Um fórum de RPG online no formato de PBF (Play by Forum).


    Parte lV: Caçador de Emoções

    Compartilhe
    Ryan Schatner
    Neófito
    avatar
    Neófito

    Mensagens : 28
    Reputação : 4

    Re: Parte lV: Caçador de Emoções

    Mensagem por Ryan Schatner em Ter Set 04, 2018 8:59 pm



    Tentava conduzir a conversa o mais profissionalmente possível. Às vezes, até exagerava, soando como um verdadeiro policial, coisa que ele e sua parceira estavam longe de serem. Entretanto, a educação refinada que recebera na infância tinha sua utilidade em certos casos, afinal, nem todos com quem tratavam eram canalhas e criminosos. Achava que seria este o caso, e quando Victor fez novamente aquela maldita cara de riso boba, achou que viria mais maluquice pelo caminho, o fazendo desanimar um pouco, mas estava engando. 

    Victor:-Então você é um desses que acredita em tudo que lê...
     
    — O que você disse? – Ryan não conseguiu entender o contexto do que o homem havia dito. 

    Julliane Archer: -Engraçado ouvir isso de um publicitário que trabalha para que o setor evangélico mantenha a Bíblia como única referência. 
     
    O caçador virou-se e encarou sua parceira com cara fechada, num tom desaprovador. Não entendeu de imediato o porquê de sua grosseria, mas o diálogo que se seguira o fez entender o que ela já havia entendido desde o princípio... Victor era uma farsa! 

    Victor:-Certo...Me pegou. Eu posso entender que vão lucrar com a prisão do meu amigo, mas eles tem bons ideais...Nunca se questionaram da grana que vocês recebem ser algo um tanto... Moralmente questionável mesmo sendo legal? E que as vezes algo criminoso pode ser certo...? Bem, eu sempre agi dentro da lei e questionei muito do que o Gláucio acredita... Mas ele é o típico sujeito que acha que as regras não só existem para ser quebradas, mas é um dever moral o fazer... E é por conta dessa moral que não acredito que ele tentaria me "apagar" do arquivo, senhor Prescott. 
     
    — Moralmente questionável? – Indagou Ryan, sua expressão se alterava na mesma medida que seu tom de voz – Nós colocamos bandidos atrás das grades, otário!
     
    Apesar de seus protestos, ambos na sala pareciam o ignorar e continuavam a conversa, e aquilo só o deixava ainda mais irritado. 

    Julliane Archer: -Acha que seu amigo "moralmente inadequado" mandaria um grupo aqui resgatar a Jasmine para ajudar em algum plano? 

    Victor:-Disso eu não duvidaria mesmo. Com certeza ele faria isso, mas tentaria ferir apenas militares de alta patente no processo. Igual o senhor James...Um veterano maduro...mas... Não sei como ele conseguiu aguentar tantas mordidas de lobo naquela briga...? Será que a Vanessa tinha cachorros?

    A têmpora do agente latejava. Respirava fundo numa tentativa de se controlar enquanto os dois mantinham aquele papo furado, mas não era o suficiente. Tão logo Julliane atendeu o telefone, perdeu a linha e começou a despejar:
     
    — Seu filho da puta! Você sabia de tudo o tempo todo não é, duas caras de uma figa?! Ou você é conivente com tudo isso ou muito idiota pra defender seu namoradinho – seus olhos faiscavam de raiva, cerrou seu punho e partiu em direção ao leito de Victor de punhos cerrados – Você vai me dizer o que quero saber, nem que pra isso eu tenha que arrancar...
     
    Antes que pudesse avançar mais sobre o paciente, Julliane o agarra com força pelo ombro. Ryan, ainda bravo, tenta se desvencilhar com um golpe de corpo, mas ela o aperta com ainda mais firmeza, usando as unhas desta vez. A dor lhe dá um breve lapso de equilíbrio, apenas o suficiente para ver a expressão de urgência dela ao telefone, ocasião em que também pode ouvir a conversa.

    -Senhorita Archer, como estão indo? Me desculpe pela demora. Soube que já estão no hospital, consegui um tempo para que vocês possam verificar o corpo de James O´Baar nas dependências do necrotério local... Acredito ser fundamental que verifiquem... Por favor sejam rápidos, os federais estão por alguma razão muito ansiosos em conseguir isso e não vou mais conseguir convencer a juíza por muito tempo a não expedir um mandato.
     
