Um fórum de RPG online no formato de PBF (Play by Forum).


    2º passo - Dança

    Compartilhe
    Larissa Aprill
    Mutante
    avatar
    Mutante

    Mensagens : 511
    Reputação : 48
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Larissa Aprill em Sex Maio 26, 2017 11:14 am

    Ao fazer o convite para Rin e suas amigas, não achou que Min-ki achasse ruim pelo fato das amigas irem. Até pq a loira se sentiria mais a vontade com as amigas ao redor. Mas ela nem precisou dizer nada, já que tinha a mesma opinião de Amihan. Então ela dá de ombros para a reclamação do Min-ki.

    Foi anunciado para todos voltarem aos seus lugares, então ela já estava indo para seu lugar e viu que a loira ainda estava conversando com seu grupo de amigos. A loira não confirmou se iria ou não, então ela simplesmente deixa esse fato para lá. Já que precisava se preparar para a dança.

    Eu Se respondeu ao Fighting do Min-ki e desejou boa sorte aos rapazes. Em seu lugar ela começou a aquecer os músculos, fazendo vários alongamentos. Precisava se concentrar e lembrar que seus movimentos tinha que ser mais firmes e masculinos.

    Gakky
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1472
    Reputação : 87
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1011.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Gakky em Sex Maio 26, 2017 9:54 pm

    Yuki fica tranquila ao ver que Dam havia segurado Eun-ji, então Rin começa a ficar chateada e explode com Tae. Ela odiava ver amigos brigarem assim, e perder a amizade da Rin era importante. Na verdade a amizade dela foi por causa do Tae, lembrou Yuki, iria conversar com ela depois se pudesse. Então Minsoo tentou acalmá-los, ele era sempre tão sensato, notou Yuki.

    O garoto Minsoo, se abaixou para falar com elas, Yuki ficou levemente corada, apesar de tudo, parecia estar se acostumando aos poucos com a presença dele, pelo menos em comparação ao grupo de Shin, estava sendo mais fácil lhe dar com os garotos já conhecidos do que com os recém-conhecidos. A japonesa achou que Minsoo tinha toda razão, como sempre ela achava, o modo dele de pensar era incrível, tanto que queria poder passar mais um tempo ao lado dele só para escutar mais, quem sabe um dia. Ela balança a cabeça em afirmação as palavras de Minsoo, depois olhou para a amiga para saber como ela estava.

    Então Shin se irritou com Tae e falou muitas coisas, Yuki não saberia dizer se ele tinha razão, mas talvez ele não conhecesse tanto o Tae, parecia estar sendo muito duro com seu amigo famoso. Como ela nunca era dura com ninguém, Yuki achava que todos deveriam tentar ser mais gentis, até se fosse para chamar atenção uns dos outros.

    - Vamos passar! Não é Chae? - Yuki sorri para tentar acalmar os ânimos, depois exclama - Fighting!! E...

    Voltando a timidez inicial, Yuki abaixa a cabeça e comenta com o grupo antes de voltar para fileiras:

    - Eu queria tanto sair para comer... Com vocês... Não desistam, por favor...

    Ela vai de braço dado com Eun-ji de um lado e Chae do outro para o seu lugar do concurso e tenta se concentrar, apesar do que aconteceu.
    Okley
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 226
    Reputação : 2
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Okley em Seg Maio 29, 2017 4:04 am

    O ódio se enchia a cada minuto de Tae, pensava como tinha tudo saído do controle de tal maneira. Se manteve firme a onde tinha ido, mostrava ainda seriedade, mas ao contrário dele. Os outros não se demostravam arrependidos, só que guardavam muitas coisas no coração.

    Observava com atenção de cada um como se comportaria depois da discussão, a começar por Dam, muitas vezes o ajudara, mas ainda não estava contende em estar do lado dele, teria que conversar com ele depois. Minsoo mantinha até sóbrio em suas atitudes diplomáticas.

    Até que Hyerin desabafa, Tae fica atônito e ate sem entender as palavras que saiam da boca dela. Para ele não fazia sentido, afinal ela que mantinha distancia sempre, ele nunca exigiu nada. Como nunca tentasse arrumar tudo, não tinha como mudar a opinião das outras pessoas ainda e ele que tinha que mudar. O que ela queria disser? Deu espaço bastante para falar e fazer, ela não fez e o culpava por isso? Ela se perdeu em um mar de mentiras e o culpava?

    Ria para dentro de si, como não acreditava, as pessoas são feitas de inveja, ciúmes, acha que era favorecido por ser rico. Minki toda hora manipulou a Hyerin, não conseguia vê-la próxima a Tae, o plano de Minki estava funcionando e mais uma vez destruía o sonho de várias pessoas. Tudo por ideias passageiras que não duram poucos minutos, destruí pelo simples prazer de fazer. Agora só confirmava o que sabia, como era o Minki em seu coração.  

    Ficou em silencio só observando, mantinha confiante sem demostrar os sentimentos, observando enquanto a Hyerin desistia dela mesma, por idealizar demais algo que não tinha. Minki agora tinha motivos de fazer o churrasco mesmo, tinha o que comemorar, o seu plano de desestabilizar Tae funcionou.

    Quando se preparava para sair já virando de costa Shin começa a falar um monte de coisa, Tae faz uma expressão de não estar entendendo o que o garoto que entrou de paraquedas, resolveu soltar o verbo, se intrometeu na conversa e queria ter a razão, ter a palavra final. Soava como uma piada para Tae aquilo.

    - Você é igual seu amigo veio aqui só para me agredir, provocar, me julgar sem me conhecer. Eu não pedi para tu vir e nem a sua opinião, vai para onde você quiser ir, não me importo. Você acha que não reparei como você e seu grupo age perto das garotas, tocando-as, se insinuando para elas, jovens garotas que viu sozinhas, desprotegidas e vem me dar lição de moral? Hã! Elas podem ser ingênuas, eu não.

    Deixou o garoto para trás, mesmo falando sozinho, não estava disposto a ouvi lo, já não se importava mais com ele. As meninas se estabilizaram, Tae faz um gesto positivo para Yuki a frase dela. Se virou para voltar ao seu lugar na fileira.
    Luxi
    Moderador
    avatar
    Moderador

    Mensagens : 1236
    Reputação : 173
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1012.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Luxi em Seg Maio 29, 2017 10:51 pm


    - Não, não é isso - Dam respondeu a Eunji. Seu real pensamento era menos simples do que se Tae se importava ou não com eles. Afinal, ele teve a chance de eliminá-lo também, mas não o fez. No entanto, esperava que a menina se acalmasse só com aquela fala e a forma firme com que olhava para ela e também a segurava. Incapaz de expressar em palavras. Satisfeito, ele finalmente a soltou e desejou que ela passasse. - Você também. Não faça isso de novo. Eu te prometi uma coisa, então tem que prometer que não vai desistir do programa até ouvir da boca dos jurados que você está eliminada. - Parecia um pouco extremo, mas pelo menos, achava que conseguiria fazê-la prometer.

    Minsoo voltou a sorrir quando Yuki concordou com a cabeça. Ao menos, tinha uma aliada para controlar as coisas. Quando estava quase aliviado da situação, Shin soltou um comentário-bomba que o fez respirar fundo. Entendia a mensagem que ele queria passar, mas a essa altura do campeonato falar daquela maneira com alguém como Tae só poderia causar um problema.

    Dam, no entanto, concordou com o que Tae dizia, especialmente quando acusava os rapazes de se aproximarem delas por motivos escusos. Fechou a cara nessa parte, dando embasamento moral ao amigo. Seu ciúme instintivo nessa hora falou bem mais alto do que a moral para concordar com a parte racional de Shin.

    Chae olhava para os lados, meio confusa, sem saber a quem apoiar, mas já meio constrangida. Já Tommy fez uma careta quando ouviu a resposta de Shin, e a acentuou quando Tae terminou de falar. Aparentemente tinha escolhido as amizades erradas, pensava. Logo um rapaz que parecia ser tão tranquilo como Shin... No fim, tinha sobrado um pouco para eles, algo que ele queria evitar desde o começo, mas ao mesmo tempo, admirava como seu novo amigo era destemido.
    Quan Lei admitia sua parte no cartório, dando um meio sorriso de luxúria, divertindo-se um pouco com a constatação. Não tinha nem como se defender e ainda gostava de como seu “rival” o encarava irritado.

    Chegou a vez de Minsoo falar novamente.
    - Bem, acho que já ficou claro aqui que possuímos algumas desavenças de pensamento. É evidente que não nos conhecem o bastante ainda para fazer esse tipo de comentário. E que nós também assumimos algumas coisas sobre vocês sem nos conhecer. Quem sabe em outra oportunidade, não é mesmo? Agora, acho que todos concordamos, pelo menos, que temos uma prova para seguir. Boa sorte.

    O trio se afastou e Tommy já saiu meio rindo.
    - Você é insano. Não tem medo de ninguém não é? Você já esteve fora do país? Eu achei demais.
    - Desculpe estragar o seu período de socialização - Quan Lei sorriu de leve - Mas não pude evitar… Ela é mesmo linda. E fala chinês. - tirou sarro se si mesmo, mas logo assumiu um tom mais sério - É por isso que eu fui contra famosos no programa… eles são necessários, mas o relacionamento com eles não tem como ser saudável. A concorrência moral é insana. Eu espero que não interpretem isso como uma briga.
    - Pelo menos estaremos em evidência. Isso é, se passarmos agora. Boa sorte.

    As garotas também se afastavam depois daquilo, em triozinho.
    - Vamos comer alguma coisa sim. Já estou morrendo de fome. Nós nem almoçamos direito - Chae resmungou tentando descontrair o momento. Chegou a fazer reverências para os dois, mas elas ficaram apagadas na tensão.

    - Acho que tem razão sobre o que disse. Eles se aproveitaram da situação para se promover - Dam declarou a Tae. De repente tinha mudado de ideia. Pelo menos, enquanto Eunji estivesse saudável.
    - Não vamos fazer julgamentos precipitados, está bem? Eu acho que muita coisa aqui foi dita sem pensar. Muita coisa - ele reforçou olhando para Tae e depois discretamente na direção de Hyerin na fila. Tentava ser parceiro.



    Quando as meninas se aproximaram, YiEun sorriu com covinhas, de forma discreta, para Eunji. Não parecia muito feliz, mas pelo menos tinha respondido de alguma maneira.

    A gêmea tímida virou o corpo para Shin e fez uma reverência longa, como se quisesse dizer boa sorte. A outra só virou para lhe desejar boa sorte depois de ver que a irmã tinha feito isso, um pouco receosa ainda, mas igualmente alegre.

    Peach estava plácida como sempre, um porto seguro de calma, apesar de toda a explosão da trainee minutos antes. Ela sorriu gentilmente para Tae quando ele se aproximou.
    Hyerin olhava para os pés, sem interagir com ninguém, embora Minki estivesse pulante ao seu lado, gritando para seus companheiros. Bae praticamente rezava olhando para o teto da quadra.

    Finalmente, após tantos desentendimentos, a fila tinha se organizado.

    - Boa noite, crianças - O diretor anunciou. - Bem-vindos à segunda etapa do KPOP SHINE, da Shine Bright Entertainment. - Como devem ter reparado, algumas pessoas não estão mais nesta quadra. O incidente com o participante Jin Tae-woo foi confirmado. Pelas regras do programa, todos os participantes que praticaram agressão física foram eliminados. - O diretor virou o rosto e seus olhos de raposa diminuíram ao observar Dam discretamente. Somente os amigos de Tae (até o trio mais novo) poderiam entender aquele olhar. - Para alguns, eu diria que isso é uma sorte tremenda, pois algumas eliminações foram postergadas.- ele agora olhava para os integrantes da primeira fileira. - Esta prova era um pequeno teste.

    - Treinar uma coreografia complexa em 12 horas exaustivas é um desafio para qualquer profissional. - O produtor Cha Hyunseok deu um passo para frente e assumiu a fala. - Sabemos que nem todos aqui são excelentes em habilidades de dança. Então disparamos avisos para que pudessem treinar, mesmo a esmo. Creio que a maioria aqui tenha praticado coreografias por conta própria, não é mesmo? - sorriu. - Qualquer pessoa pode conseguir dançar se praticar incansavelmente a mesma coreografia. É claro que... - ele olhou para a fileira de Tae, focando no próprio. - Algumas pessoas farão isso de forma melhor e mais impressionante.

    - No entanto, quando estamos em um grupo de música, cada pessoa irá brilhar com o próprio talento - Bonnie deu o passo para frente e fazia um discurso amável como sempre. - Se você não conseguir hoje, não desista. Vocês ainda podem ser cantores, atores... artistas. O que avaliamos hoje é a capacidade de aprendizado. Não importa se você é o visual, vocal principal ou rapper do grupo. Como membro de um conjunto, todos terão que dançar em algum momento. Todos cantam também, sendo em mais ou menos linhas. Por isso, queridos, nós estivemos assistindo aos ensaios de vocês e foi isso que avaliamos.

    - A curva de aprendizado e a facilidade em aprender algo novo foram nossos principais pontos de atenção. É claro que, como disse, alguns aqui são excelentes dançarinos e na próxima etapa poderão exibir isso com orgulho se tiverem sorte. Também levamos em conta que alguns de vocês possuem mais... recursos para encontrar professores lá fora. Por isso, hoje, nós quisemos colocá-los sob a pressão de um ensaio profissional. O resultado disso foi elevarmos o stress de vocês ao limite e, infelizmente, problemas surgiram decorrentes disso, naturalmente.

    - A agressão é lamentável e por isso anunciamos hoje a eliminação dos seguinte participantes: Bohn Hoon, Lee Jinyoung, Kim Gunhee e Bak Chay. Entre eles, estavam bons dançarinos e rappers. Uma pena. - o diretor concluiu e burburinhos surgiram entre os candidatos, que se entreolhavam. Bonnie suspirou e olhou para o chão, mas era sua vez de falar.

    - A Shine Bright Entertainment repudia qualquer ato de violência, moral ou física. Nas próximas etapas, nós exaltaremos o espírito de equipe, o companheirismo e o talento, é claro. Lembrem-se: a pessoa que está a seu lado pode estar em um grupo com você amanhã. Vocês irão brigar? Irão separar o grupo antes da estreia? Querem jogar fora a carreira de muito esforço por um desentendimento especial? Aprendam a lidar com as diferenças com maturidade e pensem nisso, por favor.

    - Agora... os próximos eliminados. - o diretor tinha um imenso prazer de dizer isso e ouvir de alguns coisas como: "O quê? Mais gente?"

    - Isso mesmo. Ainda faremos a apresentação final, como um prêmio para os vencedores. Dessa forma, vocês poderão dançar sem medo e com a alegria e alívio, sem a tensão que foram submetidos o dia todo. - o produtor parecia feliz em dar essa notícia.

    - No entanto, podemos eliminar qualquer um de vocês que parecer desleixado nesse momento. É verdade que as expulsões nos obrigaram a repensar algumas eliminações, mas se insistirem no erro, podemos mudar de ideia. - O diretor realmente sorriu agora, mostrando os dentes em um momento raro. - Se eu chamar seu nome, pode se retirar. - um clima de tensão foi construído naquela quadra. Não sabiam quantas pessoas seriam excluídas. - Bang Sijun, você não pareceu se importar com os ensaios. Seu descaso foi preocupante. Jeon Kim-su. É alto e poderia aproveitar belos movimentos, mas é como se você só quisesse mostrar seu talento com a nossa presença. Um erro clássico. Matsuda Makoto, a dança não foi feita para você. Seus movimentos são sujos e você não tem postura. Bae Keun-in... - ele observou o garoto ao lado de Mi Nam - sua última chance será nesta apresentação, por uma divergência de opinião. Alguns de nós viram o seu descaso em abandonar a dança como um mero problema de saúde... e que supostamente estava guardando suas energias pulmonares para a real apresentação.

    Bae tremeu e engoliu o choro, concordando várias vezes com a cabeça e agradecendo repetidas vezes. O diretor sorriu de forma provocativa para Go Mi Nam, como se ela também estivesse em risco.

    - Continuando, Lee Changying. - Alguma surpresa surgiu entre os candidatos. Pois essa era a bela moça do guzheng no primeiro dia. - Eu resisti em aprová-la por este motivo. O pop não é para você.

    - Tenho certeza que poderá se tornar uma boa artista solo, querida - Bonnie tentou corrigir. A menina fez uma reverência rápida, educada, e foi até o vestiário para buscar suas coisas.

    - Continuando... Hitomi Miyuki, Eun Junmin….

    A lista seguiu com burburinhos e exaltações. Sem saber o motivo de sua eliminação, algumas delas sem nem ter aparecido na edição, as meninas alternaram entre choro, paralisação e uma breve reverência. Três delas cumprimentaram Peach antes de ir embora e estavam no grupo de bajuladoras da atriz.

    - Agora, vejamos, quem mais nós eliminaremos? - o diretor voltou a sorrir.

    - Diretor, pare de torturá-los. Obrigada, queridas. - Bonnie recebeu as reverências das ex-participantes e um novo silêncio se fez na quadra.

    - Parabéns. Vocês passaram para a terceira etapa. - o produtor anunciou e vários gritinhos e aplausos foram ouvidos. - Calma, calma, não gastem energia. Temos a última etapa para gravar. Estão prontos?


    Do fundo, Dam parecia bem aliviado, apenas suspirando. Minsoo disse um "bom trabalho" para os amigos. Estava satisfeito consigo mesmo.

    Quan Lei assentiu, orgulhoso de si e disse um "Muito bem. Agora estamos quase virando rivais", brincou para Shin Hee.
    Tommy, mais à frente ergueu o punho feliz. Joon, também salvou olhou para o alto e soltou um belo suspiro de alívio. Seu "emprego" estava a salvo.

    Peach virou para trás para dar um sorriso e um meneio a Tae. Hyerin só continuava em seu lugar meio cabisbaixa, aceitando que tinha passado. A seu lado, Minki berrava para todos ouvirem: " GO MI NAAAAAAAAM AMIHAAAAN, BAE. FIGHTING!"

