Um fórum de RPG online no formato de PBF (Play by Forum).


    Nascendo de Fogo e Cinzas (Lasair Mairth)

    Compartilhe
    Leomar
    Troubleshooter
    avatar
    Troubleshooter

    Mensagens : 969
    Reputação : 18
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png

    Nascendo de Fogo e Cinzas (Lasair Mairth)

    Mensagem por Leomar em Dom Ago 26, 2018 8:38 am

    Lasair Mairth aguardava numa cela que havia no porão do bordel. Já estivera lá antes, mas não pelo lado de dentro. O lugar era escuro e abafado, a única vantagem era que a maioria dos demônios tinham um péssimo olfato, e portanto o cheiro de mofo e outras coisas não muito bem limpas não incomodava (afinal quem se preocupa em manter um calabouço limpo).

    Havia uma janela que tava para o beco nos fundos do bordel. Os sons de fora eram mais fáceis de se ouvir que os de dentro, mesmo assim as pessoas só iam naquele beco para jogar o lixo ou se drogar, mesmo se Lasair começasse a gritar e alguém o ouvisse, a possibilidade de que alguém se dispusesse a dar atenção era mínima. Ele mesmo já tinha ouvido alguns gemidos e gritos da mesma janela pelo beco em outras ocasiões.

    Apesar de ser praticamente um escravo (teoricamente nasceu livre, mas na prática sempre foi tratado como mercadoria do bordel, e acabou aceitando isto até então), ele não tinha costume de receber muitas punições físicas, afinal até então não tinha dado muito trabalho. Seus chefes não tinham acreditado muito na história que contou sobre uma "tempestade mágica" no meio do deserto, embora também seria besteira acreditar que ele quisesse fugir, mas caiu desacordado a tão poucos metros além dos portões da cidade. Talvez (talvez) sua prisão e ameaça de que iam pensar numa "punição adequada" não passasse de uma intimidação para mantê-lo nas rédeas, e talvez se ele implorasse para Ĥaabrukuĥ (o dono daquele bordel, um demônio desagradável que faz parte dos chamados "Senhores das Trevas", mas orgulhoso, que adorava ser bajulado e que lhe implorassem as coisas) ele nem lhe daria punição maior do que ficar naquela cela por alguns dias.

    Talvez tudo ficasse como sempre foi. O problema é que Lasair Mairth já não vinha querendo mais apenas que tudo ficasse como sempre foi, e desde que acordara sendo carregado daquele deserto este desejo de deixar aquele bordel se tornou algo muito vivo, como despertar depois de anos dormindo. Mesmo sabendo que em muitos lugares de Dafodil a vida era mais difícil que naquele bordel, mesmo se sofresse ou não sofresse alguma outra punição por "tentar fugir", daí para frente ele queria de fato fugir daquele lugar.

    Com esta decisão tomada, o infortunado demônio se atenta para os sons de fora e acaba ouvindo alguém cantarolar alguma coisa num idioma estranho. Prestando mais atenção, não era tão estranho... era... o idioma dos Escamosos?

    Sim, ele começa reconhecer. Uma fêmea dos Escamosos tinha lhe ensinado o idioma quase secreto deles. Aliás a voz sibilante parecia até da mesma demônio.

    - Driz, driz, driz
    Rebenkabem nats'sê Erebriz.

    Driz, driz, driz bom é viver em ou com Erebriz (Lasair não sabia se a frase referia a lugar ou pessoa)
    Sus'kash tê devi yasnussh?
    Kenay, kenay gos'zussh?
    Tenay, tenay fogredussh?
    Niz
    Driz, driz, driz

    Para onde devo ir?
    Fugir rápido, rápido?
    (algum verbo que ele não entende) tranquilo, tranquilo?
    [eu] falo driz, driz, driz
    Porek ek redek niz
    Gu, gu, gu

    [eu] Como omo(?) durmo e falo gu, gu, gu
    Skis'tis'nis'jis javê hustudoss nutiku
    (parece um jogo de sons de palavras sobre coisas que se poderia fazer) posso se estiver la fora
    Klobleko niz driz
    Nutiko karaya pôre Erebriz

    Então eu canto (digo) driz
    La fora (liberdade?) o poder da felicidade (com, em, para) Erebriz
    Erebriz, ere, ere, ereniz, niz driz, eredriz, Erebriz... Gu, gu, gu, nutiku, nutidriz, nutiniz, Erebriz
    (jogos de sons sem muito sentido, no tom da música)

    Demônios não costumam cantar, menos ainda diabos, mas aquilo não importava muito no momento, e Lasair começa gritar, chamando a voz que vinha de fora, ele vê duas mãos perto da janela e depois o inconfundível capuz dos Escamosos, a demônio deve ter ficado de 4 no beco para falar (a janela estava alta para Lasair, mas ao nível do chão para ela.