    Naquele momento, não sabia dizer se por conta de Julliane o ter impedido de enfiar a mão em sua cara, ou por conta da conversa ao telefone, Victor começou novamente a fazer sua ceninha e a dar uma de louco, na clara intenção de chamar a atenção dos enfermeiros, que rapidamente irromperam na sala restringindo o canalha. Ryan balançava a cabeça irritado e Julliane o puxava pela jaqueta para fora da sala, enquanto o agente mostrava discretamente o dedo do meio para Victor. Quando ambos estavam no corredor, o agente se desvencilha de sua parceira:
     
    — Jules, ele sabe mais do que fala, caramba!
     
    — Sim, mas ele não vai falar!
     
    — Não tem problema, eu faço ele falar!
     
    O caçador estava visivelmente transtornado por ter sido enganado por Victor. Apesar de já estar nesta estrada há alguns anos com Julliane, ainda lhe faltava uma ou outra “manha” sobre como as pessoas agiam de verdade.
     
    — Tudo o que ele vai saber em alguns momentos, é babar com a língua de fora, Ryan. Não vamos conseguir nada com esse cara! – Exclamou sua parceira.
     
    — Mas eu...
     
    Antes que pudesse concluir o que ia dizer, foi interrompido por Julliane que segurou firme seu rosto com as duas mãos em frente ao dela:
     
    — Olha pra mim! Eu preciso que você se controle, meu bem! Tem algo de muito estranho neste caso e eu preciso de você atento ao meu lado!
     
    — Então você também acha tudo isso estranho? – Disse espantado.
     
    — Não! Nada dessa porcaria de “Crepúsculo” que esses pirados estão dizendo! Mas tem gente poderosa e influente por trás desse caso, e quanto mais chamarmos a atenção, mais longe estaremos da grana. Então vamos logo ver o que tem de tão importante nesse presunto e dar o fora logo daqui! – Deu um leve tapa no rosto de Ryan, soltando-o e seguindo as placas que indicavam o necrotério.
     
    Ryan respirou fundo, fez o melhor que pode para botar os ânimos nos eixos, e seguiu sua parceira a passos largos pelo corredor, rumo ao necrotério.

    Claude Speedy
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1172
    Reputação : 23

    Re: Parte lV: Caçador de Emoções

    Mensagem por Claude Speedy em Ter Set 11, 2018 10:34 pm

    ...


    Toda aquela conversa maluca deixou Ryan à flor da pele, primeiro o medo, depois a raiva... Tudo aquilo mexia com ele. Victor estava acobertando um criminoso e admitia que sabia disso... Apesar disso, ele parece fingir estar em um estado temporário de loucura...


    Herbert West: -Eu sinceramente já disse que não pode impedir-me de passar...


    Médico Legista: -Eu já disse, senhor... "Herbert West..." Não adianta bancar a "mão do Leviatã" para cima de mim! Eu conheço meus direitos! É um prédio privado e o senhor Hoppe me disse claramente para esperar os agentes que ele enviou. Isso tem haver com dois fugitivos e o senhor não tem mandato nenhum!

    Herbert West: -Esta cometendo um grave erro...

    O homem passa pelo casal, aparentemente olhando para Julliane que rapidamente retruca antes dele ir embora.

    Julliane Archer: -Perdeu alguma coisa, "MIB"?

    Ele não diz nada, apenas mantem seu olhar fechado e sai da sala.

    Médico Legista: -Ah, são vocês! O senhor Hoppe disse que viriam... Precisam vir comigo...é muito estranho.
    Ryan Schatner
    Neófito
    avatar
    Neófito

    Mensagens : 28
    Reputação : 4

    Re: Parte lV: Caçador de Emoções

    Mensagem por Ryan Schatner em Qui Set 13, 2018 1:41 am



    Os passos firmes do casal ecoavam pelo corredor enquanto desviavam de enfermos e enfermeiros naquele movimentado plantão de terça feira. Passavam por alas ambulatoriais, de exames e de leitos, e após alguns minutos, desceram as escadas que levava ao necrotério. A temperatura do subterrâneo era consideravelmente mais frígida, e a porta entreaberta deixava escapar um leve, porém incômodo, odor de formol. Todo o som e agitação dos andares superiores ficaram para trás e agora eram apenas como murmúrios distantes e abafados.

    Observou enquanto o atendente discutia com um homem misterioso na entrada do recinto enquanto chegavam. Pensou consigo: “Droga, os federais já estão aqui!” e temeu ter perdido a chance de checar o corpo de O'Barr por conta do tempo desperdiçado com Victor, mas à medida que se aproximavam, o homem se retirou e ao cruzaram com eles, Julliane se enfeza com o olhar que o mesmo direcionou para ela. Ryan resumiu-se a olhar feio por cima do ombro e continuar a caminhar; ainda estava lidando com o episódio de Victor em sua mente e somar ciúmes a isso neste momento não era uma boa ideia.