    Yieun levou a mão ao coração e suspirava de alivio. A única que parecia infeliz naquele local era Euntak, que torcia a face. Sua felicidade pela permanência no programa não era maior do que a raiva por Yuki ser aprovada. Bae chorava muito, sem conseguir se conter. Seu nome ainda estava em risco, mas já se via eliminado desde o princípio. O motivo de estar ali, é claro, deveria ser sua apresentação impecável no primeiro dia.

    Staffs se apressaram em ajeitar os participantes de forma que a fila ficasse harmônica. Câmeras maiores se aproximaram do grupo e novas luzes na quadra indicavam que finalmente a prova começaria. Os organizadores do programa não sabiam, mas alguma parte daquela letra cabia muito bem a cada um deles naquele momento.

    Todos os perdedores no mundo
    Haverá um dia em que perderemos
    Mas não é hoje
    Hoje, nós lutamos!

    Não, hoje não
    Algum dia, as flores irão murchar
    Mas não, hoje não
    Mas hoje não é o dia
    Não, não, hoje não
    Ainda é um dia bom demais para morrer
    Não, não, hoje não! Não, não, hoje não

    Yeah, somos extra
    Mas ainda fazemos parte deste mundo
    Extra + ordinários
    Bom, não é como se fosse grande coisa
    Hoje não morreremos
    A luz penetrará através da escuridão
    Você quer um novo mundo também?
    Oh, baby, sim eu quero isso

    Se você não pode voar, então corra
    Hoje nós sobreviveremos
    Se você não pode correr, então ande
    Hoje nós sobreviveremos
    Se você não pode andar, então rasteje
    Mesmo se você tiver que rastejar, dê um jeito (dê um jeito)
    Preparar, apontar, fogo!

    Não, hoje não!
    Não, hoje não!
    (Hey) aqueles que persistem, mãos pra cima!
    (Hey) amigos, mãos pra cima!
    (Hey) se você confia em mim, mãos pra cima!
    Preparar, apontar, fogo!

    Não vamos morrer, não questione, apenas grite
    Não, hoje não!
    Não se renda, não chore, ponha as mãos para cima
    Não, hoje não
    (Hey!) Não, hoje não
    (Hey!) Não, hoje não
    (Hey!) Não, hoje não
    Preparar, apontar, fogo!

    Tão quente, nosso sucesso está se duplicando
    Tão quente, estamos derrubando as paradas
    Tão alto, estamos em um trampolim
    Tão alto, alguém tente nos parar
    Não poderíamos falhar
    Porque nós acreditamos um no outro
    O que você disse (yeah)? Hoje não (yeah)!
    Hoje eu definitivamente não morrerei (yeah)!

    Acredite em mim, que estou ao seu lado
    Juntos, não vamos morrer
    Eu acredito em você, que está do meu lado
    Juntos, não vamos morrer
    Acredite quando digo que estamos juntos nessa
    Acredite no Bangtan
    Preparar, apontar, fogo!

    Jogue para cima! Jogue para cima!
    Jogue fora o medo em seus olhos
    Quebre-o! Quebre-o!
    Quebre esse teto de vidro que está te prendendo
    Aumente! (Aumente!)
    Queime! (Queime!)
    Até o dia de nossa vitória (lute!)
    Não se dê por vencido, não desmorone
    Isso não acontecerá hoje!

    Para uma garota determinada até o limite de se transformar em outra pessoa, e que agora enfrentava, mais uma vez, o problema de se manter um segredo e ser o melhor amigo de um garoto por quem está apaixonada…

    Para um rapaz que obteve tudo na vida, exceto atenção, respeito e afeto paternos, mas agora começava a trilhar para obter por mérito próprio o que merecia, acima de seu medo, mesmo que isso o afastasse ainda mais do amor de seu pai…

    Para um jovem com um incrível talento, porém sempre questionado simplesmente por ter um título que, ironicamente, sempre ostentou e almejou, e que agora sentia que quanto mais perto estivesse do sucesso, mais suas alianças que antes pareciam tão certas ficavam estremecidas, enquanto tantas outras erradas pareciam se fortalecer...

    Para uma garota que finalmente descobria que para além de pequeno mundo, existia um tanto maior que lhe convidava a abrir suas asas, não as de fé, mas as humanas, com o talento que lhe era visto como amaldiçoado, mas que naquele lugar a cercava de pessoas iluminadas…

    Para a pequena sonhadora que agora vivia um encanto de dorama em sua vida, com direito a vilões que a perseguiam, um mocinho encantador, uma amiga fiel escudeira, que precisava de seus cuidados por muitas vezes, e tantas outras aventuras que só começavam em seu pequeno milagre de transformação pessoal…

    Não seria aquele o dia em que seriam eliminados.
    Feridos, muitos deles.
    Mas não derrubados.

    Ao final da coreografia, a staff bateu palma, enquanto os jurados observaram a sua maneira aos competidores afoitos a sua frente. Bonnie sorria orgulhosa, enquanto o diretor permanecia com os olhos de raposa e o produtor fazia pequenos acenos, olhando para cada um ali.

    - Senhoras e senhores... Sem mais surpresas por hoje. Todos vocês estão aptos para a terceira etapa. - O produtor falou entre gritos e pessoas que se deixavam cair de joelhos.

    - Parabéns. Sabemos que deram tudo de si. Também sabemos que nem todos aqui têm a dança como atividade principal. Queremos que se lembrem como foi se dedicar ao máximo e o sentimento que estão agora. Nunca se esqueçam disso, queridos.

    - A próxima etapa exigirá estratégia de algumas pessoas em especial, além de suas habilidades naturais. Treinem. Um fracasso pode custar mais do que imaginam. Tenham uma boa noite. - o diretor concluiu.

    - Esta última etapa da prova estará disponibilizada na íntegra pela internet, em nosso site, para que possam assistir e fazerem uma autoavaliação.

    - Estão dispensados - Cha Hyunseok encerrou, por fim e bateu palma, seguido por sua colega.

    A essa altura, Bae já estava no chão aos prantos, enquanto Minki festejava para uma Hyerin apática, antes de sair correndo para os amigos da frente. Ele pulava de alegria em volta de Eu Se, enquanto Amihan se aproximava com um sorriso, fazendo um sinal de positivo para ela assim que chegou. Apesar da faixa tê-la ajudado, sabia que a melhor coisa a fazer quando voltasse do jantar, seria dormir por muitas e muitas horas.
    - Somos sensacionais! INCRÍVEIS - o loiro berrava sem parar.

    Ali atrás, Hyerin virou para trás para olhar Tae e, se assim ele quisesse, seus olhares se cruzariam. Ela apenas não conseguiria sustentar isso por muito tempo, pois abaixou o olhar em seguida, parecendo culpada.
    - Eu passei também? Não acredito! Hahaha. Obrigado, Tae-shi. Devo mesmo isso a você - Minsoo fez uma reverência breve. Depois, esperou que Yuki ou Eunji olhassem para trás, para acenar animado para elas.
    Uma pessoa que não demorou nada para aparecer ali no meio foi Peach, que sorria de forma adorável e disse: - Sabia que conseguiria. Foi maravilhoso, oppa.
    Hyerin deu um sorriso de leve, compreendendo que era culpa sua não poder lhe dar parabéns. Em seguida, saiu para se aproximar discretamente do grupo de Minki.

    Dam preferiu, novamente, sair de forma discreta, para tomar água,mas não sem antes dar um tapinha amigável no ombro de Tae. Sua performance tinha sido bem melhor do que das outras vezes.

    Ainda lá atrás, Quan Lei esticava os braços, cansados, mas só de observar aquilo Shin sentia que não podia fazer mais nenhum exercício pelo resto do dia. Tinha conseguido. Mas de alguma forma ele sentia que estava em seu limite, mesmo que não estivesse completamente cansado agora. O motivo para isso era bem claro… será que era seguro arriscar um churrasco?
    - Ei, estou falando com você. Ficou tão emocionado assim por virar meu rival? - ele percebeu então que Quan Lei estava falando há um tempo.
    - Agora estou mais confiante - Tommy comentou se aproximando do grupo. - Essa era a prova que eu tinha mais receio. Acho que agora parou com essa coisa de dança, né?

    Lá na frente, EunTak saiu feito um búfalo para o vestiário, não conseguindo sorrir em nenhum momento, deixando até YiEun para trás, com um beicinho. Ela aproveitou a deixa para chegar perto das meninas.
    - Ei, parabéns. Foi bem legal. Nos vemos na terceira etapa. - sorriu amistosa. Mas logo Dam se aproximava do grupo como um cão de guarda. - Ah, oi, oppa!
    - Está tudo bem? - ele perguntou diretamente para Eunji.
    Chaesoo pululou de alegria até elas, batendo palmas.
    - HA. Isso foi maravilhoso. Conseguimos!! Haaa! - suava bastante, mas parecia ter energia infinita agora.
    Yuki estava definitivamente exausta. As duas se davam conta agora de algo fundamental: quanto tempo havia se passado? Os jurados mencionaram algo como estar o dia todo ali dentro e deram “boa noite”. Nem a senhora Bora, nem Tae-gyu estavam cientes de que estariam até aquela hora no local. Precisariam dar um sinal para que fossem buscadas. Para Eunji, existia outro problema: ninguém em sua casa sequer imaginava que ela estaria até aquele horário na rua.



    Corações, quero considerações finais, o que pretendem fazer, o que vão fazer etc. Assim, continuarei aqui ou em outro tópico, dependendo. Smile
    Gakky
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1472
    Reputação : 87
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1011.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Gakky em Ter Maio 30, 2017 12:23 pm

    Yuki admira a diplomacia de Minsoo o tempo todo que ele falava. "A voz dele é tão bonita" - pensava fascinada. Ela queria ser alguém que pudesse andar ao lado desse príncipe. Também fica feliz quando Chae comenta que queria comer algo depois. Mas não entende sobre as acusações que Tae havia feito ao grupo de garotos, para ela, eles só estavam sendo gentis.

    O que surpreendeu Yuki foi ver YiEun sorrindo para elas, mas não entendia como ela conseguia largar amizades por outras só para poder se dar bem. Yuki jamais conseguiria fazer algo assim. Então os jurados apareceram e começou a prova enfim. A japonesa logo sentiu um frio no estomago quando começaram a falar. Haviam tido muita sorte dos garotos não terem sido expulsos, ainda mais o Dam, que pelo que ouviu, havia quase agredido alguém. Apesar de Bonnie falar um discurso amável, Yuki não conseguiu se acalmar e desejava muito em pensamento que passasse nessa fase. "Eu sei que já pedi várias vezes, mas vou precisar de muitos milagres, por favor, me ajuda, nos ajude. Me deixei ser alguém que faça meus pais acreditarem em mim, e que pode ficar ao lado do Minsoo. Não me deixe ser a garota perdedora, por favor" - Pensava Yuki.

    Então começaram a falar os nomes, cada nome fazia o coração de Yuki ficar mais apertado. Pareceram horas, mas quando terminou, Yuki sorriu surpresa por não terem falado o seu nome e nem dos seus amigos. Ela olha boquiaberta para os amigos, vê o rostinho de Eun-ji, e depois o belo rostinho meigo de Minsoo, como ele era bonito, suspira. Mas nada era tão perfeito, Euntak parecia aborrecida, mas ela tinha passado! Por que estava tão brava? Se perguntava Yuki.

    Então todos fizeram a ultima dança, Yuki se esforçou para fazer bonito. Agora estava mais determinada do que nunca, havia dado mais um passo em direção ao seu sonho. E ela não iria jogar isso fora, as oportunidades que a vida enfim lhe havia dado, ela iria agarrar com todas as forças. Não deixaria nada, nem ninguém atrapalhar o seu caminho. Podia ser fofa e incapaz de brigar, mas agora que seu sonho estava em jogo, precisaria ser mais forte. Faria a garota sardinha, virar uma sereia.

    - Obrigada... Af.. Af... YiEun - Responde  YiEun, quase sem folego por estar exausta, havia dado tudo de si - É uma pena...Que teve que ir...

    Depois ela se joga praticamente em Eun-ji, lhe dando um abraço que as duas quase caem em cima de Dam, Yuki repete enquanto abraça a amiga, dando uns pulinhos:

    - Conseguimos! Conseguimos! Ahhhnnn... Cuidado!

    Então ri e para para respirar mais um pouco, cada pulinho tinha custado mais uma dor, sua franjinha estava molhada de suor. Mas valia a pena. Então Dam chegou para conversar com Eun-ji, aqueles dois estavam dando um belo mangá, percebeu. Então Chaesoo veio animada pulando, Yuki não resistiu e pulou também, o que a causou dor novamente. Ela olha para Minsoo e fica um pouco envergonhada, queria se esforçar para ser alguém capaz de andar ao lado dele. Estava até pensando em comprar maquiagens, talvez tivesse algumas baratas ou seu irmão talvez pudesse ajudar.

    - Nossa, olha o horário... - Notou Yuki, depois fez uma carinha triste ao notar que não teriam como comer juntos - Ah, não vai dar para sairmos juntos... Preciso falar com o meu irmão meu buscar, mas não sei como... E você Eun-ji? Quer ir dormir na minha casa? Você e a Chaesoo!? Minha mãe não vai se opor. Mas não reparem, minha casa é simples...

    Yuki se agacha estranhamente no chão, suas pernas estavam doendo e não estava mais aguentando ficar de pé, então se senta no chão:

    - Desculpe, preciso sentar enquanto decidimos, meus pés estão me matando... Acho que vou ter que ligar para o meu irmão, não para ele, mas para vizinha... Então peço pra ela avisar ele... Só que não trouxe meu celular...

    Yuki não queria dizer, mas não havia levado seu celular porque estava sem créditos, além de ser muito antigo. Não queria passar vergonha sendo vista com ele.

    shamps
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1317
    Reputação : 69
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1011.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por shamps em Ter Maio 30, 2017 12:48 pm

    Um pouco confusa, Eun-Ji não conseguia entender mais nada, mas preferia acreditar em Dam. Ele ainda acreditava em Tae, só que a ruiva já não sabia mais o que pensar, estava triste por toda aquela situação ruim. Assim que ela pediu que Dam a soltasse, ele o fez e pediu para que ela não fugisse de novo. Ela elevou seus olhos claros na direção do olhar dele e o encarou surpresa com seu pedido. A jovem ficou emocionada com o pedido do rapaz e sorriu, apesar dos olhos marejados.

    - Tá bom, Dam oppa. Eu prometo... promessa de dedinho? – olhou para ele querendo saber o nível de interesse com a promessa. Ela estava comprometida com a situação.   As palavras de Tae foram dolorosas para a garota, não porque ele estava sendo cruel com ela, mas porque fez com que ela se sentisse uma tonta. Olhou com tristeza para os três garotos, não acreditando que eles estavam se aproveitando delas. Sentiu-se péssima com o sorriso que Quan Lei lançava na direção deles. Mais uma vez ela achava que podia fazer amigos, não conseguia imaginar o que qualquer um deles poderia querer com ela, não conseguia acreditar no que era dito. Já estava bastante confusa. Dois lados diferentes, duas opiniões diferentes. Como ela conseguiria suportar aquilo? 

    - Por que sempre que acho que estou fazendo amigos, algo ruim acontece  - fez uma cara tristonha, mas mesmo assim se curvou para os meninos, antes deles se afastarem - de qualquer forma, obrigada pelo apoio Tommy shi, Quan Lei jun e Shin Hee shi. Desculpe por qualquer mal entendido. 

    Os ânimos ainda seguiam acalorados.

    - Por favor... parem de brigar! Por favor...   Por fim Minsoo se manifesta tentando acalmar os ânimos e a ruiva suspirou aliviada, as palavras dele poderiam sustentar as suas.  - Sim, Minsoo shi. Estamos todos nervosos... é só isso – a jovem
    tinha esperança de que fosse só um mal entendido entre eles. Não queria mais brigas.  

    Por sorte Chae era muito animada e lembrou as garotas de que elas precisavam comer depois da prova. Realmente elas tinham almoçado mal e Eun-Ji sentia fome, além do cansaço físico-emocional daquele dia tenebroso.  Ainda tinham uma prova para passarem.Antes de ir para seu lugar na fila, Eun-Ji não poderia deixar Hyerin sozinha, mesmo que ela quisesse ficar só, a ruivinha tinha que pelo menos dizer que tudo ficaria bem.

    - Não fica assim, Rin - pousou a mão no ombro dela - vai dar tudo certo. Fighting! Estaremos logo à frente se precisar de nós... bem... não que eu vá ajudar muito, mas... - mesmo triste com tudo aquilo, Eun-Ji ainda sorri para a amiga e volta para seu lugar.

    YiEun se encontrava por ali também, um pouco sem graça de encarar a ruiva, mas sorriu para ela e Eun-Ji retribuiu o sorriso. Eun-Ji tinha um coração puro e não carregava mágoas ou ressentimentos, por isso tudo aquilo a machucava tanto. Nem mesmo de Peach guardava qualquer sentimento ruim, por mais que agora fosse uma hora péssima para se aproximar ou tentar qualquer coisa, a mocinha ainda queria manter sua educação e curvou-se em direção a Peach, mesmo à distância, querendo dizer que sentia muito e que demonstrava seu respeito por ela. Ela mesma devia desculpas à atriz.

    Já com as filas organizadas, era hora de dançar. Os jurados apareceram e começaram a falar e Eun-Ji tremia cada vez que Song se manifestava, só se acalmando com as palavras gentis de Bonnie, a verdadeira diva ali. As palavras dos três eram muito sábias e valorosas, Eun-Ji tremeu ao notar que Song olhava para Dam. Queria olhar para ele, mas temeu que esse gesto o prejudicasse, então preferiu ficar imóvel no lugar. Cha se referia ao trabalho duro e isso a ruiva levou com tranquilidade. Ela estava acostumada a trabalhar duro e dançar era muito gratificante, como se aquilo completasse sua música. E as palavras de Bonnie eram lindas como sempre incentivadoras, falando dos vários talentos e como cada um poderia explora-los. Será que ela tinha mais algum talento além de cantar?Quando ela começou a falar sobre as equipes e grupos que poderiam vir a formar, a ruiva começou a chorar e secava o rosto com as mãos, preocupada com a possibilidade de estar com aquelas pessoas que a odiavam, como seria conviver com elas? 