    - Ora, ora - falando agora em Moloke - olha quem está brincando de esconde-esconde! Está confortável ai?

    Lasair não podia vê-la, mesmo se estivesse sem o capuz, a cela era escura, mas a voz era mesmo da demônio que lhe ensinou falar um pouco de Trassaviano, qual era mesmo o nome dela? Lasair tenta puxar da memória enquanto responde:

    - Que engraçado! Pensei que os Escamosos não eram dos tipos de demônios que gostavam de ironias! Por acaso você se tornou devota de Piro?

    Piro, o deus do fogo, era conhecido por ter devotos que adoram ser sarcásticos e até meio loucos. Para os demônios só havia dois deuses que se adorar: ou se adorava Ades, deus da morte, ou se adorava Piro, pois os outros três deuses não suportavam os demônios. Muitos demônios preferiam ser ateus, e os Escamosos eram dos que preferiam não se ligar a nenhum deus, pois para eles adorar seja Ades ou Piro era uma forma de abdicar sua independência, e eles preservavam muito a independência, tanto que era quase impossível ver um Escamoso seguindo um íncubo ou uma súcubo como muitos diabos faziam.

    - Que mau humor! Se não quer minha companhia e minha música, eu vou embora!

    - Nããããooo! Espera! Me ajuda sair daqui!

    - Ah! Agora quer minha ajuda? Não disse se gostou de minha música, não me chamou pelo nome, me trata de forma tão fria...

    "Porra! É sério mesmo que ela vai ficar neste jogo AGORA?" - Pensa Lasair.

    - Eu adorei sua voz! É que estou um pouco desconfortável aqui... Me ajuda e prometo lhe escutar com muito mais prazer.

    Ele escuta um som de vidro e metal rolando no chão, ela tinha jogado algum tipo de frasco da janela em sua direção, tateando ele consegue pegar a pequena ampola.

    - Finja de morto. Isto pode lhe ajudar ficar catatônico.

    Outra fama dos Escamosos é o conhecimento de uma gama de venenos e coisas do tipo. Se ele só parecesse morto, alguém iria se livrar do seu corpo. Um escravo como ele não valia o trabalho de um enterro, menos ainda uma pira funerária, era possível que caísse numa vala comum na Necrópole, ou fosse parar no incinerador de lixo da cidade. Nos dois casos corria o risco de morrer de verdade se não acordasse ou fosse despertado na hora certa. Mas era um plano.

    - Obrigado! Mas, e se isto não funcionar?

    - Então arrume outra forma. É mais do que merece, pois nem se lembra de mim!

    Ela se levanta, e provavelmente irá embora (a menos que Lasair pense em algo inteligente para dizer mais).

    OFF:
    Bom, como é o primeiro post, vou dar uma dicas só para falar ir familiarizando com algumas rolagens, recomendo também que leia o primeiro post do tópico de rolagens que lá tem algumas dicas. Porém sou do tipo de mestre que não deixa as opções todas óbvias e nem dou dicas, a menos que o jogador peça.

    Não há muitas opções na cela onde está, você já viu esta sala quando trabalhava ai e também não há muito que esperar dela. Em todo caso, você pode SEMPRE pedir (ou mesmo rolar sem pedir em muitas vezes) um teste de Percepção ou Percepção Mágica quando descobrir que tem poderes latentes. Toda rolagem de atributo ou perícia é com 2D10 e o resultado menor é sempre melhor.

    Você pode aceitar a proposta da Escamosa e beber o conteúdo do frasco, e esperar que tenha sorte. Ou pode tentar a sorte conversando com o próximo cara que for te ver na prisão, seja pra trocar sua comida ou decidir o seu destino.

    Nota, apesar de ter ficado inconsciente na tempestade mágica, você está se sentindo agora um pouco mais forte do que era. Talvez seja apenas uma sensação de confiança e/ou determinação.

    Até então você nunca manifestou nenhum tipo de poder mágico, mas se quiser tentar algo que envolva magia, seria tipo fixar num desejo abstrato e TALVEZ algo aconteça, mas rolagens que dependem apenas de sorte, e no começo magia será assim, pois você não terá controle nenhum, a rolagem é com 1D12 e os resultados podem ser bastante... caóticos... Twisted Evil
    Nimaru Souske
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1247
    Reputação : 42
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Re: Nascendo de Fogo e Cinzas (Lasair Mairth)

    Mensagem por Nimaru Souske em Dom Ago 26, 2018 10:23 am

    Com tantos pensamentos pairando em sua cabeça, sua indignação apenas aumentava mais. O simples fato de pensar que aquela punição seria apenas uma forma de mantê-lo ainda mais "obediente" fazia sua ira aumentar como nunca havia experimentado antes. Não conseguia imaginar-se pedindo clemencia a Ĥaabrukuĥ, como já fizera muitas vezes antes, nem ao menos parecia se importar em quais punições poderiam ser derivadas de sua prisão. Ele apenas queria fugir.

