Um fórum de RPG online no formato de PBF (Play by Forum).


    Introdução / ambientação

    Compartilhe
    Christiano Keller
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 204
    Reputação : 2

    Introdução / ambientação

    Mensagem por Christiano Keller em Qua Set 26, 2018 12:20 pm

    Bem vindo às terras de Yrth, um reino com uma incrível variedade de monstros, magia, raças e incluindo pessoas vindas da Terra e outros mundos pelo cataclísmico Banestorm!

    Mapa de Yrth

    O maior reino é Mégalos, cheio de problemas administrativos.
    O reino de Caithness tem pouca mana e uma guerra civil, mas é o que mais empodera as mulheres.
    Al-Haz é o centro do Islã e quer espalhar a fé, mas tem um desafio que é Mégalos.
    Al-Wazif é alvo constante de cruzadas a partir de Mégalos, mas sua posição central o torna muito rico pelo comércio.
    Cardiel, fruto das cruzadas de Mégalos mas independente é o mais próximo de uma integração cultural entre as várias religiões, mas suas riquezas e status estão divididos.
    Sahud, é um reino com referências orientais e com nômades.
    Zarak é o reino dos anões, famoso por seus itens de metal e joias.
    A Grande Floresta é habitada por elfos mas muitas vezes tratam apenas de sua vida sem interferir com os humanos, exceto em alguns casos específicos.

    Entretanto em meio a tudo isso um novo clamor começa a aparecer.
    Algumas pessoas surgem em várias cidades e começam a pregar novos valores, em alguns casos parecidos com os valores da região.
    Os discursos de apoio e encontros são brandos e cheios de promessas.
    As minorias são as mais abordadas e auxiliadas, com comida e abrigo.

    E agora em meio a este mundo você vive sua vida.
    Christiano Keller
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 204
    Reputação : 2

    Caithness - Ambiente de Banestorm

    Mensagem por Christiano Keller em Sab Set 29, 2018 2:52 pm

    CAITHNESS, Capital é Carrick (cidade de August Azif, Anastásia e Gerald de Araterre)

    O mais novo dos reinos de Ytarria, Caithness é pouco povoado, subdesenvolvido e destruído pela guerra civil. Na verdade, o "reino" hoje é pouco mais que um punhado de barões espalhados por centenas de quilômetros de território quase vazio. Por viverem tão distantes, os nobres de Caithness desfrutaram de grande autonomia. Historicamente, suas lealdades foram mantidas por uma série de governantes fortes. As coisas importantes eventualmente pioraram. O atual rei, Conall VI, de 35 anos, chegou ao trono muito jovem. Dentro dos primeiros anos de seu reinado, muitos senhores davam pouca atenção a assuntos fora de suas próprias terras, desfrutando da falta de supervisão. Dez anos atrás, esse desrespeito se transformou em inquietação e, em seguida, em franca rebelião. Hoje, Conall está lutando para reunir seu reino.

    GEOGRAFIA

    Caithness faz fronteira com a Grande Floresta ao sul, Mégalos a leste, as montanhas de Zarak ao norte e o Grande Deserto no Oeste. Por tratado, que os megalanos violam a cada poucos anos com uma pequena invasão, a fronteira de Caithness-Mégalos é definida onde o nível de mana cai de normal para baixo. Por causa do solo e clima pobres - e a invasão ocasional - estas terras fronteiriças são na sua maioria desabitadas. Caithness também faz fronteira com al-Haz e al-Wazif, mas graças aos ermos e à Grande Floresta, essas áreas permanecem amplamente inexploradas e mal mapeadas; não há razão para se importar exatamente onde estão as fronteiras.
    Planícies dominam Caithness, quebradas por madeiras frequentes e algumas florestas profundas. A maioria de suas chuvas vem como tempestades dos oceanos ocidentais ou do Sul, que de alguma forma varrem as terras balneares litorâneas e as montanhas antes de depositar suas chuvas no interior. Caithness é visivelmente mais úmida do que as terras a leste.
    É pouco povoada, mesmo no Norte bem estabelecido. As cidades são pequenas e distantes umas das outras; quase uma pontuação de comunidades pode ser denominada cidades. Estradas são trilhas bem marcadas de terra ou cascalho; a manutenção é esporádica e as pontes são frequentemente levadas pelos rios.
    A maior parte do comércio de Caithness se move ao longo de dois rios: o Upper Conn e o Smoke. Como ambos fluem para Mégalos, o Império é, de longe, o parceiro comercial mais importante de Caithness.
    Em tempos de guerra, os mercadores de Caithness sofrem. O comércio entre o norte e o sul de Caithness tem que passar principalmente pelos rios e por Craine, a um custo considerável, mas o comércio enriquece Craine e ganha aliados ali. As principais culturas incluem trigo, centeio, cevada, semente lightbush (ver Banestorm p. 94) e honeyroot, um legume Ytarrian cuja raiz tem um alto teor de açúcar. O reino é bem conhecido por suas cervejas e licores; Sterling Gold e Redhall Red são negociadas tão longe quanto a capital imperial, a preços premium. O vinho, por outro lado, é raro e caro; o clima é muito frio para as uvas. Ser servido vinho em Caithness é uma grande honra e requer uma resposta devidamente apreciativa.

    HISTÓRIA DE CAITHNESS

    Os megalanos colonizaram Caithness há cerca de 200 anos. A região era ideal para a colonização, exceto por dois pequenos problemas: mana insuficiente e muitos orcs. Mas em 1784, o terceiro filho do duque de Craine organizou um esforço colonial. Conall era um jovem inteligente, gentil e ambicioso que via pouco futuro para si próprio em Mégalos e recrutava um bando de colonos de mentalidade semelhante.
    Durante os primeiros anos em Caithness, os colonos passaram mais tempo lutando contra orcs do que construindo ou cultivando. Duas vezes antes de 1790, eles quase foram forçados a voltar para Mégalos. Gradualmente, porém, eles foram para o oeste. Em 1800, eles haviam estabelecido a fortaleza de Redhall, e a pequena cidade ao redor era autossuficiente. Em 1812, eles levaram os orcs para a beira do Grande Deserto. Exaustos e desmoralizados, os chefes dos orcs lideraram suas tribos através dos desertos, deixando Caithness para os humanos.
    Os anos que se seguiram foram um período de construção e crescimento pacíficos, à medida que mais colonos (humanos e halfling) se mudavam. Em 1822, o imperador convocou Conall para a capital imperial. Lá, o tribunal estendeu oficialmente as fronteiras imperiais para incluir o condado de Caithness e fez de Conall seu primeiro conde.
    No entanto, Caithness agora florescente não era lá muito bem um condado Mégalos. Em 1826, Conall declarou a independência e foi coroado rei Conall pelo seu amigo e confessor, Arcebispo Constantino de Clixtus.
    Logo depois, Constantino denunciou com precisão a Cúria como corrupta, dizendo que não tinha autoridade sobre Caithness. Assim, Caithness tornou-se política e espiritualmente independente. Nem o Imperador nem a Cúria aceitaram isso e, dentro de um ano, as legiões estavam em marcha. Em Nova Jerusalém, os Hospitalários, que consideravam a invasão uma cruzada contra os hereges, juntaram-se a eles. Felizmente para Caithness, os magos de batalha das legiões não puderam se ajustar à Caithness, pobre em mana, particularmente quando confrontados com os bruxos locais aclimatados. As legiões foram desmoralizadas pelos menores, porém determinados, exércitos de Caithness, e se retiraram. Os Hospitalários, embora menos dependentes da magia, ficaram sem apoio e recuaram também.
    Nas duas décadas seguintes, a necessidade forçou o Império a aceitar a soberania de Caithness. O comércio entre Caithness e Mégalos foi retomado e cresceu. Em 1844, o sucessor de Constantino, Giles of Fordham, encontrou-se com a Cúria. Eles anunciaram que resolveram as diferenças entre as duas igrejas, e a Igreja de Caithness reuniu-se com a de Mégalos.
    Nos últimos 180 e tantos anos, os descendentes de Conall I reinaram por seu lorde, Carrick. Nos últimos anos, no entanto, a unidade de Caithness entrou em colapso. Em 1975, o rei Morill III morreu, deixando seu filho de seis anos Conall como herdeiro. Embora sua mãe, a rainha Alys, tenha atuado como regente e feito esforços enérgicos, mas não qualificados, para defender sua posição, o poder do trono declinou na década seguinte. Muitos nobres ignoraram inteiramente o jovem príncipe. Senhores regionais guerreavam entre si e poucos enviavam seus impostos para Carrick. Quando Mégalos invadiu em 1982, lordes individuais tiveram que lutar contra a invasão sem ajuda real. Eles conseguiram, mas foi uma vitória cara.
    Conall VI foi coroado em 1985, com a idade de 16. A nobreza, em geral, não se impressionou. Na década seguinte, Conall tentou reafirmar a autoridade real, com sucesso limitado. Em 1994, refugiados da Castle Defiant, uma fortaleza humana no sudeste de Orclands, convenceram Conall a enviar ajuda através do deserto. Sua situação se tornou precária e os refugiados insistiram que sem o auxílio Defiant seria invadido por orcs em poucos meses. Conall concordou e liderou a expedição pessoalmente.
    Esta foi a oportunidade que Lord Deneral de Mershall estava esperando. Deneral se opusera a Conall por décadas e suas forças haviam se chocado repetidamente. Acreditando Carrick indefeso, Deneral atacou, pretendendo adicioná-lo às suas próprias terras e deixar o rei sem um castelo.
    Infelizmente para ele, Conall esperava traição. A guarnição que ele deixou para trás foi o melhor de seu povo, incluindo a maioria dos Cavaleiros da Pedra. Além disso, ele havia organizado uma comunicação mágica constante. Ele prontamente voltou para Carrick, não tendo ido além do corpo de Wallace. Ajudado pelos aliados de Tácito, ele esmagou as forças de Deneral. O próprio Deneral escapou para Sterling.
    Conall começou a incorporar Mershall em Carrick. Resistência dentro de Mershall foi firmemente colocada para baixo. Em alguns casos, os homens de Conall eram firmes demais; Agentes de Deneral exageraram esses incidentes em brutalidade sistemática. Enquanto isso, em Wallace, os refugiados da Defensoria do Castelo acreditavam que Conall havia explorado sua situação para extrair Deneral e nunca pretenderam ajudar seus parentes através do deserto. Na verdade, Conall planejara enviar uma segunda expedição quando as coisas se acalmassem, mas ele nunca teve a chance. Enquanto ele ainda estava pacificando Mershall, um último grupo de refugiados relatou que o Defiant havia caído.
    Os próximos anos foram cada vez mais caóticos; os senhores de Sterling e Oakwood morreram em rápida sucessão, e seus herdeiros eram muito menos leais a Conall. Em 1999, Conall repreendeu publicamente Lord Marsden de Donlis por lucrar com a pirataria fluvial e impôs um aumento acentuado nos impostos. Deneral, ainda exilado em Sterling, usou isso como um grito de guerra para os lordes rebeldes, e começou o que é comumente conhecido como a Rebelião Sterling, ou a Guerra Civil de Caithness, que continua até hoje.

