Um fórum de RPG online no formato de PBF (Play by Forum).


    Um dia Típico (Nadhull)

    Compartilhe
    Dycleal
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1432
    Reputação : 24
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1011.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/612.png

    Re: Um dia Típico (Nadhull)

    Mensagem por Dycleal em Ter Abr 24, 2018 11:20 pm

    Nadhull observa que aqueles magos não compreendem as grandes verdades do deus Piro, que não faz acepção de pessoas e vê como eles se prendem a classificações relativas aos seus valores e carregadas de subjetividade, embora travestidas de uma objetividade aparente.
     
    O demônio tem certeza que o Niron é um idiota mal-educado, já os outros estão cegos pela empáfia e poder que a magia trás e que por isso cega. Após essa reflexão o incubo decide não comentar o que pensou, embora ache que algum deles possa ler a sua mente. Mas irá perguntar ao idiota uma pergunta que o deixe em situação de pensar e atira: -Niron, você falou que os demônios são inferiores por irem para o inferno quando morrerem, mas não lembra que eles nascem lá e, portanto, estão apenas voltando para casa, mas e você, para onde irá quando morrer? E se for para o inferno, como suportará seu destino? Não precisa me responder, só pense.
     
    E virando-se para o instrutor Marcel e para a anciã Velora, agradece sinceramente pela atenção e o tempo deles e virando-se para Niréia confirma a sua aceitação do encontro no terceiro chamado na praça dos mártires e faz uma mesura respeitosa e diz para a parruda: - Respeito sua necessidade de liberar sua energia, mas saiba que minha cama está a sua disposição para usa-la de forma mais inteligente e prazerosa e aciona o seu escudo de corpo de energia vil e lança nela, discretos feitiços de desejo para que eclodam a médio prazo.
     
    Com uma saudação, levanta voo rumo a taverna e fará sua refeição antes do encontro noturno.
    Leomar
    Troubleshooter
    avatar
    Troubleshooter

    Mensagens : 925
    Reputação : 18

    Re: Um dia Típico (Nadhull)

    Mensagem por Leomar em Qua Abr 25, 2018 7:00 am

    Eles já estavam indo embora quando Nadhull fala suas últimas palavras, são obrigado olhar pra tras para ouvi-las, Kate olha como se olhasse para um montinho de merda de cachorro na rua da qual tinha que desviar:

    - Eu na sua cama só se for em forma de cadáver, e terá de esperar como um urubu ou outro carniceiro pois se sequer tentasse chegar perto, eu não lhe daria apenas "treinamento" e quem estará morto será você.

    Nada relevante acontece nas próximas seis horas.

    A Praça dos Mártires era o lugar de Dafodil com mais guardas por metro quadrado da cidade. Dafodil reunia pessoas do mundo todo com os mais variados interesses, e os mais variados soldados para vigiar estes mais variados interesses.

    Muitas guerras, como a que tinha acontecido há apenas três dias atras, começavam na Praça dos Mártires. Começar uma disputa ali, mesmo que uma briga de bêbados, era pedir para morrer.

    Mesmo depois do terceiro chamado, quando Hélius Flava já se punha e Hélis Blua iluminaria o céu por apenas mais poucas horas, a Praça estava lotada de soldados, pessoas ligadas à Cour des Miracles, ao Yüksek Kan, ao exército de Gaja, à marinha de Akvlando, às amazonas de Fajr-Regno, alguns provavelmente ligados à Ades e até três anjos (uma raça dificílima de se ver em Dafodil, em todos os anos Nadhull deve te-los visto unicamente naquela praça) estavam ali vigiando, quase todos de armas nas mãos.

    Os anjos obviamente olham Nadhull com desejo que ele tussa de forma errada para terem desculpas para matá-lo. Claro que eles olham assim para todos os outros demônios, e os demônios os olham do mesmo jeito. As pessoas poderiam tropeçar nas hostilidades daquela praça, de tão sólidas que elas eram.

    Niréia aparece certa de dez minutos depois, segurava um báculo como arma e era discretamente seguida por dois homens altos e também armados (possíveis guarda-costas?). Ela suspira ao se aproximar.

    - Pois bem... então você deve ser o único ser do mundo capaz de canalizar as magias mais opostas que existem. Não será fácil treinar isto, e primeiro teremos que ver qual sua real capacidade com a magia branca, já que obviamente tem maior capacidade com a negra do que com a branca. Pensei em como seria a forma mais fácil, mas duvido que exista uma fácil. Sendo assim vou, por enquanto ignorar que você tem o dom negro e ver o que pode fazer como se tivesse apenas despertado o dom branco.

    Ela se dirige a dois pequenos brancos de concreto na praça e senta em um.

    - Antes de começarmos, me diga o que sabe, ou o que acha que sabe, ou mesmo o que imagina que possa vir a ser a magia branca ou qualquer aplicabilidade que ela possa vir a ter. Tente não ser genérico. Não teremos muito tempo para aprender da forma tradicional, então quanto mais objetivos formos, mais chances de conseguirmos algo. FUI BEM CLARA?
    Dycleal
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1432
    Reputação : 24
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1011.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/612.png

    Re: Um dia Típico (Nadhull)

    Mensagem por Dycleal em Qua Abr 25, 2018 10:40 pm

    Nadhull sorri com o resultado que a sua provocação faz no humor da parruda, o que as humanas fazem quando estão escassas de sexo... mas tem coisas mais importantes no momento, logo ele a terá na sua cama, é questão de tempo. 
     
     
    O Jantar na taverna ocorre sem grandes sobressaltos e sua mente está focada no encontro e ficou curioso pelo local escolhido, um lugar concentrado de tensão e opostos amontoados e logo depois que ele chega e sente a hostilidade de alguns anjos presentes, aparece Niréia flanqueada por dois assistentes, ou seriam guarda costa?
     
     
    Ela e seus acompanhantes estão armados e ela se dirige ao incubo, discorrendo sobre sua rara habilidade de ser versado e capaz de canalizar magias tão diametralmente opostas como a branca e a negra e informa que o treinará como se ele apenas canaliza-se a branca para facilitar o treinamento, o que o jovem demônio toma como uma decisão baseada puramente na ignorância dela sobre a magia vil e da convivência das duas magias em um mesmo corpo.
     
     
    Ela dirige-se a um banco de concreto e sentando-se pede que o incubo fale ou especule o que sabe ou o que imagina que sabe sobre a magia do ar ou branca e que não seja genérico tanto nos seus conceitos quanto no que ele pensa que sejam aplicações desta mesma magia.
     
     
    O incubo só sabe o que a própria mestra Niréia lhe falou e decide usar sua excelente memória e reproduz exatamente o que ela lhe disse algumas horas antes.
     
