Um fórum de RPG online no formato de PBF (Play by Forum).


    Paraíso perdido

    Compartilhe
    Leomar
    Mutante
    avatar
    Mutante

    Mensagens : 550
    Reputação : 9

    Paraíso perdido

    Mensagem por Leomar em Dom Jun 25, 2017 10:56 pm

    Destruída...

    Toda a cidade, todas aquelas pessoas, simplesmente, destruída!

    Nergal demorou uns dias para assimilar isto. Se é que já tinha conseguido assimilar. Se é que conseguiria um dia.

    Sua comunidade era pequena, poucos mais de 200, mas por quase duas décadas pode-se dizer que Nergal viveu em um paraíso.

    Árvore, flores, frutas, pequenos animais, quase nenhum predador, água pura... Tudo isto ao lado de um deserto enorme. Verda Ero era um lugar cobiçado por muitos humanos, e talvez até por alguns demônios, mas suas montanhas íngremes eram quase impossíveis de serem ultrapassadas, isto quando se conseguia passar pela região dos lupinos.

    Por isto já haviam algumas gerações antes da de Nergal que os anjos-negros viviam isolados naquela área. Aquilo já era o estilo de vida deles. Segundo alguns dos líderes, o mundo não queria saber dos anjos-negros, e portanto os anjos-negros também não deviam nada para o mundo. Se eles conseguiram fazer uma sociedade auto-sustentável e pacífica, o que mais iriam querer?

    Claro que tinham lá seus problemas esporádicos, como três harpias que apareceram na cidade há algumas semanas. Os anjos-negros conseguiram matá-las, mas estariam elas ligadas aos eventos que viriam?

    Os mais velhos haviam observado que as manas estavam se comportando de forma estranha, mas ninguém imaginaria que uma tempestade mágica arrasaria toda Verda Ero, e Nergal só escapou por muita sorte.

    Agora faziam alguns dias que ele andava pela Ilha dos Exilados. Até então o máximo que já tinha ido era em algumas vilas próximas, mas nunca conheceu uma das grandes cidades que os humanos falavam. Talvez fosse o momento de procurar pelos continentes que só ouviu falar, afinal, não havia mais para onde voltar.
    Kether
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 478
    Reputação : 18
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Kether em Seg Jun 26, 2017 12:54 pm

    Nergal olhava em volta sozinho era como uma ilha envolto por água mas invertido. Desde que partira com sua antiga companhia de viajem "que esteja em bom lugar" nunca havia ficado sozinho verdadeiramente.

    Aquela sensação de vazio vinda da perda de todos os entes queridos e amados. Ele não havia conhecido os pais, apesar disso todos da vila cuidavam dele como se fossem uma única e grande família.

    Mesmo naqueles dias na vila com todo o cuidado que tinham com ele, mesmo naqueles dias em que ele se sentia sozinho eram como estes dias após a destruição de Verda Ero. Ele não tinha ninguém a quem pedir ajuda, não tinha ninguém que o ajudaria. Ele deveria seguir em frente.

    Mas como seguir em frente se todos eram educados para viverem no paraíso e defendê-lo?

    Nergal abre suas longas asas negras e levanta voo. Procurava por algum sinal de uma caravana que estivesse cruzando o deserto ou mesmo avistar alguma cidade para onde deveria seguir e encontrar um novo motivo para a sua vida.

    Ele havia ouvido histórias de anjos brancos, ou simplesmente anjos, e pensava que eram lendas dos mais velhos para assustar os jovens. Mas as lembranças daquela mulher que ria da destruição de sua vila.

    "Malditos! Vocês irão pagar pelo que fizeram ao meu povo!" - pensava enquanto segurava firme a empunhadura da espada.

    Ao avistar uma caravana a algumas milhas a sua frente ele resolveu voar em sua direção. Mas deveria ser cuidadoso, afinal as poucas pessoas que conheciam os anjos negros eram das vilas próximas a sua cidade natal. E estes lugares já haviam ficado para trás a alguns dias e ele não desejava voltar.

    - Seguir em frente... - murmurou.
    Leomar
    Mutante
    avatar
    Mutante

    Mensagens : 550
    Reputação : 9

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Leomar em Seg Jun 26, 2017 10:07 pm

    Passar a região dos lupinos não era difícil. Por anos os lupinos ocuparam as margens de Verda Ero, a parte de planície daquela área fértil, os anjos-negros por sua vez ocupavam as não menos férteis montanhas da região. Parecia haver entre eles um acordo não escrito de que uns não interferissem no terreno dos outros. Assim aconteciam apenas uma morte de um ou outro lado a cada dois ou três anos, mas nunca uma guerra entre eles.