    Logo começaram as eliminações e todos estavam apreensivos, inclusive ela. E se fosse eliminada também? Como e onde iria poder cantar. Seu sonho de cantar teria um fim. Ao final do falatório cruel de Song, Eun-Ji relaxou os ombros, aliviada por ter passado, mal podia acreditar. Ao invés de chorar ela sorriu e olhou para Yuki, abraçando a amiga, feliz por ela ter passado. Também fez um aceno breve para Go Mi Nan que estava ao lado delas. Por estar na frente, ela volta-se para trás para saudar os amigos, erguendo o braço em vitória para todos eles, incluindo os dois trios maravilha e Rin, também Min-ki, YiEun e Peach. 

    Finalmente era a hora de dançar para valer, e como Eun-Ji aguardava por esse momento. Depois de tantas turbulências e tristezas, essa era hora de por tudo para fora, o momento em que a jovem poderia se livrar de mais um peso, de todas as tristezas do dia. Momento de se libertar.Dançou com vontade e força, a letra da música era muito condizente com o seu atual momento e isso serviu como um tempero para sua busca pela perfeição. Estava longe disso, é claro, mas não longe de dar o melhor de si. 

    Assim como a maioria, Eun-Ji também desabou no chão, cansada e estressada, seus músculos tremiam, ao mesmo tempo estava aliviada por ter vencido mais uma etapa. Ela chorava e ria ao mesmo tempo, escondendo o rosto entre as mãos, depois ela estendeu a mão para sua amiga, para que trocassem energias, que ela sabia que também Yuki vencia mais uma etapa, assim como ela. 

    - Con...seguimos... unnie - arfava - como... disse a música... não foi hoje que caímos - sorriu satisfeita por suas garras naquele dia difícil. Eun-Ji olhou para atrás para poder ver a felicidade de seus amigos e levantava-se com esforço para poder saudá-los. Nesse meio tempo YiEun se aproximou desejando parabéns às duas e a ruiva retribuiu com um sorriso.

    - Obrigada, YiEun shi. Sabia que você também iria passar - logo Dam chega e pergunta se está tudo bem - está sim, oppa. Fico feliz por você ter passado - e sorria para ele. Queria fazer mais por ele, mas por hora contentou-se em apenas sorrir. 

    Ficou preocupara com a próxima prova, mas isso não a abalou mais do que saber que já era tão tarde. Será que a senhora Bora estaria lá fora? E se não estivesse, como voltaria embora? E sua mãe? Tremeu ao imaginar o desgosto que sua mãe sentiria dela.

    - Já está tão tarde assim?  - parecia bem preocupada - como eu vou falar com a senhora Bora? - olhou para Yuki e Dam.

    Yuki convida Eun-Ji e Chae para dormirem em sua casa, deixando a ruiva muito comovida, mas teria de pedir para sua mãe.

    - Unnie, vou ter que perguntar para minha mãe - o ar preocupado estava bem evidente agora, parecia até medo - nunca pedi para dormir na casa de ninguém, aliás nunca fiquei fora de casa tanto tempo... acho que minha mãe vai me matar... - um pavor tomou conta dela quando lembrou de suas cicatrizes.
    Persephone
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 341
    Reputação : 95

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Persephone em Ter Maio 30, 2017 1:24 pm

    Tae Woo acabaria falando sozinho, pelo menos a metade final de seu discurso. Shin não tinha ficado para ouvir um réplica porque suas palavras não lhe interessavam mais, já tinha dito o que achava e, no fim, sobrava apenas pena. Ficaria à critério dele se elevava ou não a voz para continuar falando impropérios e se provar, na concepção de Shin, ainda mais mimado e infantil. Até porque, Shin tinha coisas mais importantes para se preocupar no momento, como sua dor que estava voltando. Queria sair logo dali para poder parar no ponto de sua dança e se concentrar.

    As opiniões alheias não estavam importando, até porque estava bastante tranquilo com sua consciência. Gritou com Peach porque ela começou uma história falaciosa à respeito do loiro chamado Minki - tudo bem que ela não disse que foi ELE quem bateu, mas o simples fato de ter citado o nome dele durante um momento de tensão, já era uma indireta/direta; falou com as meninas e tentou tranquilizá-las, mesmo sendo um estranho, pois era assim agia quando via qualquer pessoa em situação de desequilibrio ou instabilidade, era seu instinto. E não tinha se arrependido de nada disso, teria feito tudo de novo, mesmo que agora levassem outro tipo de interpretação. Quanto a Tae, foi da desconfiança à confiança para cair na decepção.

    Por ter conversado com os meninos anteriormente, já tinha ouvido muitos rumores sobre ele. Tentou manter a neutralidade, mas desconfiando. A situação do pós-vestiário foi um teste de confiança e ficou satisfeito por ver que ele não culparia outra pessoa além dos responsáveis. Contudo, agora, depois de ouvir aquele discurso para os "amigos", ele concordava com o que diziam antes. A diferença é que não participaria de nenhum ato violento ou coisa do tipo, pois era avesso à brutalidade. Só que era verdade. O proprio rapaz mal encarado que estava com Eunji só ficou por provável influencia de Tae.

    O que isso significava para Shin?

    Nada.

    Porque Shin não se importava com a opinião deles e sabia que desde que fizesse o seu melhor, conseguiria continuar ali. O programa não duraria para sempre, afinal, não teria que conviver com aquelas pessoas para sempre. Mas suas memórias, sua conduta e etica, bom, isso sim permaneceriam com ele para sempre. Por isso não cairia em nenhum tipo de provocação.  

    Shin só parou quando Eun-Ji falou. Ele virou-se para encará-la, dando mais importância e moral para a jovem do que para o ídolo do programa e esboçou um sorriso. Porém, não disse mais nada. Era melhor se afastar antes que mais provocações e desentendimentos acontecessem. Não tinha nada contra as meninas, afinal. O sorriso com a covinha logo foi sumindo quando deu as costas e voltou a andar até seu lugar.

    Olhou de banda para Tommy ao ouvir a voz dele meneou negativamente.

    - Por que deveria ter medo dele? Quem está se descontrolando é ele, não eu. - Deu de ombros - E sim, eu já estive fora da Coreia algumas vezes, mas apenas de férias. Nunca fiz um intercâmbio. Quem sabe não faça em breve?

    Ponderou, achando uma ideia interessante. Quan Lei falava logo em seguida e, nesse momento, Shin ficou um pouco mais sério.

    - Não tem problema, teríamos que encerrar de todo modo. Mas Quan Lei-shi... - Parou em seu lugar e o encarou. - Não seja inconveniente com a menina. Ela pode ser linda, mas aparentemente, já tem alguém. Não sabíamos disso antes, mas agora...Pense bem se vale a pena ficar provocando o rapaz ou confundindo a cabeça dela. Não é certo.

    Shin não podia ser parcial só por serem seus amigos. Esperava que Quan Lei tivesse um pouco de bom senso, mesmo que ele tenha sido bastante atrevido. Quanto à briga, o rapaz meneou negativamente.

    - Realmente não acho que briguei com ninguém. Mas vamos ver...Fighting, Tommy! Vamos sair para comemorar depois, hm? - Disse confiante e seguiu com Quan Lei até seu posto.

    Finalmente os jurados retornaram e começaram suas explicações. Shin estava com uma postura respeitosa, quase marcial ouvindo atentamente a tudo o que era dito. Aparentemente, eles já tinham sido testados ao longo daquele dia. A surpresa ficou evidente em seu rosto até que os nomes de mais eliminados foram anunciados. Apesar de ter a mente tranquila para uma possível eliminação, ele ficou um pouco receoso por seus amigos, pelas três meninas e, também, pelas gêmeas, principalmente pela timida. Apesar de provavelmente ter deixado uma impressão ruim para elas, não tinha se esquecido do modo como elas tinham se esforçado para fazê-lo sentir-se à vontade. Os olhos voltaram-se lentamente na direção delas, parando na gêmea timida. Antes que ele saísse completamente de perto do grupinho, ela e a irmã tinham desejado boa sorte e Shin meneara a cabeça positivamente.

    Pode ter parecido um tanto quanto frio, mas ele realmente estava torcendo por elas...

    Os nomes eram anunciados e um por um, os candidatos se retiravam. A lista parecia que não teria fim e o coração de Shin estava bastante acelerado. Até que...acabou. Fechou os olhos respirando fundo, mas sorriu quando Quan Lei veio com a brincadeira. Estava aliviado, mas a ficha não tinha caído ainda. Fez uma careta para o comentário do chinês e acenou para Tommy e as gêmeas. Passou a mão pelos cabelos, jogando um pouco para trás e se curvou um pouco.

    - Não acredito que passei. Meu quadril durou o suficiente

    Disse brincando até que riu e se posicionou para a última etapa. Ainda precisava demonstrar vigor, mesmo que parecesse que seria seu esforço final. Seu lado esquerdo já latejava de dor, mas daria faria aquele esforço. Precisava se provar, principalmente para si mesmo. Usando das dicas que aprendera ao longo da semana, principalmente com a expressão corporal e o famoso "carão", ele alimentou esse personagem por cerca de cinco minutos. Mesmo que seus movimentos de pernas não fossem tão fluidos, ele transmitia o que a musica queria dizer, no ritmo e passos determinados.

    Ao fim, a expressão de guerreiro se desfez e ele voltou a relaxar. O diretor anunciava que não haveria maiores surpresas por aquele dia e Shin deu dois passos para trás, levando a mão direita até a cabeça. Estava com goticulas de suor se formando pelo rosto e a blusa já chegava a colar um pouco. Afastou imediatamente e soltou o ar por um bico. Viu que começavam a se aproximar, mas ele estava tenso e preocupado. Deveria estar feliz, mas agora sentia muita dor. Os dentes trincaram de novo. Quan Lei o chamou e ele encarou o amigo sem entender.

    - Sim, estou morrendo de emoção! - Respondeu fazendo graça, mas não estava muito para brincadeiras. - Ei, ele falou boa noite? Que horas devem ser?

    Tentou enrolar até Tommy se aproximar.

    - Vou pegar minhas coisas e vamos comer em algum lugar? O churrasco, talvez. Estou sentindo minha pressão baixar...

    Meneou negativamente e começou a recuar.

    - Parabéns, de todo modo. E nós não seremos rivais, Quan Lei, formaremos um grupo. - Brincou e seguiu para o vestiario. Catou uma garrafa d'água antes de ir e foi direto até seu armario pegar sua bolsa.

    Enfiou-se numa das cabines e catou três remédios, virando de uma vez só com a garrafa d'água. Olhou para a porta, recordando-se da letra da musica. Seu cabelo brilhava de com o suor que logo pingou pelo rosto até o chão.

    -  Até o dia de nossa vitória, lute! Não se dê por vencido, não desmorone...Isso não acontecerá hoje!

    Murmurou para si mesmo e ergueu-se. Esperaria que o remédio fizesse efeito para que pudesse jantar fora em comemoração à vitória. Mandaria uma mensagem para a mãe, informando que tinha passado, mas que demoraria um pouco mais para chegar em casa.






    Por mim, não precisa entrar em detalhes da comemoração e pode iniciar o próximo passo, Luxi. Mas se quiserem continuar, pode ser também
    Larissa Aprill
    Mutante
    avatar
    Mutante

    Mensagens : 511
    Reputação : 48
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Larissa Aprill em Ter Maio 30, 2017 9:17 pm

    Eu Se já estava posicionada quando os jurados começam a falar no palco, como sempre o diretor Song era assustador, enquanto o produtor Cha era técnico em sua avaliação e Bonnie amável como sempre. Como esperado houve a expulsão do grupo que causou o tumulto no vestiário masculino, isso deixou a menina tensa, mesmo que ela e seus amigos não tivessem qualquer envolvimento. E maior foi sua surpresa quando anunciaram que teriam mais eliminados.

    Quando o Diretor disse o nome de Bae, parecia que ele iria executar seu amigo naquele exato momento. E o olhar que o diretor lhe deu em seguida lhe deu arrepios.  Enquanto eles anunciavam os outros eliminados, Go Mi Nam se inclinou para o lado do amigo e lhe disse palavras de encorajamento, mas quase num tom de sussurro.

    - Bae, naega dangsin-eul midgo, dangsin-eunbad-eulgeoya .... Jigeum-eun pogihaji anhseubnida. Bae, não desista agora.... Você vai conseguir, eu acredito em você.


    Assim que voltou a sua posição original, percebeu que a ruiva estava a olhando e fazendo um aceno breve, Go Mi Nam respondeu com um leve inclinar de cabeça, uma pequena reverência, afinal aquilo que aconteceu na quadra foi apenas um mal entendido. Felizmente o diretor parou de eliminar mais pessoas e ela pode respirar aliviada e Min-ki animado como sempre, tentava incentivar os amigos gritando... Agora seria a hora do show.

    A staff começou a arrumar as câmeras e isso deixou a menina inquieta, mas não poderia se dar o luxo de se preocupar com isso agora, teria que dançar como se sua vida dependesse disso...pois hoje ela não iria ser derrotada. Começou a dança ajoelhada e mantinha uma olhar determinado na pessoa a frente, pois tinha que seguir os movimentos sincronizados com sua fileira. Houve momentos da dança que ficou com os ombros colados com a ruiva e Bae, mas eles dançavam em sincronia e a energia na quadra, fazia todos se movimentarem num mesmo ritmo e empolgação. Naquele momento não havia rivalidades, apenas um bloco de pessoas unidas correndo atrás de seus sonhos.

    Naquele momento não importava se ela era uma menina ou menino, não importava seu amor secreto por Min-ki, pois conforme ela se movia, a cada passo, a cada respiração, ela lutava para permanecer no programa mais um pouco, pelo simples fato de estar feliz ao viver tudo aquilo. Então ela precisava lutar mais um pouco e tendo em mente que precisava manter seu disfarce, ela fazia os movimentos com uma empolgação extra, mantendo as mãos o mais firme possível.

    Quando a música enfim acabou, Eu Se sentia seu coração bater descompensado no peito, ela arfava de cansaço e de felicidade, haviam conseguido...todos tinham conseguido passar para a terceira fase. Bae caiu de joelho ao seu lado chorando, a garota se aproximou dele e deu batidinhas na suas costas. Min-ki chegou escandaloso como sempre e fez a menina sorrir alegre, mas quando viu Amihan se aproximando e lhe fazendo um sinal positivo, ficou orgulhosa de si mesma, tinha superado mais uma barreira.

    Seu corpo doía em todo os lugares, mas esse era o preço por todo seu esforço, mesmo dolorida e cansada. Ela queria comemorar com os amigos.

    - Meogja!!! Vamos comer!!!

    Esperava que isso animasse Bae novamente, ela vê Hyerin se aproximando e faz um pequeno aceno, pelo visto ela realmente iria com eles. Isso a incomodava um pouco, talvez uma pontinha de ciúmes, mas sabia que Min-ki ficaria feliz com a presença da antiga amiga.


    Okley
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 226
    Reputação : 2
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Okley em Qua Maio 31, 2017 2:06 am

    Tae estava com a postura reta e confiante, não seria um qualquer que aparece em sua frente, fazendo de “hater”, que iria acabar com ele, afinal já tinha visto alguns em suas redes sociais e sabia que era melhor ignora-los. De braços cruzados, olhando o garoto saindo rapidamente dali onde estavam. Tae deu um sorriso, virou para o lado onde estava Dam, que aparentemente queria só proteger Eunji, e sussurra para ele, falando sobre Shin.

    - É umm cachorro covarde, vem latido e depois corre de medo. Um babaca!

    Quando ria já um tanto alto, virou para ver o que Minsoo diria. Concordando com que disse e logo se caminhou para a quadra com os demais, não disse nada pois ainda ria de tudo que tinha acontecido.

    - Acho melhor mesmo esperar ver no que vai acontecer daqui para frente, acredito que as máscaras ainda vão cair, tem aproveitadores mesmo.

    No meio da quadra estava concentrado, olhando somente para frente, colocaria sua energia na dança, era o que mais o acalmava. Nem se importou com a interação e conversaria que os demais faziam antes da apresentação. Somente quando Peach sorriu para ele, ele olhou para ela, dando uma piscadinha de olho para ela.



    Até que chegaram os jurados e o diretor começou falando. Deixaram claro a preferência pelo Tae na dança, mas Tae temia isso de outros acharem que estavam ainda mais privilegiando ele novamente, não tinha muito que fazer então continuou a olhar atento ao que diziam. Não se surpreendeu que aquela era mais uma eliminatória, já tinha falado para os outros sobre aquilo.

    Tae estava atento a lista de nomes que sairiam agora, se iria algum de seus amigos, que tinha treinados eles para poder dançar nessa apresentação, por mais que acreditava que todos passariam sem problema, ainda poderia ter surpresas.

    Comemorou rápido por ter conseguido passar sem grandes problemas assim como todos seus amigos, tinha conseguido até ali. Mesmo que acreditaria que ele passaria sem problemas, melhor demonstrar que ainda, que não estava livre de eliminação. Peach se demostrava bastante simpática com ele durante todo dia, ficou imaginando se ela tinha mudando depois que eles jantaram, pensando nisso quase se esqueceu de retribuir o sorriso para ela.

    Chegou o final da apresentação sem mais problemas, mesmo ele já estava exausto, ficou só com um sorriso no rosto, demonstrando a felicidade. Teve a impressão que que Hyerin tinha olhado para ele, mas quando ele foi olhar para ela, estava de cabeça baixa. Ela estava bem ruim mesmo com a situação toda, ela queria realmente que Tae voltasse a ser amigo Minki, não tinha como dar o braço a torcer tão certo assim.