     
    - A mana branca representa o poder do ar e da luz, é uma magia feminina e a mais sutil entre os elementos, representa o bom e o belo. A força da magia branca se canaliza em ascensão, ou seja, de baixo para cima ou lateral e ascendente. Ela se opõe à magia da terra e está mais próxima do fogo que da água. É uma magia fortemente curativa, ligada principalmente aos órgãos dos sentidos: olhos, ouvidos, pulmões...


    Para um pouco para respirar e continua: - Por ser mais sutil, sua canalização requer mais técnica, mas dedicação, mais meditação e mais controle. É mais abundante que os demais elementos. A mana é catalisada pelo amor, a calma, a harmonia. Por isto é preciso disciplina para aquietar a mente... E pensa no que lhe falou o mestre Fah.


     
    Continua pensando na sua experiência de curar com magia vil, através da localização e sucção da magia vil e diz: - A mana branca serve também de assepsia inclusive contra a mana negra, a mana branca tende a ser até "venenosa" para demônios, sabendo usa-la, ela pode intoxicá-los, drenar o poder e até matá-los. E espera pelos comentários da mestra, olhando-a firmemente, não sabendo se corroborando a sua fala ou corrigindo-o.
    Leomar
    Troubleshooter
    avatar
    Troubleshooter

    Mensagens : 925
    Reputação : 18

    Re: Um dia Típico (Nadhull)

    Mensagem por Leomar em Sex Abr 27, 2018 5:43 pm

    Niréia suspira, Nadhull começa perceber que este grupo do Marcel era bem difícil de impressionar.

    - Ou seja, você não sabia nada sobre a magia branca antes. Bem, pelo menos sabemos que você presta atenção. Já é algo bom para um aluno.

    Pois bem, eu costumo começar com neófito pelo que for mais fácil a eles, mas você, como demônio, não deveria ter nada fácil com a magia branca. Confesso que será um desafio, pois nenhum outro demônio no mundo, ou mesmo nos infernos, já fez isto. Admirável mundo novo!

    É regra que um mago domine um elemento melhor do que outro. No seu caso é óbvio que a mana branca será o elemento secundário e você sempre dominará melhor a mana negra. Portanto não sabemos QUANTO você poderá manipular da mana branca, mas mesmo que continue a tendo apenas residualmente, ainda que não faça progresso nenhum além do controle, só ser capaz de resistir a ela já lhe faz ser um milagre e lhe dá vantagens que outros demônios não têm.

    Treinar magia branca requer mais disciplina, e isto por si já é algo que torna demônios refratários. Meditar, aquietar a mente, treinar a PACIÊNCIA é algo que vocês não tendem a gostar muito...


    Nadhull aproveita para comentar sobre o exercício que Mestre Fah lhe passou, e que a primeira coisa que pediu foi um dia sem álcool ou drogas.

    - Sim, é um bom exemplo. Se quiser mesmo treinar a magia branca, terá que fazer alguns sacrifícios como este de tempos em tempos, e talvez por vários dias, é algo que você deve começar a pensar se estará disposto. O treinamento pode ser muito, muito chato, e os resultados podem demorar a aparecer. Mesmo que sua força seja grande, por ser wanamko, não espere conseguir atalhos.

    (pausa)

    - Você foi indicado pelo templo, isto pode ser bom, pois os demônios que servem a Piro e/ou a Cour des Miracles são mais disciplinados que outros, ou para ser mais realista, menos indisciplinados. O que pode me dizer sobre sua relação com os ensinamentos de Piro?

    Ela espera sua resposta, depois continua:

    - Como deve ter percebido, minha família não é totalmente típica. Por algum motivo que só a Prana sabe, eu despertei o dom branco e o mimado do Niron despertou o dom negro. Eu tenho vontade de matá-lo duas ou três vezes por semana, mas nos outros quatro ou cinco dias conseguimos até trabalhar bem. Nós nunca combinamos nossas magias e até hoje não consegui achar nada de similar no desenvolvimento dele e meu. Portanto muito do que eu lhe falar, será o oposto do que um mestre negro provavelmente lhe falará. Não sei como conciliará as duas coisas, eu da minha parte tentarei usar os exercícios que faço para aturar meu irmão, para conseguir aturar você.

    Como disse, o ar é um elemento feminino, portanto usa energias femininas. Não é raro machos desenvolverem dons mágicos de elementos femininos ou fêmeas desenvolverem dons mágicos de elementos masculinos. Torna só o treinamento mais difícil, mas não impossível. Teremos, óbvio, que treinar algumas de suas energias femininas. Então, novamente, para eu me situar em onde teremos que trabalhar mais, me diga, o que você sabe sobre as energias femininas?


    - É... eu... - Nadhull começa pensar numa resposta, mas Niréia interrompe.

    - Só um momento! - Ela pega um cantil na bolsa dela e toma um gole, fazendo uma leve careta - Maztan, me ajuda a aguentar ouvir bobagens sem pirar. Se sobrar algo no fim, eu posso até lhe oferecer. Ok, continue...
    Dycleal
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1432
    Reputação : 24
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1011.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/612.png

    Re: Um dia Típico (Nadhull)

    Mensagem por Dycleal em Sex Abr 27, 2018 11:46 pm

    Nadhull percebe que a Niréia na maior parte do tempo conversa com ela mesma e o incubo é apenas um componente da paisagem. Se ele não tivesse o aval do templo, ela nem olharia ou perceberia a sua presença e decide colocar a verdadeira situação de tudo ali e diz: - Senhora, sei que é uma mestra na magia do ar e saiba que existem dois eus, um eu anterior aos raios que me atingiram a pouco mais de um mês e o eu depois deste evento, tudo é novo para mim, estou diferente, mas calmo, mais reflexivo, mais controlado. Essa magia díspare que percorre meu ser, não é uma situação nova só para a senhora, mas principalmente para mim.
     
    Para um pouco e olha o rosto da jovem mestra e continua: - Não sei porque, o universo escolheu a mais ínfima das pessoas, que a senhora acha tão abjeta, sou ignorante na magia branca, pois nenhum dos meus irmão nem tem ideia do que seja, mas nem sei mais se eu sou um demônio ainda, estou diferente e ainda não me compreendo ao certo, mas peço que me ajude a matar essa fome crescente por conhecimento, se o que acontece, é novo para a senhora, poderemos aprender muito juntos, eu a coisa esquisita e você a dama que porta o conhecimento. Eu me submeto a todo o sacrifício e qualquer fase necessária neste processo, apenas quero fazer e estar preparado para cumprir os desígnios que a sabedoria do universo me incumbiu e para isto preciso do conhecimento, e para obtê-lo preciso da senhora e me coloco a sua mercê. Sou um vaso vazio a ser preenchido.
    Leomar
    Troubleshooter
    avatar
    Troubleshooter

    Mensagens : 925
    Reputação : 18

    Re: Um dia Típico (Nadhull)

    Mensagem por Leomar em Ter Maio 01, 2018 5:06 pm

    Niréia suspira e bebe mais um pouco. A situação tava difícil.

