Um fórum de RPG online no formato de PBF (Play by Forum).


    Baixas de Guerra

    Compartilhe
    Bravos
    Sacerdote de Cthulhu
    avatar
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2791
    Reputação : 199
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1411.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1312.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1711.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1911.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Baixas de Guerra

    Mensagem por Bravos em Seg Ago 20, 2018 12:02 pm

    A viagem de volta foi silenciosa e rápida. Rohko, Cephyrus e Erik trocaram poucas palavras, mas uma espécie de companheirismo começava a se estabelecer entre eles. Não quer dizer que se gostavam, agora, porém, eram cavaleiros de Athena e já haviam arriscado suas vidas um ao lado do outro. Depois de ser envenenado, Erik foi tratado por um senhor nativo, depois de ter sido salvo por Cephyrus. Rohko lutou até o limite de suas forças e caiu desacordado na mata. Acordou com o Cisne o encontrando e levantando. Aquela primeira missão como cavaleiros de bronze fora, de certa forma, frustrante. Venceram Thaddius, o Estrategos, seus ajudantes, contudo, conseguiram fugir e permanecerem vivos.


    Chegaram ao Santuário no entardecer de um dia quente, muito comum naquelas terras. Os três estranharam o pouco movimento ali. Não havia ninguém nas arenas e, fora um ocasional soldado raso, tudo parecia vazio. Carregando nas costas as urnas com suas armaduras, os bronzeados questionaram a um daqueles soldados ocasionais o que estava acontecendo. - Senhores! Estão todos no cemitério, para o enterro dos dois cavaleiros de bronze que foram mortos recentemente, bem como os outros soldados. - Ele falava com os olhos baixos e a voz entristecida.


    Sem perderem mais tempo, Cephyrus, Rohko e Erik seguiram para o cemitério. Não demoraram a ver diversos cavaleiros e soldados reunidos. Era, sem dúvida, a primeira vez que eles viam mais que três ou quatro reunidos. Ainda assim, diante das 88 armaduras, aqueles ali ainda eram poucos, mesmo que houvesse alguns dourados e mais: o Mestre do Santuário. Aproximando-se, eles viram as lápides dos cavaleiros de Fornalha e de Andrômeda, e ainda uma dúzia de lápides para os soldados rasos que perderam a vida junto dos bronzeados.



    - ... Reconhecemos aqui o sacrifício de dever desses nossos irmãos de armas. Leon de Fornalha e Adônis de Andrômeda deram suas vidas protegendo a humanidade do terrível perigo que se aproxima. Assim como eles, os demais soldados que bravamente defenderam esse Santuário quando foi invadido. Nossa gratidão e nossa promessa que completaremos a tarefa que eles deram início.



    Foram as palavras pronunciadas pelo Grande Papa. Foi feito um longo momento de silêncio. Depois, pouco a pouco, um a um, os cavaleiros iam se ausentando. Os três ainda observavam quando Isaeos se aproximou. Como todos ali, estava trajado com sua armadura de Altar. - Fico feliz que tenham voltado em segurança. Prestem suas homenagem aos falecidos e então me encontrem no templo à entrada do cemitério. Irão me contar o que aconteceu e conversaremos sobre os próximos passos. Temo que não terão muito tempo para descansar ou curar as feridas.


    Dizendo aquilo, o prateado se afastou. Vulpes deixou escapar um pequeno grunhido, lembrando à Cephyrus de sua presença ali. Erik cruzou olhares com os dois cavaleiros. - Eu vou primeiro... - E tirando de suas costas a urna com a armadura de Lobo, foi até as lápides, fazendo sua última homenagem.



    GodHades
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 216
    Reputação : 102

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por GodHades em Seg Ago 20, 2018 2:50 pm



    Era era mais tarde quando chegaram ao Santuário, e eles encontrariam um local mais vazio, sem aquele tumulto de treinos ou as tropas marchando pelas rotas. Estavam no cemitério, aquele soldado lhes dizia isso.
    Chegando no local fúnebre, Rohko viu outros Santos, além dos militares reunidos. Era a hora de demonstrar respeito, até por que um ato imprudente perto de dourados ou o Grande Mestre poderia resultar em mais uma lápide, a do Dragão.

    Após as palavras do pontífice, o silencio reinou soberano, como aquele homem que governa o Santuário. Isaeos chegou e o nipônico lhe fez uma saudação marcial, unindo as mãos. - Não precisarei descansar mestre, estou pronto para nova ordens.

    O prata se afastou e então Erik olhou Rohko que o respondeu com um assentir positivo de rosto. Após o lobo, dragão iria prestar seus respeitos. Não os conhecia, Fornalha ou Andromeda, mas eram valorosos Santos. Pessoas que treinaram muito duro para conquistar aquela chance que lhes fora tirada.

    Parando para pensar melhor, Rohko quase foi um deles. "Eu deveria ter largado aquela luta insana e ido ajudar Cisne e Lobo." Pensou enquanto uniu as mãos abertas, como numa oração diante das lápides.