    SOCIEDADE

    A sociedade da caithness é diretamente feudal e mais tolerante que a de Mégalos. A mentalidade de fronteira é forte; competência e a autoconfiança é valorizada, enquanto a pompa e o fingimento são desprezados. O senhor que suja as mãos tem mais respeito do que o nobre que bebe vinho enquanto seus camponeses trabalham.
    Há também uma tensão definida do machismo. Passatempos como a caça, a pecuária, a falcoaria e a criação de cães são mais respeitados que atividades artísticas como a pintura e a escultura. As danças em Caithness tendem a ser batidas de pé, não as imponentes e lentas de Mégalos.
    As mulheres são geralmente bem-vindas em todas as atividades. Falcoaria é particularmente popular entre as nobres sem ser considerado afeminado. No entanto, as senhoras que exercem atividades tradicionalmente femininas (por exemplo, bordados) também são valorizadas como as flores da cultura em uma terra difícil.
    Os Caithnessers veem a sociedade megalesa como pretensiosa e decadente. Os nobres megalanos, portanto, têm uma Reputação negativa (-1; tão pomposo; Entre Caithnessers, um grande grupo em campanhas envolvendo Caithness; O tempo todo). Apenas os mais famosos cavaleiros megalanos superam isso. Os comerciantes megalanos geralmente não confiam e têm uma reputação semelhante (-1; como fraudulentos e coniventes; entre os Caithnessers; o tempo todo) até estabelecerem uma relação de trabalho. Devido à força da Igreja em Caithness, muçulmanos, judeus e pagãos humanos têm a desvantagem do Estigma Social (Grupo Minoritário).
    Ao contrário de Mégalos, Caithness oferece ampla oportunidade para o avanço social. Uma história de um escravo tornando-se rei seria um improvável épico, mas muitos dignos Caithnessers subiram pelo menos um degrau na escala social. E funciona nos dois sentidos: “Se o jovem Jack não for digno, o velho Jack pode ser enforcado”. Em outras palavras, as ações são mais importantes do que a reprodução.
    Há muitas maneiras de as pessoas avançarem. Um escravo ou servo pode realizar um grande serviço e ser libertado por seu mestre, ou ele pode fugir e mudar seu nome, ganhando um segredo e, provavelmente, um inimigo. Um homem livre pode distinguir-se com capacidade administrativa e ser nomeado prefeito da cidade, ou seguir uma carreira militar, tornando-se capitão. Uma reputação brilhante como um comerciante pode trazer riqueza e algum status embora nenhum título. Um prefeito ou capitão que serve ao seu senhor durante uma crise pode ser feito governador de um lorde. Isso também pode ser alcançado ao liderar uma expedição de assentamento bem-sucedida em uma parte não desenvolvida do feudo do lorde.

    A LEI

    Caithness lei segue o padrão de Megalos, embora seja menos grave já que em Megalos a execução é mais rotineira. Casos são ouvidos em público pelo senhor regional. Apesar de julgamento por júri ser inédito, a decisão do senhor é geralmente influenciada pelos sentimentos da multidão. Ser pego subornando a multidão não é uma boa ideia. O uso da magia na determinação da culpa raramente é sugerido e, menos frequentemente, aprovado.
    A justiça de Caithness enfatiza a compensação das vítimas ou de suas famílias. Por esta razão, as multas são a forma mais comum de punição e são geralmente muito grandes. Criminosos que não podem pagar (vendendo bens, apelando a parentes, ou vendendo anos de serviço) são vendidos à Coroa como escravos, pela metade do preço normal. A compensação da vítima, então, vem dos lucros. O senhor regional dispõe de qualquer dinheiro restante, tipicamente dividindo-o entre o baronato, o senhor que preside o julgamento e as pessoas que prenderam o criminoso.

    ESCRAVIDÃO

    Os escravos são raros em Caithness em comparação com outras terras. Criminosos que são propriedade do Rei podem acabar mantendo estradas ou fortificações reais, reduzindo a necessidade de camponeses em domínios reais, ou envolvidos em trabalhos lucrativos para cobrir o custo para a coroa de comprá-los. É ilegal que cidadãos particulares possuam escravos por lei; a maioria dos escravos de propriedade privada são escravos por captura (por exemplo, antigos invasores orcs) ou por escolha.

    A GUERRA CIVIL

    Dos lordes de Caithness, todos, com exceção de três, escolheram um lado na Guerra Civil. Apoiando King Conall VI são os senhores de Deerwood, Durham, Fordham, Redhall e Tacitus. Dame Lorena, de Deerwood, Lorde Berd, de Fordham, e o barão Elohar, de Tacitus, gostam muito do rei, mas a baronesa Bronwyn de Durham não se manifestou, e Lorde Lathan de Redhall só é leal por princípio.
    Os rebeldes são os senhores de Denton, Donlis, Ferrier, Oakwood, Sterling e Wallace. Os membros principais são Brance de Oakwood e Towne de Sterling; ambos contam Deneral como um amigo. Raiva sobre as ações do rei contra Lorde Marsden de Donlis foi o pretexto para a guerra, mas Marsden é bastante indiferente sobre isso, embora ele certamente queira ser independente da coroa, como faz o Barão Nabbick de Ferrier. O único motivo do Barão Cabble de Denton é seu desejo de agarrar o território na confusão. Lorde William de Wallace, por outro lado, sente genuinamente que Conall é um mau rei.
    A Igreja em Photius permanece oficialmente neutra, mas em particular o arcebispo Siccius favorece Conall. Também são neutros os lordes de Blythe e Harkwood - um efetivamente destruído, um ocupado por elfos - e Simonton, cujo lorde simplesmente se recusou a participar. Entre os não-humanos, os elfos são inflexivelmente neutros. O Zarakun favorece o rei; eles respeitam tradição e autoridade forte, e ele é um bom parceiro comercial. Este favor ainda não se estendeu ao apoio militar real. Os halflings de Caithness são tipicamente leais ao seu lorde local; eles fazem soldados pobres, mas excelentes espiões.
    Nos últimos anos, a guerra tem sido tão fria quanto quente; meses e até anos podem passar em trégua virtual. Ela começou com alguns ataques e contra-ataques, principalmente entre Sterling e Redhall, alguns entre Wallace e Carrick. No entanto, nenhum dos lados tem uma vantagem decisiva, e ambos os lados têm inimigos para leste e oeste. Os movimentos de tropas em larga escala deixam os lordes desprotegidos, de modo que a guerra é caracterizada por espionagem, sabotagem ocasional e ataques relativamente pequenos. A longo prazo, o rei provavelmente será o vencedor, mas isso pode não acontecer antes que o reino seja consumido por seus inimigos - e não é de modo algum certo que o reino não se dividirá em Caithness do Norte e do Sul, ou mesmo em países independentes.