    - Bom, pelo menos um aspecto das energias femininas você já conhece, o melodrama! (pausa) Eu não me importo com sua raça e sem com seu dom, a magia branca não será difícil só porque você é um demônio, mas principalmente porque ela é totalmente diferente de tudo que você aprendeu ou pode aprender com a magia negra. Se acredita mesmo que está pronto para todo e qualquer sacrifício, tudo bem, posso pular as partes introdutórias a partir pro "bicho pegando" de uma vez. Era minha obrigação lhe dizer que parte do estudo seria bem chata, mas já que você aguenta...

    A Prana* pode mesmo fazer escolhas que ninguém compreende:


    *Prana - observações:
    A Prana é a energia mágica de todo planeta. Assim como a luz branca é a soma de todas as outras luzes e se separa num prisma, a Prana é a soma de todos os fluídos mágicos (água, terra, fogo e ar).
    Muitos consideram a Prana apenas uma energia impessoal, como a luz, a gravidade ou o som para o plano material. Sendo assim ela pode ser usada por qualquer pessoa que tenha o dom, para o bem ou para o mal, bastando ter conhecimento e treinamento mágico.
    Outros porém acreditam que a Prana pode ter consciência própria e, em situações extremas ou estranhas impedir que até mesmo deuses usem a magia da forma que quiserem, que é o que Niréia explica a seguir.
    Além disto (ou por causa disto) há quem especule se a Prana seria também responsável ou não pelos fluídos espirituais, além dos fluídos mágicos.

    - Jara quis remover sua maldição de Garagatá, mas a Prana se recusou a fazer as manas fluírem normalmente na ilha mais uma vez. Anĝelina quis exterminar o povo de Nagah'ä, mas a Prana penetrou nos corpos daqueles condenados, sem porém matá-los, e ainda serviu de manto ocultando-os da deusa e de seus anjos. Tamuz quis destruir a Grande Rochosa, jogando-a sobre as cidades de Fajr-Regno, mas apesar de seus grande terremotos, a Grande Rochosa sequer trincou, graças à Prana, que também removeu grande parte do poder de Tamuz e provavelmente também por influência da Prana que Tamuz não conseguiu matar Piro mais de uma vez.

    Assim, é pela primeira vez que a Prana permite que um demônio tenha o dom branco. Não sei o que isto significa, mas se foi uma escolha ou consequência da Prana, só nos resta aceitar.

    O ar e a luz sempre foram do domínio de Anĝelina, mas não são apenas seus seguidores que chegam a despertar o dom.


    (Off: outro detalhe que provavelmente você saberia é que, antes do nascimento de Piro e Tamuz, pelo menos 90% dos magos eram ou do ar ou da água, se haviam magos da terra ou fogo eram bem pouco conhecidos, ou vistos apenas como magos "diferentes" como os magos negros, portanto o nascimento dos deuses está também ligado à capacidade das pessoas despertarem o dom do elemento a eles ligados.)

    Nadhull percebe que mesmo que não se torne adepto de Piro, se quiser aprender magia do ar terá que contar ou com ajuda de alguém ligado à Piro, ou com algum improvável mago independente (que não segue nenhum deus ou filiação mais conhecida), pois a maioria dos magos brancos são devotos de Anĝelina, e os devotos de Anĝelina jamais treinariam um demônio.

    Nisto Niréia ensina um pouco de história a Nadhull, ela começa falando sobre a criação da Igreja Cisne Branco e a escola Atemense, as duas primeiras escolas sobre magia branca. (off: seria interessante dar uma olhada, caso ainda não tenha visto, no tópico do Kether, onde a garota Atemense explica sobre a escola dele para Nergal, é a terceira página, terceira mensagem de cima para baixo. É interessante ler sobre os Deuses no Tópico Sagrada Montanha, coloquei todos eles lá agora. Caso ainda fique algumas dúvidas sobre a Igreja Cisne Branco e a escola Atemense pode perguntar que eu repondo como se ela estivesse respondendo atemporalmente).

    Ela então comenta que, depois da escola Atemense, onde se treina magia vermelha e branca, Piro criou a Cous des Miracles, ou Corte dos Milagres, onde se treina magia vermelha e negra. Isto obviamente se deu devido sua aproximação com demônios, mas não somente. A Corte dos Milagres tem uma filosofia interna onde os "que estão vivos por milagre" podem TENTAR provar seu valor.

    A Corte dos Milagres também busca conhecimentos de magias "diferentes", não apenas estudando a magia negra e a magia do fogo separadamente, mas buscando a "união" das duas magias ou truques baseados em similaridade ou analogia de uma magia na outra. Embora a Atemense tenha sido primeira nisto, a Corte dos Milagres avançou mais e até passou a ensinar algumas "manhas" para a Atemense.

    Niréia diz que isto porém não será possível com as manas brancas e negra, pelo menos não por enquanto, mas ela diz que sondará alguns instrutores...

    Em Dafodil, a Corte dos Milagres é a filiação mais poderosa da cidade, mas boa parte dos membros na cidade são neófitos ou refratários que a buscam só como proteção, é no continente de Fajr-Regno que estão os membros dos altos níveis e os magos mais poderosos.

    Niréia comenta também sobre as energias masculinas e femininas, embora diga que os mestres espiritualistas sabem explicar isto melhor que mestres magos.

    - A vida, o universo ou a Prana, talvez tudo isto ou nada disto, as "energias" ou os fluídos em geral, enfim, qualquer coisa que você entenda ou não entenda fora do Plano Material é regido por energias, e estas energias são polares.

    - Question

    - Cada energia ou cada fluído tem suas particularidades, mas eles seguem dois caminhos que se completam e se antagonizam, se atraem e se repelem, enfim, põe movimento no Mecanismo todo. Para Jara, e muitos mestres magos, a dinâmica destes caminhos é O Equilíbrio, ou seja, a sua doutrina, e a sobreposição destes caminhos é o Caos, a Destruição, todo de Ruim.

    Algumas energias são positivas, outras são negativas, algumas são ascendentes, outras descendentes. Pois bem, há energias masculinas e femininas. A energia masculina está relacionada ao positivo, ao calor, às estrelas, à agressividade, à ação, à razão. A energia feminina está relacionada ao negativo, ao frio, às luas, à passividade, à doação, à intuição. Os elementos Água e Ar são femininos e os elementos Fogo e Terra são masculinos, a por isto as deusas-mãe regem os elementos femininos e os deuses-filhos os masculinos.

    Obviamente machos possuem maior energia masculina, e fêmeas, maior energia feminina. Nós, magas brancas, acumulamos nossa energia no útero. Como você não tem útero, espero que não, vai ter que se contentar em acumular a energia no estômago mesmo. Terá que treinar suas qualidades femininas e buscar usar mais chacras superiores que inferiores.