    Minsoo se aproxima dele, cumprimentou satisfeito por ele, sem lhe responder, apenas dando um abraço de lado. Até que na sua frente, aparece Peach, toda adorável como sempre.

    - Você saiu super bem também, toda meiga e foi até o fim.

    Dam passa e dá um tapinha amigável em Tae, que retribui um aceno rápido. Voltando a atenção a para Peach, ele vai se aproximando dela enquanto a olha bem.

    - Tenho uma pergunta para fazer mas tenho medo da resposta....

    Se aproxima bem dela quase rosto a rosto, preparando já para um beijo.

    - Você quer namorar comigo?
    Luxi
    Moderador
    avatar
    Moderador

    Mensagens : 1236
    Reputação : 173
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1012.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Luxi em Qua Maio 31, 2017 9:51 am



    Dam olhou para os lados novamente antes de estirar o dedinho rapidamente e selar mais uma promessa com Eunji. Ele parecia um tanto envergonhado de fazer isso, o que reforçava o quanto era importante para ele.

    Quando a ruiva pediu desculpas, Quan Lei sorriu de forma bem diferente para ela, mais agradável e simpático.
    - Não se preocupe. Eu é que devo desculpas, acho. Não foi minha intenção causar problemas com o seu amigo. Boa sorte. - fez uma reverência breve e saiu andando atrás de seus amigos, ouvindo a bronca de Shin.

    Dam não respondeu ao comentário de Tae sobre o "cachorro covarde", devolvendo um olhar bem sério e guardando o comentário para si. Não tinha enxergado Shin daquela maneira tão negativa e, no entanto, algumas atitudes do famoso lhe davam mal estar, ainda que tivesse escolhido ser partidário naquele momento por causa do amigo chinês do trio.

    Shin-Hee

    - É, esse aqui é o superhomem, herói da justiça - Tommy fez a brincadeira com um gesto teatral, mas não estava debochando dele, estava impressionado. - Se for para os EUA, vou te mostrar uns lugares legais. Acho que vai se dar bem lá. Os americanos são um pouco como você, eu acho. - fez uma pausa, ouvindo a bronca de Shin em Quan Lei - Ele não vai te poupar por sermos amigos. Fique esperto.

    - É, eu percebi isso. Tudo bem, tudo bem. Eu não sabia que minha garota já estava até fazendo coisas bregas como promessas de dedinho com outro homem. Às vezes temos que aceitar essa derrota... se ele servir pra ela. Pode ser assim? - sorriu de leve.

    - Eu escolhi muito mal meu grupo de amigos. Mas agora já é tarde. O que fazer? - Tommy riu da situação. - Fighting! Se não estivermos mortos depois, podemos comer alguma coisa.

    E o grupo se separou.



    Hyerin sorriu de leve para Eunji e fez um punho de animação enquanto ela a confortava antes da prova.
    - Obrigada, Eunji. Dê o seu melhor. Eu quero ir até a final com vocês. Vou... tentar passar dessa. - sorriu de leve. - Contem comigo se precisarem.

    Peach fez uma educada reverência para Eunji em resposta, o que causou alguns burburinhos entre meninas, que prontamente a imitaram e desejaram boa sorte para Eunji também. Era incrível como a memória dessas garotas era curta.

    Min-ki não entendeu que aquela saudação era para ele, então ficou olhando para os lados meio confuso até que perdeu o tempo de resposta.

    ♫ ♫ ♫ ♫ ♫

    Após a apresentação, os jurados deixaram a quadra com acenos e recebendo reverências. Só então tinha sido liberada a saída de todos oficialmente.

    Candidatos com suas malas prontas deixavam a quadra, alguns ligavam para suas famílias, corriam para o vestiário, ou se abraçavam e choravam. O clima era de felicidade, mesmo quem tinha perdidos colegas naquele dia.

    Tae

    Peach era muito cumprimentada por todos e o mesmo acontecia agora com Tae, que tinha recebido a admiração principalmente dos garotos mais novos.

    - Hyung, quero cair no mesmo grupo que você!
    - Você foi ótimo, sunbaenim!

    Foram alguns comentários que ele ouviu, além de reverências gratuitas. Minsoo tinha saído para cumprimentar as meninas, deixando-o a sós com seus fãs e a atriz.

    - Obrigada, oppa! - Peach sorriu de forma genuína e soltou um risinho, mas foi por dizer isso de forma tão sincera, que Tae perceber que a expressão corporal tímida dela era um tanto fabricada. O que era verdade era seu ego agradecido pelo elogio. Ela seguiu naquela batida da timidez, perguntando de forma dócil - Pode perguntar. O que houve, oppa?

    Shin-Hee

    Quan Lei aceitou a resposta de Shin, mas isso não o impediu de olhar meio estranho para ele, até se distrair com  a pergunta. Deu uma espiada no relógio de pulso.
    - Caramba. São quase 8. Nós realmente passamos o dia inteiro aqui. E com aquela confusão, demorou mais.

    - Eu queria comer cachorro-quente. Topam? Eu não sei vocês, mas eu não quero ir naquele churrasco depois desse climão... - Tommy hesitou um pouco.

    - Não? Olha só você... aquele que ficou atiçando os outros do lado de fora do vestiário. Eu não faço questão também. Vamos pegar as coisas - o chinês saiu em direção ao vestiário - Se eu ficar em um grupo com você, você vai ficar com o maior grupo de fãs bonitas. Não quero isso. - riu.

    Finalmente em privacidade, o rapaz pôde aquietar a ânsia de sua mente. Em seu celular, a mãe de Shin Hee já tinha mandado uma mensagem, bem mais cedo, perguntando como tinha sido, mas felizmente tudo parecia em paz por enquanto. Até que um novo boato começaria ali dentro em instantes.

    Eu Se

    Na fileira da frente, Bae chorava como um bebê, esfregando o rosto no braço quando Eu Se lhe deu tapinhas nas costas.

    - VAMOS COMER - Min-ki berrou todo animado.

    Hyerin se aproximou do grupo, fazendo reverência a eles, mas estava comedida em sorrisos.
    - Que bom que todos vocês passaram.

    - É, agora vamos comemorar! Vamos logo que estou morrendo de fome. - o loiro parecia mais feliz que nunca, e saiu correndo para o vestiário.
    - Vamos encurtar isso e trazer as coisas deles também, Minki. - Amihan anunciou, para evitar mais uma visita desagradável de Eu Se ao vestiário. Estendeu a mão para Go Mi Nam, esperando as chaves dela e de Bae.

    - Bem... vou pegar as minhas coisas também. - a loira saiu para o vestiário. - A propósito, não se preocupem com as faixas, você pode tomar banho com elas, até que comecem a desprender sozinhas.  - sorriu de leve e partiu, não sem antes passar no grupo das amigas.

    ♪  Yuki e Eun-Ji

    - ... É... mas boa sorte - YiEun parecia meio desconfortável e desviou o olhar ao falar com Yuki, especialmente ao notar a aproximação de Dam como um cão de guarda. - Bem, boa sorte, certo? - sorriu meio desanimada para as duas, reforçando a fala, ainda que soasse meio estranho. Fez uma reverência e saiu para se arrumar.

    Dam sorriu de leve ao notar que estava tudo bem.

    Chaesoo se animou muito ao ouivr sobre dormir na casa de Yuki.
    - Uau, isso seria bem legal - fez um sinal de vitória e sentou no chão ao lado de Yuki. - Ei, querem meu celular emprestado?  - ouviu todo o trâmite que a menina teria que fazer para entrar em contato com o irmão e repensou - Já sei. Minha mãe vem me buscar. Eu peço pra ela trazer um pijama e posso dar uma carona para todo mundo. Você não, Dam-oppa. - riu baixinho. - Ué, quer ligar para avisar sua mãe, Eunji? - ela não sabia pelo que a garota estava passando.

    - Se está preocupada em chegar rápido em casa, eu posso levá-la agora mesmo. - Dam ofereceu, notando a preocupação da ruiva em relação a sua mãe. - Vamos. - ofereceu a mão para que ela pudesse se levantar. - Pegue suas coisas.

    - Ei, parabéns. Fighting, pessoal. Até a próxima etapa. - Hyerin passou ali rapidamente e por um motivo nada difícil de imaginar, parecia um pouco artificial, ainda que estivesse sorrindo de leve. Sua fala foi bem breve, saindo logo para o vestiário, mas parando na metade, quando os gritinhos femininos invadiram toda a quadra, com foco em algo que acontecia ali atrás, entre Peach e Tae.

    Tae

    Peach continuou olhando com um ar sem jeito, especialmente porque parte das meninas ali em volta começaram a virar o rosto para ver a cena e um coro de suspiros afetados e gritinhos. Mas essa era sua expressão de atriz, pois quando ele se aproximou dela, seus olhos se arregalaram de verdade e ela soltou um suspiro fracionado pelos lábios entreabertos.

    - O quê? - sussurrou, incrédula. Não havia um traço de felicidade ali, apenas a mais pura surpresa. Suas sobrancelhas se franziram em confusão, enquanto seus olhos buscavam qualquer explicação escondida no rosto de Tae. Parecia... brava?

    - AAAAAAAAA QUE LINDO
    - EU NÃO ACREDITO.
    - WOAAAAA. VAI, HYUNG!
    - Como ele é confiante! Ai, que sonho

    Diante da pressão do público, a atriz deu um passo para trás, evitanto o beijo, e cobriu o rosto com as mãos, depois segurou as bochechas.

    - E-eu... nem sei o que dizer, oppa. Eu... - riu sem jeito e ergueu o rosto perfeito parecendo mais radiante do que nunca, com um sorriso de covinhas encantador. Ela concordou de leve com a cabeça, tímida e logo as pessoas em volta começaram a berrar incrédulas. Não eram todas, mas o suficiente para terem um fã clube. Joon foi visto em cima da arquibancada, digitando loucamente no celular e rindo sozinho.

    - Er...  até mais... opppa! - Peach sorriu de forma meiga e girou o  corpo, sendo prontamente acompanhada por outras garotas curiosas, que a cercavam e faziam várias perguntas.

    O clímax perfeito tinha sido criado em volta daquela história, já que Tae passou a receber suspiros apaixonados em suas costas e sorrisos de torcida de alguns rapazes.

    Não demorou nada para que fofoca se espalhasse com velocidade pelos vestiários e restante da quadra, com pessoas comentando empolgadas sobre o novo casal.

    Yuki e Eun-Ji

    - O que está acontecendo? - Chae se levantou de pronto e foi ouvir fofoca de meninas que passavam. - MeudeusoTaesedeclarouparaaPeach!!!! - cobriu a boca.

    Minsoo se juntou ao grupo de Yuki e Eunji logo após os burburinhos.
    - Bem... que dia, não é mesmo? - sorriu. - Vocês querem alguma ajuda? Parecem exaustas - piscou, olhando as garotas no chão.

    Dam não comentou nada a respeito. Esperava uma resposta de Eunji sobre irem embora.

    Hyerin já tinha se encaminhado para o vestiário.

    Shin-Hee

    - O que é essa gritaria? - alguém comentou no vestiário masculino.
    - É coisa do Tae. Parece que está namorando a Peach agora. - um outro respondeu.
    - SÉRIO? Não era sem tempo.

    - Parece que alguém sabe como trazer todas as edições do programa para si - Tommy riu, fechando seu armário. - De repente esse churrasco me pareceu mais convidativo.

    - Você parece uma comadre fofoqueira - o chinês comentou, meio rindo.

    - Mas ainda assim vou fazer o que o nosso líder quiser - Tommy sorriu para Shin  e esperou sua reação diante do "líder" - É nosso líder porque é o mais sensato. Se deixar na mão do Quan Lei, vamos virar gogoboys.

    Min-ki entrava no vestiário naquele momento, com a expressão fechada. Resmungava sozinho e abria os armários de qualquer jeito.

    - Você vai quebrar a chave e perder as coisas dos outros aí dentro - Amihan tentava acalmar o loiro desenfreado, que bufava.
    - Babaca. Já não fez o show de hoje? - pegou as coisas de Eu Se do armário e as próprias.
    - Vamos pensar em comemorar? Olha, ele não tem nada a ver com a gente. Como acha que Go Mi Nam vai ficar vendo que a noite foi estragada de novo por causa desse cara?
    O loiro parou de repente.
    - Por que você falou no Mi Nam?
    - Porque é ele quem está pagando tudo.
    - ... Tá.

    - Oi! - Tommy chegou sorridente para os dois. Quan Lei olhou para Shin e revirou os olhos. O loiro encarou o americano.- Desculpa incomodar. É que a Hyerin-shi nos chamou para o churrasco. Só queríamos saber se está tudo bem a gente ir. - sorriu feito um filhote de cachorro, de tão fofo.

    - A Hyerin? - Minki franziu a testa. -  .... Tá. Tanto faz. - deu de ombros e começou a sair do vestiário com suas coisas, parando quando viu Shin. - Ah. Obrigado por hoje. Você. Nunca nos falamos, mas você foi em meu favor. Bem... eu acho que tudo bem vocês virem.
    Amihan deu um longo suspiro, imaginando a cara que Eu Se faria quando eles aparecessem em um grupo gigantesco, mas se adiantou:
    - Meu nome é Amihan. Prazer.

    - Eu sou Ng Quan Lei. Podem chamar só de Quan Lei.
    - Sou o Tommy - ele voltou para o lado de Shin todo sorridente, como uma criança peralta.

    - Minki, mas a essa altura todo mundo sabe disso - falou meio amargo. - Bom... eu quero ir embora logo daqui. A gente tá indo. - o loiro fez um sinal para ser acompanhado.

    Eu Se e Shin-Hee

    Minki voltou ao grupo de Eu Se, carregando a bolsa dela e a própria. Amihan entregou a de Bae, que fez uma expressão muito assustada ao ver que junto deles estavam mais três outros rapazes, um dos quais Eu Se parecia reconhecer. Agora de perto, Eu Se era transportada momentaneamente em sua cabeça em uma cena de uma festa chique. Shin Hee estava em um belo terno, bem arrumado, ao lado de uma mulher com um brinco de jóia preciosa. Seu pai se aproximou dela e sussurrou algo em seu ouvido, quando a memória foi interrompida.

    - Esse aqui é o Go Mi Nam e o Bae - Minki apresentou aos rapazes.
    - Tommy - acenou, feliz
    - Quan Lei...

    Para Shin, o garoto pequeno também lhe parecia muito familiar. Seu formato de rosto...  os olhos... Era muito estranho. Mas sua memória parecia enganá-lo com tantas outras pessoas que conhecia no mundo, sua maioria de meios sociais da alta cúpula. Disso não tinha dúvida.

    Larissa Aprill
    Mutante
    avatar
    Mutante

    Mensagens : 511
    Reputação : 48
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Larissa Aprill em Qua Maio 31, 2017 11:58 am

    A garota estava realmente feliz por ter passado por mais uma fase. Ela estava empolgada com a comemoração e entrega a chave para Amihan, ainda bem que não precisaria entrar no vestiário novamente. Enquanto aguardava os dois ela esperava que Bae se acalmasse.

    - Dangsin-i geugeos-eul gajigo ... Giun. naneun dangsin-ui paenkeikeuleul gu-ibgeoya, geuligo dangsin-i babekyueseo wonhaneun modeun geos-eul meog-eul su issseubnida. Oneul nal-ibnida. Se anime... você conseguiu. Eu irei comprar suas panquecas e pode comer o quanto quiser no churrasco. Hoje é por minha conta.

    Quando os meninos voltaram, viu que havia mais 3 pessoas o acompanhando. Um deles ela reconheceu como o menino que a salvou no vestiário, impedindo ela de cair de cara no chão, havia um loirinho de cabelos encaracolados e assim que Eu Se observou melhor o moreno, uma memória de sua antiga vida a atingiu. Ela já tinha visto ele antes, durante um jantar beneficente, seu pai se aproximou sorrindo da mulher ao seu lado, o rapaz continuava igualzinho, exceto pelo traje de gala.

    Eu Se sai do seu transe quando Min-ki apresenta o grupo, mas a garota recua alguns passos e olha para o rapaz assustada. Exceto por Minsoo, não achou que iria encontrar mais alguém conhecido. Por sorte, eles não eram próximos o suficiente. Então rapidamente a menina fez uma reverência para os recém chegados.

    Aassim que todos estivessem prontos iram caminhando até o restaurante de Bulguogui mais próximo, no caminho iria comprar os pedidos do Bae até para anima-lo mais. E andaria mais com Bae e Amihan, deixando Min-ki conversar a vontade com Hyerin.


    Gakky
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1472
    Reputação : 87
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1011.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Gakky em Qua Maio 31, 2017 1:19 pm

    Yuki fica feliz por Chaesoo gostar da sua ideia, e mais feliz ainda por ver que ela tinha resolvido o problema delas de transporte. Então responde:

    - Ual! Isso seria ótimo Chaesoo! Eu agradeço muito! A carona vai vir em boa hora.

    Então ela observa Dam se aproximar de sua amiga, os dois eram tão fofo juntos. "Por que essas coisas não acontecem comigo" - pensava - "Queria tanto um cavaleiro assim para me proteger" - Suspira e pensa que não seria legal separar os dois. Então Hyerin chega e as cumprimenta. Yuki não se move do chão, mas responde com um olhar triste por não poder ir com ela:

    - Obrigada, parabéns para você também. Consegui por sua causa também, Hyerin.

    De repente ocorreu algo estranho na quadra, as garotas estavam histéricas. Então Chaesoo também fica surpresa e volta contando a novidade. Yuki ficou surpresa, não esperava por isso. Parte sua queria ficar feiz pelo casal, mas a outra parte sabia que lhe dar com a Peach era difícil, porque ela era famosa. Se perguntava se depois disso, Tae os continuaria ajudando. Ele parecia um pouco mudado agora, antes havia se preocupado com a Hyerin, mas agora tinha se declarado para a Peach. E o mais estranho, era que ela não tinha notado que ele estava apaixonado. Talvez estivesse precisando se atualizar na matéria do amor.

