Um fórum de RPG online no formato de PBF (Play by Forum).


    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    einherji
    Tecnocrata
    einherji
    Tecnocrata

    Mensagens : 439
    Reputação : 32

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por einherji em Sex Jun 07, 2019 3:21 pm

    Agora acho que tá tudo em ordem. Smile

    Ja'har Orelha-Cortada (Ficha de Personagem)

    Ja'har Orelha-Cortada:
    A noite era inesperadamente fria, chovia e os tambores que precediam o ritual podiam ser ouvidos com clareza. Essa noite, os tambores iriam tocar a noite toda. Aquele som o incomodava, as batidas estavam descompassadas e a pele do tambor não estava suficientemente esticada. Era um som de guerra, para se misturar com os passos pesados e tilitar de ferro, mas com o barulho da chuva, não combinava. O filhote consegue distinguir sons diferentes desde muito pequeno e sempre se incomodava com seu povo quando estes faziam qualquer tipo de música.

    Isso era importante e tinha em âmago de que podia fazer melhor, mas não era tão importante quanto o que aconteceria quando o dia surgisse.

    Ele sabia muito bem o que ia acontecer quando o sol começasse a surgir no horizonte e isso o manteve acordado durante toda a noite, não teria mais como fingir ou se apoiar em seus parentes para que pudesse sobreviver na tribo. Seria jogado para fora e teria que sobreviver sozinho por cinco anos, era a lei, só então seria permitido seu retorno - teria sido provado como um membro digno de compartilhar o mesmo espaço com a tribo. Os demais que seriam jogados para fora junto com ele não o aceitariam de forma alguma, já tinha ouvido falar em histórias sobre Orcs que se juntavam em um bando e tinham uma vida mais fácil fora de suas sociedades, mas isso não aconteceria com ele - não participava das mesmas brincadeiras e sempre era xingado e chutado pelos outros, vivia com feridas no rosto por conta das brigas que arrumava e também das que não arrumava, mas que eram arrumadas para ele. E por fim, era um sangue ruim. Tinha bicho homem misturado nele.

    Não se sentia em casa naquele lugar, mas acreditava que aquele lugar era melhor do que ser caçado e morto do lado de fora. Sem a proteção dos guerreiros, ou mesmo de seu pai - que era distante, mas era - ainda - um pai.

    - Ja'har!

    Ouviu o rugido e conhecia bem o portador da voz de trovão. Era seu pai. Talvez teriam uma última conversa sobre como deveria se portar naqueles últimos instantes, quais armas deveria levar e como sobreviver esses cinco anos sozinho. Talvez até aconselhasse procurar os demais e formar um bando, forçar uma relação com outros de idade próxima e garantir seu retorno. Uma coisa era certa, sabia que não teria traços de misericórdia na voz de seu pai, ele não era o melhor dos filhos e sabia que não importava o quanto se esforçasse, jamais seria. Sua predileção por ficar sentado perto dos anciões, ouvindo histórias antigas ao invés de brincar os jogos de guerra com outros filhotes era um grande incomodo para Ulfgar, seu pai.

    - Ja'har! Responda agora!

    Jogou o manto de pele que cobria sua cabeça de lado e respondeu, conforme solicitado. Levantou-se também e de pé, ficou totalmente em silêncio, com os braços juntos do corpo, segurando-os próximos das pernas. Não ousaria desafiar o pai, não considerando o que estava por vir. Mesmo em qualquer outra situação e apesar do tratamento rígido, tinha muito respeito pelo pai, também admiração - era um guerreiro forte e admirado até mesmo por outros guerreiros, em diversas oportunidades era desafiado para que outros pudessem se provar fortes, sempre em vão.

    - Sim senhor...

    O pai, pele escura esverdeada, olhos amarelos e lupinos, já tinha traços prateados em sua barba e cabelos trançados. As presas saim de sua boca em duas lanças de marfim. Afastou as tiras de couro que separavam a entrada da cabana e o pequeno aposento no qual estava. O rosto fechado se aproximou do jovem orc, sem palavras e sem qualquer indicação prévia, agarrou o braço de seu filho e o arrastou para fora, seus pés mal conseguiam acompanhar e se arrastavam na lama do pátio. Foi menos de 2 minutos, mas parecia que estava sendo arrastado por horas, então parou.

    - Vá.

    Apontou para o portão de tora de madeira. A saída da tribo.

    - Pai?

    O questionamentou foi o que bastou, a pesada mão de seu pai desceu de cima para baixo e marcou seu rosto. Já havia apanhado antes, mas sentiu uma dor diferente dessa vez. Os tambores descompassados deixaram de importar nesse momento. Não entendeu o que estava acontecendo, só seria mandado embora pela manhã, junto com os outros filhotes e depois do ritual. Por qual motivo seu pai estava fazendo isso justo agora? Não queria passar essa vergonha na frente de toda a tribo?