    (obs. também tem um post falando sobre Chacras no tópico do Kether, segunda página, terceira mensagem de baixo pra cima. Eventualmente poderemos usar algumas coisas sobre chacras de outras fontes, mas talvez nem tudo bata com o cenário.)




    Ela passa estas instruções básicas e espera ver se terá algum ponto a levantar com ela, depois disto você pode propor os próximos passos. Não sei se está gostando do ritmo na aventura, eu não tenho problema nenhum em continuar os treinos com detalhes, mas penso de tempos em tempos (como agora) dar uns pulinhos no relógio de 3 ou 5 dias no relógio, então quero saber se já quer avançar ou ainda treinar o mais básico primeiro, lembrando que ainda tem toda a cidade para ser explorada.

    Independente de querer ou não adiantar uns dias, algumas escolhas que você pode fazer no treino de magia branca:

    Treinamento em Arena - ataque/defesa:
    Niréia pode treinar algumas técnicas de combate com magia branca, faça duas rolagens com 2D10 para cada dia que quiser treinar em arena, uma rolagem para percepção mágica, outra para canalização mágica. No primeiro dia ela vai dizer que fará pequenos ataques mágicos e a única coisa que você tem que fazer é tentar defender de qualquer forma mas SEM usar magia negra, ela diz que se conseguir, a energia branca deve funcionar instintivamente, sem você precisar evocá-la. Ela não espera que você consiga no primeiro dia, mas por enquanto tentar não usar magia negra é mais importante.

    Estudar com mestres espiritualistas:
    Mestre Fah e Mestra Gaíla podem lhe instruir um pouco mais sobre as energias femininas e/ou sobre o controle das emoções sobre magia. Pode escolher um número qualquer de dias para ter algumas aulas com um deles, role 2D10 para Q.I. mas só uma vez.

    Estudar história:
    Por ser interessante estudar também um pouco sobre história na magia branca, seja sobre magos, mártires, anjos, com exercícios de meditação, tai-chi direcionado (pessoas da Atemense dão estes exercícios, eles normalmente não treinam demônios, mas apresentando as insignias de Fah e Marcel eles lhe permitirão participar), ou lendo mesmo sobre técnicas básicas. Mestra Gaíla dirá que até estudando arte poderá aprender algo sobre magia branca. Pode fazer uma ou duas rolagens de 2D10 visando Q.I.

    Treinar cura:
    Você pode tentar uma segunda oportunidade de treinar magia de cura com Niréia, talvez tenha mais sorte com ela do que com Latifa, role 1D12, se sair 12 pode rolar novamente.

    Treinar percepção mágica:
    Este é o treinamento mais chato que Niréia pode propor, ela basicamente vai te colocar de novo sem álcool, sem drogas, sem comer carne e desta vez sem sexo também, depois te levará para as montanhas ao lado de Dafodil, um lugar isolado e frio e te deixará parado por horas, sem camisa só esperando ver se você consegue sentir algum fluxo de mana branco fluindo a sua volta. Com muita sorte ela até lhe passará um conceito de "mascarar magia". Role 1d12 e só role de novo se sair 12.

    E lembrando que tem a cidade para explorar também. Não há regras sobre como explorar a cidade, a menos que esteja preparando para treinar percepção ou que algum mestre diga o contrário. Se quiser continuar dia-a-dia escolha uma opção acima, se quiser passar 3 ou 5 dias pode misturar mais de uma das opções, só escreva a plano de estudos.
    Leomar
    Troubleshooter
    avatar
    Troubleshooter

    Mensagens : 925
    Reputação : 18

    Re: Um dia Típico (Nadhull)

    Mensagem por Leomar em Qua Maio 09, 2018 7:04 am

    Nadhull se dedica a estudar a fundo nos próximos dias, seguindo regime proposto por Niréia para treino de percepção mágica. Simultaneamente para não perder tempo debate com mestre Fah sobre as energias femininas e passa ler sobre alguns mestres de magia branca do passado. Embora alertado que a falta de foco poderia ser prejudicial ele fica ansioso para controlar os novos poderes.

    Nadhull passa uma tarde com Mestre Fah, que lhe passa uma longa lição sobre energias sexuais e depois eles ainda debatem sobre o assunto.

    - Parece difícil pensar como uma mulher!

    - E é, se lhe serve de consolo, faze-las pensar como um homem é igualmente difícil.

    - O que devo fazer para aumentar minhas energias femininas?

    - Há muitos exercícios. O trabalho mental mais difícil é se livrar dos preconceitos.

    - Eu já me sinto uma pessoa totalmente diferente desde que...

    - Você já disse! - ele interrompe - Mas acredite, é mais difícil do que parece, há vários níveis de preconceitos a serem combatidos. Mas há muitos exercícios também.

    - A instrutora Niréia aconselhou-me ficar mais uns dias sem álcool, drogas, carne e até sexo.

    - Isto é mais um exercício de purificação. Um exercício básico para sintonizar as energias femininas é a dança e o canto. As energias femininas se manifestam bastante com isto.

    Isto era algo fácil, embora ele contumasse cantar e dançar só para as fêmeas que tivesse afim. Mestre Fah o observa.

    - Como íncubo você tem movimentos e a voz maviosos, e vejo que sua técnica é boa. Ainda assim é muito técnico, você certamente aprendeu dançar para atingir um fim. Agora derá que aprender dançar como um fim em si mesmo. A dança e o canto, para harmonizar-se com as energias femininas, não devem ser um busca pelo prazer, mas devem ser o prazer em si, busque dançar só por dançar e se soltará ainda mais.

    Ele entoa um mantra sagrado em honra ao eterno feminino:






    Nadhull e Niréia experimentam mais uma vez um exercício de cura. Niréia é mais paciente que Latifa, e tenta controlar o fluxo de magia de Nadhull para que ele use a magia certa, mas sem sucesso.

    - É impossível prosseguir. Você está muito apegado à magia negra para sentir outro fluxo, e como doenças e traumas potencializam a mana negra, os corpos destas pessoas também estão desarmonizados e cheios de energia negra. Será impossível ajudá-los.

    - Mas tenho me esforçado para ser uma pessoa melhor, tentando passar bons fluídos durante a cura. E meu mestre espiritualista tem me ensinado a pensar como mulher também...

    - Bom que se esforce, mas não basta ter boas intenções para querer evoluir com a magia branca. Para se ter sucesso na cura é preciso além de pensar como mago branco, além de pensar como mulher, pensar como um curador. A cura não é só poder mágico, é um chamado, um estilo de vida, e portanto é muita coisa para você pensar, e você não está pronto.


    - Mas apesar da dificuldade com humanos, com os demônios eu tinha conseguido amenizar um pouco seu estado da última vez...

    - Com magia negra, não branca. Como eu disse, em demônios a magia branca pode ser nociva e a negra benéfica, o contrário de todas as outras raças.

    - Mas será que, sendo capaz de canalizar as duas, não posso aprender usar a magia branca como similaridade à magia negra? Me disseram que isto é possível em outras magias.