    Estava inquieto na cela, seus músculos faziam com que cada parte do seu corpo não conseguisse ficar parado. Mas em um momento, uma estranha, porém entendível, canção foi escutada e uma pequena fagulha de esperança, mesmo que sem razão ou lógica alguma, despertou em seu peito. Será a Escamosa qual conhecera no Bordel?

    Seu desespero toma conta do corpo e escapa por sua boca em forma de gritos e chamados para que o emissor daquela voz se apresentasse diante dele. A música, confusa tanto em sua letra, graças a capacidade de entendimento de Lasair, tanto quanto em estar sendo cantada em uma língua demoníaca, mexiam de forma estranha no jovem demônio.  

    Ao notar que era realmente a mesma Escamosa qual conhecera no bordel, seu corpo fica, internamente, em estado eufórico, mas por fora resolveu permanecer impávido, como se não estivesse em uma situação tão ruim quanto claramente estava.

    Após algum desenrolar da conversa, Lasair pega o frasco jogado pela Escamosa que até então não recordara o nome e pondera sobre beber ou não.

    - Espere, eu não disse que não lembro de você... é que a situação que estou me fez apenas pensar em sair daqui. Lasair fala enquanto encara o frasco. - Eu não esqueceria da minha cliente mais especial. Daquela que me deu o único presente que recebi em toda minha vida... Pigarreou um pouco para limpar suas cordas vocais. - "Porek gos'zussh?"

    Lasair, como sua última tentativa enquanto tentava lembrar o nome da demônio, tenta cantar uma frase no mesmo ritmo qual a Escamosa estava cantando, utilizando de algumas palavras ditas por ela para tentar formar a frase "Como Fugir?". Era uma forma de prová-la que ele é realmente muito agradecido pelo presente dado por ela: O Trassaviano.

    Off:
    Quero tentar lembrar o nome dela, o que rolo?
    Leomar
    Troubleshooter
    avatar
    Troubleshooter

    Mensagens : 969
    Reputação : 18
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png

    Re: Nascendo de Fogo e Cinzas (Lasair Mairth)

    Mensagem por Leomar em Sab Set 01, 2018 7:12 pm

    A escamosa dá uma pequena risadinha.

    - Tá, depois a gente "come a fuga". - Ele obviamente tinha confundido o verbo, por sorte ela acha graça. - A poção que lhe dei é forte, você vai dormir como um morto. Tente não deixar o frasco muito visível depois que beber. Não sei porque, mas alguns demônios tem a mania de não pensar em coisas óbvias como isto. Deixe o frasco vazio num canto escuro da cela onde só acharão depois de um tempo, e mesmo se acharem pensarão que era apenas um tipo de veneno. Mas não se preocupe, ela não vai matá-lo. A menos claro que eles resolvam te colocar numa pira, aí você estaria encrencado! (pausa) - A poção demora dez minutos para fazer efeito, não demore muito para se decidir.

    Ela parecia confiante que seu plano provavelmente daria certo, e espera mais uns poucos segundos.
    Nimaru Souske
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1247
    Reputação : 42
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Re: Nascendo de Fogo e Cinzas (Lasair Mairth)

    Mensagem por Nimaru Souske em Seg Set 03, 2018 5:41 pm

    Lasair solta uma baforada de frustração.

    - Merda... pensei que dessa vez ia conseguir falar direito... Mas finaliza sua frase com um pequeno sorriso.

    Logo, pôs-se a escutar o que a Escamosa falava, com atenção para não cometer nenhum erro bobo. Ao final, Lasair sabia que não tinha mais muita opção do que fazer.

    - Certo, farei agora mesmo... espero que ainda nos vejamos por aí quando eu sair. Houve uma pausa. - Obrigado pela ajuda.