    Então Minsoo chega para a alegria de Yuki, ele parecia também surpreso e cansado. O fofo ainda tinha oferecido ajuda, mas infelizmente não iriam comer juntos como haviam prometido, isso deixava a japonesa triste. Ela também percebe que não era nada romantico estar sentada no chão como uma velha sem forças, se queria melhorar sua imagem com Minsoo, teria que parar de se largar pelo chão como uma criança. Então tenta levantar, mas estava doendo cada músculo seu, por isso estica a mão com as bochechas coradas para que Minsoo a ajudasse:

    - Só para levantar... Gomawo (obrigada)...

    Depois ela olha para os garotos, seria tão chato não poderem cumprir com a promessa de comerem juntos. Então ela acaba comentando triste, com uma careta fofa, como se pensasse em voz alta:

    - Pelo visto, não vamos comer juntos como havíamos prometido...

    Então de repente ela tem uma ideia muito louca, que podia dar muito errado ou podia dar certo também. Não importava muito se iria dar certo agora, pois Yuki não pensava bem nas coisas antes de falar:

    - Já sei! - Exclamou do nada, mas sentiu dor nos pés, se arrependia de ter se levantado, porém continuou a falar mesmo com um rostinho de dor - Não podemos deixar de comer juntos, foi uma promessa... Eu acho... Todos nós passamos e merecemos comemorar. Ainda mais porque foi um milagre! Eu não sou boa de dança, e... Por isso eu... Convido...

    Yuki fecha os olhos para falar, e diz tudo de uma vez:

    - Convido o Dam e o Minsoo para irem jantar lá em casa! - Depois respira mais calma explicando - Podemos ir todos juntos e comer a comida da minha mãe e... E... Ainda iríamos economizar! Não que precisem... É claro que... Que os garotos... N-Não iam ficar para dormir... Nem pensei nisso! Não mesmo! Mas Chaesoo e Eun-ji podem ficar em vez de ir embora depois. E... Espero que não seja uma ideia boba... Quer dizer... Eu sei que minha casa não é nenhum restaurante que estão acostumados... Mas pode ser legal... Eu acho... Meu irmão é legal, e conheceriam ele... E...

    Então ela percebe que estava falando demais, mas a ideia era que não queria separar o Dam de Eun-ji, e ao mesmo tempo queria muito ficar perto das amigas e comemorar todos juntos. Faltava o Tae, mas ele era muito rico e não iria querer, além disso estava ocupado com a Peach agora. Mas se ele se aproximasse, poderia convidá-lo. Entretanto havia um problema, os pais de Eun-ji, será que ela conseguiria dormir com ela? Se perguntava Yuki preocupada. Então olha para amiga e diz:

    - Será que pode ir? A Senhora Bora pode ajudar?

    Yuki respira fundo, as pernas estavam doendo, ela não suporta mais ficar elegante de pé e acaba se agachando de novo enquanto espera pela resposta.
    shamps
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1317
    Reputação : 69
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1011.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por shamps em Qua Maio 31, 2017 8:41 pm

    Os dedinhos se entrelaçaram novamente, deixando Eun-Ji muito feliz. Dam realmente se preocupava com ela.

    - Prometido então, oppa - disse entre sorrisos, apenas com o delicado rostinho inchado pelo choro excessivo - você não se machuca e eu não vou abandonar o programa.

    Quan Lei se mostra mais suave ao se dirigir à ruiva e isso a deixa menos preocupada. Ela agradece ao chinês:

    - Xie-xie, Quan Lei jun - tenta falar em chinês para exercitar sua pronúncia - Zhù nǐ hǎoyùn! - frases curtas como "Boa Sorte!" ela conseguia falar, depois olha para Dam e sorri quando o chinês se refere ao oppa.

    Ela ficou muito feliz quando Hyerin e Peach a cumprimentaram. Sentia-se leve por poder ajudar. YiEun também estava por perto, Eun-Ji não interpretou a aproximação de Dam como zelo, achou uma aproximação natural de amigos.

    Chae e Yuki se empolgaram tanto com a ideia que tiveram, que a ruiva só pôde rir feliz por elas. Queria muito dormir na casa de uma amiga - sua melhor amiga - e ter horas divertidas, coisa que nunca fez em sua vida. Percebendo sua preocupação, Chae oferece seu celular e Dam oferece... carona? Ela olha de Dam para Chae e Yuki.

    - Hmmm... eu nunca saí de casa, não sei se minha mãe deixaria... sinto muito - ela fica triste até que Yuki fala algo que ilumina o rosto da jovem - a senhora Bora? A... acho que ela pode ajudar, mas não posso garantir nada. Isso é muito sério - refletiu por alguns instantes e falou - bom, eu tenho que ir para casa da minha professora de qualquer maneira... Dam oppa, se não se importar, eu tenho que ir até a casa dela - olhou para o garoto para saber se teria algum problema - lá eu posso falar com ela e ver o que ela acha dessa ideia. Ela pode ligar para unnie para avisar, pode ser? - ele estende sua mão para ela se levantar e timidamente ela pega na mão dele e levanta-se, evitando olhar para ele. Depois de um tempo que volta a encara-lo, torcendo para que seu rosto quente e vermelho passasse por um rosto de choro - o...obrigada, oppa.

    Ela espera a maioria das garotas saírem do banheiro - não queria passar por nenhum estresse - só então pega sua mochila. Ela tira da bolsa um cartão e mostra para Dam.

    - Aqui, o número da minha professora... você pode avisar que está me levando, por favor? Não quero que ela fique preocupada.

    Enquanto Dam avisava Bora, Chae chega com uma notícia bombástica.

    - Tae sunbae e Peach sunbae? Um casal de contos de fadas
    - e junta as mãos como uma garota sonhadora. Mesmo assim, ela não acha um bom momento para parabenizar o casal. Falaria com eles depois, agora tinha que partir - bom, tenho que partir - ela abraça Chae e se despede de Minsoo, que já estava por ali. Em Yuki ela dá um abraço - unnie, se eu não puder ir na sua casa, não me entenda mal, por favor... você sabe o motivo - olhou para a amiga, Yuki sabia parte da história de Eun-Ji, pelo menos a parte que mentia para mãe e como ela era muito brava - v... vamos, oppa? - olha timidamente para Dam.

    Durante a caminhada, a ruiva fica bastante emocionada por ter a oportunidade de caminhar ao lado Dam, tanto que demora alguns minutos antes de falar algo.

    - Me desculpe por todo esse transtorno, Dam oppa - estava sem graça - não queria te dar trabalho - deu mais alguns passos e continuou - eu preciso muito ir para a casa da minha professora... ela está me ajudando... minha... - travou por um instante, mas continuou - minha mãe não sabe que estou participando desse concurso e a senhora Bora está me ajudando... eu... minha religião diz que música é pecado e não podemos cantar nem nada do gênero. Por isso descobri a música tão tarde. A senhora Bora acreditou em mim e disse para minha mãe que estou em um grupo de estudos de férias... tenho que ir até a casa dela para trocar de roupa e lavar meu rosto... e... você ainda vai ser meu amigo, mesmo depois de saber que sou uma mentirosa? - ela se sentia muito triste por mentir para sua família e temia que Dam a largasse ali, furioso por ela ser uma pessoa sórdida. Olhava para o chão, muito envergonhada.

    Como sempre ela falava demais e nem percebia. E se Dam a tivesse achando chata? Ela também queria saber um pouquinho mais sobre ele, e timidamente faz uma pergunta:

    - Acho que falei demais... de novo - riu sem graça - me desculpe... Oppa é sempre tão quietinho... eu queria te fazer uma pergunta... aquela música que cantou, foi muito bonita, me emocionou de verdade... você gosta daquele estilo de música? Bem calminha? É bem diferente das música que a senhora Bora me apresentou. Ela me põe para dançar para eu gastar energia, sabe? Sou muito ansiosa e música agitada ajuda eu me acalmar... bem... é isso...

    Na casa de Bora, ela apresenta Dam e conta sobre o pedido de Yuki para ver o que ela acha da ideia.

    - Acha viável, senhora Bora? - nos olhos da garota era visível sua vontade de ir dormir na casa da amiga - a senhora acha que a eomma vai permitir? - aqui já era medo que demonstrava.
    Persephone
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 341
    Reputação : 95

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Persephone em Qua Maio 31, 2017 10:13 pm

    - Nunca estive nos EUA, seria interessante. A gente pode combinar um intercâmbio para lá quando tudo isso passar.

    Shin respondeu e ali ficava claro que ele não era alguém sem recursos. Se Tommy e Quan Lei tivessem reparado direito, perceberiam que o "Justiceiro" se vestia bem - mesmo com uma calça saruel - tinha um aroma agradável no perfume, fora a postura cavalheiresca, o tom que usava para falar - com exceção dos momentos de raiva - e aquele senso dele. Não era alguém ordinário e, mesmo assim, não aparentava ter quaisquer privilégios ali. Talvez por isso ele não tivesse medo de Tae ou Peach, porque não se via inferior a eles. A única diferença era que não carregava a fama.

    E ele não pareceu querer esconder isso, mesmo que não ostentasse com carros de luxo, motoristas ou objetos caros, como relógios chamativos, por exemplo. Quanto às brincadeiras com Quan Lei, ele apenas riu até que Tommy falou que escolheu o grupo errado.

    - Não sou encrenqueiro o tempo todo. Só não sou obrigado a aceitar e balançar a cabeça para as coisas que não concordo. Muito menos para pessoas como eles, entende? Mas prometo que me policiarei mais para não deixá-lo desconfortável. Você está no trio certo, Tommy.



    Com o fim da apresentação, veio a dor. Shin ficou um tanto quanto ausente por alguns instantes até que finalmente conseguiu responder aos seus amigos e seguir para o vestiário. Tommy não queria mais ir ao churrasco e Shin queria cumprir sua promessa. Se os amigos não quisessem ir, poderiam comer outra coisa. Mas uma coisa de cada vez! Primeiro tinha que resolver seu problema.

    Aproveitando que o grupo se distraiu no vestiario, ele se enfiou na cabine com a propria bolsa. Enquanto mastigava os comprimidos com raiva, via a mensagem de sua mãe. Ficou com um pouco de remorso por não ir diretamente para casa, mas ele queria aproveitar um pouco mais. Mandou a seguinte mensagem para ela:

    "Eu consegui passar em mais uma etapa! Dessa vez foi um pouco mais dificil, porque tive alguns desentendimentos com as estrelas do programa, mas nada que eu não possa lidar. Fique tranquila. Conheci um pessoal novo e não pretendo demorar nem abusar da comemoração. Chegarei em casa antes das 22:30. Obrigado por todo o apoio."

    Suas mãos pararam de tremer enquanto enviava a mensagem para a mãe e respirou um pouco mais aliviado. Enfiou o celular no bolso da calça e saiu do vestiário quando um novo boato começou. Quan Lei e Tommy já estavam mais pro lado da porta quando Shin se juntou a eles. Tinha se arurmado e secado, mas deixou o cabelo para trás enquanto via aquela cena. Arqueou uma das sobrancelhas e soltou uma risada meio debochada para o comentário de seus amigos.

    - Eu pensei que tivesse algo entre ele e a menina que nos convidou. Ela pareceu triste, não? Agora sabemos o porquê. Muito conveniente...- Meneou negativamente até que estalou a língua no céu da boca e deu de ombros. - Por mim, tanto faz. Eu sei que estou com fome e gostaria de comer.

    Trocou um breve olhar com os dois e, nesse momento, Min-ki entrou no vestiário. O loiro não parecia nada feliz com o que tinha acontecido e não era para menos, considerando que era o rival direto de Tae. Ir para esse churrasco podia parecer algo simples, despretensioso, mas também representava que estavam escolhendo um lado. Shin ficou em silêncio por um instante até que Tommy tomou a iniciativa e falou.

    O amigo, sem perceber, tinha saído do muro.

    Shin olhou para Tommy e então voltou o olhar para Min-ki.

    - Sim, ela convidou mais por educação, mas se for problema pra vocês, não precisamos ficar na mesma mesa... - Coçou a nuca de leve enquanto Min-ki parava. Olhou para o modo como o rapaz agradecia e, nesse instante, ele também escolheu o que faria. Abriu um sorriso e o cumprimentou. - Meu nome é Shin-Hee. E não precisa agradecer por isso, fiz o que qualquer pessoa razoável deveria fazer. Quer dizer, tirando a parte de gritar, mas...

    Deu de ombros de novo e olhou para os outros. Cumprimentou do mesmo jeito educado e, quando percebeu, sentia-se muito mais à vontade enquanto seguia com o grupo de Min-ki. Talvez porque nunca tenha pensado em ser amigo de Tae, no fim das contas. Quando foi falar com o "grupo dele", tinha se direcionado às meninas, mas sem segundas intenções. Ele que veio depois com os amigos - e só tinha simpatizado com Minsoo, mesmo que Dam tivesse motivos para querer matar Quan Lei. Enfim, ali pareceu mais natural, de todo modo.

    Agora o grupo seguia até o baixinho. Olhando de perto, ele era baixinho mesmo. Quantos anos ele tinha? 13? 14? Era só um menino e, mesmo assim, cheio de personalidade que não temia ir contra a multidão para defender o amigo. Mas olhando agora, de tão perto, sentia que já o conhecia de algum lugar...Aquele rosto, o formato dele, seus olhos, mas principalmente o queixo, não eram de todo estranho. De onde conhecia esse menino? Será que estudavam na mesma escola ou moravam próximos?

    Não conseguia se lembrar.

    Ele também fez uma expressão de ponderação, mas então sorriu de modo amistoso e o cumprimentou.

    - Muito prazer, Go Min Nam. Eu sou Shin-Hee e esses são meus amigos Tommy e Quan Lei. Hyerin-shi nos convidou, por educação, para o churrasco de comemoração e como não tinhamos escolhido um lugar ao certo, aceitamos. Minki disse tudo bem, mas não se preocupe, eu pago o deles.

    Depois das apresentações, seguiram para o restaurante mais próximo. Shin ainda olharia ao redor, procurando pelas gêmeas, mas talvez não tivesse como parabenizá-las no meio daquela confusão. Deixaria para falar com elas da proxima vez que as visse. Seguia de modo contido proximo ao grupo, ouvindo mais do que falando. Vez ou outra olhava para Hyerin, meio preocupado com ela. Aquela expressão triste não combinava com a aparência dela, mas também nada disse para não parecer ousado ou coisa do tipo.

    Okley
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 226
    Reputação : 2
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Okley em Qui Jun 01, 2017 2:19 pm

    Tae fica observando a Peach se aproximar, ter ela próxima a ele seria muito bom e o deixaria muito contente. Era uma pergunta que seria difícil de fazer afinal não sabia a resposta então era melhor perguntar sobre poderia fazer, o que era um pouco sem sentido, mas prepararia ela para onde queria. Por mais que estava recebendo elogios de várias pessoas, quando viu seus amigos tinha deixado ele a sós com ela, ficou imaginando se até eles já tinham em mente que isso aconteceria.

    Olhou a resposta da Peach sempre no jeito dela, de forma bem delicada e planejada mesmo para essas cenas. A curiosidade da pergunta aconteceu mesmo, por mais que a melhor forma de saber o que ela sente por ele, seria por um beijo, o quanto ela se entregaria a ele. Mesmo em uma situação algo passa na cabeça dele de que teria que ter o controle, saber o que estava disposta a passar por ele.

    Fez o pedido não teria mais volta agora tinha que esperar a resposta, o nervosismo toma conta dele. Olhava somente para ela sem se importar com a plateia, sabia que se ela quisesse mesmo não se importaria com a plateia, até por que gostaria de uma cena na frente de todos. Tinha tomado uma decisão e estava disposto a fazer aquilo, sendo sincero com o pedido, sobre estar apaixonado não sentia isso ainda. Achou graça da expressão dela, talvez não era como ela esperava, mas não mudou muito pois esperava ainda a resposta.

    Permanecia so esperando a resposta até que ela concorda com a cabeça, parecia bem envergonhada. Ela deu um passo para trás, saindo de perto, Tae dá um passo para frente se aproximando mais ainda dela. Aproxima bastante da face dela, sentindo aquela vontade de beijar, o que estava de um esticar de lábio, assim selando de vez o namoro ... Antes de fazer lembrou a vibração das pessoas ao lado, não seria ideal para ela, talvez ela nem queria agora, vai que ela era uma menina tímida de verdade. Virou o rosto antes de completar, agora ele ficando corado. Até que observa a Peach se virando indo embora.

    - Até! – Fica com as costas retas, com as mãos nos bolsos, olhando ela saindo.

    Ficou olhando se varia uma atitude, esperando o que iria fazer. Ao ver que não iria mais volta, vira rapidamente e volta ao seu grupo de amigos, para finalmente saber o que tinham para fazer. Não tinha mais o que brigar ou surpresas, só tinha agora para comemorar e queria que fosse com eles. Perguntou o que iriam fazer, a Yuki falou que iria para casa dela e comer algo por lá pois estava muito tarde. Mesmo com o dinheiro dele não se importava muito em ir lá, não gostaria de dar muito trabalho para mãe dela e não sabia o que a mãe dela colocaria na comida.

    Propôs em pegar umas pizzas para todos, claro que pagaria para eles como sempre pagou a comida do grupo. Se aceitassem, pediria pelo celular, perguntaria se alguém quisesse alguma em especial e pediria para a tele entrega deixar lá, já que pagaria pelo aplicativo mesmo. Sairia do local com seu motorista mesmo.

