Um fórum de RPG online no formato de PBF (Play by Forum).


    Quão longa é uma espada longa?

    Compartilhe
    vontheevil
    Sacerdote de Cthulhu
    avatar
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2857
    Reputação : 14
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1212.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/612.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/512.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Quão longa é uma espada longa?

    Mensagem por vontheevil em Qui Fev 15, 2018 2:06 pm

    https://www.facebook.com/notes/a-pena-e-a-espada/o-qu%C3%A3o-longa-deve-ser-uma-espada-longa/2033551070246737/

    Vale a pena seguir a pena e a espada pra quem gosta do medieval

    (copiado pra quem não tem FB)

    O quão longa deve ser uma espada longa?
    A PENA E A ESPADA·QUINTA-FEIRA, 15 DE FEVEREIRO DE 2018
    Sabem aquela ideia que o homem moderno é muito mais alto que os homens do passado? Pois é... é mentira. Ou pelo menos, não é totalmente verdade.
    Sim, a estatura média em quase todo o mundo aumentou no último século, mas isso tem apenas a ver com melhor alimentação, não tem nada genético nisso. Explicando melhor, sempre houve na maioria dos povos a propensão genética a uma maior estatura.
    Povos como os Holandeses e Japoneses, por exemplo, passaram por uma importante fase de crescimento no passado próximo, com a estatura média aumentando muitos centímetros - fazendo dos holandeses o povo mais alto da Europa no presente - mas isso tem apenas a ver com melhor alimentação e medicina. A Revolução Industrial, com todas suas mazelas - má nutrição, doenças urbanas, poluição, pobreza e fome - fez decrescer a estatura média da maioria dos povos na Europa, e isso se refletiu nas suas várias colônias.
    Durante a Renascença e Idade Média, quando uma alimentação mais equilibrada era norma, e dentre os nobres era comum se alimentar bem e fartamente, e, ao menos na teoria, ter uma vida ativa, com atividades físicas ao ar livre, as pessoas eram apenas uns poucos centímetros mais baixas que somos hoje. A curva de distribuição provavelmente mudou: embora a estatura média não tenha mudado muito, hoje é mais normal pessoas muito acima de média, e, para equilibrar a escala, por assim dizer, também mais pessoas abaixo da média, algumas vezes até mesmo devido à problemas de saúde na infância sem cura no passado. Matt Easton chegou exatamente à conclusão oposta. Ele pensa que tanto nanismo quanto gigantismo eram mais comuns no passado. Pode ser, mas essas pessoas, ao meu ver, raramente chegavam à idade adulta.
    Claro que dentre camponeses a realidade poderia ser diferente - mesmo hoje as elites econômicas são frequentemente mais altas - mas mesmo dentre eles, a diferença entre hoje o passado não é tão dramática quando normalmente se pensa.
    Qual era essa estatura média? Como hoje, era no passado: depende da região, com Europeus do Norte normalmente sendo um pouco mais altos que os do Sul, Europeus em geral mais altos que Asiáticos, e por ai vai. Mas não pensem que essa diferença era também tão dramática, e nem constante. Lembrem-se: durante o começo da era moderna, os Holandeses estavam dentre os povos mais baixos da Europa.
    E o que tudo isso tem a ver com espadas? Hmm... como falar isso sem ofender ninguém? Very Happy
    Várias das espadas que tenho feito são anormalmente longas, às vezes muito mais longas que suas equivalências históricas. O futuro dono pediu-a mais longa que o "correto" por ser alto. Mas a questão é que existiam homens de 1,80 m, 1,85, 1,90 no passado - embora mais raros, concordo - e nem por isso encontramos espadas reais, históricas, que foram efetivamente usadas em combate, com comprimentos muito acima da média.
    Então o tamanho da espada não deveria variar muito de acordo com a estatura do usuário, ao contrário do que muitos afirmam. Algumas espadas sobreviventes perfeitamente dentro média pertenceram inclusive a homens sabidamente muito maiores que o corriqueiro.
    Claro que uma espada enorme é algo impactante e esteticamente impressionante. Entendo isso. Mas você simplesmente não pode aumentar o tamanho de um design e esperar que ele funcione da mesma forma. O design tem que mudar, e com isso, o uso esperado da espada. Ninguém jamais acharia que se pode aumentar em todas as dimensões um sedan e esperar que ele continue com as mesmas características de desempenho e manejo que tinha antes, ou um instrumento musical - digamos, um violino - e ele continue a soar como um violino. Mas por algum motivo as pessoas acham que pode-se aumentar uma espada - uma longsword, por exemplo - e ela continuará a ser uma longsword.
    Elas não levam em consideração fatores como o peso, ponto de equilíbrio, elasticidade e resistência do aço, que mudam muito com apenas alguns centímetros de diferença no comprimento da arma.
    Espadas renascentistas, mesmo longswords, tinham como propósito combate civil, muitas vezes concentradas no estoque - alguns praticantes de Meyer irão discordar, e isso é compreensível, já que muitas longswords renascentistas são claramente voltadas para o corte, com lâminas finas e com fios paralelos. Eram espadas de lâmina estreita, e podiam, portanto, ser longas. Até mesmo as guardas complexas de algumas delas colaboravam para a existência dessas lâminas de comprimento maior, já que a massa da guarda ajuda a equilibrar a lâmina longuíssima.
    Temos alguns tratados e textos que esclarecem o que esse ou aquele mestre pensava que deveria ser o comprimento da lâmina. Longsword ou rapier, não importa, essas medidas dadas por esses mestres são muitas vezes controversas e dúbias. Controversas porque algumas são muito mais longas do que a esmagadora maioria das espadas históricas sobreviventes. Dúbias porque as explicações muitas vezes são pouco esclarecedoras e abrem caminho para diversas interpretações. E como essas medidas ideais variam muito - ou pelo menos parecem variar - de mestre para mestre, o que temos é uma completa confusão destituida de sentido. As técnicas das diversas escolas, ao tirar detalhes de postura e guardas, são todas muito semelhantes, a biomecâmica humana também, assim como as características físicas esperadas de uma espada, então, porque tanta variação? Penso que era mais convicção pessoal e menos uso de algum método para determinar esse comprimento.
    O que seria o comprimento ideal para tal espada usada nessa técnica muitas vezes é excessivo quando usado em outra técnica. O inverso também é verdadeiro.
    Então, o que nos resta fazer para chegar numa conclusão? Simples. Como já havia insinuado acima, o caminho é olhar para espadas históricas reais.
    Ao fazermos isso, descobrimos que espadas em geral, com algumas exceções, tem tamanhos e pesos semelhantes dentro de uma mesma categoria. Espadas para uso civil costumam ser mais longas e leves que armas militares. Uma longsword a partir de um certo tamanho deixa de ser uma longsword e vira uma espada de duas mãos, com uso específico e diferenciado.