    - Vá.

    Apontou novamente, a mesma mão que lhe acertou, para o portão de toras de madeira. A saída da tribo.

    - Pai, eu não entendo... O ritual é amanhã.

    Ulfgar ergueu a mão novamente, mas não o golpeou. Segurou o jovem orc pelo pescoço e por pouco não o ergueu por ali mesmo - embora ficasse bastante clara a facilidade na qual poderia fazer isso. Aproximou o rosto e o encarou nos olhos, disse com firmeza, mas sem raiva.

    - Você não nasceu para a tribo. Vá embora. Não volte, não tente passar em nenhum teste. Sobreviva.

    Ulfgar o soltou de repente. Ja'har caiu no chão e se arrastou pela lama molhada da chuva, tomando alguma distância. Ele sabia o que o pai falava - as palavras eram verdadeiras, mas doíam da mesma forma. Não imaginou que seu pai nem mesmo esperava que ele se esforçasse para retornar à tribo. Então, ajoelhado no barro, usou as mãos e se ergueu com as forças que restavam do choque - daí, correu o mais rápido que pode para fora da tribo, deu uma última olhada para trás e lembrou-se do rosto de seu pai. Não eram lágrimas, era só a chuva. Também não era seu coração, eram os tambores.

    ---

    O primeiro ano foi bastante difícil. Mas aprendeu a viver, caçou pequenos animais e comeu frutas, folhas e casca de árvore. O seu maior problema era a solidão. Frequentemente tinha sonhos com sua tribo e com os tambores que tocavam em seu último dia lá, sempre acordava desesperado e com o som dos tambores em compasso com seu coração de ritmo acelerado.

    ---

    Acostumou-se com a floresta e com a solidão depois de mais quatro anos, tinha cumprido o seu tempo e o ritual, mas lembrava do dia que deixou a tribo e não voltaria nunca mais. Aquela não seria mais a sua vida e embora acreditasse que tivesse cumprido o ritual por ter sobrevivido todo esse tempo, ainda assim, se escondeu e não teve nenhum combate realmente que provasse a sua força. Talvez, nos olhos dos demais, isso não tenha sido digno como o cumprimento do ritual.

    Andava tranquilamente e sem medo pelo local que viveu, mesmo sendo ainda muito novo. Faziam anos que não via ninguém, não trocava nenhuma palavra com nenhum outro ser sentiente, a não ser sua própria cabeça e quaisquer outras coisas da natureza. Aprendeu o tempo de tudo, das plantas e dos animais e sempre que podia, cantava. Seguia o som dos tambores e cantava. Era o que mais fazia, aproveitava os sons da região, os sons que tinha em sua cabeça e cantava.

    "Na quilha virada
    Na brisa gelada
    A barca afundada
    E vai um irmão
    E vai um irmão
    E todos de-"

    Foi um baque surdo e seco, a canção foi interrompida.

    Piscou os olhos, com a visão ainda embaçada, piscou mais algumas vezes e os abriu - logo sentiu uma dor latejante dos lados da cabeça. Sentia algo quente escorrendo pela lateral do rosto. Estava em uma estrada e ouviu risadas. Tinham três homens. Bichos homens. Já tinha ouvido falar deles, mas era a primeira vez que os via. Sua mãe tinha sido uma deles, mas nunca a vira e jamais ela seria aceita na tribo. A sensação de descoberta foi interrompida pela voz aguda de um deles, os tons eram bastante diferentes dos tons que se ouvia na tribo. Saiam em estalos na garganta, ao invés de golpes de ar, vindos dos pulmões.

    - Ô seu vermezinho, tava com merda no ouvido? Cantando igual um retardado! A gente deu um jeito pra limpar a sujeira que entupia os buracos de merda da sua cabeça, agora você vai ouvir bem as merda que canta!

    Um deles disse, tudo embolado e de repente. Todos riram ao mesmo tempo. E foi essa a resposta da dor do lado da sua cabeça. Tinham feito algo com suas orelhas. E ele logo descobriu o que foi, o mesmo que falou primeiro apareceu na frente dele com um fio de corda e duas orelhas costuradas nesse fio, não queria acreditar, mas sabia que eram suas orelhas. Tinha a cor de sua pele ao fundo, misturadas com o forte e grosso carmesim de seu sangue.

    - Vocês têm esses nomes doidos, né? Mandibula-de-Ferro, Cabeça-de-Bagre, você vai ser o Orelha-Cortada!

    - Ei, Orelha-Cortada!