    Evitaria o máximo falar sobre o recém-namoro, o que faria é mandar algumas mensagens para verificar como estava Peach e o que sentia, seguindo o que ela respondia.
    Luxi
    Moderador
    avatar
    Moderador

    Mensagens : 1236
    Reputação : 173
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1012.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Luxi em Sex Jun 02, 2017 3:07 pm

    Eu Se e Shin-Hee

    Hyerin demorou um tempo para aparecer entre eles, mas quando o fez, o grupo pôde ir embora. Bae tinha se animado com o comentário de Eu Se, mas agora que havia muitas pessoas naquele meio, ele parecia mais retraído e até colocou os fones de precaução ao lado do pescoço. Ele também tinha abandonado as lentes e já usava novamente óculos. No caminho, o chinês pediu desculpas pela quase-confusão criada na academia do hotel, sugerindo que era coisa das gêmeas e que agora poderiam se ver por lá mais vezes.  Minki não estava mais tão animado, andando mais atrás do grupo conversando baixo com uma Hyerin catatônica.  Tommy também embalou conversas aleatórias para animá-los e até Amihan resolveu entrar nos papos descontraídos.  Definitivamente os dois grupos não se estranhavam.
     
    Shin Hee sentia que aquele grupo era mais natural para ele e os motivos eram diversos. No entanto, se parasse para analisar, veria um filipino mais velho, um garoto baixinho e “estranho”, um gordinho, um mestiço americano, uma garota “grosseira”, um chinês… e ele, que era formal e sério. Uma amizade heterogênea daquelas era o que ele sempre buscou, mas era impossível encontrar nas escolas engessadas para filhos de políticos e seus pares.

    O restaurante logo acomodou a todos, mas, para infelicidade de Eu Se, seu amigo loiro decidiu se sentar em uma ponta da mesa com Hyerin. Eram os únicos que não pareciam absorvidos pelo clima de festa, ainda mais quando ela decidiu apoiar os cotovelos na mesa e cobrir o rosto, quando foi consolada pelo loiro.

    Mesmo assim, Quan Lei, Tommy e até mesmo Amihan tentaram respeitar aquela particularidade e  ignorar o fato com conversas extras,  de onde muitas curiosidades aleatórias foram coletadas.

    Quan Lei era chinês “de verdade” e estava na Coreia do Sul excepcionalmente para o concurso. Ele havia aprendido coreano e um pouco de japonês, para poder ampliar seu trabalho, pois sempre quis trabalhar com dança. Quando criança, sonhava em fazer parte de um circo famoso por seus malabarismos e chegou a fazer aulas. Tommy era filho de pai americano, e tinha morado no EUA, para onde voltaria se a carreira não desse certo. Ele estava na casa de seus parentes coreanos no momento, mas ninguém lhe dava crédito que iria longe, exceto os inscritos de seu canal. Bae Keuin, como agora sabiam ser seu nome, vinha de uma família de outros 4 irmãos, todos com empregos em fábricas, e ele era o único que tinha tentado ir para a música. Ele não tinha vontade de ser um idol. Tudo que queria era poder cantar música clássica em concertos, mas era difícil sem investimento. Já Amihan era um professor de ballet moderno nas Filipinas e pretendia continuar com essa profissão quando (e ele deixou bem claro que achava que não chegaria muito longe) fosse eliminado, mas agora com um status para seu currículo.

    Para Eu Se, que lutava tanto para fugir na direção contrária da música clássica, poderia lhe parecer uma ironia na vida que um de seus amigos lutasse justamente para ir por aquele caminho. Já Shin Hee conseguia entender, se já não o tivesse feito nas últimas horas, o quanto aquele programa era a última chance de vida, mais do que uma “forma de descobrimento de si mesmo”, para muitos.

    Nesse momento, Minki foi convidado a participar do papo e revelou que estava na música para ajudar “seus velhos”. Disse que precisava retribuir para eles tudo que já tinham feito em seu nome. Hyerin ficou relutante em responder, parecendo ficar mais triste, mas disse que gostava de dançar, pois era o que a mantinha viva, com a sensação de ter um objetivo e ser capaz de suportar o que definiu como “problemas”. Disse que treinava desde os 12 anos em uma empresa que faliu, a mesma de Minki e Tae, e que sonhava em debutar. A partir disso, os dois voltaram a interagir em grupo e o clima melhorou um pouco, bom o suficiente para Tommy sugerir uma foto coletiva e querer o celular dos outros.

    Em seu celular, Eu Se encontrou dezenas de mensagens de sua mãe perguntando se estava bem, se tinha se alimentado e se os estudos estavam andando. O verdadeiro Go Mi Nam também havia perguntado sobre seu progresso nas aulas e contou alguma bobagem do dia. Ela também recebera automaticamente um convite para uma festa de aniversário chique da colega de sala e uma foto de uma amiga na frente do Big Ben com uma bolsa da Hermés laranja, acompanhada por mensagens: “Vamos fazer compras enqto to aqui <3 <3 <3 <3“ “Que hotel vc ta?”.

    Shin Hee foi respondido pela mãe, que foi sucinta, com um “Estou muito orgulhosa por você. Parabéns por mais uma etapa. Divirta-se e tome cuidado com a volta para casa. Deixarei a motorista de sobreaviso.”

    Assim, o grupo já parecia mais unido e nenhum problema que ocorrera durante o dia foi levantado ou alimentado. Ninguém ali queria lembrar-se do dia difícil. Todos só queriam se divertir um pouco, sabendo que provavelmente aquele seria um dos, senão o, últimos encontros que teriam com todos os integrantes ainda na competição.

    Com tanto a se pensar, a noite acabou para eles. Quan Lei, Bae, Amihan e Eu Se voltariam para o hotel, enquanto Minki tinha se oferecido a levar Hyerin para casa, mas depois voltaria ali. Tommy não morava muito longe e Shin Hee tinha seu castelo silencioso para retornar.

    No hotel, todos estavam muito cansados e Bae foi o primeiro a dormir. Amihan recomendou que Eu Se fizesse o mesmo, mas não questionou sobre Minki, permitindo que ela ficasse acordada se quisesse. Minki levou um tempo considerável para voltar.

    Na casa de Shin, seu pai varava a noite no escritório e ao celular, não dando atenção para a chegada do filho. A mãe lia no quarto, mas logo foi até ele, dando-lhe um abraço silencioso e um beijo no rosto. Não queria levantar suspeitas de nada, então apenas deu boa noite com um sorriso emocionado.


    Eun-Ji

    Dam sorriu de leve ao ouvir o "obrigada" e logo capturou o cartão.

    - Espere um minuto - disse e se afastou para buscar a mochila. Logo foi visto perambulando pela quadra tapando o outro ouvido para falar ao celular. Em falava poucas palavras, meio travado, como da primeira vez que o conheceram. Ao final, ele voltou ao grupo de garotas. - Ela disse que está esperando. Sim. Vamos. Boa noite a todos. - Virou-se para o grupo, sem confirmar se iria ao encontro em conjunto e, por algum motivo, voltava a ficar um pouco mais sério. Minsoo sorria por causa dessa atitude.


    Em seguida, ele foi embora em silêncio com ela, passando pela catraca, devolvendo a chave e sendo cumprimentado pela secretária. O céu já estava escurecendo e silencioso, exceto por um ou outro participante que saía e encontrava algum parente. Os dois fizeram um contorno por essas pessoas, afastando-se e encaminhando-se para a rua. Dam andava a seu lado com as mãos no bolso e a ouviu atentamente.

    - Tudo bem.-  respondeu com simplicidade e firmeza. - ... Entendo. - dessa vez a pausa foi um pouco maior, mas ele fez um esforço para não olhar irritado quando ela mencionou a proibição. Eles chegaram a uma moto estacionada quando a ruiva fez sua pergunta envergonhada  e ele parou de repente, de costas para ela. A situação conspirava a favor das ideias ruins de Eunji, pois ele demorou para dizer algo, enquanto mexia em um capacete. Finalmente virou-se para ela e retribuiu a pergunta.  -  Você vai continuar minha amiga quando descobrir o que eu fiz? - olhou diretamente para ela, com uma seriedade sofrida que agora ela já conhecia. Espero pela resposta e prendeu o capacete nela, ajeitando seus cabelos e ficando perto até demais enquanto fazia isso. Sorriu de leve, deixando aquilo no ar.

    Ele a observou com uma concentração quase religiosa, mantendo a mão próxima de seu rosto protegido, mas foi pego de surpresa pela pergunta, baixando o olhar. Invadido por uma tristeza nostálgica, deu um sorriso melancólico para a atitude ansiosa dela, mas lhe deu as costas e terminou de ajeitar a moto.

    - Aquela música eu cantei para uma pessoa. Vem? - Ele a ajudou a se arrumar. - Precisa se segurar. - voltou a atenção para frente e esperou que ela o abraçasse, mas imaginava que ela seria tímida demais para isso. Logo suas mãos alcançaram as dela e as trouxeram para frente, circulando em volta dele. - Assim.  Não solte, está bem? - ele evitou olhar muito tempo para trás e em seguida estavam partindo.

    Eunji nunca tinha sentido aquela liberdade viva contra seu corpo. A velocidade com que tudo que mexia a seu redor, a forma como se moviam sem amarras somada à sensação arrepiante em seu corpo por todos os motivos faziam aquele momento se assemelhar com as ondas de ansiedade que tinha, porém, pela primeira vez, de forma boa. Estava estranhamente segura, ainda que solta, e vivendo horas em um segundo. Quase a cada pausa em semáforos, Dam perguntava: "Está tudo bem?" "Quer que vá mais devagar?" e parecia feliz nos momentos que virava para perguntar isso. Mais feliz do que qualquer um dos dias que o tinha visto, como um garoto de sua idade, não um velho melancólico.

    Chegaram por fim à porta da casa agradável da senhora Bora. Ele estacionou e logo a ajudou a descer e tirar o capacete.
    - Seu cabelo está desarrumado - divertiu-se, olhando para ela. - Quando quiser passear assim de novo, é só me dizer.

    Em silêncio, Dam a observou por um tempo, parecendo tranquilo e satisfeito. Era até um pouco desconfortável, pois não desgrudou o olhar do dela em momento algum… até que a porta da casa se abriu e a conhecida voz alegre chamou seu nome. A senhora Bora foi até eles e Dam parou de sorrir, assumindo uma postura mais séria e fazendo uma reverência respeitosa.

    - Eunji, querida. - sorriu. -  Obrigada por trazê-la... - naquele espaço de tempo, a ruiva os apresentou.  Dam olhou para Eunji, para que ela mencionasse a ideia de Yuki. A alegria no rosto da orientadora foi oscilante.  - Bem, querida. Eu acho ótimo que tenha feito novos amigos, mas vou tentar conversar com a sua mãe quando chegarmos lá, está bem? - sorriu. - Agora, vamos lá para dentro para limparmos esse rostinho. É uma pena, não acha? - ela sorriu para Dam, que olhou rapidamente para Eunji e pigarreou.

    - Eu… tenho que ir. Espero que consiga ir. Vou… esperar uma confirmação. Boa noite. - fez uma reverência respeitosa a Bora. - Até depois.

    A senhora Bora sorriu e acolheu a ruiva em sua casa, fazendo muitas perguntas sobre seu dia e Dam, ouvindo-a pacientemente até que toda gota de ansiedade fosse esvaziada, enquanto a ajudava a se transformar novamente na garota de antes. Assim, dirigiram para o silencioso bairro da residência Wong. Pedindo para que ficasse no carro, a senhora Bora foi na frente para bater à porta. A mãe da garota saiu e Eunji pode vê-la gesticular de forma nervosa, procurando por sua filha, até avistá-la no carro. Gritando por ela, de uma maneira audivel até mesmo através dos vidros do carro, a mãe só sossegou quando a garota já estava ali a seu lado.

    - Vá para dentro. - ordenou friamente, saindo de casa para conversar com a senhora Bora, que lhe desejou uma boa noite, de forma tão gentil que quase compensava os gritos da mãe.
    Trechos da conversa mais avançada podiam ser ouvidos, mas somente a voz histérica da senhora Wong.
    “EU que sei cuidar da minha filha.”
    “SÓ POR CIMA DO MEU CADÁVER, que DEUS ME TENHA, senhora.”
    “De forma nenhuma!”

    Em seguida, a porta era fechada com violência e os passos da mãe se adiantaram até a filha, agarrando seu braço e arrastando até o quarto e jogando-a de joelhos.
    - Sua asquerosa. Isso são horas? Tem muita sorte de papai estar dormindo. Ele está furioso com você. Peça perdão. Mas peça perdão a ELE - apontou para cima - Peça perdão por começar a ter ideias subversivas. - ela lhe deu um empurrão, mesmo que já estivesse em chão - Reze. Reze muito minha filha. Que a desgraça está acometendo essa casa por SUA culpa. Me perdoe, meu Deus.  - A mulher suspirou profundamente começou a entoar um salmo embolado. Dando tapas na filha até que ela mostrasse respeito e devoção, o que ela fez por cerca de uma hora.  - Quero que reflita se é esse o comportamento que vai aproximá-la do Senhor. - a mãe falou, batendo a porta. Era assim que seu dia se encerraria, mais uma vez. Ainda assim, o pequeno quarto simples lhe convidava à reflexão, de fato, mas para outra questão: seria mesmo esse local cinzento e triste a qual pertencia, enquanto la fora experimentava tantas alegrias, algumas tristezas, mas todas aquelas experiências com muitas cores.

    Tae  ♪

    Vários “woaaa” foram gritados quando ele se aproximou, mas a própria Peach não fez nada. Ela ficou parada e não fechou os olhos, talvez apenas muito surpresa. A expressão dela quando conseguiu finalmente se afastar variou de forma mínima e ela correu logo, de forma amável.

    Todas as pessoas ao redor pareciam ansiosas por uma cena, fazendo-o concluir que dividir o clímax entre “capítulos” poderia ser algo interessante para que não perdessem o interesse no casal, ainda que suas motivações não fossem exclusivas a isso. Joon, da arquibancada, fez um sinal de positivo, mas dava risada sozinho no celular.

    Tae foi muito bem recebido por todos ali, mas mais comemorado por Chae Soo, que estava feliz pela generosidade do “oppa”. Dam foi o único que não disse nada, mas Tae percebeu que sua preocupação estava focada nos cabelos ruivos.

    Sua ida para casa foi muito tranquila. Como a prova terminara tarde, os jornalistas não estavam esperando por isso, mal sabiam o que tinha acontecido ali dentro. Seu celular, no entanto, vibrava sem parar com um ansioso J.J., que perguntava sem parar o que tinha acontecido e se ele tinha ficado maluco. Em outros momentos, ele o chamava de gênio e dizia que precisavam se reunir para conversar melhor aquilo, em outro dia. O que era bom, pois agora poderia se divertir com seus amigos sem preocupações.



    ♪  Tae e  Yuki

    Minsoo e Chaesoo ficaram muito surpresos com a ideia de Yuki. Minsoo foi o primeiro a apoiar de forma enfática e empolgada.

    - Isso é uma excelente ideia! Será muito bom - sorriu.  - Posso conhecer sua casa? Acho que estou nervoso - brincou.

    Caso Tae não lhes desse carona, a mãe de Chaesoo ficaria feliz em fazê-lo.

    A casa de Yuki era realmente muito simples, para não dizer antiga ou mal cuidada. Não era proposital. Sua localização próxima ao mar fazia a casa ficar vulnerável a todo tipo de peça da natureza.

    A senhora Shimada levou um susto ao receber tantas pessoas naquele lugar e gaguejou ao receber tantas pessoas. Minsoo entrou sorridente, pedindo desculpas, sendo quase um lorde. Chae parecia bem à vontade, mas extremamente educada, não encostava em nada que não fosse permitido. O pai dela assistia à televisão antiga quando todos chegaram e soprou poucas palavras para eles, se recolhendo em seu canto com um jornal.

    A mãe prontamente saiu correndo para arrumar a mesa e chegou até mesmo a colocar um enfeitinho gasto com uma flor em cima dela, para decorar e tornar o ambiente agradável a todos. Ela forrou a mesa caprichosamente com uma toalha antiga e ofereceu copos desiguais, mas que ela lavou com esmero. A iluminação também não era das mais convidativas, com uma lâmpada pendurada no teto, mas estranhamente, tudo isso ainda era muito mais convidativo do que a solidão fria da volta para casa que Tae estava acostumado.

    Dam não compareceu. Eunji também nunca chegou. Chae quis saber o motivo, perguntando baixinho para a amiga sobre a senhora Wong. No mais, conversaram sobre amenidades até que terminaram de comer e o irmão de Yuki chegou do trabalho.

    O jovem lançou um olhar rabugento para os presentes e torceu o nariz quando viu seu quase-chará e principalmente Minsoo. Acabou sendo convidado para comer com eles, mesmo atrasado, e fez isso. Tinha um cheiro forte de fumaça em seu corpo, mas ninguém comentou a respeito. Ele comeu junto de todos e de repente começou a fazer perguntas a Tae-woo e Minsoo, bem diretas, na realidade. Queria saber quem eram, se já trabalhavam (?), se eram bons alunos na escola e se iria encontrá-los no jornal policial (???). Chae Soo ria alto de todas as perguntas. Minsoo respondia naturalmente, com um sorriso no rosto. Sanada suas dúvidas, Tae-gyu se recolheu ao aborrecimento e se levantou para ir tomar banho e dormir. Sua carranca foi desconstruída quando ele foi até a irmã ele bagunçou seus cabelos, sorrindo e beijando sua testa, provando ser um irmão superprotetor, mas que, no fundo, era bem carinhoso.

    No fim de tudo, a mãe de Yuki apareceu contando notas de uma gaveta e tentou pagar a Tae um valor que pensou ser das pizzas, mas que na realidade não pagaria nem a primeira. Ela insistiu em oferecer aquilo e, no fim, fez uma reverência a todos, agradecendo por cuidarem tão bem de sua menina.

    - Espero que ela não lhes dê trabalho.
    - Não se preocupe, senhora Shimada. Vou tomar conta da Yuki - Minsoo sorriu, dizendo aquilo de forma tão fácil que arrancou um sorriso de sua mãe. - Além disso, a Yuki é uma das pessoas mais gentis que eu já conheci. Acredito que seja por causa da educação. - sorriu. Era um verdadeiro anjo para qualquer mãe. Tanto, que os dois começaram a conversar paralelamente sobre a filha e Minsoo passou a ouvir histórias embaraçosas de Yuki sobre a infância, sorrindo.
    "Então teve a vez que ela achou que fosse uma bala, mas era um peixe!" " Um dia, nossa Yuki foi para o primeiro dia de aula e...."