    "No alto de minha arrogância, ainda cai desacordado, e fui carregado por aqueles que eu me recusei a prestar socorro. Poderia ser o meu time ai."

    Separou as mãos e agora apertou forte os dedos no centro delas.

    "Prometo lhes Fornalha e Andromeda apesar de desconhece-los, sem saber se eram uns patifes... não deixarei que aqueles que forem comigo se tornem companheiros para vocês no outro mundo."

    Pensou e então se virou, pegando novamente a urna de Dragão que havia deixado na grama, antes de ir fazer sua oração.

    Ele iria para templo na entrada do cemitério mas antes, parou e encarou Vulpes como se tentasse assusta-lo.


    Depois seguiu até onde o mestre Altar estava. Rohko estava um pouco retraido e calado, já que estava desonrado pela derrota, ou seria um empate?

    Hylian
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 462
    Reputação : 43
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por Hylian em Qui Ago 30, 2018 3:40 pm

    Cephyrus estava muito impaciente na viagem de volta, mas pouco falou com seus novos amigos, mesmo com Erik de Lobo, com quem criara maiores laços de amizade por ter tido uma maior convivência, não por desinteresse, mas porque algo o incomodava, embora não soubesse explicar nem a si mesmo o que exatamente o chateava.

    Chegaram em terra firme, no santuário, no entardecer. O clima estava quente e o cavaleiro de bronze de Cisne fora o último a descer do navio logo atrás de seus companheiros, carregando sua armadura nas costas juntamente com seus pertences dentro de sua velha mochila.

    O santuário parecia diferente e estranhamente vazio como eles nunca viram antes. Ao questionarem uns soldados que lá haviam receberam a informação que todos estavam no enterro de dois companheiros também de bronze que perderam suas vidas lutando por Athena. Naquele momento, Cephyrus arregalara os olhos sentindo um gosto amargo que demorou a descer por sua garganta como se fosse duro o suficiente para fazê-lo engasgar. “Dois cavaleiros de Athena perderam suas vidas... Mortos... Em Combate...” Pensou ele, tentando assimilar aquilo. Por mais que devesse estar acostumado, falar em mortes não era algo tão comum para ele, visto que aquele assunto sempre o abalou, já que seus treinamentos nunca envolveram o risco de sua vida, uma vez que ele sempre superou cada um dos obstáculos que seu mestre lhe exigia, mas, estaria ele fazendo o certo? Estaria ele no caminho certo? Cephyrus voltou a se perguntar sobre a real razão de ter se tornado um cavaleiro de Athena e tudo o que pode pensar fora em sua mãe. Sua mão estava fria, fria como a morte devia ser, talvez ele nem tivesse mais a sua mãe, talvez ele estivesse sozinho no mundo e pensar nisso o assombrava. Segurou o pingente que carregava junto do peito com força tentando lembrar-se como era o rosto de sua mãe, e mesmo que nenhuma imagem lhe vinha a cabeça, aquela falsa esperança que sua mente produzia lhe era suficiente para continuar vivendo...

    Finalmente voltando a realidade e deixando seus devaneios mais loucos, Cephyrus seguiu seus companheiros até o cemitério onde acontecia o velório dos dois cavaleiros de Athena recém mortos em batalha. Não havia muitos cavaleiros se julgar entre os 88, mas haviam bastantes lá para prestarem sua homenagem aqueles dois que lutaram dando suas vidas por um mundo melhor. Cisne estava aborrecido, pela primeira vez em dias sentia-se indignado e confuso novamente. Seus olhos miravam as duas lápides, mas pareciam distantes, pareciam olhar também o horizonte e além. Seus punhos estavam cerrados firmemente como se ele quisesse dar um soco tão forte capaz de romper o vento. Sua concentração em seus pensamentos era tanto que nem ouvira o que os outros diziam, apenas voltou a si quando Erik e Rohko começaram a se mexer...

    “Mamãe... onde quer que você esteja, se estiver viva, eu vou te encontrar...” Jurou para si e virou-se levando o pingente de sua mãe a boca e dando um beijo terno no momento em que pode ver Rohko encarar Vulpes de forma duvidosa.





    – Rohko... – Chamou Cephyrus de forma séria, virando novamente para dar uma ultima olhada as lápides e dando as costas as companheiros – Fique  longe da Vulpes, se não quiser a sua lápide ao lado daqueles dois...

    Logo após dar seu aviso e certificando-se que sua fiel escudeira estava ao seu lado e longe das caretas de seu algoz, Cisne caminhou a passos lentos em direção ao mestre sem ter certeza do que fazer dali por diante, afinal, ele acreditava que fora imprudência do mestre terem morrido dois cavaleiros de Bronze, já que os inimigos estavam além das forças dos cavaleiros de bronze, talvez teria poupado vidas se tivesse enviado cavaleiros de prata...