    Médico Legista: -Ah, são vocês! O senhor Hoppe disse que viriam... Precisam vir comigo...é muito estranho.

    Conferiu as horas em seu relógio de pulso antes de cumprimentar o funcionário que o atendia, já passava bem de meio dia. Só então estendeu a mão:

    — Nós mesmos, senhor. Boa tarde! – e ainda segurando a mão do atendente, indicou o homem que subia as escadas com a cabeça e indagou – Qual é a do Batman?

    Claude Speedy
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1172
    Reputação : 23

    Re: Parte lV: Caçador de Emoções

    Mensagem por Claude Speedy em Sex Set 14, 2018 12:25 pm

    Médico Legista: -O Sr. West é um pesquisador que o governo financia, parece que tem um cargo importante na Black Water... Não importa, ele não vai vir ver o que eu descobri sem mandato. Se a CIA quiser ver o corpo que admita ao público que o que temos aqui é bem suspeito antes de enviar mercenários...

    No instante seguinte à essas palavra o médico se toca de com quem esta falando e fica um tanto constrangido com as próprias palavras e se lembra que os dois ali juntos dele não são exatamente policiais e sente que a indignação dele por comparação poderia de alguma forma que suas palavras também poderiam agredir moralmente o casal de caçadores de recompensa e já se adianta.

    -Sem ofensas... Venham... vocês precisam ver isso


    Ele puxa a gaveta, com o corpo coberto na cintura por um fino lençol.

    O rosto esta estilhaçado.

    -Três tiros, todos na cabeça, os ossos da frente do crânio racharam. Balas de 38... Um tiro atingiu cada um dos olhos e o terceiro a têmpora... Vocês podem achar simples, mas... Não foi isso que o matou, ao que parece os invasores atiraram em um cadáver. Eu descobri uma imensa quantidade de veneno neurotóxico, o que deixou o sangue dele até mais escuro. Pedi para um amigo biólogo na toxicologia para analisar. Ele disse que é uma mistura de Creosoto com o veneno de um Tityus serrulatus...  

    — Se puder ser mais claro, Doutor...

    -Certo. Creosoto de madeira é um líquido oleoso incolor a amarelado, ele tem um cheiro de fumaça e um sabor de queimado. Ele era usado como um desinfetante, um laxativo, e um tratamento para a tosse, mas já faz um tempo que tem sido predominantemente substituído por fármacos mais modernos... Alguém misturou esse composto com veneno de um escorpião muito raro, que vive predominante em regiões do Brasil.  De alguma forma James ingeriu uma quantidade imensa disso, e tal mistura poderia tornar o sangue dele quase como uma bomba... Quem fez isso praticamente inventou um assassino moribundo cujo sangue pode matar. Tendo em vista o nível de lesão no sistema nervoso eu presumo que ou alguém envenenou James pouco antes do ataque ou jogaram um cadáver no meio da confusão... E provavelmente esses capangas de militares amorais adorariam saber como isso foi feito para reproduzirem eles mesmos.

    — Esta dizendo que alguém inventou um ser humano indutor de veneno?...

    -Um veneno neural, podendo gerar alucinações, tontura e depois paralisia dos pulmões e óbito. Dependendo da quantidade é quase como uma loucura biológica líquida... Vocês tem ideia do grau de conhecimento necessário para isso? Estamos atônitos de como realizam tal coisa...

    — Será que é por isso que estão todos contanto histórias de fantasma quando perguntamos do incidente?...

    -Talvez... A outra possibilidade, a de que James pode ter sido morto pouco antes do ataque com o veneno, que é mais simples e o corpo jogado para gerar os efeitos em questão me conectou a um caso que o senhor Hoppe me passou. Tivemos uma situação parecida na cidade de Amarillo no Texas, um corpo encontrado sem os olhos queimados e intoxicado. Ao que dizem uma gangue de motoqueiros chamados de "Filhos da Anarquia" foram acusados pela morte de um figurão do setor imobiliário chamado Ben Caspere. Ele ia financiar uma linha férrea até a cidade do México saindo do sul da Califórnia...  A substância encontrada no sangue dele, pelo que Hoppe me enviou, é a mesma que achamos hoje... é o segundo caso registrado.
    Conteúdo patrocinado


    Re: Parte lV: Caçador de Emoções

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Sex Set 21, 2018 5:09 am