    Mas os humanos evitavam aquela região. A vila onde morava Kalíope, que era a mais próxima (e única que Nergal já tinha ido), já ficava a mais de 35 quilômetros da montanha de Verda Ero, a outra só a 100 quilômetros desta primeira, mais outra a 150 quilômetro desta segunda. Assim havia muito nada entre os pequenos vilarejos, e ainda havia o risco destes pequenos vilarejos serem destruídos por lupinos ou atacados e controlados por demônios. Era uma terra sem lei.

    Helena era uma das humanas vinda de uma vila mínima depois da de Kalíope e que procurava Verda Ero como refúgio, e ainda teve a infelicidade de descobrir que sua última esperança foi destruída, antes de morrer por causa de um escorpião. Os anjos-negros acreditavam que haviam lugares no pós-vida em que justos e sofredores eram finalmente confortados, tomara que Helena tenha encontrado algo assim.

    Sozinho ele conseguia percorrer grandes distâncias voando, mas não tinha muita noção do que procurar. Quando estava com Helena, os dois tinham ido para nordeste, então ele continuou nesta direção.

    Só depois de passar a região dos lupinos que aparecem os primeiros sinais de humanos. A primeira tentativa de aproximação não é das melhores, uma caravana recebe Nergal com flechas, e ele é obrigado se afastar voando, por sorte sem ferimentos, a não ser no orgulho.

    Raros eram os humanos que conseguiam chegar a Verda Ero, mais raros ainda os que conseguiam permissão para morar com os anjos-negros. Alguns líderes diziam que humanos eram dignos de pena por serem seres medrosos, mas histórias contadas pelos próprios humanos que ele conheceu, normalmente exilados (afinal era a Ilha dos Exilados), mostrava que humanos podiam ser bem ruins muitas vezes.

    As primeiras noites no deserto são terríveis, a temperatura subia e descia muito rapidamente, assim Nergal preferia voar o mais distante que podia, e atravessa o deserto em apenas dois dias.

    Uma única estrada de terra batida se destacava na paisagem. Um único caminho para quem queria ir para nordeste ou voltar para sudoeste. Do alto Nergal vê uma vila no horizonte, um tanto maior que os vilarejos que tinha visto até então. A meio caminho, uma carroça com algumas pessoas parecia se dirigir para lá. Não chegava nem a ser uma carava, deveria ser uma única família, no máximo duas. Era, até o momento, os únicos humanos em quilômetros. Nergal poderia tentar se aproximar novamente, ou poderia tentar a sorte direto na próxima vila.
    Kether
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 478
    Reputação : 18
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Kether em Ter Jun 27, 2017 12:46 pm

    Nergal vê a cidade mais distante e uma carroça com o que pareciam ser duas famílias, ele então se recorda de quando tentou se aproximar da caravana e como ele havia sido atacado.

    "Talvez na cidade seja pior, se eu conseguir me aproximar daqueles viajantes talvez seja um bom começo. Sem contar que eu poderia aprender mais sobre essas pessoas de fora do paraíso." - pensou.

    Nergal então voa mais rápido para ultrapassar a carroça e pousa um quilômetro de distância a frente na estrada e a 500 metros para fora  da estrada no caminho a frente da carroça. E então volta caminhando na direção da estrada até avistá-los.

    - Olá viajantes! Estou a dias viajando e não encontro nenhuma cidade. - diz em Esperanto.
    Leomar
    Mutante
    avatar
    Mutante

    Mensagens : 550
    Reputação : 9

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Leomar em Ter Jun 27, 2017 4:17 pm

    Os viajantes eram pobres, iam com dois bois bem magros levando suas poucas coisas. Nergal vê que naquele pequeno grupo ou as pessoas eram velhas demais, ou novas demais.
    Spoiler:
    Spoiler:
    Spoiler:
    Spoiler:
    Spoiler:
    Spoiler:

    Mesmo mantendo as asas fechadas, os outros ainda olhavam com receio para ele.

    - Não. Ter. Muitas. Cidades. Por aqui. A. Próxima. - Um dos velhos aponta para a vila que Nergal tinha visto. Ele fala muito devagar, talvez não domine o idioma.