    Mairth leva o frasco até a boca e o toma, colocando-o no canto escuro daquele cômodo assim como a demônio havia dito. Ele permaneceu parado, esperando a droga fazer efeito em seu corpo e repetindo incessantemente em seus pensamentos para que não resolvessem lhe jogar na pira enquanto desacordado.
    Leomar
    Troubleshooter
    avatar
    Troubleshooter

    Mensagens : 969
    Reputação : 18
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png

    Re: Nascendo de Fogo e Cinzas (Lasair Mairth)

    Mensagem por Leomar em Seg Set 03, 2018 10:09 pm

    O gosto da "coisa" era ruim, Lasair toma todo de uma vez fazendo caretas. Ele escuta a outra se levantar do outro lado da janela e tem um último "insight" chamando-a rapidamente:

    - Espera, "princesa"! - Ele ainda estava em dúvida se lembrava ou não o nome dela, seria Assha, Nanasha ou Anas'sh? - Faz uma última coisa pra mim, escondi uma bolsa com algumas "coisinhas" no forro do quarto que tem "aquela" porta amarela. Pegaria pra mim? Não quero sair daqui sem nada...

    Lasair tinha surrupiado algumas gemas e moedas de tempos em tempos, e se estivesse "morto" seria difícil voltar ali para pegar. Sabia também que a escamosa saberia sobre qual quarto ele estava falando e, se ela quisesse, não seria a coisa mais difícil do mundo entrar no bordel, achar a bolsa que ele falou e sair de lá discretamente. Havia alguns riscos, mas não eram tão grandes.

    Será que ela pegaria? E se pegasse, será que lhe devolveria depois, ou pelo menos parte? Afinal nem ele nem ela tinham muitos motivos para confiar tanto um no outro. Ainda assim a diaba era o mais próximo de uma amiga que ele tinha no momento.

    Ela tinha falado dez minutos, mas não parece demorar tanto para Lasair ficar sonolento, logo sua cabeça começa rodar e ele tem que deitar. A pior parte da poção é quando começa perder a capacidade de respirar. Mairth se debate, e começa pensar que iria morrer de verdade. A poção bem podia ser mero veneno. Tudo fica escuro.

    Ele dá um último (ou seria um primeiro?) suspiro tentando recuperar o ar. Seu peito dói. Ele está num lugar fechado. Suas mãos procuram desesperadamente sair dali. Demora um pouco para perceber que estava coberto de terra. Mais uma puxada no ar. Mais dor no peito. Ele cava para sair dali. Suas mãos alcançam o lado de fora. Ele rasteja pra fora dali. Já era noite. Sente alguém o segurando. Puxa o ar de novo, seu peito dói.

    Mais um apagão, depois de sabe-se-lá quanto tempo ele desperta novamente. Desta vez sente-se coberto por água, menos o rosto. Ele puxa o ar, o peito ainda dói.

    - Ei, fique quieto. Respire devagar.

    A ânsia era mais forte, a sensação era que tinha ficado muito tempo sem respirar e estava sufocando, aos poucos ele ia "engolindo" quantidades de ar para o pulmão maltratado.

    - Devagar. Devagar!

    Ele não consegue obedecer rapidamente, mas aos poucos se acalma.

    - Se tentar levantar, vai cair. Se tentar mover-se rápido, sentirá dor. Precisa fazer exercícios de alongamento por um dia, se não fizer sentirá dores por mais dois ainda. (pausa) Tente esticar uma perna de cada vez, e um braço de cada vez.

    Lasair então percebe que estava num tipo de banheira, ele mexe a perna esquerda e geme de dor, mexe a direita e geme novamente. Queria perguntar onde estava, mas só consegue falar ais e uis. Até mexer o pescoço era dolorido.

    Quando finalmente consegue controlar a respiração, começa conseguir perceber as coisas em volta.

    Estava num lugar escuro, as paredes eram de madeira e não tinham janelas, ou se tinham estavam fechadas. A demônio ao seu lado era a mesma que o ajudara antes, ela estava momentaneamente sem o manto e capuz escuros característico de seu grupo, não tinha acendido nem mesmo uma vela então a luz no quarto (ou seja lá onde estivesse) era pouca.



    - Você demorou a sair daquela vala. Pensei que estava gostando. Agora está impregnado com cheiro de lama e defuntos. Te joguei na água para ver se esta catinga passa. Pelo jeito vai ter que ficar um bom tempo.

    (pausa)

    - A poção já foi processada pelo seu corpo, mas agora tem de se recuperar pelo tempo que ficou (ela fala um termo técnico que você não entende, mas deve referir ao tempo que ficou parado e quase sem respirar), vá mexendo braços e pernas devagar.

    Lasair demora um tempo se espreguiçando, até que consegue finalmente começar a conversar. Pergunta (obviamente) onde está, e ela apenas diz que te arrastou para o quarto dela, pois não poderia ficar naquela vala comum onde te jogaram.