    Outro chamou, com um chute em seu estômago. Estava amarrado e mesmo que quisesse, não poderia reagir. Passou algumas horas apanhando, até que cansaram e o abandonaram na estrada. Amarrado e entregue à morte. Fraco e sem forças, ferido e derrotado, qualquer animal poderia se aproveitar da situação e o devorar. Se entregou, somente esperando que a fosse o consumisse e tudo acabasse o mais rápido possível, chegaria enfim ao seu destino final então. Desmaiou, deixando todo o mundo para trás.

    ---

    Sentiu um balanço, estava sendo carregado. Ouvia vozes e o cavalgar de cavalos. Ainda tinha dores fortes na sua cabeça, mas também no resto do corpo - tentou se mover, mas desistiu rapidamente, tudo lhe doía como nunca tinha sentido antes. Ficou quieto e ouviu. O que tinha lhe mentido vivo até então foi ouvir e foi o que ele fez, na esperança de sobreviver mais um pouco.

    - Será que o velho salva?

    - Rapaz, eu não sei nem se devíamos levar isso aí pro vilarejo. Vai sobrar pra gente... E não chama o Arkus de velho.

    - É uma criança. Não deve ser mais velho que o Leifar.

    - Bom, criança ou não, não sei como vai ser.

    ---

    Ja'har foi acolhido pelo sábio do vilarejo, Arkus. E usou tudo o que podia para ajudar como pode em troca dos cuidados e ensinamentos que recebeu. O sábio o incentivou a seguir o caminho pelo qual Ja'har tinha mais apreço, recebeu dois tambores simples com couro de vaca, os usava amarrados no pescoço. Flertava com outros intrumentos, mas gostava muito dos tambores e também de cantar, principalmente para cantar - tinha diversas canções em sua cabeça, canções que corriam o ouvidos do povo do vilarejo e quando pronunciadas pela boca de Ja'har, tinha efeitos incríveis. Ele possuía uma relação profunda com os sons e os usaria para a vida.

    Canções:
    Countersong:

    Pássaro na sarça, pássaro na sarça.
    Canta forte, canta bravo.
    Manda de volta o mal...
    E cobre nossos ouvidos.

    Fascinate:

    Quente arde tu, fogo!
    Ferozmente ao longe,
    Apaga-te agora, chamas!
    O manto está queimado,
    E sobra apenas minha pele,
    Para tua atenção!

    Inspire Courage:

    Sou tua terceira casa,
    Um lugar de prata e fogo!
    Pelas mãos de Pelor e sua graça,
    Sois carne de prata e fogo!
    Sois deuses para si mesmos!
    Kether
    Garou de Posto Cinco
    Kether
    Garou de Posto Cinco

    Mensagens : 2291
    Reputação : 91
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1312.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png
    Premiações :
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh26.png
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh14.png
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh34.png

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Kether em Sex Jun 07, 2019 7:04 pm

    @einherji escreveu:Agora acho que tá tudo em ordem. Smile

    Ja'har Orelha-Cortada (Ficha de Personagem)

    Ja'har Orelha-Cortada:
    A noite era inesperadamente fria, chovia e os tambores que precediam o ritual podiam ser ouvidos com clareza. Essa noite, os tambores iriam tocar a noite toda. Aquele som o incomodava, as batidas estavam descompassadas e a pele do tambor não estava suficientemente esticada. Era um som de guerra, para se misturar com os passos pesados e tilitar de ferro, mas com o barulho da chuva, não combinava. O filhote consegue distinguir sons diferentes desde muito pequeno e sempre se incomodava com seu povo quando estes faziam qualquer tipo de música.

    Isso era importante e tinha em âmago de que podia fazer melhor, mas não era tão importante quanto o que aconteceria quando o dia surgisse.

    Ele sabia muito bem o que ia acontecer quando o sol começasse a surgir no horizonte e isso o manteve acordado durante toda a noite, não teria mais como fingir ou se apoiar em seus parentes para que pudesse sobreviver na tribo. Seria jogado para fora e teria que sobreviver sozinho por cinco anos, era a lei, só então seria permitido seu retorno - teria sido provado como um membro digno de compartilhar o mesmo espaço com a tribo. Os demais que seriam jogados para fora junto com ele não o aceitariam de forma alguma, já tinha ouvido falar em histórias sobre Orcs que se juntavam em um bando e tinham uma vida mais fácil fora de suas sociedades, mas isso não aconteceria com ele - não participava das mesmas brincadeiras e sempre era xingado e chutado pelos outros, vivia com feridas no rosto por conta das brigas que arrumava e também das que não arrumava, mas que eram arrumadas para ele. E por fim, era um sangue ruim. Tinha bicho homem misturado nele.

    Não se sentia em casa naquele lugar, mas acreditava que aquele lugar era melhor do que ser caçado e morto do lado de fora. Sem a proteção dos guerreiros, ou mesmo de seu pai - que era distante, mas era - ainda - um pai.