    - EM OUTRAS MAGIAS, MAS... - Niréia já ia perdendo a paciência, mas para e pensa - Talvez um dia seja possível, mesmo que achemos improvável, seja como for você teria que achar outro mestre para treinar primeiro a magia negra, e mesmo assim teria que ter um interesse real por desenvolver magia de cura, e isto não é um exercício RACIONAL, portanto estudo não basta. Porém não adianta perdermos tempo agora. Não conhecemos nenhuma similaridade entre magia negra e branca e você ainda não está pronto.

    Ela ia dar o assunto por encerrado, mas medita sobre algo:

    - Alguns magos desenvolvem "truques" de imitação de outras magias; dependendo do grau do truque chamamos de "roubar arena". A magia negra é impossível curar, mas meu irmão consegue reduzir algumas doenças com um truque: ele canaliza a mana negra do corpo de um paciente para o fígado, que pode ser cortado, para o estômago, onde um vômito pode ser provocado ou para os intestinos, onde na mana pode ser evacuada. A última opção não é tão boa pois você pode se livrar de uma doença mas apodrecer os intestinos, mas ainda sim é um bom truque, embora não seja magia de cura verdadeira.




    Nas horas vagas Nadhull ia para a biblioteca. A do templo de Piro era de tamanho razoável, haviam outras em outros templos, mas ele não poderia entra na Igreja Cisne Branco, por exemplo. Na avidez de conhecer cada vez mais em pouco tempo, Nadhull sacrifica algumas horas de sono.

    No templo se privilegiavam livros de magia do fogo e negra, mas os textos sobre magia branca eram muito mais antigos pois antes no nascimento dos deuses-filhos já se escreviam sobre magia do ar e da água. Alguns papiros estavam tão antigos que só podiam ser emprestados para copistas, pois corriam o risco de se desfazer enquanto liam. Nadhull acaba tendo o azar de ter que copiar cinco páginas desta num idioma que ele nem conhecia, pois pediu por engano pensando que era algum idioma humano parecido com tareno. Tomara que pelo menos seu trabalho sirva pra alguém no futuro.

    Enquanto pesquisa sobre grandes dobradores de ar do passado ele vê que os antigos mestres de ar e água se dedicavam muito mais a técnicas curativas, depois defensivas e bem pouco sobre as ofensivas. Textos novos falando do passado pareciam romantizar bastante este passado longínquo, como se o mundo fosse muito menos violento naqueles tempos. Pela história também se fala que os demônios não nasciam ou renasciam no planeta naqueles tempos, podendo vir apenas por transplanação e esta era bem mais fácil de conter, sendo assim o mundo tinha bem menos problemas com os demônios.

    A primeira heroína guerreira da história parece ser Helena (ou Heleiena), antes haviam grandes magos, mas nenhum deles era guerreiro. Os humanos também raramente eram soldados, ou nos termos de Ajros "Guardiões". Até hoje os anjos Guardiões são a grande força defensiva de Ajros e pouquíssimos soldados humanos ajudam na tarefa.

    A história de Helena não é tão antiga, de aproximadamente 400 ou 460 anos antes de Piro, mas é talvez a heroína mais importante de Ajros. Em termos de magia não há muito relacionado diretamente a ela (que provavelmente era mais amazona que maga), mas muitos dos magos que a seguiram desenvolveram técnicas novas, e Nadhull aprende alguns termos técnicos somo purificação mágica e dispersão.

    As técnicas de combate básico do magos do ar são rajadas de ar, muito mais defensivas que ofensivas, mas que dependem principalmente da força mágica para passar de defesa para ataque. Como os ajrenses usam muito magia em conjunto com artes marciais, seus combates (até onde Nadhull consegue imaginar) consistem mais em "distrair" o inimigo com magia e atacá-lo com golpes físicos.

    Uma das técnicas defensivas contra magia é a obliteração (este Nadhull já conhecia pela magia negra) que consiste em impedir que outro mago use a magia dele. A obliteração é muito mais fácil com magia negra (você basicamente "cobre" o inimigo com uma camada de mana negra densa e ele não conseguirá usar seus poderes direito, só que quem faz a obliteração também não pode fazer mais nada), mas pelos textos, magos brancos também começam usar obliteração depois que o grupo de Helena passa usá-la.

    Outra técnica também defensiva é a purificação. A técnica parece ser exclusiva do ar e da água, é uma magia de campo de força mas mais eficiente como contra-mágica: o livro diz para imaginar ataques de magia negra* como "bolas de tinta" sendo jogadas contra si. A purificação cria um campo de força onde esta bola de tinta vai se dissolvendo como se tivesse atravessando uma camada de água, e se for forte o suficiente para romper a proteção, pelo menos chega até o mágico defensor com muito menos intensidade. Embora não evite o ataque totalmente, esta técnica é mais eficaz que a obliteração primeiro por gastar menos energia, e segundo por permitir que o mago possa usar outros recursos junto.

    *No tempo de Helena só se usava purificação contra magia negra pois era praticamente a única magia ofensiva que existia, se havia algum mago capaz de dominar fogo ou terra, eles nem são citados, porém a purificação mágica hoje é capaz de diluir ataques elementais também, até ataques densos de água. Só não tem como usar contra ataques de ar, pois não é possível purificar a magia branca, que seria estruturalmente pura já.

    A partir de técnicas daquele tempo, mago mais novos criaram outras medidas contra-mágicas, uma interessante é a dispersão, que consiste não em diluir a magia usada contra o mágico, mas em fragmentá-la, e esta fragmentação gera um efeito em cadeia onde os "pedaços" da magia vão pra todos os lados, como se fosse uma granada, mas a intenção da técnica é fazer a granada explodir bem antes de atingir o alvo (no caso o alvo seria você). A desvantagem é que esta mudança de direção da magia pode atingir qualquer coisa ao lado do alvo, até seus aliados.

    Esta técnica, junto com a capacidade marcial, fizeram os magos-soldados brancos bem mais eficientes do que eram antes. Ironicamente a dispersão funciona bem contra ataques elementais (até contra magia branca) mas não faz muito efeito contra a magia negra.

    Outra coisa interessante é que o metal cobalto funciona como dispersor natural de magia. Fazer um mago usar algemas de cobalto é bem eficiente, pois pode não impedi-lo de usar magia, mas certamente impede de controlá-la, e muitos magos não são burros ou ousados o bastante para tentar usar magia sem controle. Outro efeito disto é que mesmo uma pessoa sem o dom pode usar artefatos de cobalto que visem atrapalhar magia de seus inimigos.




    Depois de uns dias de estudo, Niréia leva Nadhull para treinar nas montanhas ao lado da Dafodil a noite, o tempo estava bem frio, e Nadhull não gostava muito do frio (na verdade 80% dos demônios não gostam); Niréia ainda diz para tirar a camisa.