    - Agora você está oficialmente morto para eles, até que descubram.

    obs:
    Fiz uma intervenção para lembrar das joias que rolou na ficha, mas quando o jogo vai desenrolando eu busco intervir cada vez menos. Passando o primeiro momento de confusão perceberá até que a demônio está usando muitas das joias que você tinha pego (mais do que aparece na imagem) e provavelmente ela escolherá uma ou duas (ou três...) que guardará para ela, mas depois que conversarem ela irá tirar as que está usando e no fim você ficará com o número que está na ficha. Em cerca de meia hora conseguirá mover o corpo o bastante para se apoiar na borda da banheira, depois de algumas horas conseguirá mover-se normalmente, embora ainda sinta várias dores e ela recomenda que fique um tempo a mais deitado.
    Nimaru Souske
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1247
    Reputação : 42
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Re: Nascendo de Fogo e Cinzas (Lasair Mairth)

    Mensagem por Nimaru Souske em Sab Set 08, 2018 10:43 pm

    Ao lembrar das joias, Lasair tenta correr contra o tempo . Pediu que a demônio pegasse-as para ele e guardasse consigo até a próxima vez que se encontrassem.

    - Se tudo der certo, pode ficar com uma parte para você como recompensa. Falou para ela como forma de convencê-la a ajudá-lo, mesmo sabendo que havia a possibilidade de que ela fugisse com tudo.

    Não tivera muito tempo para ponderar sobre isso, pois fora pego pelo efeito do líquido que lhe tirou o ar e lhe fez perder cada vez mais a consciência, até que abriu seus olhos mesmo sem ter percebido que os havia fechado em algum momento.

    Estava confuso e totalmente sem saber onde estava, mas o desespero e a dor lhe fez alcançar uma saída por meio de toda aquela terra e, depois de mais uma perda de consciência, sentiu-se molhado.

    - Respirar... Nunca me senti tão bem em respirar. Fala ofegante, ao menos tenta, sem saber ainda quem escutava.

    Diante daquela situação, não parecia ter parado para notar quem lhe fazia companhia e onde estava, apenas a dor que sentia. Mas aos poucos, seus olhos que pareciam se dar bem com a penumbra conseguiram divisar a Escamosa. Lasair tenta sorrir.

    - Obrigado pela ajuda... se eu puder lhe recompensar de alguma forma... pode me falar... Estava mais calmo, mas ainda ofegante.

    Obedecendo as ordens da mulher, Mairth tenta mover seus membros de maneira lenta e cautelosa.

    - E você se preocupou com os aposentos de um morto? Acho que nunca pensei que morrer fosse bom assim. Brincou. - Mas, e aí? Conseguiu pegar as minhas coisas lá no bordel? Lasair fala enquanto não esconde o olhar que passava pelas joias que a demônio usava.
    Leomar
    Troubleshooter
    avatar
    Troubleshooter

    Mensagens : 969
    Reputação : 18
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png

    Re: Nascendo de Fogo e Cinzas (Lasair Mairth)

    Mensagem por Leomar em Dom Set 09, 2018 1:12 pm

    - É, dizem que morrer não é ruim, é só relaxar. Voltar à vida que é ruim, fazer o corpo funcionar de novo, fazer a energia circular... Isto pode doer.

    Ela ascende algo no quarto, provavelmente incenso, dava para sentir a fumaça, joga algo na água da banheira que a faz efervescer e espumar.

    - Sim, encontrei suas coisas. Até que não foi tão difícil. Deu um desfalque bom heim! Se eu soubesse que era um demônio rico teria lhe ajudado ainda mais cedo, haha. E olha que pensei que era um pé-rapado.

    Ela pega a bolsa de couro onde Lasair tinha escondido várias pedras e outras coisas que tinha conseguido se apossar durante um tempo. Tira algumas das joias que estava usando e as devolve para a bolsa, ela continua com algumas pulseiras e anéis, mas deveriam já ser delas, Lasair lembra de ter pego mais gemas e moedas que eram mais fácil carregar e trocar do que joias, mas ela fica também com um colar azul que este ele lembra de ter pego.

    - Gostei deste colar, acho que já vi uma lambisgoia lá da "taverna" usando. Acho que fica melhor em mim! O que acha? Fico bonita?

    Ela deixa a bolsa com as moedas, gemas e outras coisinhas à mão, demonstrando que quando ele conseguisse sair do estado de letargia, poderia pegar, e que deveria estar (quase) tudo que ele tinha furtado ali.

    - Bom, mas agora que você está morto e livre? Já pensou o que fazer? Mudará para o outro lado da cidade*, ou até de cidade? Pensa em tomar lado na guerra que tá correndo lá fora, ou vai só aproveitar a vida enquanto tem dinheiro?