    - Ja'har!

    Ouviu o rugido e conhecia bem o portador da voz de trovão. Era seu pai. Talvez teriam uma última conversa sobre como deveria se portar naqueles últimos instantes, quais armas deveria levar e como sobreviver esses cinco anos sozinho. Talvez até aconselhasse procurar os demais e formar um bando, forçar uma relação com outros de idade próxima e garantir seu retorno. Uma coisa era certa, sabia que não teria traços de misericórdia na voz de seu pai, ele não era o melhor dos filhos e sabia que não importava o quanto se esforçasse, jamais seria. Sua predileção por ficar sentado perto dos anciões, ouvindo histórias antigas ao invés de brincar os jogos de guerra com outros filhotes era um grande incomodo para Ulfgar, seu pai.

    - Ja'har! Responda agora!

    Jogou o manto de pele que cobria sua cabeça de lado e respondeu, conforme solicitado. Levantou-se também e de pé, ficou totalmente em silêncio, com os braços juntos do corpo, segurando-os próximos das pernas. Não ousaria desafiar o pai, não considerando o que estava por vir. Mesmo em qualquer outra situação e apesar do tratamento rígido, tinha muito respeito pelo pai, também admiração - era um guerreiro forte e admirado até mesmo por outros guerreiros, em diversas oportunidades era desafiado para que outros pudessem se provar fortes, sempre em vão.

    - Sim senhor...

    O pai, pele escura esverdeada, olhos amarelos e lupinos, já tinha traços prateados em sua barba e cabelos trançados. As presas saim de sua boca em duas lanças de marfim. Afastou as tiras de couro que separavam a entrada da cabana e o pequeno aposento no qual estava. O rosto fechado se aproximou do jovem orc, sem palavras e sem qualquer indicação prévia, agarrou o braço de seu filho e o arrastou para fora, seus pés mal conseguiam acompanhar e se arrastavam na lama do pátio. Foi menos de 2 minutos, mas parecia que estava sendo arrastado por horas, então parou.

    - Vá.

    Apontou para o portão de tora de madeira. A saída da tribo.

    - Pai?

    O questionamentou foi o que bastou, a pesada mão de seu pai desceu de cima para baixo e marcou seu rosto. Já havia apanhado antes, mas sentiu uma dor diferente dessa vez. Os tambores descompassados deixaram de importar nesse momento. Não entendeu o que estava acontecendo, só seria mandado embora pela manhã, junto com os outros filhotes e depois do ritual. Por qual motivo seu pai estava fazendo isso justo agora? Não queria passar essa vergonha na frente de toda a tribo?

    - Vá.

    Apontou novamente, a mesma mão que lhe acertou, para o portão de toras de madeira. A saída da tribo.

    - Pai, eu não entendo... O ritual é amanhã.

    Ulfgar ergueu a mão novamente, mas não o golpeou. Segurou o jovem orc pelo pescoço e por pouco não o ergueu por ali mesmo - embora ficasse bastante clara a facilidade na qual poderia fazer isso. Aproximou o rosto e o encarou nos olhos, disse com firmeza, mas sem raiva.

    - Você não nasceu para a tribo. Vá embora. Não volte, não tente passar em nenhum teste. Sobreviva.

    Ulfgar o soltou de repente. Ja'har caiu no chão e se arrastou pela lama molhada da chuva, tomando alguma distância. Ele sabia o que o pai falava - as palavras eram verdadeiras, mas doíam da mesma forma. Não imaginou que seu pai nem mesmo esperava que ele se esforçasse para retornar à tribo. Então, ajoelhado no barro, usou as mãos e se ergueu com as forças que restavam do choque - daí, correu o mais rápido que pode para fora da tribo, deu uma última olhada para trás e lembrou-se do rosto de seu pai. Não eram lágrimas, era só a chuva. Também não era seu coração, eram os tambores.

    ---

    O primeiro ano foi bastante difícil. Mas aprendeu a viver, caçou pequenos animais e comeu frutas, folhas e casca de árvore. O seu maior problema era a solidão. Frequentemente tinha sonhos com sua tribo e com os tambores que tocavam em seu último dia lá, sempre acordava desesperado e com o som dos tambores em compasso com seu coração de ritmo acelerado.

    ---

    Acostumou-se com a floresta e com a solidão depois de mais quatro anos, tinha cumprido o seu tempo e o ritual, mas lembrava do dia que deixou a tribo e não voltaria nunca mais. Aquela não seria mais a sua vida e embora acreditasse que tivesse cumprido o ritual por ter sobrevivido todo esse tempo, ainda assim, se escondeu e não teve nenhum combate realmente que provasse a sua força. Talvez, nos olhos dos demais, isso não tenha sido digno como o cumprimento do ritual.