    - Sul. Ser perigoso. Nós sair lá. Procurar Dafodil. Chão daqui ruim. Não plantar serve. Crianças com fome. - Falavam outro, um pouco menos lento, mas ainda com dificuldades.
    Kether
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 478
    Reputação : 18
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Kether em Ter Jun 27, 2017 5:37 pm

    Nergal ouve atentamente o que os homens falam para conseguir compreendê-los.

    - Entendo. Se não houver problemas eu poderia seguir com vocês? Ofereço meus serviços em troca da possibilidade de seguir com vocês e um pouco de água.

    Ele faz uma pausa olhando para os homens.

    - Vocês falam moloke?
    Leomar
    Mutante
    avatar
    Mutante

    Mensagens : 550
    Reputação : 9

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Leomar em Ter Jun 27, 2017 6:01 pm

    Eles se olham, eram rostos marcados pelo sofrimento. Aquilo chegava a assustar. Humanos envelheciam muito mais rápido que anjos-negros e as rugas daqueles pareciam contar histórias. Um deles, com a mão trêmula (em se tratando de humanos não dava pra saber se era medo ou só velhice mesmo), estende-lhe um cantil.

    - Não ter nós muito. Mas cidade poder encher poço. Não longe estar.

    Quando pergunta sobre Moloke, apenas a senhora idosa responde (eles eram dez no total, quatro velhos e só ela de mulher, seis crianças, duas meninas).

    - Eu sei falar um pouco. - Ela também falava devagar, mas dava pra entender.
    Kether
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 478
    Reputação : 18
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Kether em Ter Jun 27, 2017 6:28 pm

    Nergal pega o cantil e apenas molha os lábios, agradece com um aceno com a cabeça devolvendo o cantil.

    - A próxima cidade é Dafodil? - perguntou em esperanto e depois em moloke.

    Depois Nergal aponta para si e diz:

    - Eu sou Nergal de Versa Ero. Como se chamam? - Desta vez usou apenas o Esperanto já que os gestuais poderiam dizer mais.
    Leomar
    Mutante
    avatar
    Mutante

    Mensagens : 550
    Reputação : 9

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Leomar em Ter Jun 27, 2017 6:54 pm

    - Dafodil estar a quatro dias de viagem. Mas ter uma vila antes. Eu ser Kali, meus netos Yuga e Nester. - diz a senhora.

    - Sebas. Sou avô de Nita, Utykie e Andro.

    - Sou Yozé, meu neto é João. - O último homem continua em silêncio. - Ele não falar nunca. Não escutar.
    Kether
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 478
    Reputação : 18
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Kether em Qua Jun 28, 2017 12:55 pm

    Nergal faz acena com a cabeça como resposta a apresentação de todos. Então se vira para o homem que falava melhor.

    - Acho melhor partirmos se não houver nenhum problema com os animais.
    Leomar
    Mutante
    avatar
    Mutante

    Mensagens : 550
    Reputação : 9

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Leomar em Qua Jun 28, 2017 10:24 pm

    A viagem não era tão mais interessante que a solidão do deserto, pois os humanos basicamente não falavam nada enquanto andavam.

    Só as crianças olhavam curiosas para Nergal, correndo em círculos em volta dele e fazendo o barulho que crianças humanas fazem. Uma delas, se não estava enganado era a de nome Nita, às vezes ficava fazendo perguntas. Seu avô chamava a atenção dela, mas ela parava, porém voltava a ficar beirando Nergal.



    - Ei moço, o que é você?
    - Ei moço, como você tem penas? Você não é um demônio, né?
    - Os demônios têm asas mais não tem penas.
    - Ei moço, você também está fugindo do sul?
    - Ei moço, você já esteve em Dafodil? Vovô diz que lá é perigoso.
    - Ei moço, eu posso brincar com sua espada?
    - Por que não?
    - Ei moço, quando você voa, bate nas nuvens? Elas são feitas de algodão?
    - Ei moço, tinha plantações onde você morava?


    Vocês chegam num vilarejo. Era um vilarejo simples, sem muros, com casas de madeira também simples. Haviam alguns animais domésticos como cabras e galinhas em cercados, algumas pessoas na rua com roupas surradas, algumas crianças correndo por ai.

    Dois homens, vestidos com couro leve, tinham espadas nas cinturas, chegam perto do grupo, eles vêem Nergal com um pouco de surpresa, talvez um pouco de desconfiança.

    Eles falam com os velhos num dialeto que parece moloke, mas que era diferente. Porém dava para entender muita coisa.