    (SE ALGUÉM QUIZER MAIS INFORMAÇÔES, AVISE)
    Christiano Keller
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 204
    Reputação : 2

    Introdução / ambientação

    Mensagem por Christiano Keller em Dom Set 30, 2018 4:51 pm

    De Craine para Carrick.

            A cidade de Craine é famosa por suas amplas ruas, construções magníficas de granito e mármore, mas sobre tudo por ser um grande centro de comércio com Caithness. Como uma cidade cheia de oportunidades o cavaleiro Sir Magnus de Calatrava @Melroc procura por novas oportunidades de trabalho e bondade. As melhores opções para cavaleiros treinados estão relacionadas ao serviço de segurança ou guerra. Nesta época do ano há muitas caravanas indo de Craine para Caithness. O princípio de primavera nos faz lembrar que a necessidade por artigos após o inverno é crescente.
             As pessoas nas ruas falam sobre os mais diversos assuntos, mas agora é comum ouvir sobre intolerância, vítimas do Império, roubos e agressões para pessoas que conseguiram guardar ou poupar recursos. Nesta época os mercadores deveriam preocupar-se com produtos para as novas plantações e reparos para os danos do frio, mas segurança e confiança permeiam seus negócios.
             Certamente a confiança sempre foi um produto muito importante e de pouca disponibilidade, por isso os cavaleiros errantes são muito bem pagos para participar de caravanas.



            Para Caithness a caravana que oferece melhor pagamento é pelo rio até Carrick, melhor do que caminhar ou ficar exposto aos perigos da mata. Entretanto com cargas mais valiosas.
            Enquanto Sir Magnus de Calatrava andava pelas ruas próximas ao porto:
         -- Sir, meu nome é Erick Clarus, mercador das mais variadas peças, preciso de um hábil cavaleiro para minha humilde embarcação. Gostaria de juntar-se a nós? Tenho: um pequeno Trireme, um cavaleiro da Pedra, oriundo de Carrick que quer retornar pra casa e uma carga de ferramentas. Para uma viagem de 2 semanas ofereço comida, bebida e 350 moedas, sendo metade no embarque e metade na entrega. Nosso trireme possui uma tripulação de 10 remadores.




    Um novo dia começa em Carrick.

            Anastásia @Ivana Krutinsky está sempre disposta para seus treinamentos matinais e hoje é dia de corrida. Uma corridinha leve de 10 km em menos de uma hora servirá para abrir o apetite. O nascer do sol é lindo no horizonte, mas um objetivo está presente e ela o persegue.
            Durante sua corrida é possível perceber que o turno da noite teve trabalho. Outro assalto ou agressão ocorreu do lado de fora da cidade, possivelmente outro pobre mercador que foi vítima de mendigos e pedintes. O inverno acabou mas algumas pessoas não fizeram sua prevenção ou esqueceram que a safra será apenas em 6 meses. Assim como ela treina todos os dias por conta de suas escolhas e objetivos, as outras pessoas também deveriam perseguir seus objetivos e arcar com suas consequências. A cigarra e a formiga, história de crianças mas que tem um significado enorme.
            Após seu treino já é hora de arrumar-se para mais um dia e uma boa refeição no alojamento da guarda da cidade. O uniforme sempre impecável e o cabelo precisam ficar em harmonia. No alojamento da gaurda os soldados do turno do dia já se organizam e as atividades para patrulha do dia estão no quadro de avisos. Hoje Marina e Anastásia irão patrulhar a região nordeste próxima do rio Conn.
         --Atenção tropa do dia, o turno da noite relatou mais uma agressão aos mercadores nas regiões externas da cidade. Este foi o décimo primeiro caso seguido, portanto alguém está bem ocupado e cheio de mercadorias por ai. Vou repetir para garantir que ninguém vá fazer besteira, os relatos dos sobreviventes são de que várias pessoas os atacaram, grupos entre 15 e 25 pessoas desarmadas ou com armas improvisadas, mesmo com guardas o volume pode sobrepujar a escolta dos mercadores mais pobres. Portanto se encontrarem alguma pista, fiquem vivos para notificar a guarda.
            Marina, uma jovem recruta em busca de mais emoção, diz para Anastásia.
         --Um passeio perto do rio num lindo dia de primavera. Quem diria que poderíamos ser pagas para passear? Não sei por que o capitão passa estes serviços pra gente. Poderíamos procurar contrabandistas, perseguir estes agressores ou até ajudar o Rei contra os lordes rebeldes. Ouvi alguém do turno da noite falando que foi um ataque oculto. Não conheço nenhum ataque oculto, talvez alguém que esconda as armas? Mas treinamos o saque rápido para estas coisas. Vi o Jorge essa manhã arrumando os cantis, acho que ele não limpa eles direito...
            Marina segue falando, quando você acha que ela vai tomar um fôlego ela já está em outro assunto, mas ela é assim e Anastásia está acostumada.
            A beirada do rio Conn é cheia de árvores e toda patrulha envolve escolhas, procurar mais detalhadamente em algum lugar procurando detalhes ou cobrir uma área maior procurando pistas maiores? Qual será a escolha do dia?

    Foto de árvores e rio


    O mercado, uma terra de oportunidades e experiências sem muito exercício físico.

            Para Gerald de Araterre @Vontheevil um novo dia no mercado é um novo bom dia. Agora no início da primavera as cargas de ferramentas vindas de Craine ou de Zarak serão as melhores oportunidades de lucros. Após um belo café da manhã em casa não há nada melhor que os aperitivos frescos no mercado, o pão quentinho, as amostras de presunto cru, talvez até um queijo fresco. Entretanto o mercado está com um tom diferente, algo preocupa os mercadores mais simples. Outro mercador foi agredido juntamente com seus 2 guardas por um grupo de pessoas. Ataques durante o inverno ou até antes de conseguirmos trazer mais comida para os servos mais pobres já ocorreram no passado, mas a Igreja e a guilda faz doações regulares para aqueles que trabalham mas precisam então não haveria necessidade de tudo isso. Pelos relatos da guilda já foram 50 ataque este ano.
            Na vida de Gerald todos os dias são de trabalho, sem ele não há comida para sua família e assim como formigas ele precisa pegar todos os grãos disponíveis o tempo todo. É um processo recorrente que não oferece muito espaço para descanso ou entretenimento. Mas agora a preocupação com a segurança começa a passar por sua cabeça, um ataque como o que ocorreu com outros mercadores dentro dos muros da cidade poderia ser uma questão de tempo e mesmo assim como ficariam as cargas que precisa receber de seus parceiros comerciais ou suas promessas de entrega para seus clientes? Quem seria adequado para sua proteção? Um guarda honesto que não o roubaria, um brutamontes que aceitaria fechar os olhos para uma atividade de comércio mais flexível ou um cavaleiro errante que teria que defender sua honra ao servir seu contratante?
             Mesmo assim o que fazer em mais um dia no mercado?


    O livro e suas páginas maravilhosas

             August Azif @hello sempre lê seu livro, mas agora aparecem novas complexidades que talvez seja necessário sair e procurar por mais informações. Talvez um novo livro ou alguém que possa ajudar a decifrar alguma palavra mesmo fora do contexto. Alguns mercadores são versáteis em muitas línguas ou algum viajante de um reino distante ou algum sacerdote, talvez algum deles possa ajudar. Com o hábito de ouvir mais do que falar há rumores de um novo culto na cidade, um culto contra o império, contra a opressão, mas será um culto que busca por seu livro? Será que o impensável aconteceu e eles o encontraram?
           -- Não!
           Diz August para si mesmo em voz alta. E pensa colocando sua mente no lugar ninguém está buscando o livro, ninguém sabe que ele existe e que ele está comigo.
           Mas é preciso investigar mais e traduzir mais, ficar aqui parado já esgota o que posso fazer e preciso de alguma informação nova, talvez uma experiencia nova que faça algo novo com o livro. Carrick é uma grande cidade, capital de Caithness, com mercadores de todos os tipos. Sim, mercadores e quem sabe dentre eles pessoas que estariam dispostas a vender qualquer coisa pelo preço certo. Eles tem redes de contatos, talvez um passeio pelo mercado traga uma nova oportunidade.
           Ao caminhar pela manhã no mercado é possível escutar as mais diferentes conversas, desde produtos para plantação, ferramentas, armas, mas um tema se destaca. Mais um mercador foi agredido na noite passada por pessoas pobres com armas improvisadas e os eventos são similares aos de outros ataques que ocorreram no ano, algo recorrente, premeditado e que cresce dia a dia. As pessoas atribuem os eventos a um Culto contra o Império, mas não está claro se estão do lado dos Rebeldes mas certamente não estão do lado de nossa majestade o Rei Connal IV. Quem será que teria uma boa rede de contatos? Talvez um mercador de fora da cidade, alguém que não seja de Carrick, talvez alguém que não seja de Caithness, preferencialmente de um lugar mágico, mas quem? Onde poderia encontrar alguém de Araterre?