    Andava tranquilamente e sem medo pelo local que viveu, mesmo sendo ainda muito novo. Faziam anos que não via ninguém, não trocava nenhuma palavra com nenhum outro ser sentiente, a não ser sua própria cabeça e quaisquer outras coisas da natureza. Aprendeu o tempo de tudo, das plantas e dos animais e sempre que podia, cantava. Seguia o som dos tambores e cantava. Era o que mais fazia, aproveitava os sons da região, os sons que tinha em sua cabeça e cantava.

    "Na quilha virada
    Na brisa gelada
    A barca afundada
    E vai um irmão
    E vai um irmão
    E todos de-"

    Foi um baque surdo e seco, a canção foi interrompida.

    Piscou os olhos, com a visão ainda embaçada, piscou mais algumas vezes e os abriu - logo sentiu uma dor latejante dos lados da cabeça. Sentia algo quente escorrendo pela lateral do rosto. Estava em uma estrada e ouviu risadas. Tinham três homens. Bichos homens. Já tinha ouvido falar deles, mas era a primeira vez que os via. Sua mãe tinha sido uma deles, mas nunca a vira e jamais ela seria aceita na tribo. A sensação de descoberta foi interrompida pela voz aguda de um deles, os tons eram bastante diferentes dos tons que se ouvia na tribo. Saiam em estalos na garganta, ao invés de golpes de ar, vindos dos pulmões.

    - Ô seu vermezinho, tava com merda no ouvido? Cantando igual um retardado! A gente deu um jeito pra limpar a sujeira que entupia os buracos de merda da sua cabeça, agora você vai ouvir bem as merda que canta!

    Um deles disse, tudo embolado e de repente. Todos riram ao mesmo tempo. E foi essa a resposta da dor do lado da sua cabeça. Tinham feito algo com suas orelhas. E ele logo descobriu o que foi, o mesmo que falou primeiro apareceu na frente dele com um fio de corda e duas orelhas costuradas nesse fio, não queria acreditar, mas sabia que eram suas orelhas. Tinha a cor de sua pele ao fundo, misturadas com o forte e grosso carmesim de seu sangue.

    - Vocês têm esses nomes doidos, né? Mandibula-de-Ferro, Cabeça-de-Bagre, você vai ser o Orelha-Cortada!

    - Ei, Orelha-Cortada!

    Outro chamou, com um chute em seu estômago. Estava amarrado e mesmo que quisesse, não poderia reagir. Passou algumas horas apanhando, até que cansaram e o abandonaram na estrada. Amarrado e entregue à morte. Fraco e sem forças, ferido e derrotado, qualquer animal poderia se aproveitar da situação e o devorar. Se entregou, somente esperando que a fosse o consumisse e tudo acabasse o mais rápido possível, chegaria enfim ao seu destino final então. Desmaiou, deixando todo o mundo para trás.

    ---

    Sentiu um balanço, estava sendo carregado. Ouvia vozes e o cavalgar de cavalos. Ainda tinha dores fortes na sua cabeça, mas também no resto do corpo - tentou se mover, mas desistiu rapidamente, tudo lhe doía como nunca tinha sentido antes. Ficou quieto e ouviu. O que tinha lhe mentido vivo até então foi ouvir e foi o que ele fez, na esperança de sobreviver mais um pouco.

    - Será que o velho salva?

    - Rapaz, eu não sei nem se devíamos levar isso aí pro vilarejo. Vai sobrar pra gente... E não chama o Arkus de velho.

    - É uma criança. Não deve ser mais velho que o Leifar.

    - Bom, criança ou não, não sei como vai ser.

    ---

    Ja'har foi acolhido pelo sábio do vilarejo, Arkus. E usou tudo o que podia para ajudar como pode em troca dos cuidados e ensinamentos que recebeu. O sábio o incentivou a seguir o caminho pelo qual Ja'har tinha mais apreço, recebeu dois tambores simples com couro de vaca, os usava amarrados no pescoço. Flertava com outros intrumentos, mas gostava muito dos tambores e também de cantar, principalmente para cantar - tinha diversas canções em sua cabeça, canções que corriam o ouvidos do povo do vilarejo e quando pronunciadas pela boca de Ja'har, tinha efeitos incríveis. Ele possuía uma relação profunda com os sons e os usaria para a vida.

    Canções:
    Countersong:

    Pássaro na sarça, pássaro na sarça.
    Canta forte, canta bravo.
    Manda de volta o mal...
    E cobre nossos ouvidos.

    Fascinate:

    Quente arde tu, fogo!
    Ferozmente ao longe,
    Apaga-te agora, chamas!
    O manto está queimado,
    E sobra apenas minha pele,
    Para tua atenção!