    Sua missão seria apenas sentir os fluxo de magia branca com os olhos fechados. A maioria dos fluxos teria a mesma direção de brisas, mas Niréia iria atrapalhar estes fluxos para que Nadhull não perceba apenas a direção dos ventos.

    - Não podemos fazer isto de dia que é menos frio?

    - Não! As luas favorecem a mana branca. Além disto a magia branca é fria. Se queria calor, devia ter pulado na frente de um raio vermelho, não branco.

    Ele chia.

    - Pense no lado bom, está uns dias sem beber. Depois deste exercício poderá beber um vinho ou conhaque quente com mel para se aquecer. Aproveite e abra as asas. Anjos conseguem perceber mini-fluxos com as penas, você não tem penas e nunca treinei um demônio, mas quero ver se suas asas são eficientes como as deles para captar mini-fluxos.

    Enquanto ela controla a mana branca no ambiente o frio dói até os ossos, parecia uma seção de tortura. Nadhull demora mais de uma hora só para conseguir começar entender como aquele exercício funcionava, ele então começa acertar a direção dos fluxos que Niréia controlava. Porém sua sensibilidade ainda era baixa, ele acertava com precisão só os fluxos mais fortes.

    Ainda assim Niréia se diz satisfeita quando eles voltam para a cidade.

    - Sua percepção mágica está o que se espera de um neófito. Claro que deveria ser muito maior para um wanamko, mas por ser um íncubo eu esperava ainda menos. Lembre que seu corpo não foi feito para magia branca, mesmo assim ele está reagindo. Além disto esta exercício irá lhe favorecer muito nos próximos treinos. Não sei se isto poderá influenciar seus voos também, pois nos anjos a mana branca influencia, mas tem muito que ainda teremos de descobrir. Ainda assim considero esta noite um sucesso.
    Dycleal
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1432
    Reputação : 24
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1011.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/612.png

    Re: Um dia Típico (Nadhull)

    Mensagem por Dycleal em Sab Maio 12, 2018 2:06 pm

    Nadhull para alguns dias nas bibliotecas do templo e se aprofunda na história da magia branca e observa a maneira como ela evoluiu e traça alguns paralelos e alguns distanciamentos entre a magia branca e a negra e anota várias conclusões. Quando cansava da leitura, procurava o mestre Fah para aprender sobre sentimentos, técnicas de controle e principalmente aprender sobre as energias femininas, e relatava os resultados dos experimentos e observações para o mestre. Foi um período de muito aprendizado e o incubo sentiu que o regime imposto por Niréia, tinha aumentado sua capacidade cognitiva e compreensão afetiva e isto diminuía o desconforto da provação e o seu descontentamento.
     
    Mas a medida que o tempo passava, os ensinamentos iam se impregnando nas suas ações e começou a notar mudanças, e em uma determinada noite na taverna, ao ser abordado por uma das cortesãs ele propõe apenas dançar com ela e mesmo quando ela se desnuda para atraí-lo para algo mais ele se contenta com o prazer de apenas dançar com ela e fica admirado com a sua nova capacidade de resistir a esta tentação inerente ao seu ser. Nadhull começa a duvidar se ainda é um demônio, e sorri quando se pega oferecendo-se para cantar na taverna e se emociona com o resultado de despertar emoções nas pessoas, apenas com a sua voz.
     
    Nos treinos de cura mágica, sente muita dificuldade em separar as habilidades de cura da magia negra e da magia branca e se convence que era melhor investir nesta área quando estivesse com um nível de habilidade melhor, para não perder tempo e nem foco no seu caminho de evolução pessoal e por fim se coloca à disposição da sua mestra para fazer o exercício de percepção mágica que tanto estava adiando.
     
    Não foi fácil enfrentar o frio da noite e ainda fazer isso seminu e suas queixas eram refutadas pela mestra que explicava a necessidade de fazer o exercício daquela forma e que era importante faze-lo para acelerar a sua obtenção dos resultados. O começo como esperando foi muito difícil, o desconforto térmico, atrapalhava a sua percepção e só depois do seu organismo se aclimatar que começa a sentir os primeiros resultados e estes não foram nada mal a ponto da mestra considera os resultados como positivo, a mestra o anima dizendo que ele poderá beber depois deste exercício como recompensa e ele fala para a mestra que troca a bebida pelo prazer de dançar com ela, apenas pelo prazer de dançar e que cantará para ela qualquer canção que ela gostar de ouvir, mas que se quiser beber com ele para discutirem sobre os seus futuros passos na sua jornada e talvez dirimir algumas dúvidas que por ventura venha a surgir.
     
    O jovem demônio espera que a sua mestra aceite o seu honesto convite, embora tenha medo que o desprezo pela sua raça a impeça de aceitar. Nadhull está feliz por começar a sentir os fluxos mágicos ao seu redor e consegue sentir a energia emanada pela mestra e vê que o sacrifício que se dispôs a fazer está dando os seus primeiros frutos.
    Leomar
    Troubleshooter
    avatar
    Troubleshooter

    Mensagens : 925
    Reputação : 18

    Re: Um dia Típico (Nadhull)

    Mensagem por Leomar em Dom Maio 13, 2018 1:18 pm

    anota várias conclusões

    ???

    - Não vai pisar no meu pé?

    - Só se meus ossos não tiverem descongelados até lá. Vamos sair desta névoa gelada?

    - Não estou de botas, se pisar nos meus pés, o próximo exercício será dentro do rio.

    - E depois nós, demônios, que somos maus!

    Nadhull não conhecia muito das danças humanas, e não estava no auge de sua performance depois dos exercícios (talvez estava ficando mole) ainda assim ele consegue ser bom o bastante para não pisar nos pés de Niréia.

    Eles dançam duas músicas, a primeira meio monótona, a segunda um pouco mais animada, embora nada complicado. Niréia não chega ficar impressionada, mas fica relaxada ao ver que seus pezinhos estavam seguros, e até parece se divertir.

    Um homem com roupas surradas entra na taverna, dá uma olhada geral e vai em direção a Nadhull.

    - Você é o demônio que esteve com Marcel na Necrópole? - Diz seco.

    - Talvez eu seja um deles? Por quê? - Nadhull não gostou muito da abordagem.

    Ele pega algo nos bolsos, Nadhull chega dar um passo pra trás, preparando-se para brigar. Mas Niréia permanecia quieta, então ele contém o impulso, embora já não estivesse sobre efeito do bom astral de antes.

    - Talvez isto seja para você. - Mostra um papel - E se você for uma das ajudantes da anciã, talvez isto seja para você. - Ele põe outro papel nas mãos de Niréia.

    Assim que pegam os papéis, o mensageiro dá as costas e sai antes mesmo que Nadhull consiga prestar muita atenção em seu rosto.

    Niréia lê o recado dela rapidamente sem revelar nada.

    - É, não foi uma dança ruim. Até mais.