    PESSOAL, ESPERO QUE ESTE FORMATO ESTEJA ADEQUADO, SE TIVEREM COMENTÁRIOS OU SUGESTÕES ESTOU ABERTO
    hello
    Troubleshooter
    avatar
    Troubleshooter

    Mensagens : 791
    Reputação : 5

    Re: Introdução / ambientação

    Mensagem por hello em Dom Set 30, 2018 6:22 pm

    Off: Tá ótimo o formato, to curiosíssimo para ver como que vai ser o Aspecto, realmente me animei com essa aventura, to pensando em fazer um teste de pesquisa caso não encontre nada, talvez pesquisa ou literatura pra achar algo útil, mas antes: 

    August sai de sua casa, ele tem que se apressar pois se achar algo, pode não ter tempo para ir trabalhar, por mais que ele leia o livro inclusive na biblioteca, ele ainda atende as pessoas e ajuda os outros lá, apesar de que com bem menos frequência. Ele chega no Mercado e checa para ver se o livro ainda está lá, mesmo dizendo para si mesmo que ninguém sabe do livro, parece que isso não é verdade, ele começou a desconfiar mais das pessoas, pode não aparentar, mas agora ao virar as costas ele dá uma olhada para trás sempre. Ao chegar lá ele continua andando, procura algo ou alguém no mercado que pareça diferente de algum jeito, também vai nas barracas tanto para disfarçar sua busca quanto para ocasionalmente perguntar sobre esse caso estranho que ocorreu.  


    OFF2: Tenho pesquisa na ficha mas acho que não conta nessa situação(seria manha eu diria Sad), vou rolar um dado para caso seja necessário, devo dizer também que caso eu sinta a vida de um flashback ou as vozes comecem a se intensificar eu vou procurar um lugar isolado ou tentar voltar pra casa.
    OFF3: Só avisando que tenho paranoia, esse "não" não é oque meu personagem realmente pensa, só tenta se convencer disso, no final é que nem o Um anel, parece que todos sabem que tá com você e querem rouba-lo.
    Christiano Keller
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 204
    Reputação : 2

    Re: Introdução / ambientação

    Mensagem por Christiano Keller em Dom Set 30, 2018 9:29 pm

    @hello escreveu:Off: Tá ótimo o formato, to curiosíssimo para ver como que vai ser o Aspecto, realmente me animei com essa aventura, to pensando em fazer um teste de pesquisa caso não encontre nada, talvez pesquisa ou literatura pra achar algo útil, mas antes: 

    August sai de sua casa, ele tem que se apressar pois se achar algo, pode não ter tempo para ir trabalhar, por mais que ele leia o livro inclusive na biblioteca, ele ainda atende as pessoas e ajuda os outros lá, apesar de que com bem menos frequência. Ele chega no Mercado e checa para ver se o livro ainda está lá, mesmo dizendo para si mesmo que ninguém sabe do livro, parece que isso não é verdade, ele começou a desconfiar mais das pessoas, pode não aparentar, mas agora ao virar as costas ele dá uma olhada para trás sempre. Ao chegar lá ele continua andando, procura algo ou alguém no mercado que pareça diferente de algum jeito, também vai nas barracas tanto para disfarçar sua busca quanto para ocasionalmente perguntar sobre esse caso estranho que ocorreu.  


    OFF2: Tenho pesquisa na ficha mas acho que não conta nessa situação(seria manha eu diria Sad), vou rolar um dado para caso seja necessário, devo dizer também que caso eu sinta a vida de um flashback ou as vozes comecem a se intensificar eu vou procurar um lugar isolado ou tentar voltar pra casa.
    OFF3: Só avisando que tenho paranoia, esse "não" não é oque meu personagem realmente pensa, só tenta se convencer disso, no final é que nem o Um anel, parece que todos sabem que tá com você e querem rouba-lo.

    Enquanto busca pelo mercado ele ouve os cometários sobre as plantações, a necessidade de ferramentas, quais as sementes estão disponíveis e sobre os problemas de segurança. Parece que outra pessoa de posses foi atacada juntamente com seus guardas na noite anterior fora da cidade. O serviço de segurança está sendo requisitado, assim como armas e armaduras. Algumas pessoas argumentam que seria uma nova forma dos lordes Rebeldes causarem transtornos na cidade enquanto alguns dizem que não faz sentido querer armar a população já que se não tiverem armas seria uma guerra mais fácil. Eis que surge um nome em meio aos murmúrios, Araterre, Gerald de Araterre. Uma terra estrangeira, um comerciante, alguém com contatos, um lugar de magia, muita magia e talvez com respostas. Precisava encontrar Gerald de Araterre, mas onde?
    Entretanto a resposta lógica e simples aparece, algum outro mercador deve conhecer Gerald de Araterre.
    -- Prezado mercador, seira está a loja de Gerald de Araterre?
    -- Meu senhor, essa não é a loja de Gerald, mas posso ajudar com uma capa ou manto? Talvez um belo enfeite para uma dama?
    -- Agradeço a oferta, mas continuarei procurando.
    August começar a vira-se lentamente para localizar outro mercador.
    -- Posso ajudar na sua procura meu senhor, talvez uma bebida, um tônico, uma poção?
    Ao perceber que August não irá comprar nada ele diz:
    -- A loja de Gerald é aquela ali. Entretanto a esta hora ele deve estar rondando o mercado em busca de bolinhos frescos. Saberá quem ele é quando o vir, é estrangeiro, gordinho e usa roupas um pouco diferente das nossas.
    August vai em direção à loja de Gerald, mas ele não está, apenas os servos.
    -- Bom dia meu senhor, como posso ajudar? - Diz um dos servos.
    vontheevil
    Sacerdote de Cthulhu
    avatar
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2918
    Reputação : 14
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1212.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/612.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/512.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Re: Introdução / ambientação

    Mensagem por vontheevil em Seg Out 01, 2018 10:08 am

    GERALD

    Compro aperitivos entre os conhecidos e fico de ouvidos abertos a falas, puxo assunto com todos para saber do problema de segurança, enquanto procuro saber quem foi o atacado. Se eu descobrir o nome dele comprarei uma grande cesta de palha onde colocarei um bom vinho temperado para servir como fortificante e alguns alimentos fortes e gordurosos para garantir o pronto reestabelecimento do comerciante agredido. Mando entregar a cesta junto com um aviso de que estou pronto para conversar assim que ele estiver se sentindo melhor.
    "Algo mais sério tem que ser feito, se a guarda da cidade está fraca e não está protegendo o comércio os próprios comerciantes precisarão fazer isso, assim como é nos mares" Gerald rumina seus pensamentos "Comércio é o que impede a barbárie, só existe civilização por causa do comércio"

    Mesmo sabendo que as informações viajem devagar Gerald escreve algumas cartas. Uma para seu sócio Ismael, uma para seus gerentes em Tem-Tin e para Allhalabad, e uma ultima para Jairo, seu irmão mais chegado.
    Em suas cartas Gerald fala sobre o que está acontecendo, aconselha a aumentar a segurança das caravanas e para seu sócio e para seu irmão somente pede conselhos. Gerald lacra as cartas com cuidado e entrega para o seviço de mensagens da guilda de comerciantes. Antes de voltar atrasado para sua loja voltar a trabalhar
    Christiano Keller
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 204
    Reputação : 2

    Re: Introdução / ambientação

    Mensagem por Christiano Keller em Seg Out 01, 2018 11:57 am

    @vontheevil escreveu:GERALD

    Compro aperitivos entre os conhecidos e fico de ouvidos abertos a falas, puxo assunto com todos para saber do problema de segurança, enquanto procuro saber quem foi o atacado. Se eu descobrir o nome dele comprarei uma grande cesta de palha onde colocarei um bom vinho temperado para servir como fortificante e alguns alimentos fortes e gordurosos para garantir o pronto reestabelecimento do comerciante agredido. Mando entregar a cesta junto com um aviso de que estou pronto para conversar assim que ele estiver se sentindo melhor.
    "Algo mais sério tem que ser feito, se a guarda da cidade está fraca e não está protegendo o comércio os próprios comerciantes precisarão fazer isso, assim como é nos mares" Gerald rumina seus pensamentos "Comércio é o que impede a barbárie, só existe civilização por causa do comércio"

    Mesmo sabendo que as informações viajem devagar Gerald escreve algumas cartas. Uma para seu sócio Ismael, uma para seus gerentes em Tem-Tin e para Allhalabad, e uma ultima para Jairo, seu irmão mais chegado.
    Em suas cartas Gerald fala sobre o que está acontecendo, aconselha a aumentar a segurança das caravanas e para seu sócio e para seu irmão somente pede conselhos. Gerald lacra as cartas com cuidado e entrega para o seviço de mensagens da guilda de comerciantes. Antes de voltar atrasado para sua loja voltar a trabalhar