    Inspire Courage:

    Sou tua terceira casa,
    Um lugar de prata e fogo!
    Pelas mãos de Pelor e sua graça,
    Sois carne de prata e fogo!
    Sois deuses para si mesmos!

    Faltou completar algumas coisas:
    Os saving throws e Melle e Ranged.

    E tenho um pedido, nas magias conhecidas coloca a pagina do livro do jogador onde eu as encontro para eu ler elas.

    Esse ponto vale para todos os evocadores nas magias diárias colocar a página do livro do jogador para que eu possa ler as descrições, efeitos, alcance, etc.

    Falta só a Kate terminar a personagem dela para eu poder fechar meu post de abertura da mesa.
    Artorias
    Troubleshooter
    Artorias
    Troubleshooter

    Mensagens : 804
    Reputação : 49
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Artorias em Sex Jun 07, 2019 7:05 pm

    @einherji escreveu:Agora acho que tá tudo em ordem. Smile

    Ja'har Orelha-Cortada (Ficha de Personagem)

    Ja'har Orelha-Cortada:
    A noite era inesperadamente fria, chovia e os tambores que precediam o ritual podiam ser ouvidos com clareza. Essa noite, os tambores iriam tocar a noite toda. Aquele som o incomodava, as batidas estavam descompassadas e a pele do tambor não estava suficientemente esticada. Era um som de guerra, para se misturar com os passos pesados e tilitar de ferro, mas com o barulho da chuva, não combinava. O filhote consegue distinguir sons diferentes desde muito pequeno e sempre se incomodava com seu povo quando estes faziam qualquer tipo de música.

    Isso era importante e tinha em âmago de que podia fazer melhor, mas não era tão importante quanto o que aconteceria quando o dia surgisse.

    Ele sabia muito bem o que ia acontecer quando o sol começasse a surgir no horizonte e isso o manteve acordado durante toda a noite, não teria mais como fingir ou se apoiar em seus parentes para que pudesse sobreviver na tribo. Seria jogado para fora e teria que sobreviver sozinho por cinco anos, era a lei, só então seria permitido seu retorno - teria sido provado como um membro digno de compartilhar o mesmo espaço com a tribo. Os demais que seriam jogados para fora junto com ele não o aceitariam de forma alguma, já tinha ouvido falar em histórias sobre Orcs que se juntavam em um bando e tinham uma vida mais fácil fora de suas sociedades, mas isso não aconteceria com ele - não participava das mesmas brincadeiras e sempre era xingado e chutado pelos outros, vivia com feridas no rosto por conta das brigas que arrumava e também das que não arrumava, mas que eram arrumadas para ele. E por fim, era um sangue ruim. Tinha bicho homem misturado nele.

    Não se sentia em casa naquele lugar, mas acreditava que aquele lugar era melhor do que ser caçado e morto do lado de fora. Sem a proteção dos guerreiros, ou mesmo de seu pai - que era distante, mas era - ainda - um pai.

    - Ja'har!

    Ouviu o rugido e conhecia bem o portador da voz de trovão. Era seu pai. Talvez teriam uma última conversa sobre como deveria se portar naqueles últimos instantes, quais armas deveria levar e como sobreviver esses cinco anos sozinho. Talvez até aconselhasse procurar os demais e formar um bando, forçar uma relação com outros de idade próxima e garantir seu retorno. Uma coisa era certa, sabia que não teria traços de misericórdia na voz de seu pai, ele não era o melhor dos filhos e sabia que não importava o quanto se esforçasse, jamais seria. Sua predileção por ficar sentado perto dos anciões, ouvindo histórias antigas ao invés de brincar os jogos de guerra com outros filhotes era um grande incomodo para Ulfgar, seu pai.

    - Ja'har! Responda agora!

    Jogou o manto de pele que cobria sua cabeça de lado e respondeu, conforme solicitado. Levantou-se também e de pé, ficou totalmente em silêncio, com os braços juntos do corpo, segurando-os próximos das pernas. Não ousaria desafiar o pai, não considerando o que estava por vir. Mesmo em qualquer outra situação e apesar do tratamento rígido, tinha muito respeito pelo pai, também admiração - era um guerreiro forte e admirado até mesmo por outros guerreiros, em diversas oportunidades era desafiado para que outros pudessem se provar fortes, sempre em vão.

    - Sim senhor...

    O pai, pele escura esverdeada, olhos amarelos e lupinos, já tinha traços prateados em sua barba e cabelos trançados. As presas saim de sua boca em duas lanças de marfim. Afastou as tiras de couro que separavam a entrada da cabana e o pequeno aposento no qual estava. O rosto fechado se aproximou do jovem orc, sem palavras e sem qualquer indicação prévia, agarrou o braço de seu filho e o arrastou para fora, seus pés mal conseguiam acompanhar e se arrastavam na lama do pátio. Foi menos de 2 minutos, mas parecia que estava sendo arrastado por horas, então parou.