    OFF escreveu:Não encontrei uma cara melhor para representar o Cephyrus naquele momento, vai essa mesmo - q
    Bravos
    Sacerdote de Cthulhu
    avatar
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2791
    Reputação : 199
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1411.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1312.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1711.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1911.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por Bravos em Seg Set 03, 2018 7:59 pm

    O Dragão se questionava sobre suas atitudes na primeira missão que fora enviado. Teria ele sido arrogante ou precipitado demais? A verdade é que tendo em vista aqueles dois mortos e o sucesso marginal que ele, Cephyrus e Erik tiveram, o Santuário parecia estar em desvantagem diante daquela ameaça. Tentou quebrar a dureza daquela situação perturbando Vulpes, a qual foi protegida de imediato pelo companheiro. Rohko já começava a caminhar para onde Isaeos havia avisado que ele os esperaria quando notou que o Cisne não o seguia.


    Na realidade, ele caminhava em direção ao Grande Mestre. O papa do Santuário parecia ter o olhar distante e não notar a aproximação do bronzeado. Quando, porém, Cephyrus deu o terceiro passo em sua direção, viu-se contemplando os olhos carmesim da máscara que cobria o seu rosto. Diante daquele olhar, tanto o Cisne quanto o Dragão, que estava mais atrás, sentiram como que um peso diante de si. Eram raras as ocasiões que cavaleiros de bronze chegavam a conhecer o Mestre do Santuário, ainda mais em tal proximidade. - Quer me perguntar alguma coisa, Cephyrus de Cisne? - Seu olhar, talvez por conta da máscara, era penetrante. Vulpes se escondia atrás da perna do Cisne.




    @GodHades @Hylian desculpem a demora, senhores! Rohko ainda pode voltar e conversar com o Grande Mestre se assim desejar, ele não está longe demais.

    GodHades
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 216
    Reputação : 102

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por GodHades em Qui Set 06, 2018 1:32 pm




    - Isso soou como uma ameaça se deseja lutar seja mais claro, te dou uma surra aqui e agora, ainda tenho energia para bater em você e neste cachorro pulguento. - Riu de maneira irritante mostrando-se pouco impressionado com as palavras do intrépido Cisne. - Em algum momento não estará olhando, e então será tarde demais Cephyrus, hummm guisado na salsa...


    Retrucou mantendo o tom duvidoso, como se fosse mesmo comer a bichinha, mas Cisne não sabe que o Dragão apenas o provocava, aparentemente.

    No meio do caminho, Rohko ficou um pouco para trás ponderando sobre seus pensamentos até ver uma figura... inesperada, aquele era o Pope? Por um momento os olhos do Santo se arregalaram mesmo sendo finos.

    Imediatamente sua garganta fecha e ele sente uma pressão diferente, poderosa, algo que nem nos Antiestrategos poderia chegar aos pés. - Excelencia, o senhor aqui...

    "Ele veio prestar respeito a meros bronzes mortos?"

    De maneira um pouco incisiva, o rapaz ainda de pé observava a figura maxima do Santuário, aquele que as palavra eram a propria voz de Deus.



    - Devo me ajoelhar, excelência?
    Tentava não ser tão mau educado mas é que detestava se curvar para os outros. O grande Mestre talvez não entendesse como insolencia e sim por ele nunca te-lo visto pessoalmente, não sabia como se portar.

    Possivelmente o sensei de Rohko não chegou a lhe ensinar as regras de etiqueta. Além do mais, o pontífice perceberia que havia uma tensão no ar entre os Bronzes visto que Rohko quase deu uma ombrada no Cisne quando deu uns passos para frente.




    Eu aproveitei para seguir e puxar papo com o GM, pq eu já vi
    que se seguir o Altar ele vai me jogar em treta de cara hahuahuaa
    Hylian
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 462
    Reputação : 43
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por Hylian em Seg Set 10, 2018 7:13 pm

    Uma batalha entre cavaleiros de bronze naquele momento seria péssimo, principalmente porque o cavaleiro de cisne, Cephyrus estava emocionalmente estável e, talvez por isso, ele tenha reagido daquela forma. Cisne estava indignado com os últimos acontecimentos e até acreditava que tiveram sorte em saírem vivos de lá, não era covardia ou medo, mas lhe parecera imprudência do santuário a forma como ocorrera tudo. Talvez, e só talvez, ele pensasse que as vidas de andromeda e o outro bronzeado pudessem ter sido poupadas... Quem sabe...

    – Ameaça, aviso... Entenda como quiser... Para mim da no mesmo... – Respondeu o jovem das montanhas de gelo – Agora não é hora, não na frente do grande mestre, mas depois, quando tivermos uma chance, se quiser me dar a “tal” surra, fique a vontade, dragãozinho... – Cephyrus debochou.

    Logo que se aproximaram do real grande mestre o que era uma honra para os cavaleiros, mas para Cephyrus realmente significava muito estar ali, não por realmente sentir-se honrado, afinal, ele nem mesmo o conhecia direito e desejou que o mesmo não tivesse o rosto mascarado. Talvez por ingenuidade, ou mesmo por indisciplina, Cephyrus não se curvou, ou demonstrou qualquer atitude em respeito, mas fiara surpreso ao ouvir a pergunta de seu grande mestre.


    – Sim eu quero! – Disse ele seguro, após alguns segundos que lhe pareceram horas – O que realmente fomos fazer naquele lugar? E quem eram aqueles cavaleiros que usavam armaduras estranhas?