    *obs.:
    Spoiler:
    a cidade de Dafodil é relativamente grande, o bastante para duas pessoas viverem nela por anos sem nunca se conhecerem, e além disto é basicamente dividida em duas partes principais:

    - a parte ocidental, comumente chamada de "A Necrópole", pois que nela tem um cemitério enorme que ocupa boa parte da área, só o cemitério tem uma área de aproximadamente 1800 Km² (tipo Araxá ou Ibiá) e além dos mortos, muita gente mora no cemitério. Esta parte da cidade é comandada principalmente por demônios adeptos de Ades.
    - a parte oriental possui mais áreas comandadas por grupos diferentes, mas em geral por grupos que não vão com a cara dos adeptos de Ades. Os dois principais grupos nesta parte da cidade são a Corte dos Milagres (La Cour des Miracles) comandada por súcubos e íncubos ligados ao deus Piro e o grupo Yüksek Kan comandado por humanos ligados aos governos de Gaja e Akvlando.
    - O bordel onde trabalhava, e portanto vivia, fica na parte ocidental do Rio da Serpente, portanto na Necrópole. Mais informações de Dafodil leia o tópico "4 coisas sobre".

    Lasair sabia que não tinha uma grande fortuna, mas numa cidade pobre como Dafodil (é grande em área, e claro, tem algumas áreas de pessoas mais ricas, mas a maioria da cidade é de pessoas pobres e miseráveis) o dinheiro que ele conseguiu juntar era considerável. Uma pessoa snob podia viver um dia com apenas uma moeda de ouro (um kon de ouro vale 25 kons de prata) uma pessoa relativamente podia viver dois dias e uma pessoa econômica três. Lasair Mairth tinha pelo menos 42 moedas de ouro, fora as de prata e as gemas, que precisariam ser avaliadas. Talvez algumas gemas valessem pouco, mas ele podia dar sorte. Podia ficar uns dias fora dos radares de todos, mas futuramente teria que pensar no que fazer.
    Nimaru Souske
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1247
    Reputação : 42
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Re: Nascendo de Fogo e Cinzas (Lasair Mairth)

    Mensagem por Nimaru Souske em Sex Set 14, 2018 9:39 pm

    Lasair balança a cabeça de forma afirmativa, confirmando a dor qual a Escamosa se referia em sua frase.

    - Eu não sou rico... Esbouça uma gargalhada em meio a dor. - ...Pelo menos ainda não. E enquanto ao colar, não vejo lugar mais apropriado para ele do que adornando sua beleza natural. Falou em tom galante, costumeiro nos momentos que tinha que atender algum cliente no bordel.

    Mairth olhou para a bolsa de moedas e joias.

    - Muito obrigado, novamente, por estar me ajudando... eu não sei como retribuir.

    Diante da pergunta sobre seu futuro, Lasair respirou fundo antes de responder.

    - Pretendia descansar um pouco até estar com meu estado físico completamente recuperado e, depois disso, quero usar desse dinheiro para conseguir ter influência na cidade... talvez começar pela parte oriental seja uma boa ideia de inicio.
    Leomar
    Troubleshooter
    avatar
    Troubleshooter

    Mensagens : 969
    Reputação : 18
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/912.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png

    Re: Nascendo de Fogo e Cinzas (Lasair Mairth)

    Mensagem por Leomar em Ter Set 18, 2018 9:40 pm



    Lasair fica boa parte do dia "revivendo" os músculos, a escamosa o ajuda. Os alongamentos doem um pouco, não só pelo tempo que ficaram parado pelo efeito do veneno, mas também porque a diaba parecia achar que eles podiam forçar um pouco mais do que Lasair estava acostumado. Depois de algumas horas de exercício forçado seu corpo já parece ter recuperado toda movimentação.

    Talvez já pudesse sair no dia seguinte, porém uma forte tempestade cai na cidade, e ele acaba tendo que ficar o segundo dia "preso" por ali.

    O quarto era na verdade uma caverna, agora dava para perceber. A diaba mantinha tudo quente e seco graças a uma fogueira, e mantinha também um incenso queimando quase o tempo todo, o que dava um cheiro doce ao lugar, um pouco enjoativo toda vez que uma vareta nova era queimada, mas que se acostumava em pouco tempo. Não havia muito luxo:

    Uma banheira, na qual ela fazia Lasair se banhar duas vezes por dia, tralhas diversas (entre panelas, ferramentas, varetas de incenso e outros) que ficavam arrumadas num canto ao fundo da caverna, uma mesa com um banco de madeira de três pés, um cabideiro onde ela deixava seu manto com capuz típico e uma cama.