    - Vá.

    Apontou para o portão de tora de madeira. A saída da tribo.

    - Pai?

    O questionamentou foi o que bastou, a pesada mão de seu pai desceu de cima para baixo e marcou seu rosto. Já havia apanhado antes, mas sentiu uma dor diferente dessa vez. Os tambores descompassados deixaram de importar nesse momento. Não entendeu o que estava acontecendo, só seria mandado embora pela manhã, junto com os outros filhotes e depois do ritual. Por qual motivo seu pai estava fazendo isso justo agora? Não queria passar essa vergonha na frente de toda a tribo?

    - Vá.

    Apontou novamente, a mesma mão que lhe acertou, para o portão de toras de madeira. A saída da tribo.

    - Pai, eu não entendo... O ritual é amanhã.

    Ulfgar ergueu a mão novamente, mas não o golpeou. Segurou o jovem orc pelo pescoço e por pouco não o ergueu por ali mesmo - embora ficasse bastante clara a facilidade na qual poderia fazer isso. Aproximou o rosto e o encarou nos olhos, disse com firmeza, mas sem raiva.

    - Você não nasceu para a tribo. Vá embora. Não volte, não tente passar em nenhum teste. Sobreviva.

    Ulfgar o soltou de repente. Ja'har caiu no chão e se arrastou pela lama molhada da chuva, tomando alguma distância. Ele sabia o que o pai falava - as palavras eram verdadeiras, mas doíam da mesma forma. Não imaginou que seu pai nem mesmo esperava que ele se esforçasse para retornar à tribo. Então, ajoelhado no barro, usou as mãos e se ergueu com as forças que restavam do choque - daí, correu o mais rápido que pode para fora da tribo, deu uma última olhada para trás e lembrou-se do rosto de seu pai. Não eram lágrimas, era só a chuva. Também não era seu coração, eram os tambores.

    ---

    O primeiro ano foi bastante difícil. Mas aprendeu a viver, caçou pequenos animais e comeu frutas, folhas e casca de árvore. O seu maior problema era a solidão. Frequentemente tinha sonhos com sua tribo e com os tambores que tocavam em seu último dia lá, sempre acordava desesperado e com o som dos tambores em compasso com seu coração de ritmo acelerado.

    ---

    Acostumou-se com a floresta e com a solidão depois de mais quatro anos, tinha cumprido o seu tempo e o ritual, mas lembrava do dia que deixou a tribo e não voltaria nunca mais. Aquela não seria mais a sua vida e embora acreditasse que tivesse cumprido o ritual por ter sobrevivido todo esse tempo, ainda assim, se escondeu e não teve nenhum combate realmente que provasse a sua força. Talvez, nos olhos dos demais, isso não tenha sido digno como o cumprimento do ritual.

    Andava tranquilamente e sem medo pelo local que viveu, mesmo sendo ainda muito novo. Faziam anos que não via ninguém, não trocava nenhuma palavra com nenhum outro ser sentiente, a não ser sua própria cabeça e quaisquer outras coisas da natureza. Aprendeu o tempo de tudo, das plantas e dos animais e sempre que podia, cantava. Seguia o som dos tambores e cantava. Era o que mais fazia, aproveitava os sons da região, os sons que tinha em sua cabeça e cantava.

    "Na quilha virada
    Na brisa gelada
    A barca afundada
    E vai um irmão
    E vai um irmão
    E todos de-"

    Foi um baque surdo e seco, a canção foi interrompida.

    Piscou os olhos, com a visão ainda embaçada, piscou mais algumas vezes e os abriu - logo sentiu uma dor latejante dos lados da cabeça. Sentia algo quente escorrendo pela lateral do rosto. Estava em uma estrada e ouviu risadas. Tinham três homens. Bichos homens. Já tinha ouvido falar deles, mas era a primeira vez que os via. Sua mãe tinha sido uma deles, mas nunca a vira e jamais ela seria aceita na tribo. A sensação de descoberta foi interrompida pela voz aguda de um deles, os tons eram bastante diferentes dos tons que se ouvia na tribo. Saiam em estalos na garganta, ao invés de golpes de ar, vindos dos pulmões.

    - Ô seu vermezinho, tava com merda no ouvido? Cantando igual um retardado! A gente deu um jeito pra limpar a sujeira que entupia os buracos de merda da sua cabeça, agora você vai ouvir bem as merda que canta!