    GERALD

    As pessoas comentam sobre os roubos, não são apenas furtos. Um grupo está deliberadamente atacando pessoas de posse, não mataram até agora exceto quem reagiu mais forte, mas deixam marcas em suas vítimas como cortes, olhos roxos ou hematomas. Os atacantes falam sobre opressão, que são excluídos da sociedade pois não tem nada e são vítimas do Império. Entretanto o que fazem com o produto do roubo? Como se desfazem das coisas? Essas perguntas não foram nem levantadas pelas pessoas.
    A vítima de ontem foi Frederic Talmor, um fazendeiro da região que leva uma vida confortável, mas membro da Guilda de Mercadores de Carrick. Sua carga de legumes desidratados foi roubada e comida após o inverno sempre está num bom preço. Um dos servos prontamente entregará a cesta e o recado.
    Enquanto retorna para sua loja, Gesmond avisa que um velhinho, que acha que é da biblioteca local procurava por ele e indicou onde era sua loja.
    Logo mais o servo retornará com um bilhete de agradecimento e um convite para uma reunião hoje ao por do sol na Guilda dos Mercadores. As cartas foram despachadas.
    Ao chegar perto de sua loja Gerald vê o velhinho falando com um servo no balcão.
    Melroc
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1048
    Reputação : 0

    Re: Introdução / ambientação

    Mensagem por Melroc em Seg Out 01, 2018 5:09 pm

    MAGNUS

    O jovem Cavaleiro ficou impressionado com a cidade de Craine, em sua terra natal havia grandes cidades, mas não tão grande quanto ela, talvez apenas Calder, a capital. Magnus pensava que se Craine era daquele tamanho, a cidade de Mégalos deveria ser realmente grandiosa. O pouco tempo que permaneceu na cidade foi o suficiente para visitar o local que o fez parar ali em sua viagem para Caithness, O tumulo de São Guiles estava nesta cidade e um grande igreja fora construída no local. Como bom Cristão, Ser Magnus deu algumas moedas aos pedintes e doentes do local, prostrou-se diante do tumulo e fez uma oração ao santo. Pediu proteção e discernimento para reconhecer o caminho certo a seguir. Na saída fez uma pequena doação aos monges do templo e seguiu seu caminho.

    O Jovem de Calatrava procurava trabalho e percebeu que uma guerra se aluviava ao sul nas fronteira com Al-Wazif. Já havia se envolvido em problemas nas fronteiras do outro lado das terras daquele povo, quando perseguia ladrões de gado e escravagistas ilegais, mas uma guerra santa parecia demais para um tolerante cavaleiro de Cardiel. Mesmo assim, era uma boa opção, já que Magnus sabia falar o Árabe e poderia trabalhar de interprete. Ele apenas se perguntava: Será que do outro lado da fronteira, Al Wazif estaria se preparando também?

    Mas o que o cavaleiro desejava mais, era ir para o oeste e sabia que a opção mais segura seria com alguma caravana ou navio mercante que fosse para lá. Por isso, buscou alguma delas nos mercados locais e no porto. Foi assim que encontrou-se com Erick Clarus. A proposta do mercador era tentadora, um bom dinheiro por alguns dias de viagem pelo rio, com comida e bebida garantida! Suas orações a São Guiles foram ouvidas, pensava o jovem cavaleiro cristão.

    O Cavaleiro do sul recebe Erick com um sorriso:

    - Minha espada está a sua disposição Mestre Mercador! - faz uma reverência curta enquanto continua - Sou Ser Magnus de Calatrava e venho de Cardiel, como pode ouvir pelo meu sotaque!

    Não conhecia a Ordem da Pedra e tentou lembrar-se de qualquer coisa sobre ela, mas ter um cavaleiro de Caithness na viagem lhe pareceu interessante. Poderia conhecer um pouco mais sobre a cavalaria Caithnessense.

    - Diga-me Mestre Eric, quando partimos?

    O cavaleiro não tinha muito o que preparar e estaria pronto em algumas horas, bastava buscar seus poucos pertences na hospedaria.

    TESTE::

    Conhecimento de terreno (Ytarria) -> Para Magnus lembrar de algo sobre a Ordem de Pedra de Caithness
    Melroc efetuou 3 lançamento(s) de dados (d6.) :
    6 , 6 , 1

    OFF::

    OFF 01:
    Gastar $15 com doação aos pobres e doentes;
    Gastar $100 com doação para os monges da Igreja de São Gaules;

    OFF 02:
    Somente uma sugestão: Que tal separar os personagens em outros tópicos, pelo menos aqueles PJ que estão solo?
    Acho que vou ficar bem perdido sobre qual post é pra mim neste formato de tópico único.
    Christiano Keller
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 204
    Reputação : 2

    Re: Introdução / ambientação

    Mensagem por Christiano Keller em Seg Out 01, 2018 5:53 pm

    @Melroc escreveu:MAGNUS

    O jovem Cavaleiro ficou impressionado com a cidade de Craine, em sua terra natal havia grandes cidades, mas não tão grande quanto ela, talvez apenas Calder, a capital. Magnus pensava que se Craine era daquele tamanho, a cidade de Mégalos deveria ser realmente grandiosa. O pouco tempo que permaneceu na cidade foi o suficiente para visitar o local que o fez parar ali em sua viagem para Caithness, O tumulo de São Guiles estava nesta cidade e um grande igreja fora construída no local. Como bom Cristão, Ser Magnus deu algumas moedas aos pedintes e doentes do local, prostrou-se diante do tumulo e fez uma oração ao santo. Pediu proteção e discernimento para reconhecer o caminho certo a seguir. Na saída fez uma pequena doação aos monges do templo e seguiu seu caminho.

    O Jovem de Calatrava procurava trabalho e percebeu que uma guerra se aluviava ao sul nas fronteira com Al-Wazif. Já havia se envolvido em problemas nas fronteiras do outro lado das terras daquele povo, quando perseguia ladrões de gado e escravagistas ilegais, mas uma guerra santa parecia demais para um tolerante cavaleiro de Cardiel. Mesmo assim, era uma boa opção, já que Magnus sabia falar o Árabe e poderia trabalhar de interprete. Ele apenas se perguntava: Será que do outro lado da fronteira, Al Wazif estaria se preparando também?

    Mas o que o cavaleiro desejava mais, era ir para o oeste e sabia que a opção mais segura seria com alguma caravana ou navio mercante que fosse para lá. Por isso, buscou alguma delas nos mercados locais e no porto. Foi assim que encontrou-se com Erick Clarus. A proposta do mercador era tentadora, um bom dinheiro por alguns dias de viagem pelo rio, com comida e bebida garantida! Suas orações a São Guiles foram ouvidas, pensava o jovem cavaleiro cristão.

    O Cavaleiro do sul recebe Erick com um sorriso:

    - Minha espada está a sua disposição Mestre Mercador! - faz uma reverência curta enquanto continua - Sou Ser Magnus de Calatrava e venho de Cardiel, como pode ouvir pelo meu sotaque!

    Não conhecia a Ordem da Pedra e tentou lembrar-se de qualquer coisa sobre ela, mas ter um cavaleiro de Caithness na viagem lhe pareceu interessante. Poderia conhecer um pouco mais sobre a cavalaria Caithnessense.

    - Diga-me Mestre Eric, quando partimos?

    O cavaleiro não tinha muito o que preparar e estaria pronto em algumas horas, bastava buscar seus poucos pertences na hospedaria.

    TESTE:

    Conhecimento de terreno (Ytarria) -> Para Magnus lembrar de algo sobre a Ordem de Pedra de Caithness
    Christiano Keller efetuou 3 lançamento(s) de dados (d6.) :
    2 , 2 , 3

    OFF:

    OFF 01:
    Gastar $15 com doação aos pobres e doentes;
    Gastar $100 com doação para os monges da Igreja de São Gaules;

    OFF 02:
    Somente uma sugestão: Que tal separar os personagens em outros tópicos, pelo menos aqueles PJ que estão solo?
    Acho que vou ficar bem perdido sobre qual post é pra mim neste formato de tópico único.


    @Melroc vou juntar já já. Se vocês se separarem, a gente separa.


    MAGNUS

    --Seguiremos para Carrick ao cair do Sol. Poderá encontrar-nos na doca 12.

    Lembranças sobre Cavaleiros da Pedra: Ordem de cavaleiros estabelecida em Caithness, sem terras ou recompensas, as pessoas são condecoradas com o título e passam a vida espalhando a ordem onde há o caos. Os cavaleiros de Megalos consideram a ordem como uma piada de mal gosto, entretanto é bem comum que os cavaleiros da Pedra viagem para Megalos de forma a envergonha-los em duelos uma a um. Como Caithness valoriza capacidade sobre herança seus cavaleiros geralmente tem bastante experiência em combate.