    Bravos
    Sacerdote de Cthulhu
    avatar
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2791
    Reputação : 199
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1411.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1312.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1711.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1911.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por Bravos em Qui Set 13, 2018 10:39 pm

    Rohko e Cephyrus trocavam provocações. Quando, porém, se viu diante do Grande Mestre, o Dragão mostrou algum conhecimento de etiqueta. - Sim, devem. Até mesmo os cavaleiros de ouro se ajoelham quando estão na presença do Grande Mestre do Santuário. - O Cisne pode sentir que aquele plural o incluía veementemente.


    Enquanto ele jogava suas perguntas para o grande papa, aquele líder parecia permanecer imóvel, como se fosse uma estátua. - Era suposto que vocês descobrissem o que estava acontecendo por trás daquelas rebeliões. Mas vejo que se me perguntam isso, é porque não descobriram o que estava acontecendo. - Em seu tom de voz não existia agressividade. Por outro lado, eles sentiam o comentário reprovador acertá-los em cheio. - Porém, o inimigo veio até nós muito antes do que prevíamos. Leon de Fornalha morreu aqui nesta arena lutando contra um desses homens que você menciona.


    Se sua máscara não cobrisse o rosto, talvez agora houvesse um semblante triste ou pelo menos enlutado pelas vidas dos bronzeados que estavam ali sepultados. - Não só ele, mas também Adônis de Andrômeda confirmaram a suspeita do mau presságio que se mostrava no Monte das Estrelas... - Sua cabeça inclinou-se de leve e agora o Grande Mestre parecia olhar nos olhos deles. Tanto Cephryus quanto Rohko tinham essa impressão. Talvez artimanha de sua carranca fixa. - ... Nossos inimigos são os Berserkers de Ares.



    Hylian
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 462
    Reputação : 43
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por Hylian em Qui Set 20, 2018 8:09 pm

    A contragosto e mais por respeito ao seu próprio mestro do que pela autoridade a sua frente, Cephyrus se curvou, ajoelhando-se quando entendeu o recado do grande mestre ao referir-se a ambos respondendo a “estúpida” pergunta de Rohko. “Ele tinha que perguntar se deveriam se ajoelhar?” indignou-se Cisne para si mesmo revirando os olhos enquanto que, em sua mente, a autoritária e imponente voz de seu mestre do pico do Everest soava alto e claro como ele deveria agir diante do “papa” dos cavaleiros, embora ele trata-se de ignora-lo.

    “Era suposto para nós descobrirmos o que estava acontecendo naquele fim de mundo?” pensou Cephyrus tentando não demonstrar em sua face o quão indignado estava e o quão ele culpava o santuário pela morte dos dois bronzeados. Ele acreditava que tudo fora negligência talvez até do grande mestre, ou quem sabe, que Zeus o perdoe, da própria Athena se é que ela realmente existia e não fosse um mero mito.


    –  Ber... serkers de Aries? –  Repetiu Cephyrus curioso levantando a cabeça, após refletir consigo mesmo. Naquele momento ele encarara a máscara do grande mestre como se quisesse enxergar o rosto que era protegido por ela, mas infelizmente ele não tinha este poder – E para onde vamos agora?




    GodHades
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 216
    Reputação : 102

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por GodHades em Seg Set 24, 2018 11:32 am



    O Dragão se ajoelhou por sobre uma das pernas diante da autoridade papal, não gostava, mas nem ele seria tolo de se comparar aos Cavaleiros de Ouro. A figura do líder era peculiar e estranha como se não houvesse muita vida e expressão em seu ser... mas ainda assim conseguia causar respeito e de certa forma, temor.

    - O que vi foi um bando de pessoas loucas se atacando. Em terras miseráveis como aquelas essa gente briga até por pão e troca filhas por gado. Qualquer entidade pode fazer bom isso disso.

    Rohko fala com desdém da cultura daquela região, e ele escuta sobre a morte do Fornalha, e a revelação dos inimigos finalmente vem a tona.

    - Não são Berserkers da Casa de Aries, são de Ares o deus da Guerra violenta, você é surdo Marreco?

    Aproveitou para alfinetar de leve o Cavaleiro de Gelo quando este repete daquela maneira.

    - Excelência, esperava que o santo de prata responsável desse as seguintes coordenadas, junto de meu próximo alvo.

    Ele olhou para o alto, para a face opaca do Mestre. O líder facilmente perceberia o tom singular do japonês, que se via indo sozinho.

    Como se não fosse precisar da ajuda de mais ninguém.

    Principalmente donos de raposas suculentas.