    Os dois deveriam ser algum tipo de guardas (Nergal presume), perguntam o que os velhos vão fazer. Eles dizem que querem tentar planta algo. Os dois debocham deles, perguntando se ainda conseguem mesmo trabalhar, pois o vilarejo tinha muitos problemas e não havia ali nenhum tipo de programa assistencial. A senhora diz que apesar da idade, tinham experiência, e mesmo se fossem lentos, cuidar de plantas era algo que não exigia força, só persistência, e as crianças ajudariam. Eles conversam um pouco, os dois "guardas" não pareciam os mais hospitaleiros do mundo, mas parece que por ali precisavam mesmo de mais gente querendo plantar, pois a ilha toda era de solo ruim e as plantações demoravam vingar. Por fim dizem que não tem nenhum trabalho a oferecer a eles, mas que se encontrassem alguém disposto a dar algum trabalho a eles, podiam ficar.

    Por fim eles perguntam também a Nergal o que ele queria por ali.
    Kether
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 478
    Reputação : 18
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Kether em Qui Jun 29, 2017 1:47 pm

    No princípio Nergal gostava das perguntas da menina, mas após um tempo ele começou a se sentir entediado com tudo aquilo, por vezes teve de pensar em outra coisa ou falar com algum dos homens mais velhos, para não sacar a espada e decaptar a menina.

    Enfim eles chegam até o vilarejo, enquanto os mais velhos são arguidos pelos guardas, Nergal apenas observa as casas, as pessoas e mesmo os guardas.

    Quando perguntado naquele dialeto parecido com moloke, Nergal responde em moloke para eles:

    - Sou um andarilho, quero apenas passagem pela seu vilarejo. Para custear uma refeição e água disponho de minha espada para poder trabalhar como vigia, ou mesmo posso ajudar com trabalhos que necessitem de força física para serem feitos. Sempre há uma tarefa que se faz necessário ajuda.
    Leomar
    Mutante
    avatar
    Mutante

    Mensagens : 550
    Reputação : 9

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Leomar em Sex Jun 30, 2017 9:30 pm

    Os dois olham com total desinteresse para o anjo. Eles também pareciam entender mesmo não sendo o dialeto deles. (off: era como um brasileiro falando com um argentino)

    - Não precisamos de mais ninguém vigiando por aqui. Afinal as únicas pessoas que precisam ser vigiadas são viajantes como vocês. Todo o resto se conhece, e não causam problemas.

    - Se quiser tentar a sorte nas cercanias, temos vários problemas com pragas, especialmente escorpiões, "maldito seja Piro por eles" e cobras. Há quem pague uma moeda de prata para cada duas ou três carcaças. E tem outras feras maiores por aí no deserto que valeriam mais. Dizem que tem uma que pode estar dando fim em viajantes, pois alguns vão para Dafodil e nunca mais recebemos notícias deles. E tem os lupinos. Nossa vila não é muito rica, mas talvez poderíamos arrumar uma peça de ouro para alguém que nos traga a cabeça de um lupino.


    Aquela altura Nergal imaginava que já estaria fora da região dos lupinos. Eram inimigos perigosos, embora não fossem invencíveis, os anjos-negros às vezes tinham que matar algum que chegava perto demais. Uma vila como aquela poderia ser facilmente tomada por apenas uma dúzia de lupinos, então eles poderiam ter razões para temer que mesmo um se aproximasse da vila.

    - Mas se vire como quiser, já dissemos que não temos trabalhos assistenciais aqui. É cada um por si, e os deuses contra todos.


    Os guardas não parecem que seriam de mais ajuda. Eles falavam mais com jeito de quem quer ironizar do que ajudar.

    A cidade não era grande, e pelo jeito nem um pouco próspera. Na "praça" da cidade havia um troco fincado no meio. Um aviso de que, quem fosse pego roubando (ou cometesse outros crimes) seria açoitado em público. Numa cidade onde todos deveriam se conhecer, crimes como roubo eram mesmo bem desestimulados e raros.

    Havia uma oficina estilo "faz tudo", onde um artesão, um ajudante e dois aprendizes pareciam fazer quase tudo na cidade, marcenaria, serralheria e sabe-se-lá-mais -o-que. A oficina se destacava, pois deveria ser a única. Algumas lojas menores talvez oferecessem trabalhos menores como costura.

    Era o tipo de cidade onde a troca era muito mais comum que qualquer transação com moedas. Alguns tinham pequenas hortas ou criações. Quem precisasse de ovos, podia trocar por leite de cabra, uma cabeça de alface podia ser trocada por uma de repolho, e coisas assim.