    A diaba providencia também trazer e preparar a comida para ambos nestes dois dias. Ela não era lá nenhuma artista culinária, mas a comida apesar de relativamente simples era agradável.

    Como só havia uma cama os dois obviamente dormiram juntos as duas noites, nada que ele não tivesse acostumado e por sinal até agradável, embora Lasair tenha se sentido muito mais cansado logo depois de "esquentar a cama" dela, e isto ele não estava muito acostumado. Ela comenta.

    - Mmh, você parece estar bem mais forte que antes.

    - Ora! Deve ser os exercícios que estão ajudando.

    - Não se trata de força. Algo em você está mais forte. Diferente...

    Aquilo obviamente envaidecia o demônio. Para os demônios "força" era algo fundamental, mais até do que aparência (claro, senão estaria perdido naquele bordel). E mais importante ainda do que força física era a força mágica. Muitos íncubos e súcubos conseguiam pequenos ou grandes exércitos de seguidores pelo simples fato de terem maiores poderes mágicos. Era um tipo de magnetismo natural para os demônios.

    Os escamosos eram um grupo atípico: como os demais, admiravam quem possuísse grandes dons mágicos, mas não ficavam abobados por causa disto. Para eles não bastava ter dom mágico, mas sobretudo saber usá-los. Alguns acreditavam que era um grupo com dons mais forte que a maioria, outros acreditavam que eram apenas mais racionais, não seguindo qualquer íncubo ou súcubo incompetente só por terem dons desenvolvidos. Mas devido a natureza bem mais reservada e às vezes até anti-social ou paranoica dos escamosos, até os outros demônios sabiam pouco de suas verdadeiras capacidades. Muito do grupo era envolto em lendas e boatos, dos quais eles não faziam nada para confirmar ou desmentir, já que esta "aura" de mistério os beneficiava.

    Lasair nunca tinha despertado nenhum dom mágico. Estes dons demoram anos para se desenvolver, e muitos passariam a vida toda sendo capazes apenas das dobras mais básicas de todas, como criar um leve brisa, ondulações na água ou movendo sutilmente uma chama. De qualquer forma quando uma pessoa estava destinada a despertar algum dom, forte ou fraco, os primeiros sinais eram dados na adolescência. Para humanos ou demônios encarnados isto era por volta dos 13-14 anos ou menos, se nenhum sinal aparecesse até os 16 seria quase impossível que esta pessoa desenvolvesse algum dom e aos 18 já podia se considerar definitivamente um "quieto". Com 20 anos Lasair já não alimentava esperanças de despertar algum dom. Mas mesmo assim uma escamosa dizer-lhe que ele tinha algum tipo de "força diferente" era significativo. Mesmo que não soubesse o que significava ainda.

    A tempestade reduz ao longo deste segundo dia e a chuva para antes da manhã do terceiro, deixando Lasair livre para decidir o que fazer.

    impressões da cidade:
    Nestes dois dias pode interpretar qualquer diálogo possivelmente mais significativo com a escamosa, ou simplesmente deduzir que tiveram apenas um convívio agradável e passavam o dia nos exercícios e conversas comuns.

    Se ou quanto resolver atravessar a ponte para o outro lado da cidade, pode ter algumas das impressões aleatórias abaixo, pode escolher qualquer número delas, dependendo que quanto tempo gaste para andar por ai, ou podem tirar algumas nos dados, como preferir. A caverna da escamosa fica na parte ocidental (na Necrópole) porém mais afastada de alguns "pontos nevrálgicos" da Necrópole, e não seria difícil voltar lá às vezes, mesmo se quiser fixar-se na parte oriental da cidade. Observando ainda que: os dois lados da cidade costumam ter rixas e até guerras entre si de tempos em tempos. A parte oriental é um pouco menos pobre, mas pouca coisa. Há um número maior de grupos diferentes agindo na parte oriental, o que por um lado é bom já que eles se controlam mutuamente, por outro indica mais tensão. A cidade é relativamente grande, e portanto todas as coisas básicas que puder imaginar, a cidade deve ter.

    1 - Algumas nuvens tampam Hélius Flava por um minuto e meio, deixando a cidade mais escura, e neste breve tempo você tem a impressão de ver raios de luz vermelha indo de um lado a outro das nuvens. Mas a impressão passa logo que Hélius sai de trás das nuvens.

    2 - Um casal, com vestes de couro pesado e escuro e espadas longas longas se destaca na multidão. Eles parecem observar tudo em volta, e quanto percebem seu olhar o cara pergunta: TÁ OLHANDO O QUE?