    Bravos
    Sacerdote de Cthulhu
    avatar
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2791
    Reputação : 199
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1411.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1312.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1711.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1911.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por Bravos em Qui Set 27, 2018 3:28 pm

    O Grande Mestre do Santuário parecia saber o incômodo e o certo temor que ele inspirava nas pessoas a sua volta. Agia com muita naturalidade diante disso, como se de fato elas devessem estar incomodadas e temerosas. Sua primeira resposta foi para o cavaleiro de Dragão. - A maioria dos povos da Terra vivem em miséria, mesmo os seu povo japonês não vive numa situação muito melhor. Não deixe o clima tórrido da África lhe enganar. Aliás, não deixe que os diversos favores e vantagens que tem por ter se tornado um cavaleiro lhe alienem. - A sabedoria realista daquelas palavras fez com que o comentário do Dragão soasse infantil e perdido.


    O patriarca foi andando, cruzando tanto o Cisne, quanto o Dragão, deixando-os ajoelhados e de costas para ele. - Sim, Isaeos irá orientá-los. Vocês serão mandados para onde seus irmãos de armas falharam. - Eles puderam sentir que seu passo parou por um instante, antes de ser retomado. - Estejam prontos para darem a vida, se for preciso. Ninguém esperaria menos de um cavaleiro de Athena!


    Os passos se afastaram e quando eles se levantassem, veriam de longe o Grande Mestre saindo do cemitério. Isaeos deveria estar esperando-os na saída daquele local.



    Hylian
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 462
    Reputação : 43
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por Hylian em Seg Out 01, 2018 1:02 am

    – Cale-se “Róca”! – Céphyrus fez questão de errar o nome do cavaleiro de propósito – Continue de cabeça baixa quando a pergunta não for dirigida à você, mero peão...

    Rohko estava sendo tão inconveniente desde que chegaram ao cemitério que Cephyrus já não fazia questão de esconder sua inimizade com o mesmo. Agora ele compreendia o porquê do colega ser tão individualista e solitário. Ele mesmo se distanciou e preferiu lutar sozinho, mas quando precisou o “marreco” estava lá para ajuda-lo, ou quem sabe o peão não estaria morto também? Aborrecido com a atitude infantil do colega o loiro repensou se realmente deveria ter lhe ajudado antes, a resposta óbvia era uma só, claro, afinal ele era um cavaleiro e jurara por justiça, mesmo quando a vítima era um...

    Cephyrus levantou-se de imediato quando percebeu que o grande mestre se distanciou. Sem dar chances para qualquer tipo de discussão inútil, afinal, Dragão já havia dado a entender que desejava seguir sozinho a sua jornada e assim era melhor. O aviso estava dado sobre Vulpes. Cisne seguiu até Isaeos em silencio perguntando se realmente desejava seguir com os planos do santuário, ou se preferiria sair dali.
    GodHades
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 216
    Reputação : 102

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por GodHades em Qua Out 03, 2018 7:13 pm



    Rohko escuta as sábias palavras proferidas pelo Patriarca, sorvendo tais dizeres que elucidam sobre o estado do Japão que também passava por guerra e fome especialmente nos campos, tudo para alimentar a burguesia niponica.

    -   Limparei a desonra dos derrotados com o sucesso que chegara até eles no pós vida.

    O Dragão diz que ira honra-los mas de uma forma que soaria, bem mais rude do que ele se intencionava. O rapaz de fios escuros se levanta bruscamente dando um grito alto, como uma saudação militar calorosa. - Por Athena!

    Urrou firme para então observar o líder saindo do cemitério. -  O que disse alguma coisa Cisne? Pensei que era a sua raposa resmungando algo, fale alto e para fora, como um homem!

    Parece que as farpas entre esse dois estavam longe de terminar. Ele foi andando junto de Cephyrus, talvez não tão proximo... mas chegaria até o Isaeos

    Bravos
    Sacerdote de Cthulhu
    avatar
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2791
    Reputação : 199
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1411.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1312.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1711.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1911.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por Bravos em Qui Out 04, 2018 1:50 pm

    O Dragão e o Cisne caminharam em silêncio até a construção ao lado do cemitério, lugar onde Isaeos os aguardava. Erik permaneceu no cemitério, deixando-os. No caminho, eles permaneciam afastado um do outro. Sua troca de farpas era notável em qualquer conversação. Cephyrus ia a frente, seguido por Vulpes, sua pequena raposa branca. Rohko seguia atrás dos dois. A construção onde iam se assemelhava muito, em sua arquitetura, às doze casas zodiacais. Uma fileira de quatro pilares gregos formavam a fachada, junto de um frontão triangular e obtuso. Eles seguiram por um pequeno corredor de pilastras até entrar num outro ambiente, esse circular, sob um domo aberto no centro, por onde podiam ver o céu. Isaeos estava de pé próximo a uma espécie de altar.


    - Tendo prestado suas homenagens aos irmãos de armas, é hora de olharmos adiante. Conte-me o que descobriram em sua missão. Contra quem lutaram, quais suas técnicas, como venceram... É preciso cautela, pois o inimigo é poderoso.- Isaeos vestia roupas simples e talares. Tinha à mão um papel e uma pena para anotar aquilo que os cavaleiros dissessem. - Vocês descansarão hoje e amanhã estarão partindo novamente. - Disse-lhe enquanto esperava a resposta dos dois.



