajudei a tirá-la daquele inferno em que ela estava, não ajudei?

As mãos de Lugos tremiam. Ele a todo instante espiava o prefeito e a roda de guardas que se formara ao seu redor. Cornélius ainda vivia, fato este verificado pelos seus gemidos de dor. Além dos dois trolloides que haviam feito a sua proteção durante o discurso, se juntara ali outros três guardas humanos que foram avisados por Jack sobre o intruso. Um dos guardas humanos avistou Jack de pé, e embora ele provavelmente ainda não tivesse notado a presença de Lugos, o homem apontou em sua direção. Imediatamente os três guardas passaram a se mover para o corredor em que Jack estava, mas eles foram surpreendidos pelo forte som de um disparo de arma de fogo. O primeiro dos guardas tombou no chão, e os outros dois se viraram para trás. De fuzil na mão, os dois trolloides apontavam suas armas para os guardas humanos. Havia uma certa confusão no olhar dessas criaturas, e antes que qualquer outra coisa pudesse ser feita, o segundo trolloide puxou o gatilho da sua arma, mas não na direção dos guardas, e sim da do próprio prefeito agonizante. O tiro estourou os miolos de Cornélius.

Os sons dos tiros foram ouvidos por toda a mansão, causando um pânico ainda maior entre os convidados. Annalise estava se perguntando o que fazer quando ouviu os disparos.

- Eles mataram o prefeito - disse Ratchford ao seu lado, parecendo assustado. Ele se virou para Madame Lavínia, que continuava entre eles e a porta de saída. - Nos deixe passar!

Ratchford não era o único que tava pedindo isso. Os outros convidados também queriam sair dali, mas o trolloide que estava parado em frente a porta, logo atrás da Madame Lavínia, causava muito medo nos convidados.

- Não posso deixá-los sair - disse Lavínia, que por alguma razão não parecia tão abalada com os acontecimentos recentes. - Ninguém sai até acharmos os culp...

Ratchford não aguentou e desferiu-lhe um soco bem no meio de sua nariz. Madame Lavínia estatelou-se no chão. O trolloide, por sua vez, disparou sua arma contra Ratchford. A bala atingiu em cheio sua armadura, mas não causou maiores estragos no guarda-costas. Ele olhou para os lados, procurando ajuda. Anna viu tudo acontecer de perto, e se assustou mais disparos reverberando pelas paredes da mansão. Havia se iniciado um tiroteio na Casa da Prefeitura. Todos os trolloides estavam com os fuzis em mãos e disparavam quase que às cegas, sem se importar muito se acertava um convidado ou não. Os guardas humanos tentavam impedi-los, mas muitos também buscavam saídas alternativas para fugir daquele caos.

No andar de cima, Jack e Lugos viam e ouviam tudo acontecer, mas os dois pareciam estar afastados de toda aquela confusão. Os dois trolloides próximos do prefeito eram a maior ameaça, e a Víbora os xingava:

- Criaturas idiotas! Não era para acontecer nada disso! Tudo estava saindo conforme o plano! - dizia para si mesmo, por um momento se esquecendo da presença de Jack. Mas ele logo se voltou ao seu companheiro de Irmandade, que ainda aguardava por respostas. - Harpia, se nós ainda somos irmãos como você diz, junte-se a mim. Venha comigo e eu lhe explicarei tudo. Há um motivo para tudo isso acontecer.

E sem esperar por mais um segundo sequer, Lugos deu uma cambalhota pelo chão e terminou o movimento no interior de um dos quartos de hóspedes, afim de fugir de possíveis balas perdidas.


Luxi
Moderador
avatar
Moderador

Mensagens : 952
Data de inscrição : 02/03/2016

Re: Capítulo 5: O Início da Grande Trama

Mensagem por Luxi em Dom Jun 18, 2017 10:31 pm

Por mais estranho que pudesse parecer, Anna ainda tinha alguma intenção legítima de ajudar o prefeito, por isso tinha ficado tão indecisa ali na porta. Com o segundo som de tiro, ela se deu conta de duas coisas. A primeira era a de que poderia ter tentado ajudá-lo, a segunda é que se tivesse dado uma de heroína poderia muito estar morta.

- Por que está impedindo? Agora já é tarde! - gritou Anna para Madame Lavínia, de forma um pouco inocente, mas querendo extrair dela qualquer tipo de humanidade. Não gostava daquela mulher desde o começo e sua teimosia em segurá-los ali só reforçava mais sua teoria de que ela estava envolvida, mas nunca pensou que veria Ratchford lhe dando um soco. - R-r-r-a..tchford!! - sua voz saiu meio estridente e gaga. Seus lábios formaram um "o" perfeito, acentuado por ele ter sido atacado. Naquele breve segundo, procurou alguma coisa para jogar na mulher estatelada no chão, qualquer coisa mesmo, de um vaso a uma decoração, para que ele (ou ela mesma) pudesse usar a distração para tirar a arma dela e usar como sua e terem como se defender.

Olhou em volta a procura de algum sinal de seus conhecidos, mas principalmente o amigo de seu pai.

- Ratchford, e o senhor Scoresby? - perguntou preocupada, um pouco hesitante, mas olhar para trás e se deparar com o caos a fazia repensar se deviam arriscar levar um tiro por causa disso. Sua intenção era seguir caminho para fora da mansão uma vez que Lavínia estava fora de condições.

Conteúdo patrocinado


Re: Capítulo 5: O Início da Grande Trama

Mensagem por Conteúdo patrocinado

  • Responder ao tópico

Data/hora atual: Sex Jun 23, 2017 5:40 pm