    A famosa espada (hoje perdida) do príncipe Albrecht da Áustria. Uma poderosa espada de guerra, com 89 cm de lâmina.
    Espadas longas do século XIV, como as teoricamente usadas por Fiore, seriam armas relativamente curtas, com lâminas entre 80 e 90 cm de comprimento, embora algumas mais longas existissem; empunhaduras em torno de 20 cm; com lâminas normalmente espessas na base para grande rigidez, pontos de percussão um tanto distantes da ponta, e, dentro do possível, adeptas tanto ao corte e ao estoque, com uma leve propensão ao estoque.


    A famosa Longsword de Munique. Longa e esquia, mas apenas 94 cm de lâmina.

    (Um parêntesis Smile : Dentro da classificação de Oakeshott, seriam essas espadas tipos XVa ou XVIIIA, XVIIIb, etc? Quem vai saber? É muitas vezes bem difícil diferenciar uma XV de uma XVIII. Olhando um desenho apenas, onde atalhos foram usados para produzir tantas ilustrações, é quase impossível ter certeza, e pouco importa. De qualquer forma, as XVIII em média eram mais longas que as XV, e cortavam melhor, embora fossem pior no estoque).


    A ainda mais famosa espada de Edward, príncipe de Gales, conhecido como the Black Prince. Essa espada tem apenas 86 cm de lâmina.
    Para uma pessoa entre 1,70 e 1,80 cm de altura, uma espada longa com 90cm de lâmina vai parecer natural e ágil. Qualquer coisa mais que isso, cada centímetro a mais, vai ser oneroso, e exigirá mais treino e preparo físico. E me parece evidente que no combate entre duas pessoas, uma mais alta, e talvez mais forte, e outra mais baixa e menor, no caso de ambas portarem a mesma arma, a mais alta terá certamente vantagens, pois o seu alcance será maior de qualquer forma, devido a sua própria envergadura, e estará manejando uma arma mais leve em relação ao seu peso, portanto potencialmente mais ágil. Me parece tolice jogar fora essa vantagem de agilidade em troca de uns centímetros a mais de alcance, que, no caso, já era maior para começar.
    Armas para a escola Germânica deveriam ser mais longas, pois são mais tardias, mas nada justifica as feders-monstro de 110 cm de lâmina que tenho visto à venda. Elas apenas podem ser mais longas no caso de espadas que respeitem o design da época em questão. Um tipo XVIIIa gigantesca simplesmente não pode ser usada nesse contexto.

    Longswords renanscentistas, da mesma época dos tratados de Meyer. Note-se que quase todas são espadas voltadas para o corte.
    (outro parentêsis Very Happy : Sobre Meyer e estoque. Há controvérsias sobre o assunto do ponto de vista puramente da construção e design das espadas: sim, havia a proibição do estoque nos torneios. Ouvi até que estoques eram vistos por muitos como sendo pouco cavalheirescos (possivelmente devido ao domínio do rapier, visto como arma de rufiões e bullies, e sua associação com o estoque. Essa associação do rapier e consequentemente do estoque com atividades pouco honradas é documentada e clara). Mas a evidência física não mente: muitas - não todas, claro - longswords da época usavam lâminas tipo XIX ou XX, com fios paralelos e claramente voltadas ao corte. Escola de esgrima seguindo o design da arma, ou o contrário? Não sei.
    Em resumo, cada estilo de espada funciona melhor dentro das dimensões dos exemplares históricos. Essas dimesões foram atingidas a partir de décadas, às vezes mesmo séculos, de tentativas e erros, com as espadas usadas em combates reais. É um tanto arrogante da nossa parte, homens modernos que a usam apenas como um esporte, hobby ou mesmo como objetos de apreciação estética, pensarmos que sabemos mais que aqueles que às faziam e usavam com uso efetivo em mente.
    Carlos Cordeiro

      Data/hora atual: Qua Out 17, 2018 6:18 am