    Não haviam fazendas (pelo menos não PERTO) nem casas abastadas. Talvez as pessoas mais abonadas dali fossem dois ou três mercadores que provavelmente iam à Dafodil de tempos em tempos trazer ou levar produtos dali ou para ali. Ainda assim não era o que se poderia falar "olha, que ricos!"

    Também não haviam estalagens ou tavernas numa primeira olhada, só um tipo de um bar pé-sujo. Os poucos e improváveis viajantes teriam que contar com a interesse, ou às vezes até a caridade, das pessoas ali para se abrigarem. Era o que já estavam fazendo os velhos, indo de casa em casa vendo se arrumavam algo interessante.

    Havia um cemitério, uma construção simples que talvez fosse um tipo de capela, um ou outro lugar onde as pessoas cuidavam de cavalos... não havia muito mais do que isto pela cidade. Pelo menos não visível. Era um lugar sem graça.
    Kether
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 478
    Reputação : 18
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Kether em Dom Jul 02, 2017 6:01 pm

    Nergal olhou em volta e aquela vila era ainda mais sem graça que os dias de inverno em sua cidade natal. Não havia nada interessante ali, mas ele precisava de provisões para seguir viagem então ele dá de ombros e vai até o pé sujo onde ele talvez ouvisse alguma coisa que pudesse dar um norte para ele.

    - Olá! - disse ao entrar no buteco. - Um copo de água para um viajante? Poderia me dizer quanto tempo leva para chegar em Dafodil?
    Leomar
    Mutante
    avatar
    Mutante

    Mensagens : 550
    Reputação : 9

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Leomar em Ter Jul 04, 2017 5:53 am

    As pessoas conversavam entre si, alguns bebiam sozinhos, não havia qualquer distração ali além das bebidas mesmo (e alguns tira-gosto). Quando Nergal entra, todos ficam em silêncio, olhando uns com cara de surpresa outros com cara de incredulidade.

    O dono do bar serve uma caneca com água, olhando em silêncio para o anjo. Ele (e a maioria ali) se mantém assim algum tempo. Por fim parece se render à curiosidade (ou à alguma outra coisa).

    - Dafodil? Mm, um homem inspirado pode chegar lá em três dias e meio, mas voando demoraria menos. (faz uma pausa) O que alguém como você quer numa cidade daquelas? Eles estão em guerra de novo? Devemos nos preocupar?

    Alguns voltam a beber e preocupar-se com sua vidinha sem-graça, outros ainda ficam atentos a Nergal, querendo ouvir a resposta. Aparentemente nenhum deles representava perigo imediato. A maioria, se não todos, nunca deve ter visto um anjo antes. Também era bem possível que alguns humanos (pelo menos naquela ilha, pelo pouco que Nergal sabia através dos humanos que viviam em Verda Ero) não soubessem nem da existência dos anjos-negros e não soubessem nada das diferenças entre um anjo-negro e um anjo-branco. Principalmente Nergal que tinha apenas as penas negras, poderia ser confundido com um anjo qualquer pela maioria de Akaŝa.
    Kether
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 478
    Reputação : 18
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Kether em Ter Jul 04, 2017 8:55 am

    Nergal achava um pouco desconfortável aquela situação que sempre se repetia em todo encontro com desconhecidos, mas agradeceu com um gesto com a cabeça ao atendente quando este lhe serviu a caneca com água.

    "O que você é? Você pode realmente voar? Se eu arrancar uma de suas penas dói? Suas penas servem de amuleto?" Eram sempre as mesmas perguntas e muitas vezes ele evitava estar próximo as pessoas, principalmente quando ele estava sem paciência. Porem, naquele momento ele precisava de informações e deveria tratar com estas perguntas idiotas como já fizera num numero que não conseguia mais contar devido a garotinha na viajem que o trouxe até ali.

    Então Nergal se vira para o homem que respondeu.

    - O que você quis dizer com alguém como eu? Você já viu outros como eu?

    Na certa aquele homem deveria estar confundindo Nergal com os outros anjos, aqueles que Nergal assumira que haviam atacado e destruído sua cidade natal. Por isso ele abre as asas e se aproxima do homem com olhar severo, o mesmo olhar que um juiz dá quando sentencia alguém a morte.