    No seu bilhete estava escrito:

    "AchamosneófitocomcapacidadescomoassuasparamanaBrancaeNegra
    Procuremenotemplo MEKonyFah"
    Dycleal
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1432
    Reputação : 24
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1011.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/612.png

    Re: Um dia Típico (Nadhull)

    Mensagem por Dycleal em Seg Maio 21, 2018 8:12 am

    Nadhull enquanto Niréia se prepara para dançar, dá uma relida nas suas anotações, o caderno já passa da metade e após todos aqueles ensinamentos sobre, emoções, energias masculinas e principalmente as femininas, a história da magia branca e a sua evolução e implementos, duas palavras gravam na sua cabeça, Equilíbrio e Percepção, elas duas se associam com outras duas palavras, formando Equilíbrio nas ações e Percepção para as mudanças, o mundo está em constante mudança e precisamos agir com equilíbrio, tanto de sabedoria quanto de paciência. E Nadhull fica feliz com esse insight panorâmico, tinha muito a refletir sobre ele.
     
    Por fim, a sua mestra agora é a sua dama e pela primeira vez na sua existência consciente, o incubo dança com uma mulher, e uma bela mulher, sem pensar em leva-la para a cama, não que ela não merecesse, dormiria com ela e satisfaria os seus desejos mais íntimos se ela pedisse, mas não era esse seu propósito. Na sua busca por conhecimento e libertação, esse passo de liberdade de fazer algo por si e não pelo sexo era de extrema importância e se entregou de corpo e alma, se é que tinha uma, ao prazer de dançar. 
     
    No início, o medo de pisar nos pés da garota ainda o deixaram desconcentrado, porém sem se preocupar com a performance, o prazer exclusivo de dançar o invadiu e aquele prazer era totalmente novo, mas não menos satisfatório e se ficou pensando em quanto tinha para desvelar no universo dos prazeres que lhe eram desconhecidos...
     
    Foram apenas duas músicas, mas que pareceram passar uma eternidade dançando, a parceira nem dançava bem, mas era gentil e aceitava o seu comando, o que potencializou o seu prazer pois se tornaram um naqueles movimentos repetitivos e mágicos, a dança parecia um mantra e que realmente gerou a sua magia quando atingiram o clímax da paz e do gozo daquele momento.
     
    Um homem neste momento entra na taverna, tem as roupas surradas e é percebido por Nadhull pelo canto dos olhos e ao perceber que ele se dirige em sua direção, o incubo se posta na sua direção também e o estranho pergunta sem cerimonias se ele é o demônio que se encontrou com Marcel na necrópole e o incubo lhe dá uma resposta não definida. O homem pega algo no bolso e entrega ao demônio e ele desconfiado observa Niréia impassível e se desarma um pouco e o mensageiro perguntando se a sua mestra da magia branca é a ajudante da anciã e lhe dá outro papel que ela lê rapidamente e não revela o seu conteúdo e se despede dizendo que não foi tão ruim assim a dança ao que o discípulo responde: - Precisamos fazer isto mais vezes, o treino traz a perfeição, não é? E para me foi um prazer e uma honra, mestra Niréia.
     
        A mestra e o mensageiro se vão e o Incubo lê o seu bilhete, relê mais uma ou duas vezes e fica curioso em saber quem seria esse neófito que tem os poderes semelhantes ao seu dispares poderes, quem sabe não poderiam desenvolve-los juntos e compartilharem as suas experiências... O bilhete o orienta a procurar o mestre e Fah e ele parte voando para o templo e m busca desta novidade...
    Leomar
    Troubleshooter
    avatar
    Troubleshooter

    Mensagens : 925
    Reputação : 18

    Re: Um dia Típico (Nadhull)

    Mensagem por Leomar em Qua Maio 23, 2018 8:42 pm

    - Precisamos fazer isto mais vezes, o treino traz a perfeição, não é? E para me foi um prazer e uma honra, mestra Niréia.

    Niréia sorri, nada muito promissor, mas ainda é um sorriso agradável.

    - Mais algumas vezes, provavelmente.

    Nadhull se vê, mais uma vez, no templo. Mestre Fah o aguardava.

    - Ah! Bençãos e Piro, meu jovem! Que não seja preciso mais que uma simples alegria para te fazer aquietar o espírito!

    - Ahn... Amén? - Nadhull ainda estava pegando o jeito para estas coisas espirituais.

    - Que bom que o mensageiro lhe encontrou rapidamente, temos uma boa rede de comunicações. Espero não ter-lhe atrapalhado, mas...

    - Não é preciso se desculpar, mestre!

    - Bom, tive de ser sucinto no recado, mas creio que as notícias podem ser boas. Enquanto Marcel confirmava seu dom, Tinafe, uma mestra maga, confirmou o dom de outro neófito e outro wanamko. Ficamos surpresos, é muita coincidência para ser apenas coincidência.

    (pausa)

    - Deve estar curioso. Todos nós ficamos. Pois bem, o outro wanamko que achamos é um anjo, mais especificamente um anjo-negro.

    A expressão não significava nada para Nadhull, ele já tinha ouvido falar de anjos caídos, nunca de anjos-negros. Obviamente o mestre espiritualista percebe.

    - Os anjos-negros são uma raça que por muito tempo tem ficado isolada em pequenas comunidades em Akaŝa. São fisicamente parecidos com os anjos normais, e provavelmente não só fisicamente mais eles devem ter uma ligação bem maior do que gostariam de admitir. Mesmo com algumas diferenças entre os dois, já foi uma surpresa vermos um anjo-negro canalizando magia negra, assim como foi surpresa ver um demônio canalizando magia branca, e mais surpresa ainda ao ver ambos canalizar as duas magias.

    Nadhull pensa que a diferença entre anjos e anjos-negros deve ser tal como muitas divisões que existem entre demônios. A maioria dos demônios levam lances de raças, clãs e famílias, ou quaisquer outros sistemas de divisão muito a sério. Igualar íncubos com diabos, por exemplo, pode parecer uma ofensa bem grave, embora para outras raças basta saber que ambos são "do mau".

    Mas a explicação de Konyang não ajuda mais do que isto, e talvez não seja tão importante saber mais sobre esta diferença, por enquanto.

    - Bem, demos sorte que ambos aceitaram ser neófitos pelo templo, e creio que que podemos nos beneficiar se treinarem juntos. Podemos estar testemunhando uma ERA diferente com vocês dois, e até os mestres estão tendo dificuldade de entender o que aconteceu. Porém, se aceitar, combinei de encontrá-lo amanhã, no Primeiro Chamado (perto das 6:00). Está disposto a este encontro? Ah, e precisarei pedir que por enquanto mantenha certa discrição quanto o assunto...
    Dycleal
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1432
    Reputação : 24
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1011.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/612.png

    Re: Um dia Típico (Nadhull)

    Mensagem por Dycleal em Qua Maio 23, 2018 9:13 pm

    Nadhull recebe a notícia de que tem um outro neófito com os mesmo poderes e com a mesma intensidade que a sua e que este novato é um anjo negro. Um misto de curiosidade e de dúvida dominam o incubo, não entende bem o que é um anjo negro, pois nem sabia que havia anjos negros e tenta, em vão, fazer um paralelo com os diabos e demônios e se questiona se teria um demônio branco. Talvez até ele próprio fosse o primeiro e sorri com a classificação estapafúrdia que veio a sua mente e sorri.