    Magnus então passa na hospedaria e recolhe seus pertences ficando pronto para partir. Em sua mente guarda parte das preces que ouviu na igreja de São Guiles como "o pai livrai-nos da opressão", "por que o Império faz isso conosco?", "mais almas bondosas que doem para os pobres" e "ajude-nos em nossa luta contra o mal".
    No barco estão Erick Clarus e um cavaleiro. Ao chegar são apresentados Sir Sean de Conn e Sir Magnus de Calatrava. Serão vários dias de viagem até Carrick.



    @Melroc -- Podemos fazer fast travel até o evento?
    hello
    Troubleshooter
    avatar
    Troubleshooter

    Mensagens : 791
    Reputação : 5

    Re: Introdução / ambientação

    Mensagem por hello em Seg Out 01, 2018 5:59 pm

    @vontheevil  

    -Com licença, meu nome é August e gostaria de falar com o senhor Gerald, tenho assuntos que gostaria de ver se ele pode me ajudar a resolver e gostaria de saber se ele pode me receber.
    August usa um nível de formalidade que não lhe é comum, fala com o servo por um tempo e diz que vai esperar, ambos começam a discutir sobre a situação do país e esses boatos, mesmo assim nada de realmente novo/importante surge nesse debate amigável.
    Logo August vê o mercador se aproximar, ele para a conversa com o servo educadamente e se dirige para o mercador:
    -Prazer senhor Gerald, meu nome é August, sou o bibliotecário local, eu tenho uns problemas que quero resolver em relação a minha pesquisa mas preciso de um norte, sua fama o precede e me falaram que você é conhecedor de muitos assuntos e, assim como eu, um leitor voraz, por isso gostaria de falar com você para ver tanto se pode me ajudar quanto para também quem sabe conversar um pouco sobre literatura. Só gostaria que fossemos lá dentro antes de mais nada, isso claro se não for muito incômodo.
    OFF: Estou interpretando que me deixou entrar já que tem a desvantagem curioso.
    Depois de se apresentarem um para o outro e começar uma conversa sobre assuntos variados August que mesmo estando atento com o mercador, não toma atitudes muito cautelosas ,tanto pela necessidade de conseguir uma ajuda quanto por pensar que esse homem era uma boa pessoa, e fala o motivo principal de ter vindo para cá após tirar um papel de seu bolso:
    - Eu estou tentando decifrar isso aqui, mesmo tendo um pouco de semelhanças com a língua arábica, tem diferenças cruciais entre os dois idiomas, imagino que seja a língua que derivou o Arábico ou até mesmo um tipo de mistura entre várias línguas de diferentes locais, talvez até algumas esquecidas, não quero entrar em detalhes sobre a fonte, mas devo dizer que ela tem uma ligação com o grande deserto à sudoeste, gostaria de saber se você tem posse de algum escrito ou item único dessa localidade ou saiba de alguém que o tenha pois gostaria de estudar qualquer coisa que possa me ajudar, não tenho muito para oferecer exceto meu conhecimento pois o dinheiro que ganho é praticamente nulo para alguém rico como você, não sei, talvez uma dúvida que tenha, necessidade de pesquisar algo que sem querer me gabar, é algo que sou bom, ou talvez até livros da biblioteca emprestados por mais tempo eu posso até conseguir, no final só quero mesmo dar uma olhada, não preciso nem adquirir o item, então, oque me diz?
    August tem um olhar sério no rosto e também está batendo ligeiramente o pé e brincando com seus dedos enquanto olha para Gerald mostrando o quão impaciente e o quanto ele acha importante a resposta do seu "júnior".
    Christiano Keller
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 204
    Reputação : 2

    Coloque seu dinheiro onde você precisa dele - Olivia Ryder

    Mensagem por Christiano Keller em Seg Out 01, 2018 9:27 pm

    @sirtol

    Coloque seu dinheiro onde você precisa dele

            Olivia acordou como de costume bem cedo e já se arrumava para um novo dia. Era sempre bom estar limpa e apresentável para procurar novos clientes já que os alvos estariam em abalo emocional. Muitas pessoas não sabem o que recebem de herança e tão pouco dão o valor adequado para estas coisas, é neste momento que ela fatura.

            Olivia caminha pela cidade em busca informações sobre oportunidades no dia, uma passada na Igreja para conferir novidades, o mercado, o hospital, a loja de pás e a guarda da cidade fazem parte do curso normal do dia a dia. Entretanto hoje não foi um dia de sorte, ocorreu mais um ataque aos mercadores da região e é o 11 seguido mas sem mortes. Não que o problema possa escalar e talvez virar até um problema para George, mas algo precisa acontecer logo. Tudo que as pessoas falam hoje em dia é sobre opressão e dificuldades, que o Império os esmaga. Esse papo sempre é o mesmo quando querem se livrar de algo que não vale nada por uma sacola cheia de ouro.

            As pessoas pensam que os produtos na loja estão lá a pouco tempo ou que os conseguimos quase sem esforço. Ninguém sabe o trabalho que dá sair pela cidade buscando alguma coisa ou a frustração de haver comprado algo que nunca é vendido. A quantidade de pessoas que precisamos visitar sempre sorrindo enquanto há uma mensagem de perda presente, como pessoas que deixam a cidade, ou quando se perde alguém, maridos, esposas, filhas, filhos, pais ou mães. Não sabem o quão difícil é falar com eles quando sabemos tão pouco sobre nossa própria família.

            Ao retornar para a loja George a recebe e informa que haverá uma reunião na Guilda de Mercadores ao por do Sol para tratar dos problemas de segurança. Ele gostaria que ela fosse lá pois está preocupado com essa situação fora dos muros da cidade.

            O que Olivia fará até a reunião? Será que ela irá participar?
    Melroc
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1048
    Reputação : 0

    Re: Introdução / ambientação

    Mensagem por Melroc em Ter Out 02, 2018 12:26 am

    MAGNUS

    Duas semanas de viagem era bastante tempo, Magnus poderia conhecer e ser conhecido pelos companheiros de navegação.

    Durante a viagem falou de sua vida e contou histórias de suas andanças como escudeiro mercenário na fronteira de sua terra natal. Nem tudo era verdade, mas um pouco de diversão e fantasia não fazia mal a ninguém. Falou de Cardiel e da relação de tolerância que havia entre as diversas religiões que compunham o seu povo. Uma terra onde cristãos, muçulmanos, judeus e pagãos conviviam em harmonia, quase sempre! Pela primeira vez sentiu saudades de Calatrava, mas isso o lembrou de que não havia conquistado nada ainda e decidiu que não tinha o direito de sentir saudades.

    Como dormia pouco, era o primeiro a fazer a ronda e acordava cedo para terminá-la. Apesar de ter sido contratado para manter a segurança, o jovem cavaleiro foi prestativo e ajudou no que pôde, até mesmo nos remos, que o ajudaram a manter a forma em seus treinamentos matinais. Mas Ser Magnus de Calatrava se concentrou mesmo em conhecer seus companheiros:

    Com Mestre Erick, como costumava chamar, conversava sobre o comércio, os melhores produtos de Caithness e a navegação fluvial. Apesar de ter nascido em um reino com forte tradição naval, Magnus conhecia pouco sobre navegação e sempre que podia, tirava duvidas com o mercador.

    Já com seu companheiro de armas, Ser Sean, conversava sobre cavalaria, sobre a Ordem Monástica que aquele cavaleiro fazia parte, sobre falcoaria (uma paixão!!!) e sobre Caithness. O reino estava em guerra civil a um bom tempo e Magnus queria saber os acontecimentos recentes.

    Quando podia, aproveitava para treinar a arte do combate com o Cavaleiro da Pedra e percebeu que ele tinha um jeito diferente de lutar, efeitos da escola de Caithness de espadachins, muito diferente da escola Cardielense que o Jovem de Calatrava conhecia.

    Mas uma coisa martelava constantemente em sua cabeça, as preces e lamentações ouvidas na igreja de Craine, parecia que o povo de lá sentia alguma insatisfação com o Império! Magnus procurou saber mais com Mestre Erick e Ser Sean. Se eles tiveram a mesma impressão e se sabiam de algo a mais.

    OFF::
    Já fiz meu Fast Travel!!!!!
    Christiano Keller
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 204
    Reputação : 2

    Re: Introdução / ambientação

    Mensagem por Christiano Keller em Ter Out 02, 2018 2:23 pm

    MAGNUS @Melroc

             Mestre Erick e Sir Sean gostaram muito da história de Sir Magnus e também compartilharam suas próprias. Mestre Erick trabalhava junto com a Guilda de Mercadores de Carrick e estava ansioso para uma reunião na Guilda no dia de sua chegada. Sua carga era muito importante para os mercadores. Sir Sean por sua vez falou da rebelião em Caithness mas que ela estava tranquila nos últimos meses e aproveitou para ir até Megalos onde buscava algum Cavaleiro que usa-se magias para lutar. Encontrou um e o derrotou, assim retornava contente para casa.