    Hylian
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 462
    Reputação : 43
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por Hylian em Qui Out 11, 2018 4:28 pm



    Cephyrus ignorara o colega indesejado propositalmente a fim de evitar quaisquer brigas desnecessárias, pelo menos não estava disposto a duelar com ele ali naquele local, não por desrespeito a ninguém, mas porquê acreditava que poderiam se meter em encrenca se fossem vistos usando suas habilidades e pior, armaduras, para resolverem problemas pessoais. Mas bem que o lagartinho verde estava merecendo umas boas porradas. Quem sabe transformá-lo num bonito cubo de gelo, se é que fosse possível ele ficar bonito de alguma forma, esfriasse aquela cabeça azeda dele.

    Isaeos os esperava não muito longe dali perguntando-os sobre a viagem e se descobriram algo em sua estadia. A verdade era que Cisne ainda não tinha compreendido muito bem o que fora fazer lá e o Grande Mestre pouco fora claro em suas palavras, além de julgamentos insensatos.
    – Descobrimos que os habitantes daquele lugar não gostam muito de cavaleiros... – Comentou o loiro sem saber algo mais interessante o que dizer, afinal, o que realmente teriam descoberto lá. A verdade era que foram praticamente massacrados por cavaleiros estranhos que vestiam armaduras ainda mais estranhas. – Batalhamos com cavaleiros estranhos, os Berserkers de Ares, se me lembro bem... – Cephyrus buscava em sua memória os momentos acirrados de sua batalha ao lado do Lobo

    GodHades
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 216
    Reputação : 102

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por GodHades em Qui Out 11, 2018 11:27 pm



    Agora proximo a Isaeos o Cavaleiro asiático era questionado sobre os ocorridos na missão. Com os braços cruzados ele escuta o breve relato de Cephyrus, quando Cisne termina o santo toma a palavra.

    -  Eles não possuem qualquer honra, sacrificam os próprios aliados, gostam de usar armas e o método de ataque parece estar relacionado a manipulação e intimidação, seja pela força ou alguma outra artimanha.

    O descontentamento era visivel na face dele . -    Um deles era chamado de Thaddius de Kydoimos, o lider do batalhão do Desastre. Eu consegui mata-lo com a ajuda dos demais, eles desejam dominar este mundo em nome de Ares, com aqueles bando de hoplitas inuteis.  Sua habilidade era a liderança e Lança Dançante.

    Mostrou a mão de leve com os braços ainda cruzados, fazendo o sinal de "um" com o indicador. - . Depois nos separamos, por que os covardes fugiram quando perceberam que iriam ter o mesmo destino do lider deles. Me deparei com uma mulher leviana chamada Castalia, ela alegou ser uma Antiestrategos de Thaddius. Usava um chicote estranho e tinha em sua posse o Toque de Midas. Kono ona...

    Fez o sinal "dois" com o outro dedo, o do meio. - Não consegui liquidar esta. Ela conseguiu fugir antes, se gabando de ser uma grande estrategista, yare yare... parece que eles não se respeitam dentro da hierarquia de Ares, pelo meno foi a impressão que tive.

    Todos podem perceber o ar de deboche nessa ultima frase de Rohko. Em seguida escutou que por hoje, descansariam.

    -  Então, estou liberado, senhor?

    Disse quase num pé para ir embora dali caso o superior não fosse constatar mais nada.


    Bravos
    Sacerdote de Cthulhu
    avatar
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2791
    Reputação : 199
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1411.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1312.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1711.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1911.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por Bravos em Sab Out 13, 2018 10:48 am

    O cavaleiro de prata assentiu diante do relato do Cisne e principalmente do Dragão. Ele passou alguns instantes em silêncio antes de voltar a se pronunciar. - Sim, Cephyrus, estamos lutando contra os Bersekers de Ares. Como o Rohko observou, eles são fortemente militarizados, com hierarquias e destaque para as lideranças. Porém, também é verdade que são competitivos e acirrados entre si, apenas esperando a oportunidade para tomarem o cargo dos superiores se eles manifestarem alguma fraqueza. - Enquanto falava, Isaeos anotava no papel que tinha às mãos coisas que nenhum dos dois conseguiam ver, devido à posição que estavam em relação ao prateado. Quando deu por satisfeito por suas anotações, colocou o papel de lado, sobre um móvel que ali havia e, de cima da mesa pegou dois rolos de pergaminho que eram familiares aos bronzeados.


    - Eles usam armas, pois a agressividade é sua maior característica. Eles investiram até mesmo diretamente contra o Santuário enquanto vocês estavam fora. Nossa principal preocupação é exatamente essa: suas armas. Não são armas comuns. - Entregou-os os pergaminhos. - Um dos nossos colegas morto não conseguiu impedir que o selo que trancafiava Ares fosse desfeito. Agora Ares está livre para agir. Sua espada, porém, continua selada no norte da França. Enquanto ele não tiver sua espada, seu poder está reduzido, ainda que seja o poder de um deus. Vocês deverão impedir que ele pegue sua arma. - O pergaminho convocava ambos para irem nessa missão, especificava que deveriam sair no dia seguinte, às 7 da manhã. E que estariam sob a liderança de Darius de Libra




    @GodHades @Hylian Próximo post já podem descrever como agiram até a manhã seguinte What a Face quando encontrarão o líder da missão.