    O papo entre todos seguiu até o momento que Tae disse que iria embora, sendo acompanhado por Minsoo, que desejou uma boa noite a todos.
    - Ainda não esqueci do piquenique, não se preocupe. Fighting! - falou baixo e sorriu para Yuki antes de ir embora.

    Ele também não fez perguntas a Tae sobre o namoro, apenas limitou-se a perguntar se ele estava bem, deixando questionamentos para outro dia. Quando chegou em casa, Tae sentiu um choque involuntário na mente. Havia tanto objeto de decoração ali em sua casa que compraria em duas vezes a pequena casa de Yuki… ainda assim, parecia uma grande caixa vazia de luxo, faltando algo. O celular tremeu novamente e vários emoticons bonitinhos eram enviados por Peach, desejando-lhe boa noite, para que saíssem no dia seguinte. Em seu quarto, havia um novo desenho feito por seu irmãozinho mais cedo. Dessa vez, era uma tentativa de desenhá-lo com roupas de dança e um outro rapaz chorando do lado, simulando o episódio que tinha passado na televisão, quando ele desafiara Park. Aquela arte só deixava a sensação estranha de como a felicidade podia sair dos lugares mais sem “valor” que se podia imaginar.

    Enquanto isso, no lar de Yuki, faltava sua melhor amiga, mas Chae parecia tão empolgada em ficar na casa que nem parecia que morava em um lugar tão pequeno. Acabou descobrindo que a menina do hip hop era bem simples também, que morava em um bairro perigoso de Seul, mas que gostava muito de música e principalmente de dançar. Após o banho e confortáveis antes de dormir, Chae quis saber sobre os sentimentos de Yuki em relação aos garotos e entrou em uma conversa íntima de garotas, querendo tirar dela várias confissões, ficando bem empolgada e disposta a ajudá-la em matéria de amor, opinando que nada era impossível nessa matéria, e que achava que Minsoo poderia gostar dela. Seria esse o próximo milagre na vida dela?


    Capítulo 2 - Encerrado
    (mas podem postar as considerações finais de verdade, se assim desejarem)
    Persephone
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 341
    Reputação : 95

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Persephone em Sex Jun 02, 2017 4:46 pm

    Optar por acompanhar aquele grupo no churrasco foi uma das melhores coisas que tinha feito naquele fim de tarde/início de noite. Depois de tudo o que aconteceu ao longo daquele dia, Shin-Hee tomou uma postura diferente. Como tinha se precipitado antes, agora decidiu ouvir e observar mais. Por ser um dos mais altos no grupo, ele ficou um pouquinho, cerca de um passo e meio - atrás do pessoal e reparando em seus gestos. Era o grupo muito misturado, do tipo que ele nunca imaginou que pudesse fazer parte um dia. Seu circulo de amizade era muito padronizado porque a elite tinha aquele péssimo hábito de separar as pessoas por nichos/castas sociais. Porém, não podia generalizar todas as pessoas que conhecia, algumas realmente eram mais abertas e amistosas, independente dos fatores sociais.

    De todo modo, era agradável fazer parte de algo assim. Pelo menos uma vez na vida.

    A maioria das pessoas parecia bastante animada. Seus dois amigos não paravam de falar com dois rapazes do grupo. O mais quieto era o baixinho que tinha a impressão de conhecer de algum lugar e os mais tristes eram o loiro Minki e Hyerin. Shin mantinha uma distância segura dos dois últimos, para não ouvir o que não deveria, nem nada do tipo.

    Quando finalmente chegaram ao restaurante, eles se reuniram numa mesa bem grande e era uma cena agradável de ver e fazer parte. A comida e as bebidas auxiliaram no clima amistoso e todos puderam se conhecer um pouco melhor. O rapaz ouvia tudo com bastante atenção e, pouco a pouco, foi dominado por um sentimento dúbio. Apesar dele não ter tido nenhum tipo de ajuda no programa e ter passado com as próprias pernas, ele sentia que não era de todo justo com aquelas pessoas. Não era como se desmerecesse o programa, mas ele estava preparado para ser eliminado. O problema era que, até então, ele tinha passado bem nos desafios, enquanto pessoas esforçadas foram eliminadas.

    Enquanto mastigava, ele se analisava. Podia estar ali por uma questão de conhecimento pessoal, mas sua postura precisava mudar. Não tinha mentido quando disse que não tinha medo das estrelas do programa, mas talvez precisasse fazer por merecer. Porque para a maioria das pessoas que estavam naquela mesa, compartilhando a comida, era um sonho único. Uma oportunidade que não veriam de novo. E Shin não ficaria tranquilo se eles saíssem e ele continuasse. Passou a mão na nuca e quando perguntaram o que ele fazia, falou a verdade.

    - Hm...Tem cerca de dois anos que comecei a me dedicar à música. Sempre gostei, mas aprendi violão e piano nesse curto período. A primeira vez que percebi que levava "jeito para a coisa" foi numa apresentação do colégio, num projeto de fim de ano. Eu cantei para o auditorio, fazendo a mesma apresentação que me passou no programa. Infelizmente, não tenho o apoio de meu pai, pois ele tem uma visão bem radical sobre artistas. A pessoa que me apoia é minha mãe, emocional e financeiramente falando. - Fez um bico no canto dos lábios. - Também não sei até onde esse programa vai me levar, mas eu realmente estou ansioso para ver. Principalmente as experiências que vivenciarei e as pessoas que conhecerei. É realmente um prazer compartilhar essa refeição com vocês.

    Sorriu, mostrando a covinha e ouviria as outras histórias em silêncio.

    Todas elas se resumiam a sonhos e desejos que tinham na vida.

    Mas nenhum deles parecia vir com aquele discurso firme, da certeza de que chegariam até a final do programa. Isso era um pouco frustrante, porque Shin sabia - pelo menos por Tommy e Quan Lei - que eles pensavam dessa forma principalmente pela questão das celebridades e privilegiados que havia ali. Não tinha como dizer o contrário, mas falava para que todos dessem seu melhor e se esforçassem.

    Muita coisa podia acontecer.

    E o programa podia ser uma boa vitrine para os novos talentos.

    No meio do jantar, ele viu a mensagem de sua mãe e cumpriu a promessa que fez a ela: chegaria em casa antes das 22:30. Pagou não apenas a parte de seus amigos, mas a metade da conta com Go Min-Nam e se despediu de todos. Não chamou por nenhum motorista, preferindo andar um pouco até pegar uma condução. Era bom para pensar pelo caminho.

    Sim, ele vivia num mundo diferente daquelas pessoas. Com mais luxo, dinheiro, contatos, mas tinha gostado muito de ter comido um simples churrasco com eles. Talvez ele não conseguisse chegar até a final, mas e se fosse um instrumento, um caminho para que aquelas pessoas conseguissem alcançar seus objetivos? Podia não ter tanta influência no mundo da musica, mas era aquela história "conheço alguém que conhece outro alguém".

    E, na verdade, seria bom falar com "essa" alguém. Até porque, precisava mesmo contar algumas coisas a ela. Geralmente não se falavam durante as férias de verão, mas naquela circunstância, precisava dar um passo à frente e perturbá-la mesmo que só um pouquinho. Talvez ela gostasse do que ele tinha a dizer. E, bom, se não desse certo naquele primeiro teste, ele pelo menos poderia contar o que aconteceu.

    Quando chegou em casa, não se incomodou em procurar pelo pai. Sorriu quando viu a mãe e a reverenciou antes de receber o abraço. Correspondeu da mesma forma, com todo seu carinho e, por fim, beijo sua testa em respeito. Como a mãe não quis criar muito alarde, deixaria para contar as novidades no dia seguinte, quando estivessem à sós em casa. No momento, ele precisava de um bom banho. Era um pouco tenso usar o vestiário masculino e só conseguiu relaxar no chuveiro de sua suíte. Ao sair, trajando um roupão azul marinho e colocando o cabelo para trás, ligou o computador e fez algumas pesquisar.

    Depois de ter certeza de que era bom e escolhendo uma das músicas à dedo, ele abriu o e-mail e começou a digitar um e-mail para Myeon. Era inevitável não sorrir enquanto escrevia, porque ele se lembrava das coisas que tinha passado até então. E porque, no fim das contas, era bom poder contar para alguém além de sua mãe. E se tinha alguém que merecia saber daquilo, era Myeon. Só esperava que ela guardasse segredo, pelo menos enquanto não aparecia no programa.

    e-mail:
    "Olá, Myeon-shi!

    Como vão suas férias? Tem aproveitado bastante com sua família?

    Sei que pode parecer um pouco estranho receber um e-mail meu à essa hora e no meio das férias, mas é porque queria compartilhar uma coisa com você e também preciso agradecer.

    Eu segui o conselho que você e seu pai me deram naquele dia, depois da apresentação na escola. Não avisei antes porque era algo que eu sinceratamente precisava - e ainda preciso - fazer e passar sozinho. Não me sentiria à vontade recebendo um favorecimento de seu pai para isso. Não é por esperar favores de sua família que eu sou seu amigo. Mas...De todo modo, me inscrevi no programa.

    E eu passei ^^

    Não apareci na primeira edição do programa e achei muito bom. Como você sabe, não tenho o apoio de meu pai e foi bom não ter que ouvir absurdos ou retaliações enquanto me preparava para a segunda etapa, que ocorreu hoje. Eu também fui aprovado e estou seguindo firme para a 3ª! Acredite se quiser, mas passei na prova de Dança! Hahaha.

    Conheci muitas pessoas nesses dois dias e aproveito para compartilhar essa música de um de meus novos amigos. Se você gostou da minha apresentação, tenho certeza de que vai gostar dele também. Acho que é até melhor do que eu. Espero que goste.

    E queria agradecer porque...se não fosse pelo que você me falou naquele dia, eu nem teria pensado em dar o primeiro passo e chegar onde cheguei. Obrigado, de verdade.

    Espero que curta bastante suas férias,

    Yoon Shin-Hee."

    Shin afastou as mãos do teclado e do mouse depois de enviar a mensagem. Apesar de ter sido sincero em suas palavras, também esperava que Myeon - uma menina influente e até mesmo popular - gostasse das musicas e do canal de Tommy e começasse a espalhar. Quem sabe ele não ganhava mais e mais visibilidade assim.

    Gakky
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1472
    Reputação : 87
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1011.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Gakky em Sab Jun 03, 2017 2:05 pm

    Yuki fica muito feliz quando aceitam sua ideia e logo abre um largo sorriso. Minsoo então faz um comentário sobre conhecer sua casa e ficar nervoso, Yuki ri tímida e responde olhando para baixo:

    - Duvido que alguém como você fique nervoso...

    Então para disfarçar, começa a falar com Chaesoo empolgada. Quando chegam enfim a sua casa, Yuki avisa com cuidado que era para não repararem na casa, que era muito humilde:

    - Desculpe pelas acomodações... Mas o que precisarem podem pedir, se eu tiver eu ajudarei, quero que se sintam a vontade.

    Quando vê a mãe, vai cumprimentá-la e dizer:

    - Obrigada kaasan! Sabia que ia aceitar!

    Também vai agradecer ao Tae pelas pizzas. Mas fica feliz por ter seus amigos em sua casa. Vai ajudar a mãe a arrumar a mesa, cumprimenta o seu pai também. Entretanto sentiu um aperto no coração por Eun-ji não estar lá com ela, provavelmente tinha acontecido alguma coisa com a família dela. Então seu irmão chegou, o que fez Yuki ficar envergonhada ao ver as atitudes dele, não entendia porque ele estava sendo tão estranho. Geralmente Tae-gyu era simpático, pensava. Quando ele fez perguntas diretas a Tae-woo e Minsoo, Yuki queria se esconder em algum lugar. Era tão constrangedor! Chae Soo parecia se divertir com isso, pois ria de cada pergunta, pelo menos isso tirava a tensão. Yuki respirou aliviada ao ver que Minsoo continuava educado como sempre, mas não saberia dizer se era por educação ou se estava mesmo tranquilo. Depois que seu irmão foi tomar banho, Yuki se desculpou com os amigos:

    - Desculpe, Tae-gyu geralmente é bem amigável, ele deve ter tido um dia agitado...

    Então volta a se sentar e ficar com os amigos, sentia-se mais a vontade em casa e aproveita isso para tentar falar com o Minsoo, queria ser ao menos uma amiga para ele. Então se aproxima e diz olhando para baixo:

    - Sinto falta da Eun-Ji... Ah... O que você gosta fazer, Minsoo-shi?  

    Depois ela vai tentar falar com Tae, dessa vez dando parabéns pelo novo relacionamento:

    - Sunbae.... Eu não desejei antes, mas parabéns pelo novo... Relacionamento... Er...   - Depois acaba fazendo um comentário que não deveria - Mas e a Hyerin? Não falar com ela? Er... Quer dizer, vocês eram bem amigos... Porque, porque pediu que eu fosse amiga dela... Né? Ah desculpe... 

    Então a sua mãe agradece aos amigos, Yuki estava realmente feliz, mas ao mesmo tempo sentia muita falta de Eun-ji. Também observava Minsoo, ele era tão educado, o admirava. Quando ele falou que tomaria conta dela, Yuki logo ficou corada e abaixou o rosto para não perceberem. "Ele disse que sou gentil" - Notou Yuki em pensamento, seu coração começa a bater acelerado, pelo menos ele a achava gentil, isso talvez significasse o começo de uma amizade verdadeira. Mas sua fascinação foi indo embora quando ouvia a mãe contar coisas constrangedoras dela para Minsoo! Não podia ser! Estava se esforçando para parecer digna de andar ao lado do Minsoo e agora sua mãe a tornava engraçada.

    - Okaasan!! - Exclamou envergonhada, depois sorriu sem graça e pediu - Por favor... Não incomode o Minsoo com essas histórias bobas...

    Então chegou a hora da despedida, Yuki fez uma reverência para os amigos, Tae e Minsoo, e agradeceu:

    - Gomawo!! Foi uma noite divertida. Sunbae obrigada pelas pizzas! V-Vou acompanhar vocês até a saída...

    Claro que Yuki conta com ajuda de Chaesoo ao seu lado para lhe dar coragem. Quando saem pela porta, Yuki sorri com a promessa de piquenique de Minsoo, antes dele ir embora ela pergunta:

    - Vou lembrar do piquenique... O que gosta de comer Minsoo-shi? Ah... Quero saber para... Segredo! Depois conto...

    Yuki faz um carinha engraçada quando menciona que era segredo.



    Depois deseja Fighting e quando eles vão se afastando ela diz:

    - Annyeong!

    Depois ela se diverte com Chae, embora sentisse a cada momento falta de Eun-ji. Sempre pensava, Eun-ji ia gostar disso, queria mostrar isso para Eun-ji... Yuki também mostra seus mangás para a amiga, a maioria era de segunda mão. Mas então, depois do banho, chegou o momento de conversarem sobre sentimentos. No começo Yuki estava meio incerta de dizer a Chae, porém acaba ficando a vontade de contando várias coisas.

    - Chae... Eu acho o Minsoo tão incrível, queria ser como ele. Ele tem uma maneira incrível de pensar. Quero me esforçar para ser alguém que possa andar ao lado dele. Quero ser amiga dele... Pelo menos...

    Quando Chae fala que achava que Minsoo poderia gostar dela, Yuki fica corada e esconde o rosto em baixo do lençol, depois diz:

    - Ahh... Eu duvido.... Eu sou muito simples, não tenho nada de especial - Depois tira a cabeça debaixo do cobertor e muda de assunto - Mas e o Dam e a Eun-ji! Aposto que ele gosta dela!! Podemos tentar fazer os dois ficarem mais tempo juntos, o que acha Chae?

    Em seguida pergunta:

    - Mas e você Chae? Eu vi que estava animada! Tem tantos garotos bonitos lá... - Suspira cansada - É difícil não ficar tímida perto deles... Mas e o Tae? Acha que ele gosta mesmo da Peach? Eu acho que ela não gosta de nós, provavelmente não ia gostar de vir na minha casa. Mas fiquei surpresa que o sunbae Tae veio! Ele rico, mas é muito gentil e respeita as coisas humildes! Eu estava preocupada que ele não iria vir. Agora, acho que ele é mesmo nosso amigo!

    Depois ela finalmente vai dormir.
    shamps
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1317
    Reputação : 69
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1011.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por shamps em Sab Jun 03, 2017 2:31 pm

    Musiquinha fofa:
    A garota aguardou pacientemente Dam voltar com suas coisas e ficou contente ao vê-lo falar com Bora ao telefone. Sabia que agora não precisaria se preocupar.
    O caminho foi feito em silêncio, ela já estava acostumada ao silêncio, mas de alguma forma não queria estar mais em silêncio, queria era conversar com Dam, mas sabia que ele não gostava de falar se não fosse necessário. Bom, esse era o charme dele.

    A ruiva viu a moto e ficou impressionada e assustada ao mesmo tempo. Sua carona seria de moto? Ela nunca andou de moto. E se fizesse algo errado?

    - Ahahah... uma moto, oppa – se aproximou para admirar o veículo, agachou-se ao lado dela para ver os detalhes, como uma criança curiosa – que legal! Mas... não é perigoso? Nunca andei de moto – agora já parecia animada apesar de assustada.

    A conversa ficava tensa entre eles, Dam parando de repente e demorando para falar fez a ruiva acreditar que deveria ter ficado quieta... mais uma vez.