             Durante uma de suas rondas logo no começo da viagem Sir Magnus descobriu algo mais importante sobre a carga de Mestre Erick. Ele sempre trazia consigo uma sacola amarrada ao corpo, parecia que era de ouro e como comerciante faria sentido, mas na verdade era uma carga de gemas mágicas (powerstones). Mestre Erick comentou com Sir Magnus que era por isto que ele tinha buscado por 2 cavaleiros de tão alta estima e por isso precisava de sua ajuda para entregar a carga para Carrick. As gemas seriam usadas para combater a rebelião e ajudar os mais necessitados de cura nos hospitais.

             Os produtos de Caithness são bem variados, mas em Fordham é mais fácil encontrar produtos dos anões, as cervejas são muito comuns e de boa qualidade já que o vinho não se adapta muito bem ao clima da região, o comércio em Durham é muito forte pois é a primeira cidade perto do rio Conn vindo de Craine. A cerveja Sterling Gold é muito conhecida mas é produzida em terras de lordes rebeldes.
             O rio Conn, velho e grande conhecido de Mestre Erick, o rio era largo e navegável em toda extensão. Em alguns pontos haviam várias ilhas e pontos em que a neve derretida removia pontes precárias. Mas ele sabia de um caminho entre as ilhas que era um atalho e estava bom para uso por conta do nível da água.

             Sir Sean comentou que fica preocupado em barcos pois sua armadura é pesada e afunda rápido, assim prefere ficar perto de uma jangada que fica na frente do barco. Ele também comentou sobre as habilidades de luta de Sir Magnus e que como cavaleiro poderia juntar-se a ele em "StoneHall", a habitação principal dos cavaleiros da Pedra em Carrick por alguns dias. A ordem dos cavaleiros da Pedra não é religiosa como as ordens de Megalos, eles apenas juram fazer o bem no altar da primeira igreja de Caithness.

             Ambos comentaram sobre a insatisfação que ouviam das pessoas, algo que julgavam crescente, mas o Império como inimigo não estava claro. Seria Megalos ou Caithness ou algum outro reino? As pessoas falam sobre liberdade mas não temos escravos exceto os de captura ou alguns criminosos, é muito raro mas possível que alguém que cometa um crime e não tenha como ressarcir sua vítima que termine como escravo.

             Por seu grande carisma e por ter trabalhado nos remos, um dos remadores comentou que durante o inverno um homem apareceu perto de onde mora numa pequena vila fora de Carrick. Tal homem usava um manto bonito e oferecia comida para as pessoas. Ele disse que pegou de bom grado e que o homem dizia que queria ajudar as pessoas, fazer com que não passassem por tal necessidade e acabar com a opressão. Dizia também que a culpa de que eles não terem o que comer era dos mercadores pois eles tinham comida e não davam para eles. Entretanto tão rápido como chegou ao acabar a comida que trazia no saco ele foi embora. Outro remador contou algo parecido mas que uma mulher entregou a comida e não um homem.

             Por fim, chegava o final da viagem, estavam na última noite e o plano era remar durante a madrugada para chegar em Carrick pela manhã, assim seria mais difícil localizar o barco no rio e serem roubados. Longe das cidades não há muitas pessoas e há grandes espaços vazios, mas quando você chega perto há mais pessoas. Bem antes do amanhecer, quando as estrelas ainda estavam no alto Sir Magnus já estava pronto para desembarcar, Sir Sean estava com suas coisas perto da jangada e mestre Erick acompanha o caminho por um atalho que ele conhecia bem. O barco seguia a boa velocidade e silencioso como se a tripulação já tivesse feito aquilo muitas vezes.

             Eis que Sir Magnus observa um ponto do rio com cerca de 30 de distância um do outro e com 2 grandes árvores na lateral, seria um bom ponto para uma armadilha. Ele começa a procurar nas margens por pessoas ou bandidos, mas não vê ninguém. A frente do barco passa pelas árvores, essa era a hora da armadilha, mas nada nenhum movimento. Então na margem percebe que há algo estranho, parecem pessoas ou serão arbustos? São pessoas sujas de lama e terra muitas pessoas, estão paradas ali, esperando por algo. O barco passa rápido e as árvores caem na parte traseira do barco, a armadilha funcionou no momento errado.

             O impacto joga Sir Magnus, Sir Sean e Mestre Erick que estavam na dianteira do barco para o alto. O impacto foi forte e todos estão meio atordoados. Pedras de vários tamanhos começam a atingir o barco e tripulação. Sir Magnus e Sir Sean não são machucados pois usam armaduras e conseguem cobrir parte do flanco com o escudo. Há gritos dos remadores que são atingidos pelas pedras e do Mestre Erick. O barco está preso pelas árvores e as opções parecem que são apenas fugir ou lutar.

             Mestre Erick corre para a jangada, os remadores dizem "protejam o mestre". Sir Sean está de pé e não se mexe, parece que está ponderando se luta ou ajuda Mestre Erick na fuga. Seu dever diz que deve proteger Erick mas e os remadores?

             É possível ouvir gritos como "morte ao Império", "fim da opressão", "libertem os pobres" e "atirem nos soldados".

             E Sir Magnus, o que fará?


    Ivana Krutinsky
    Neófito
    avatar
    Neófito

    Mensagens : 31
    Reputação : 2

    Re: Introdução / ambientação

    Mensagem por Ivana Krutinsky em Ter Out 02, 2018 3:13 pm

    Droga, vou precisar de um bom conhaque mais tarde, a voz de Marina não para de ecoar na minha cabeça.
    Mas agora é preciso focar no que deve ser feito, isso se essa destrambelhada não me atrapalhar.
    - Marina, já é o décimo primeiro caso de ataque, hoje não iremos apenas passear. O capitão nos mandou apenas fazer ronda, mas quero seguir os rastros desses atacantes, muitas pessoas juntas para poucas respostas, o ataque é bem recente, venha comigo.
    Sigo diretamente em direção ao ponto do ataque.
    -Enquanto isso me diga exatamente essa pessoa falou sobre ataque oculto.
    Melroc
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1048
    Reputação : 0

    Re: Introdução / ambientação

    Mensagem por Melroc em Ter Out 02, 2018 6:50 pm

    MAGNUS

    O que Mestre Erick e Sir Sean de Conn haviam lhe contado, deixava o cavaleiro de Calatrava eufórico com a possibilidade de conhecer um mundo totalmente novo:

    Nunca havia visto anões e a pouco se deu conta que estava a dias de viagem de Zarak e suas cordilheiras, lar ancestral dessa raça de artesãos. Já ouvira falar da Sterling Gold, mas em Cardiel era uma bebida muito cara.

    Mestre Erick pareceu ser um exímio conhecedor do rio e um ótimo comerciante aos olhos de Sir Magnus. Percebeu que a carga de ferramentas era ilusória se comparada ao pequeno saco de pedras mágicas que o mercador carregava tão zelosamente. Era por causa daquelas gemas que Sir Magnus de Calatrava fora contratado. Não sabia nada sobre magia, mas entendia que era uma arma poderosa. Essas gemas poderiam ser a diferença entre a vitória e a derrota na guerra civil de Caithness.

    A princípio Magnus riu da preocupação de Sir Sean, mas percebeu que sua armadura também não era leve e provavelmente afundaria como uma pedra se caísse no rio trajando sua armadura. Ficou lisonjeada e aceitou o convite do Cavaleiro da Pedra. Stonehall poderia ser um bom lugar de partida para buscar a gloria que fez o jovem Cavaleiro de Calatrava sair de casas. Além de estar próximo de uma Ordem de cavaleiros de grande perícia.

    Apesar de jovem, Sir Magnus de Calatrava tinha uma inteligência aguçada e juntou algumas peças sobre o que acontecia. Parecia haver alguma insatisfação do povo com relação a aristocracia. O alvo em Mégalos era o Império, já em Caithness eram os comerciantes. Claro que poderia ser casos isolados e sem conexão, por isso Magnus decidiu deixar esse pensamento de lado. O cavaleiro de Cardiel era generoso e mesmo sendo uma informação de pouca relevância, lembrou-se de jogar uma moeda para cada um dos remadores pelo que contaram.

    @@@@@@

    A viagem havia sido tranquila e Sir Magnus não esperava problemas, pois já estava em Caithness, terra de seus companheiros. Por isso, estava surpreso por ser emboscado tão perto de seu destino. Magnus levanta meio atordoado pela queda das arvores e em meio as pedras que voam em sua direção e o caos que se instaura na embarcação, apenas lembra-se de gritar:

    - Protejam-se!

    O cavaleiro olha para seu companheiro de armas e vê que nenhuma atitude fora tomada, então ordena a seu companheiro – Sean, proteja Mestre Erik! – Enquanto isso, se posicionava entre as pedras e seus alvos com seu escudo erguido, tentando protegê-los enquanto se preparavam para abandonar o navio.