    GodHades
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 216
    Reputação : 102

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por GodHades em Sab Out 13, 2018 12:28 pm



    Tudo o que Rohko podia fazer agora era observar as anotações do Santo a sua frente, ele estendeu a mão descruzando os braços para receber o pergaminho que iria definir seu destino.

    -  Armas tolas que não deterão o escudo do dragão.

    Esbravejou mais uma vez, enquanto se questionava como eles iriam enfrentar uma missão tão perigosa... sendo bronzes. A resposta estaria no pergaminho-  " Libra no Darius..."

    Arregalou um pouco os olhos afiados de asiático, e se despediu do superior com uma saudação de punhos cruzados.

    Rohko foi para seu alojamento descansar e se preparar, comer e fazer outras higienes. Como imaginou que Cisne iria seguir seu caminho, o garoto de trajes vermelhos com estampas de um dragão lendário no peito, faria o mesmo.



    Manha Seguinte, 6:20





    Com a urna de Dragão nas costas, o Santo se dirige até o anfiteatro, local onde anuncios e missões costumam ser feitas pelos líderes e supervisores do Santuário.

    Ele busca por alguma viva alma ali, ou algum sinal do tal, Darius.

    - Não parece que houve uma batalha aqui..

    Comentou, pensando um pouco alto sobre o que lhe disseram ontem, a respeito da pequena invasão.



    Hylian
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 462
    Reputação : 43
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por Hylian em Sab Out 20, 2018 12:53 am



    Indignado por ter sido jogado a uma nova missão sem ao menos ter tempo de saber mais sobre o local e quem realmente poderiam encontrar por lá, muito embora ele já imaginasse o tipo de cavaleiro que enfrentaria, Cisne dera por encerrado a inútil conversa com o cavaleiro de prata a sua frente. Resolvera que contestar sua nova missão não mudaria em nada. Desejara poder conversar com seu mestre a quem era como um pai, talvez ele pudesse “clarear” suas ideias e dar-lhe ânimo para seguir em frente.

    Não era medo, mas receio, depois do que vira na africa. Ainda que fosse orgulhoso, Cephyrus se perguntava se estaria pronto para enfrentar inimigos ainda mais poderosos dos que presenciara há pouco e, talvez, não tivesse a mesma sorte que antes e quem sabe teria que enfrentar o próprio deus perturbado que nada mais tinha o que fazer do que arranjar encrenca na terra, é, pois é...

    O trio de bronzeados que antes parecia ser um time já não eram mais tão próximos, principalmente Rohko que mais parecia um autista antissocial e mal agradecido. Cephyrus imaginou que desta vez era possível que fosse lutar sozinho o que seria ainda pior, não que três bronzeados juntos fizesse ele ter muitas esperanças. Talvez se ele fosse um cavaleiro de ouro, congelaria a porra toda...

    O cavaleiro das montanhas congeladas do Everest despediu-se educadamente ao prateado fazendo uma reverência que seu mestre lhe ensinara, lembrando de quantas punições ele recebera até aprender a curvar-se direito diante de um superior, dera meia volta quando achara que já era permitido e sem dizer qualquer palavra ele se retirou de lá perdendo-se em seus pensamentos mais profundos, como se buscasse uma resposta para seus receios com Vulpes em seus pés.

    Venha, Vulp.. – Ele murmurou.

    Quando estava longe o suficiente de todos que pudessem reconhece-lo, Cepjhyrus retirou a correntinha que carregava por baixo da roupa e até da armadura, quando a vestia, o pingente continha a foto de uma moça bonita que carregava um bebê que ele acreditava ser ele. “Voltarei...” dizia a imagem, mas ela nunca voltou, mesmo após tantos anos.

    Já no alojamento Cephyrus tardou em conseguir adormecer. Ele dormir ao lado da janela e perdia o tempo ligando as estrelas formando desenhos no céu estrelado, enquanto sua mente ocupava-se de suas intimidades. Ele sentia seu corpo tenso, embora relaxava a medida que se divertia com as possíveis constelações que conseguia formar e não eram muitas pelo ângulo que tinha da janela. Aquela brincadeira era muito mais divertida deitado sobre a grama do monte Everest, ele conseguia ver muito mais constelações, inclusive a sua...


    ...



    Cephyrus acordara mais cedo do que previra e pouco dormira. Ainda zonzo ele tomara um banho com água gelada já que estava acostumado com temperaturas frias e aproveitara o tempo de sobra para terminar de organizar seus poucos pertences. De mochila organizada e armadura polida dentro da urna ele deixou do alojamento despedindo-se dos demais cavaleiros que lá ficariam para trás, perguntando-se voltaria a vê-los um dia.

    Cephyrus dirigiu-se até o anfiteatro onde se reuniria com os demais cavaleiros e conheceria Darius de Libra que seria responsável pela missão, um cavaleiro de ouro, não era quem Cisne estava esperando conhecer realmente, mas era um dourado, então já o animava bastante.