    - Não sei nada sobre a cidade, apenas que é a maior nas proximidades. Quanto a se preocupar... bem VOCÊ deve se preocupar em responder as minhas perguntas. E com a verdade, pois EU saberei se mentir.
    Leomar
    Mutante
    avatar
    Mutante

    Mensagens : 550
    Reputação : 9

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Leomar em Ter Jul 04, 2017 2:18 pm

    - Uai sô, cê né um anju? - Diz um outro com cara de parvo - N'é façiu achá um anju pr'uaki, men'ainda um qui qué í prá Dafodil, já ca'quilo é terra de demôin.

    Alguns continuam bebendo, outros se levantam e vão saindo de mansinho. O dono, que parecia um pouco menos alcoolizado que os demais, afasta-se alguns passos, mas fala como se estivesse acostumado a conversa mole.

    - Dafodil é praticamente a única cidade por aqui. A num sê se contarmos com Ĵokona, mas eu nunca nem quis conhecer est'outra. Mas'zé'mes uma cidade grandi. Quase metad'ela é um cemitério. Num é lá das melhor du mundo, mas pelo menos abastece o comércio por'aqui.
    Kether
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 478
    Reputação : 18
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Kether em Qui Jul 06, 2017 8:37 am

    Nergal fecha suas asas e volta a sua atenção para o atendente do bar.

    - Não faço ideia de nenhuma guerra destes demônios. Recentemente cheguei a este maldito deserto. Procuro por uma forma de sair desta ilha de mesma sorte. A família que encontrei no caminho que me falou desta cidade, Dafodil. Eu mesmo não a conheço, como também não conheço nenhum destes anjos vivo de que vocês falam.

    Nergal realmente não conhecia mais nenhum anjo vivo, seja branco ou negro, então ele não mentia. Simplesmente omitia alguma informação que não deveria ser passada para estas pessoas. Possivelmente para ninguém, a não ser que Nergal encontrasse algum sobrevivente de sua cidade natal.

    - Sabe se há alguma maneira de chegar aos continentes?
    Leomar
    Mutante
    avatar
    Mutante

    Mensagens : 550
    Reputação : 9

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Leomar em Qui Jul 06, 2017 2:25 pm

    O cara começa falar, não tanto por medo, mas fica claro que era um língua solta mesmo.

    - Bão, a maioria dus anju vem de Ajros, então é raru ver algum aqui. Nu maximu vemus nu sul, quando algum vem trazer exilados pra cá. Ou quando tem alguma guerra, que é muito frequent'aqui. Naum sei si algum anju já foi em Dafodil, mas se foi, foram muitus poco. Pra chega num continente só di barcu. Indu pra Dafodil o mais pertu será Fajr-Regno, mas tem comu pegá um barcu lá e descer o sul até Ajros. Us otro dois continenti sé tá no lado errado, pois é tudu oeste.


    Ele enche mais uma caneca d'água para Nergal mesmo sem ele pedir e continua falando.

    - Tudu é questão di chegá no rio, no rio si vai pru mar, e di lá pronde cê quisé. U Rio da Serpente corta pelo norte ou sul, mas o sul é mais perigoso nu fim du rio. Mas cum dinhero cê pode ir pra Ajros ou Gaja. Pru norte é mais rápido, e ainda tem Porto Nolovy que é "ajeitado" antes de sair daqui. De quarque forma u rio passa pru Dafodil, i a menus qui quera evitá as Torres, u mió é seguir em frenti mermo.
    Kether
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 478
    Reputação : 18
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Kether em Seg Jul 10, 2017 1:12 pm








    Nergal ouvia com certa dificuldade o que o atendente do bar falava, talvez por isso estivesse atento ao que ele falava. Mas de tudo o que o homem falou uma ficou marcada, Fajr-Regno é o continente mais próximo. Apesar de que Dafodil era uma cidade dominada por demônios. Em Verda Ero, os anciões ensinavam que assim como com os anjos brancos de quem deveríamos nos manter completamente afastados, devíamos também nos manter afastados dos demônios. Porém haviam ensinado que os demônios eram inimigos mortais dos anjos. E para Nergal os anjos foram os responsáveis pela destruição de sua cidade natal.

    - Pois bem, então devo seguir em frente até Dafodil.

    Nergal bebe todo o conteúdo do copo.

    - Eu preciso de provisões para a viagem, um pouco de frutas e água. Haveria algum trabalho que eu possa fazer para pagar por estas provisões? Eu pretendo partir amanhã pela manhã.
    Conteúdo patrocinado


    Re: Paraíso perdido

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Qui Set 21, 2017 12:21 am