    Os gritos e palavras de ordem dos atacantes fizeram o cavaleiro sulista relembrar sua teoria sobre a insatisfação do povo contra os comerciantes em Caithness e o que parecia ser algo sem nexo, naquele momento, fizera todo o sentido. Os atacantes não fariam mal aos remadores, pois seriam considerados “oprimidos” também, mas o mercador e os cavaleiros não estavam a salvos e precisavam chegar a outra margem antes que pudessem ser seguidos.

    TESTE::

    Liderança -> Para suas ordens serem ouvidas.
    Melroc efetuou 3 lançamento(s) de dados (d6.) :
    3 , 5 , 6

    OFF::
    $ 10 dado aos remadores pela informação que forneceram
    Christiano Keller
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 204
    Reputação : 2

    Re: Introdução / ambientação

    Mensagem por Christiano Keller em Ter Out 02, 2018 6:59 pm

    @Ivana Krutinsky
    Anastásia

          --Anastásia, o que eu ouvi foi "São muitos ataques aos mercadores, algumas pessoas dizem que foi mais um ataque oculto". Só isso.
    Teste:

         -- Juro que foi isso.

         Mesmo assim Marina e Anastásia seguem para o local do ataque, não era muito longe de sua rota de patrulha. O local fica em uma estrada de terra batida com arbustos ao leste e grandes árvores frutíferas para oeste. As marcas de combate estão frescas, há muitas marcas no solo, em alguns pontos há sangue ressecado e muitas pedras no chão. Essas pedras não deveriam estar ali, a estrada é feita justamente para facilitar a passagem das carroças e animais sem obstáculos.

         Há trilhas e galhos quebrados como se muitas pessoas tivessem saído da região dos arbustos. Uma volta atrás dos arbustos revela pelo menos 20 pilhas de pedras, tanto das grandes como limões ou laranjas e pequenas como acerolas ou morangos. São sinais de uma emboscada, planejada e feita por um volume grande de pessoas.

         Por sua experiência com assaltos e lutas é factível entender o que houve. O mercador vinha pela estrada e foi abordado por alguém ou algumas pessoas. As pessoas nos arbustos começam a atirar, como as pedras machucam e distraem as pessoas, algumas delas pularam e derrubaram as vítimas no chão. Uma vez que as vítimas estavam no chão uma série de ataques improvisados como chutes ou pauladas incapacitam cada um deles.

         Mas por que não usam armas? Alguns arqueiros e o assunto estaria resolvido. Por que pedras e paus? Até uma faca de pão poderia fazer alguma diferença. Por que tantas pessoas? Um ataque tão grande precisa ser coordenado, alguém que tenha experiência, mas está muito bagunçado.
    Christiano Keller
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 204
    Reputação : 2

    Re: Introdução / ambientação

    Mensagem por Christiano Keller em Ter Out 02, 2018 7:30 pm

    @Melroc
    MAGNUS

             Todos embarcam na jangada enquanto podem ver pessoas subindo nos troncos e indo para o barco aos gritos de "Libertem os oprimidos". Eles remam na pequena jangada com todas as forças em direção a parte mais larga do rio, assim não seriam alcançados. Enquanto se afastam as pedras começam a cair na água e os gritos agora são de "Estão livres. Acabou a opressão! Estão livres. Acabou a opressão! Amém! Amém!". Eles estavam agora a poucas horas de Carrick, e poderiam chegar de jangada ou em algum ponto abandonar o barco e seguir a pé.

             Mestre Erick está triste por ter perdido o barco mas ele entende que a missão será mais que bem paga e poderá quem sabe trazer alguns homens para recuperar seu barco assim que a poeira baixar. Ele quer seguir pelo rio até o mais próximo possível de Carrick, talvez seja mais difícil para eles remarem entretanto pelo rio ele considera um caminho mais seguro pois podem ver pessoas se aproximando.

             Sir Sean está grato pelo apoio e considera uma decisão corajosa de Sir Magnus ao abandonar o barco para proteger a missão. Ele diz: "O dever de um homem para com um objetivo maior é mais importante que sua vida. Você ajudou a salvar um inocente". Agora que estão a salvo daquelas pessoas ele acha que devem abandonar o barco e seguir a pé pela área Nordeste de Carrick para chegar até a cidade. Pode ser um caminho mais curto e mais perigoso pois a cada curva podem encontrar bandidos.

             Ambos deixam o voto decisivo para Sir Magnus.
    Melroc
    Mestre Jedi
    avatar
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1048
    Reputação : 0

    Re: Introdução / ambientação

    Mensagem por Melroc em Ter Out 02, 2018 10:07 pm

    MAGNUS

    Magnus tinha o voto de minerva e ponderou suas opções: como Sir Sean, Sir Magnus preferia ter chão em baixo dos pés se precisassem lutar. Mesmo assim, duvidava que fossem atacados novamente pelo rio, aquela turba deve ter gastado muito de seus esforços na armadilha e uma nova armadilha parecia improvável.

    - Vamos pelo rio. Não estamos em uma nau comerciante, mas em uma jangada simples. Parecemos simples viajantes e não seremos importunados.

    Ele pega seu manto que usava para se proteger do frio quando dormia e se cobre escondendo sua armadura – Sugiro fazerem o mesmo, não devemos parecer quem somos!
    Ivana Krutinsky
    Neófito
    avatar
    Neófito

    Mensagens : 31
    Reputação : 2

    Re: Introdução / ambientação

    Mensagem por Ivana Krutinsky em Ter Out 02, 2018 10:35 pm

    Anastásia

    - Esse reino está cada vez mais bagunçado. Sabe Marina, isso aqui precisava de um pulso firme. Veja essas pilhas de pedras. Pedras! Para mim essas são pessoas desesperadas, mas o que elas fazem é errado. Acredito que por ataque oculto eles queiram dizer que fora uma emboscada? Além disso, te digo, os guardas desse mercador me pareceram ser inexperientes para cair numa emboscada assim.

    Acredito que essa quantidade de pessoas e tão recente deve ter deixado sua marca. Sigo os rastros, ou o que pareçam ser os rastros. Marcas no chão de pessoas que pisotearam, ou então pequenos pedregulhos deixados pelo caminho como migalhas a serem seguidas.

    - Marina, me diga, por que será não há guardas por aqui, ou uma busca mais acirrada? Não me parecem ser grandes comerciantes, mas foram muitos ataques. Ou nossos capitães estão omitindo algo, ou eles estão muito relapsos.

    Ou quem sabe eles estejam investigando escondido? Mas não passo esse pensamento à minha colega, afinal se eles estiverem fazendo isso, eu quero ser escalada.
    Christiano Keller
    Cavaleiro Jedi
    avatar
    Cavaleiro Jedi

    Mensagens : 204
    Reputação : 2

    Re: Introdução / ambientação

    Mensagem por Christiano Keller em Qua Out 03, 2018 12:24 am

    @Melroc
    MAGNUS

           Remar pelo rio foi o caminho mais seguro e longo, a jornada foi cansativa mas chegaram no porto da cidade. Mestre Erick encontra com um de seus servos e avisa que foram roubados. Ele imagina que os outros estão bem, sendo assim, pede para o servo fazer uma contagem da tripulação e que mandará um grupo de resgate no dia seguinte para buscar aqueles que não retornaram.

           --Prezados cavaleiros, gostaria de pedir ainda 2 favores, terminem a escola acompanhando-me até a guarda da cidade e hoje a noite ao por do Sol compareçam para uma reunião na Guilda dos Mercadores. Iremos discutir estes ataques aos mercadores e talvez vocês possam contribuir com algo.

           -- Certamente Mestre Erick. -Respondeu Sir Sean. Após terminarmos a entrega Sir Magnus, gostaria de apresentar a cidade e Stonehall para o Sr.

           Ao entrar na área da Guarda da Cidade Sir Sean é saudado por alguns soldados que perguntam como foi o combate em Craine. Ele conta da luta da mesma forma que contou a Sir Magnus, sem se gabar, apenas como se estivesse fazendo o que era esperado. Os soldados impressionados o saudão novamente "yip, yip, uhrra". Sir Sean também comenta sobre o ataque que sofreram no barco e comenta sobre o ato de coragem de Sir Magnus.


    ***Os soldados passam a reconhecer Sir Magnus de Calatrava como cavaleiro errante em Carrick.


           Mestre Erick discretamente faz o pagamento do restante pelo serviço e agradece novamente pelo momento em salvaram sua vida. Ele desaparece no interior do quartel.
           Após um bom papo com os soldados, Sir Sean o convida para ver a cidade e comer em Stonehall.

    ***Sir Magnus adquire pontos de referência em Carrick, talvez não conheça a cidade mas terá noções de como locomover-se na cidade.

           Será que Sir Magnus irá até a reunião da Guilda de Mercadores ou buscará outra coisa?
    Conteúdo patrocinado


    Re: Introdução / ambientação

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Qui Nov 15, 2018 2:04 am