    O mestre Fah propõe um encontro com este outro aluno amanhã no primeiro chamado e pergunta se o jovem demônio está disposto ao encontro e Nadhull que pensava em estar livre aquela noite para fazer uma farrinha na taverna, acha prudente pedir para passar a noite no templo pois imagina que os mestre irão querer fazer testes com os dois e para isto precisa estar limpo de corpo e se tiver uma, de alma também e pergunta para o mestre: - Mestre Fah, claro que estou disposto, cheguei até aqui e um espelho dos meus poderes vai facilitar um bocado as coisas, porém hoje a noite eu ia querer sair do regime, o senhor entende, um pouco de álcool, um pouco de sexo, mas com este encontro e com os possíveis testes que os mestre vão querer fazer em conjunto, seria melhor não arriscar e lhe pergunto, o senhor conseguiria um alojamento para mim, por aqui mesmo?


    O incubo aguarda o mestre lhe responder, mas como sempre, o mestre não tem muita pressa nas sua ações e Nadhull pensando nas sua divagações, faz uma pergunta que lhe incomoda o íntimo nos últimos minutos e dispara: - Mestre, os doutrinadores, falam que por causa de Piro, nós demônios podemos ter salvação, mas algo me torra a mente e queria saber, eu como um incubo, eu tenho uma alma?
    Leomar
    Troubleshooter
    avatar
    Troubleshooter

    Mensagens : 925
    Reputação : 18

    Re: Um dia Típico (Nadhull)

    Mensagem por Leomar em Qui Maio 24, 2018 7:00 am

    Mestre Fah pensa um pouco no pedido, mas diz:

    - Não mantemos muitos quartos NO templo, pois a Corte tem uma série de outras instalações, e por causa do ataque há poucos dias estamos carregados, mas providenciarei que receba um lugar como nosso estudante por hoje. Fico feliz que esteja tão empenhado com seu treinamento.

    Não demora muito ele arruma um quarto para você, bem ao estilo cela de mosteiro, não havia nenhum luxo, apenas um lugar seguro para dormir a noite mesmo.

    Ao entrar, mestre Fah põe a mão na parede, e esta começa brilhar levemente.

    - O templo é feito de phosmanita, uma rocha especial de Ajros. Produz luz e calor quando em contato com qualquer fonte mágica, ainda que fraca.

    Nadhull experimenta tocar na rocha e ela igualmente começa brilhar, se tornando um pouco mais quente na palma de sua mão. Ele tenta liberar um pouco de magia e em poucos segundos a cela fica clara e mais quente. Isto era bom para afastar o frio. Se a noite esfriasse, era só dormir encostado na parede.

    Os dois ainda debatem sobre questões da alma, mestre Fah da uma pequena risada da pergunta, mas se desculpa.

    - Perdoe-me, não deveria rir, mas ouvimos tantas teorias absurdas... Isto não importa, vou tentar ser objetivo para não lhe entupir de termos técnicos por enquanto:

    Mestre Fah comenta que toda raça superior, portanto os demônios incluídos, possuem alma, assim como raças selvagens e até as irracionais. Poucas coisas vivas teriam uma alma incompleta, como alguns golens ou alguns tipos de restolhos de magia negra do qual ele diz que não é importante por enquanto. O fato de ter os sete chacras completos lhe assegura que tem de fato alma, algumas outras formas têm menos de sete. Fah comenta que os dogmas que deveria preocupar são que fim levará esta alma, e não alguns detalhes.

    Os seguidores de Piro acreditam totalmente na reencarnação e que TODOS os seus seguidores terão este benefício, embora alguns com mais ou menos dificuldades. Nem todos os deuses pregam a mesma coisa. Para alguns seguidores de outros deuses, a reencarnação é limitada a muitos poucos escolhidos, sendo em alguns casos um privilégio de poucos escolhidos, sendo em outro um castigo de poucos condenados.

    Ades já prega que a reencarnação é impossível, e que demônios, depois de sua única vida, vão sempre para o inferno e de lá só podem voltar por meios não naturais, como e ressurreição, transplanação ou transmutação (espécie de parasitismo espiritual) e muitos demônios acreditam nisto. Teorias de que demônios não teriam alma também se assemelham à de Ades.

    off: resumi o discurso dele por falta de tempo, mas podem ficar debatendo ideias até a hora que resolver dormir, como já está no templo nem precisa se preocupar em perder o Primeiro Chamado, pois ele será bem alto no templo todo.
    Dycleal
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1432
    Reputação : 24
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1011.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/612.png

    Re: Um dia Típico (Nadhull)

    Mensagem por Dycleal em Sex Maio 25, 2018 7:29 pm

    Nadhull fica animado como uma criança que descobriu um brinquedo novo, quando aprende as propriedades da Phosmanita e a ativa pelo quarto tipo cela onde o mestre Fah o alojou e ouve com atenção o mestre discorrer sobre as vantagens de usar o material e sua origem. O incubo pelo menos sabe que não passará frio, como passou na ocasião do teste com a sua mestra de magia branca.
     
    O mestre espiritualista ri despudoradamente da sua pergunta espiritual, mas logo se desculpa dizendo que a muitas teorias sobre a alma, mas que o fato dele ser de uma raça superior e ter os sete chacras completo é uma prova de que tem alma e discorre sobre almas incompletas e o assunto quase fica enfadonho para o jovem demônio.
     
    Por incrível que pareça, enquanto o mestre fala, o incubo se translitera e percebe um insight ou mesmo uma sensação de que tem um destino e que tudo o que está acontecendo é um seu caminho e que a morte não o trará de volta a este mundo e se o remeterá a uma esfera superior para continuar o seu aperfeiçoamento e pelo inusitado da sensação deste conceito tão forte, Nadhull disfarça e nada fala para o mestre, não suportaria outra risada com um sentimento tão íntimo e sério como aquele.
     
    O sono, misto de cansaço e enfado da palestra começa a dominar o nosso neófito e o mestre notando estes sinais, dá boa noite para Nadhull, deseja-lhe uma boa noite e sucesso no dia seguinte e se retira deixando a sua benção. Nadhull se remexe na cama com ansiedade, especulando sobre como será o encontro de logo mais, porém o sono, senhor fisiológico supremo vence e Nadhull mergulha em seus braços.
    Conteúdo patrocinado


    Re: Um dia Típico (Nadhull)

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Dom Ago 19, 2018 10:23 pm