    Ah, é só o lagartinho verde... – Comentou Cisne ao aproximar-se da entrada e ver Rohko.





    Bravos
    Sacerdote de Cthulhu
    avatar
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2791
    Reputação : 199
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1411.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1312.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1711.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1911.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por Bravos em Qua Out 24, 2018 4:30 pm

    O primeiro a chegar no anfiteatro fora Rohko. Na verdade ele estava praticamente quarenta minutos adiantado. Olhando o local ele se questionava sobre a batalha que havia acontecido. Tudo parecia estar em ordem. Olhando melhor, contudo, o Dragão observou que havia alguns buracos no chão do outro lado da arena. Buracos que eram mais do que apenas consequências de golpes ricocheteados. Eles pareciam efetivamente escavados.


    O Cisne, por sua vez, também acordou cedo. Seu banho gelado o ajudou a sustar a indolência do sono. E já com as coisas preparadas, ele se despediu dos, sobretudo, aprendizes de cavaleiro que também estavam despertando para seu treinamento diário. Conhecia um ou outro ali, mas a maioria nunca havia visto. Seu treinamento no Everest fez com que tivesse pouco contato com o Santuário antes de receber a armadura de bronze.


    Uma vez chegando ao anfiteatro, encontrou Rohko olhando para a arena e não demorou a lançar-lhe uns gracejos. Vulpes seguia Cephyrus, porém a pequena raposa ainda parecia cheia de sono. Logo que o cavaleiro parou de andar, ela se enrolou sobre si mesma e voltou a dormir. Antes que começassem a trocar 'gentilezas', uma voz grossa e carregada de sotaque se dirigiu a ambos: - Vocês chegaram bem mais cedo que o horário marcado. - A voz tinha um tom sério e quase monótono, era grave e não pareceu ser nem um elogio, nem uma reprovação. Quando se viraram para ver, viram um homem bastante alto, possivelmente beirando os dois metros de altura, corpo esguio e pele muito negra. Sua cabeça era completamente raspada, sem um cabelo sequer. Ele carregava nas costas uma urna dourada, o que indicava que aquele era o cavaleiro de ouro de Libra: Darius.


    - Poderemos sair logo, então. Não temos tempo a perder. Alguma questão, homens? - A altura do libriano fazia com que ele olhasse os dois cavaleiros de bronze por cima. Isso, contudo, não parecia denotar algum tipo de ar de superioridade. Ainda que Darius parecesse soturnamente sério e pragmático.




    @GodHades escolha uma vantagem pra vc do livro básico ou do compêndio de super poderes, ou de algum compêndio que vc achar e puder me mostar Rolling Eyes please. Próximo post damos um outro fast forward e já apareceremos no Norte da França.

    Hylian
    Tecnocrata
    avatar
    Tecnocrata

    Mensagens : 462
    Reputação : 43
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png

    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por Hylian em Dom Out 28, 2018 1:05 pm


    Vulpes encolhera-se entorno de si mesma e voltara a dormir, atitude esta que Cisne já esperava, afinal, ela o acompanhava e, suas aventuras e obrigações, mas não garantia nada que se manteria desperta ao seu lado as tantas da madrugada. Pouco tivera tempo para trocar alguma farpa com seu “amiguinho” bronze, pois o local que parecia deserto deu lugar a mais um cavaleiro, porém, desta vez, não um prateado ou bronzeado, mas um cavaleiro de Ouro, como era esperado.

    Darius de Libra, assim como todos os demais cavaleiros, passava a Cephyrus uma sensação esquisita ao se aproximarem, isto porque eles pareciam ser tão poderosos, sábios e também misteriosos. Cephyrus daria tudo para ter a chance de lutar com um deles e, também, merecer algum dia a armadura de ouro do mestre de seu mestre, o cavaleiro de Aquario, a quem tanto ouviu falar.

    Cisne o olhou cautelosamente como se o estudasse dos pés a cabeça em silêncio, esquecendo-se que Rohko e Vulpes continuavam no recinto, ele demonstrava total atenção no capitão que guiaria os dois naquela nova missão. O jovem impressionou-se com a diferença entre a urna dourada de Darius e a dos cavaleiros de bronze, não só pelo material e a obviamente a cor, mas elas pareciam ser também bem mais pesadas e claramente mais valiosas, fazendo os olhos azuis-safira do mesmo brilharem ao contemplarem a beleza da mesma.

    Cephyrus saiu de seu transe quando o dourado lhe fizera uma pergunta. O menino não respondera, não tinha dúvidas, apenas ansiedade de chegar logo agora que seria acompanhado de um guerreiro de nível o que era diferente da outra vez, talvez as coisas fossem melhores daqui para frente. Ajeitou melhor sua urna nas costas, seus pertentes seguros nos braços fortes, vulpes segura em sua visão periférica, assentiu positivamente para o homem alto quando ele decidira que era hora de irem e estava pronto para seguirem finalmente para mais diversão.


    Conteúdo patrocinado


    Re: Baixas de Guerra

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Qui Nov 15, 2018 2:25 am