    Com o passar do tempo, antes de eu perceber, meu coração torna-se mais complexo. Eu não posso encarar em seus os olhos tristes?
    Eu quero ver você, eu quero ouvir você. Eu quero compartilhar meu coração. Vire a cabeça e olhe para mim, eu estou sempre por perto




    - Ahhh... desculpa, Dam oppa – ela dá um forte tapa na própria boca, como ensinado por sua mãe, que fazia isso com frequência quando Eun-ji falava o que não devia – eu falei de mais, não foi? Prometo não fazer mais perguntas – ela se curva pedindo desculpas e estende o dedinho para ele – promessa de dedinho... inquebrável... – ele pergunta se ela seria sua amiga e ela não entende a pergunta e tenta tranquiliza-lo de maneira gentil – mesmo se você tiver ofendido Deus, eu ainda serei sua amiga, oppa! – ele começou a prender o capacete na garota e ajeitando seu cabelo, ficando muito próximo a ela. Nunca tinha ficado próxima de alguém assim. Um pouco nervosa e com o rosto ruborizado de vergonha, ela tentava manter seus olhos focados nele, mas desviava-os com frequência, talvez fosse por causa daquelas borboletas que insistiam em voar dentro de sua barriga. Mesmo assim viu o sofrimento em seu olhar quando ele sorriu e se afastou. Sua primeira reação foi perguntar o que tinha feito, mas lembrou da própria promessa de não fazer perguntas e só baixou o olhar. As mãos dele próximas à pele da garota impediram que ela baixasse a cabeça, que é o que teria feito. Quando ele virou de costas para ela, ela apenas suspirou.
    A frase seguinte dita por ele deixou ela paralisada e nervosa. Engoliu em seco e tentou disfarçar o susto. Ele tinha cantado aquela música para alguém. Quem? Não ousou perguntar. Levou alguns segundos para atender ao pedido dele, até que se dirigiu até a moto e aceitou sua ajuda para subir. Ficou com aquilo na cabeça: “quem seria? Uma namorada? Será que ele amava alguém? Ele sofria por isso?” E porque ela tinha ficado perturbada com aquilo?


    Em sua vida, eu significo algo para você? Eu me pergunto isso
    Mas eu fico tão preocupada que, embora eu queira tanto. Eu nunca consigo alcançar você


    Ficou bastante envergonha ao ver como ficaria próxima a ele na moto e não sabia nem onde se segurar, instintivamente levou suas mãos aos ombros dele, quando ele puxou as mãos dela para sua cintura, ela ficou muito tímida, mas segurou firme quando ele deu a instrução. Mesmo triste gostou de abraça-lo... não, não estava abraçando, apenas se segurando. Tinha que ter isso em mente. Ela só balançou a cabeça confirmando que tinha entendido e agradeceu por ele não olha-la mais naquele momento de fragilidade dela.

    A moto deu a partida e a moça fechou os olhos, um pouco assustada, mas com o tempo foi abrindo-os e curtindo aquela sensação de liberdade, a sensação de estar abraçando Dam, eram tantos sentimentos conflitantes: medo e alegria, amor e desilusão, enfim, mais coisas que ia descobrindo naquele dia. Sorria durante as paradas quando ele perguntava se esta bem e ela respondia sorrindo que não precisava diminuir a velocidade. Era um Dam sorridente que ela gostou muito de ver, queria ver em mais momentos aquele sorriso.
    Então ele gostava de andar de moto? Era mais uma coisinha que descobria sobre ele.

    Chegaram à casa de Bora e ele a ajudou a descer, mesmo ela sendo um pouco desengonçada e perdendo um pouco do equilíbrio ele ainda foi gentil. Até brincou com os cabelos dela, não se importou com o gesto, diferente do susto que levou quando Quan Lei o fez.

    - Hahaha... obrigada pela ajuda, oppa – disse gentilmente. Ele brinca com ela e ela só dá risada, um som incomum vindo dela – ah, oppa – e ajeita a madeixa ruiva – foi assustador no começo, mas depois foi libertador, Dam oppa... seria divertido passear em outras oportunidades assim... se isso não causar nenhum problema para você... – ficou um pouco mais séria – deve ir muito vento em seu rosto, não é? Tem que se agasalhar... a promessa de não se machucar inclui também não ficar doente por descuido, viu? Não quero que pegue um resfriado – depois voltou a sorrir de forma mais descontraída. Enquanto sorria, Dam não parava de observa-la, era mais fácil sustentar o sorriso do que o olhar dele, mas era tão magnético e tentador, que ela não conseguia desviar o olhar. Ficou um tempo assim, sem pensar em nada, apenas seu coração que lhe dizia constantemente que estava ali. Gostava de aprender sobre cada pedacinho do rosto dele mesmo estando envergonhada naquela situação. As borboletas voltaram. Não sabia como agir... até Bora chama-la.


    Cada vez que os seus olhos encontram os meus, o meu coração bate mais rápido
    O que eu faço? Está tudo bem se eu gostar de você do meu jeitinho?


    - Ah, senhora Bora – ficou muito feliz ao vê-la – venha, Dam oppa – ela fez questão de apresenta-los – professora, esse é o Dam oppa... meu amigo. Oppa, essa é a minha querida orientadora, a senhora Bora. É por causa dela que estou no programa. A professora também gostou da sua apresentação, oppa – depois ela seguiu a deixa do Dam e perguntou sobre a pizza na casa da amiga, na esperança de Bora tivesse uma boa ideia. Ela abraçava com carinho a professora enquanto falava, era fácil perceber a diferença de tons que a menina usava ao falar de Bora e de sua mãe – claro, senhora Bora. Confio na senhora.

    Dam quis sair depressa e a ruiva não tinha direito de impedi-lo e antes que partisse, ela entregou a ele mais uma balinha, daquelas que tinha oferecido pela manhã.

    - Vá em segurança, oppa... eu não tenho como te avisar, mas senhora Bora acho que pode, não é mesmo professora? – ela se curva para Dam em despedida – Deus te acompanhe, Dam oppa!

    Ela tinha muitas coisas para contar para Bora, desde manhã até a noite agitada. Falou da quadra e dos ensaios, de Dam quietinho e longe de todos no início, dos chiliques do Tae, das brigas com Minki, da conversa com Dam, do amuleto da Yuki feito pelo Minsoo, das discussões nos dois vestiários e do que se seguiu na quadra, falou também de Chae e dos três meninos, do chinês com quem pode trocar algumas palavras em chinês e de como tinha ficado mais confiante com o idioma, dele mexendo no cabelo dela e Dam afastando-a dele, da briga com o Tae, do namoro dele com a Peach e, por fim, a dança final.

    - Quase desisti de tudo, professora. Se não fosse pelo Dam... ele me fez prometer que não desistiria. Ele não é adorável? Não sei porque, mas eu me sinto bem perto dele, gosto de ficar perto dele. Ele fala bem pouco, sabia? Ele me ajudou muito... – ficava bem empolgada ao falar dele, isso era fácil de notar. Durante a conversa o nome dele foi repetido em muitos momentos.

    Enfim era chegada a hora de voltar para casa, Eun-Ji tinha esperanças de que conseguiria ir para a casa de Yuki, pena que não aconteceu. Jeong gritava muito no portão, era quase uma ofensa e dava muita tristeza ver sua professora ser maltratada daquele jeito por sua mãe. A ruiva saiu mais do que depressa do carro ao comando mãe, deixando Bora para trás, não antes de se despedir dela. Infelizmente sua mãe impediu que ela a abraçasse.
    Eunji ouviu através da porta os gritos de sua mãe com adorável Bora, que não merecia nada daquilo, se fossem para ela os gritos estaria tudo bem, mas não sua professora.

    Mesmo sendo palavras duras, Eunj-Ji imaginava que era só preocupação de uma mãe muito amorosa e que não esperava que seu tesouro chegasse tarde em casa. Eun-Ji sim que era uma filha má, que mentia para a mãe e para a igreja. Eram justos os gritos e tapas que tomou em seguida. Sentiu fagulhas espinhosas quando os joelhos tocaram com violência o chão. Foi difícil conter o choro, mordeu os lábios para tentar conter a dor e começou a rezar como imposto pela mãe, nem mesmo se ajeitou temendo piorar a situação dos joelhos.

    - Perdão minha mãe – se encolheu um pouco – pedirei perdão com todo o meu coração, eomma – começou a seguir as palavras de sua genitora com muita fé, apesar da dor causticante que sentia – que desgraça? – perguntou desesperada com aquelas palavras mãe, mesmo enquanto recebia seus tapas. A mãe por fim sai e bate a porta deixando Eun-Ji estirada no chão, ela se ajeitou e respirou profundamente esperando as dores darem uma acalmada e esperando que sua mãe se recolhesse logo.

    Ela tinha muita fome e com esforço conseguiu se levantar e caminhar até a cozinha, em total silêncio, para pegar algo para comer. Imaginou como estariam seus amigos na casa da Yuki, Será que Dam tinha ido? O que estariam comendo? E como seria uma festa do pijama? Torcia muito para que Yuki estivesse se divertindo.
    Foi tomar um banho e deixou que a água quente caísse sobre seus músculos ardidos e cansados. Como a tarde, a água quente fazia-a se lembrar das cicatrizes em suas costas e ela se contorcia um pouco. Eram dores digladiando entre si: músculos, joelhos, alma e costas. Tinha certeza que uma boa noite de sono ajudaria a aplacar tudo aquilo.
    Pegou um unguento medicinal para dor, que seu avô fazia para a igreja, e alguma faixa e, já em seu quarto, massageou os joelhos e os enfaixou. Aproveitou também para passar aquele óleo em todas as partes doloridas, e sabia que acordaria renovada na manhã seguinte.
    Abraçou uma de suas bonecas e ficou revivendo seus bons momentos durante a competição e, principalmente, os poucos momentos com Dam, mas que foram muito valorosos. Não sabia por que se sentia daquele jeito, só sabia que era bom pensar nele.
    E foi pensando em Dam e nas borboletas em seu estomago que a jovem adormeceu, cultivando um singelo sorriso.


    Você sabe? Ultimamente, os meus pensamentos sobre você fizeram as minhas noites ficarem mais longas
    As preocupações inúteis, esperança inútil - me fizeram sentir tão tímida, mesmo sem perceber,
    Larissa Aprill
    Mutante
    avatar
    Mutante

    Mensagens : 511
    Reputação : 48
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png

    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Larissa Aprill em Sab Jun 03, 2017 3:21 pm

    O caminho até o restaurante foi tranquilo, todos conversavam em harmonia, exceto Min-ki e Hyerin que caminhavam mais atrás do grupo, em alguns momentos enquanto andavam a garota olhava para trás, mas a expressão séria dos dois a a impediam de se aproximar. Assim que chegaram no restaurante, Eu Se sentou num lado da mesa, ficando Bae e Amihan ao seu lado. Logo a sua frente estava Shin, Tommy e o chinês. Enquanto conversavam lembrou do rapaz na academia do hotel e ficou feliz de saber que aquele mal entendido já tinha sido superado.

    O loiro estava na ponta e a menina viu quando a loira escondeu o rosto entre as mãos, provavelmente estava chorando e Min-ki a consolava com tapinhas na costa. Eu Se constrangida desviou o olhar enquanto bebia o suco no canudinho, tenta convencer a si mesma que ele estava apenas consolando uma amiga triste, mas lá no fundo sentia-se triste e abandonada, mesmo tendo os amigos ao seu lado, não ter a atenção de Min-ki a deixava mais triste do que queria admitir. Felizmente o assunto na mesa começou a fluir, e ela pode descobrir um pouco mais sobre cada um.

    Todos tinham uma vida paralela, mas em algum momento seus caminhos foram cruzados e todos estavam naquele reality show, para alguns era realmente seus sonhos que estavam em jogo, para outros era uma oportunidade de se aprimorar, enquanto para ela era uma chance de liberdade. Não pode deixar de se sentir egoísta nesse sentido, ainda mais porque descobriu que o sonho de Bae era justamente seguir carreira na música clássica, onde ela tinha todas as oportunidades de brilhar e decidiu se afastar.

    Quando Min-ki falou um pouquinho sobre sua vida e dos seus pais, a jovem sorriu. Não imaginou que ele era do tipo de cara que cuidava dos pais idosos, mas isso fez repensar em sua vida. Enquanto para ela era normal gastar milhares de wons numa bolsa, para a maioria das pessoas naquela mesa, significava ter uma vida mais digna e confortável.  

    Todo esse tempo que estava fingindo ser um menino, a fez repensar em sua vida. Não só o fato dela ter a chance de viver sem as obrigações como a filha de um diplomata, mas de dar mais valor a pequenas coisas que ela tinha na sua vida e que para ela era tão fúteis.  Esperava tornar uma pessoa melhor enquanto estivesse ali e não queria voltar a ser uma menina medíocre que jogava o jogo da rainha.  Todo esse pensamento ocorreu enquanto ela procurava o celular na sua bolsa e ver as mensagens de sua mãe quase a fizeram chorar ali mesmo. Discretamente ela limpa as lagrimas e se aproxima do grupo para tirar uma foto. E sorri ao fazer o sinal de "V" com os dedos, pois estava realmente grata de estar com todos naquele momento.

    Por fim guarda o celular na bolsa novamente, iria responder sua mãe e a Go Mi Nam mais tarde e preferiu ignorar a mensagem de amiga na Inglaterra, só de pensar que seu disfarce poderia ser descoberto, lhe fazia suar frio. Quando foram pagar a conta, Shin estava ao seu lado e com muita insistência dele, ela deixou que ele pagasse a maior parte da conta, então se despediu do rapaz na porta do restaurante e ficou olhando com um pesar no coração Min-ki se afastando junto com Hyerin. Talvez o que eles tinham era uma ligação muito especial que Eu Se não deveria se intrometer.

    No caminho para o hotel a garota voltou mais calada do que costume e assim que chegaram no quarto, ela pegou seu celular e olhou para a foto que o grupo tinham tirado. Era uma foto preciosa que ela iria guardar com carinho. Então finalmente começou a escrever a mensagem para sua mãe.

    어머니, 어떻게 당신은?

    당신이 바로 먹는거야? 그것은 매우 혼자?
    죄송합니다 나는 당신의 옆에있을 수는 없지만, 나는 많은 새로운 것을 배우고 내가 더 나은 사람이되고하고 있다고 생각하고 있습니다.

    나는 당신에게 더 많은 것을 말해 사랑 ...하지만 난 아주 많이 사랑한다는 것을 알게 될 것입니다.
    그리고 갈망으로 죽어 가고 있어요.


    Mãe, como você está?

    Está comendo direito? Está muito solitária??
    Sinto muito não estar ao seu lado, mas estou aprendendo muitas coisas novas e sinto que estou me tornando uma pessoa melhor.

    Gostaria muito de te contar mais coisas...mas saiba que eu te amo muito.
    E que estou morrendo de saudades.



    Na mensagem para Go Mi Nam, ela pode ser mais sincera e lhe contou sobre tudo que aconteceu na segunda fase da prova. Mas preferiu evitar usar seus nomes verdadeiros.

    내 친구

    난 당신이 좋아 다행입니다. 나는 소년 척하는 것이 점점 더 어려워지고있어, 프로그램의 또 하나의 단계를 살아 남기 위해 노력하고있어. 내 감정을 아주 잘하고 소년 중 하나가 결국 내가 여자라는 것을 발견 기숙사 제어 할 수 없습니다.

    그러나 그것은 저를 돕고, 안심하고 우리의 비밀은 안전합니다. 하지만 내가 모든 것을 포기하고 자신으로 돌아 가야하는 것이 훨씬 쉬울 것이라고 생각 일이있다.

    아마도 여자로서 나는 내가 지금 나보다 더 매력적입니다.
    내가 당신을 그리워하고 함께 외출 할 때, 당신이 내 옆에 여기 으면 좋겠어.

    그리고 한 가지 더 ...
    두 번째 단계는 놀랍게도 시간 동안 춤을 보냈다 나는 모든 아픈 해요,하지만 난 매일 개선하고 생각합니다.

    사랑
    그의 여자 친구.


    Meu amigo

    Fico feliz que você esteja bem. Eu estou tentando sobreviver a mais uma etapa do programa, está ficando cada vez mais difícil fingir ser um garoto. Não consigo controlar muito bem minhas emoções e um dos meninos do dormitório acabou descobrindo que sou uma menina.

    Mas fique sossegado, ele está me ajudando, então nosso segredo está a salvo. Mas tem dias que penso que seria muito mais fácil eu desistir de tudo e voltar a ser eu mesma.

    Talvez como uma garota eu seja mais atraente do que estou agora.
    Sinto sua falta e de quando saiamos juntos, gostaria que você estivesse aqui do meu lado.

    E mais uma coisa...
    Passei na segunda fase, por incrível que pareça dancei por horas seguidas, estou toda dolorida, mas creio que estou melhorando a cada dia.

    Com Amor
    Sua Amiga.


    Havia mais uma mensagem para mandar, ela decide mandar um e-mail para seu antigo professor de música clássica. Ele era um senhor gentil e tinha um coral no ensino médio que ela e Go Mi Nam participaram, ele que a incentivou a garota a seguir carreira no piano. Ele não era um professor famoso, apesar de ter muito conhecimento, mas tinha contatos que poderiam ajudar Bae.



    안녕하세요, 교수.

    어떻게 지냈어?

    나는 그가 훌륭한 테너있을 거라고 생각, 그것은 매우 강력한 목소리를 가지고, 이동 미 남의 친구를 소개하고 싶습니다, 자신의 보호 아래 있었다.

    당신이 그것을 알고 싶다면 나는 모임을 주선한다.
    그냥 하루 일정 알려 주시기 바랍니다.

    내가 관심을 주셔서 감사합니다.
    I. 만


    Olá, professor.

    Como tem passado?

    Eu gostaria de apresentar um amigo do Go Mi Nam, ele tem uma voz muito potente, acho que ele seria um excelente Tenor, se tivesse sob seus cuidados.

    Irei providenciar um encontro, se o senhor quiser conhece-lo.
    Só me informar o dia e horário.

    Agradeço a atenção.
    Eu Se.


    Bae e Amihan já tinham ido deitar, mas nem sinal do Min-ki voltar, isso fazia a garota pensar no porque da demora, provavelmente ele a estava a consolando de outras maneiras. Triste e exausta, Eu Se finalmente toma um banho rápido e adormece num piscar de olhos.[/color]

    Conteúdo patrocinado


    Re: 2º passo - Dança

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Qui Set 21, 2017 9:56 pm