    3 - Um meninos de 10-12 anos corre na rua e se esconde num beco. Logo atrás dois homens correm na mesma direção gritando algo. Quando o perdem de vista, ficam olhando ao redor, com raiva.

    4 - Alguns homens no porto cozinham um "monstro estranho" perto da praia. Na verdade era apenas um peixe enorme com mais de dois metros e algumas centenas de quilos, vendendo pedaços para quem quiser comprar.

    5 - Numa praça, um trio de artistas canta por moedas, um homem com violino, uma mulher com uma flauta e outra cantando. Ela tinha a voz bonita, mas a música era muito triste, mesmo não entendendo o idioma dela.

    6 - Uma mulher com roupa muito chamativa corre para o meio-fio e vomita. Dois homens vêm atrás dela, a ajudam ficar de pé, colocam uma moeda na mão dela falando algo em voz baixa e a levam para dentro de uma casa.

    7 - Num beco, você vê um corpo de um homem jogado num canto, cheio de marcas de facada, parece ter sido morto a pouco tempo.

    8 - Uma das ruas possui vários cartazes com rostos de pessoas desenhados, e algumas coisas escritas, tipo "recompensa" e "procura-se".

    9 - Uma mulher de meia-idade, roupas coloridas, para você na calçada e diz: "sinto uma magia forte em você! Por duas moedas eu posso ler o seu futuro!"

    10 - Bêbados cambaleiam por todos os lados, alguns urinam na rua, um deles pego com a "arma" do crime nas mãos é arrastado por alguém vestindo algo que parece um uniforme para sabe-se-lá-onde, o mijão pede misericórdia.

    11 - Perto do porto, homens e mulheres são vendidos como escravos por dois mercadores, um deles vendia escravos negros e altos, outro vendia escravos de pele parda, mais baixos e de ombros e quadris largos, eles eram concorrentes e pessoas nas ruas olhavam com indignação seletiva. Era uma das áreas mais bem vigiadas da cidade. Apenas um pequeno grupo de pessoas com vestes brancas gritavam contra os escravistas (em Esperanto, Yrdok e outra língua) frases como "arrependam deste pecado da escravidão", "No pós-vida seus escravos estarão melhores que vocês", "Raças inteligentes não foram feitas para serem escravizadas", "arrependam-se em nome da Virgem, escravagistas não entrarão nos Círculos Celestes".

    12 - Um rapaz anda na rua com uma faca na mão, ela dá um encontrão com uma mulher e corta a bolsa que ela levava no cinto. Ela não percebe na hora que foi roubada.

    13 - Ambulantes lotam uma praça, ao lado há também várias pequenas casas que vendem produtos diversos cada um tentando chamar atenção no grito para produtos das mais diversas qualidades. Uma moça chega perto, abre um sobre-tudo e mostra diversos frascos: "Iae camarada, produto do bom só com a Gazela aqui, o que você precisa? Remédio ou veneno? Tenho de tudo, e se quiser uns bagulhos mágicos te arrumo rapidinho, por um bom preço..."

    14 - Duas humanóides com feições felinas dançam na praça, pessoas jogam moedas no chão perto delas, de vez em quando algum homem (e mais raramente uma mulher) chega perto e tenta agarrá-las, mas elas sempre se esquivam, chutando as pessoas para longe, a o público gargalha toda vez que fazem isto.

    15 - Três mulheres gritam e trocam tapas na rua. Duas delas começam bater na outra, que cai no chão e é segurada pelos cabelos, mas quando elas pensam que iam poder arrebentar a terceira na porrada, ela gritra, e das mãos dela saem chamas, queimando o rosto de uma das mulheres que a agredia.

    16 - Você encontra uma moeda grande, caída numa rua meio escura.

    17 - Ouve-se com som alto de berrante vindo da direção do templo, e então dezenas de pessoas passam a caminhar para lá, algumas dando soquinhos no ar e recitando alguma coisa.

    18 - Alguns homens com chapéis de palha e sem camisa estão retirando escombros de uma casa, um deles grita: "Preciso de homens fortes, pago 3 kons a hora!"

    19 - Uma súcubo, alta e com grandes chifres, segurando uma caneca de bebida, chama pessoas na rua: "Bebida grátis para todos que participaram da vitória da Corte dos Milagres! Morte aos covardes de Ades! Morte aos covardes de Ades! Esta cidade é nossa." Alguns dão vivas e urras enquanto ela grita.

    20 - Dois homens fortes batem num cara fraco e magro, ele pede ajuda, mas ninguém parece se importar.
    Conteúdo patrocinado


    Re: Nascendo de Fogo e Cinzas (Lasair Mairth)

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Ter Out 23, 2018 6:17 am