    Um deles disse, tudo embolado e de repente. Todos riram ao mesmo tempo. E foi essa a resposta da dor do lado da sua cabeça. Tinham feito algo com suas orelhas. E ele logo descobriu o que foi, o mesmo que falou primeiro apareceu na frente dele com um fio de corda e duas orelhas costuradas nesse fio, não queria acreditar, mas sabia que eram suas orelhas. Tinha a cor de sua pele ao fundo, misturadas com o forte e grosso carmesim de seu sangue.

    - Vocês têm esses nomes doidos, né? Mandibula-de-Ferro, Cabeça-de-Bagre, você vai ser o Orelha-Cortada!

    - Ei, Orelha-Cortada!

    Outro chamou, com um chute em seu estômago. Estava amarrado e mesmo que quisesse, não poderia reagir. Passou algumas horas apanhando, até que cansaram e o abandonaram na estrada. Amarrado e entregue à morte. Fraco e sem forças, ferido e derrotado, qualquer animal poderia se aproveitar da situação e o devorar. Se entregou, somente esperando que a fosse o consumisse e tudo acabasse o mais rápido possível, chegaria enfim ao seu destino final então. Desmaiou, deixando todo o mundo para trás.

    ---

    Sentiu um balanço, estava sendo carregado. Ouvia vozes e o cavalgar de cavalos. Ainda tinha dores fortes na sua cabeça, mas também no resto do corpo - tentou se mover, mas desistiu rapidamente, tudo lhe doía como nunca tinha sentido antes. Ficou quieto e ouviu. O que tinha lhe mentido vivo até então foi ouvir e foi o que ele fez, na esperança de sobreviver mais um pouco.

    - Será que o velho salva?

    - Rapaz, eu não sei nem se devíamos levar isso aí pro vilarejo. Vai sobrar pra gente... E não chama o Arkus de velho.

    - É uma criança. Não deve ser mais velho que o Leifar.

    - Bom, criança ou não, não sei como vai ser.

    ---

    Ja'har foi acolhido pelo sábio do vilarejo, Arkus. E usou tudo o que podia para ajudar como pode em troca dos cuidados e ensinamentos que recebeu. O sábio o incentivou a seguir o caminho pelo qual Ja'har tinha mais apreço, recebeu dois tambores simples com couro de vaca, os usava amarrados no pescoço. Flertava com outros intrumentos, mas gostava muito dos tambores e também de cantar, principalmente para cantar - tinha diversas canções em sua cabeça, canções que corriam o ouvidos do povo do vilarejo e quando pronunciadas pela boca de Ja'har, tinha efeitos incríveis. Ele possuía uma relação profunda com os sons e os usaria para a vida.

    Canções:
    Countersong:

    Pássaro na sarça, pássaro na sarça.
    Canta forte, canta bravo.
    Manda de volta o mal...
    E cobre nossos ouvidos.

    Fascinate:

    Quente arde tu, fogo!
    Ferozmente ao longe,
    Apaga-te agora, chamas!
    O manto está queimado,
    E sobra apenas minha pele,
    Para tua atenção!

    Inspire Courage:

    Sou tua terceira casa,
    Um lugar de prata e fogo!
    Pelas mãos de Pelor e sua graça,
    Sois carne de prata e fogo!
    Sois deuses para si mesmos!

    Parabéns pelo personagem diferente! Fazer bardo é bem legal e desafiador, espero que curta!
    Kether
    Garou de Posto Cinco
    Kether
    Garou de Posto Cinco

    Mensagens : 2291
    Reputação : 91
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1312.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png
    Premiações :
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh26.png
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh14.png
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh34.png

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Kether em Sex Jun 07, 2019 9:51 pm

    Amanhã eu começo a fazer a estrutura da mesa, com as areas de fichas, magias do dia, rolagens e tudo mais.
    Dycleal
    Antediluviano
    Dycleal
    Antediluviano

    Mensagens : 4932
    Reputação : 107
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1011.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/612.png
    Premiações :
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh14.png

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Dycleal em Sex Jun 07, 2019 9:59 pm

    Massa! Minha irmãzinha amanhã já está em casa e fecha a ficha dela!
    Artorias
    Troubleshooter
    Artorias
    Troubleshooter

    Mensagens : 804
    Reputação : 49
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Artorias em Sex Jun 07, 2019 11:56 pm

    Para dar uma camada mais profunda ao meu personagem, eu arranjei uma voz para Thomas Castle, como ele é jovem e pouco maduro, não poderia dar uma voz muito firme a ele, mas é um rapaz forte ainda assim, não caberia uma voz juvenil.


    A voz do dublador Marcelo Campos, a voz do Shurato. (Acabei pegando o mesmo dublador que dei a voz para Kvothe, o Bardo hauhauhau)



    Sandinus
    Wyrm
    Sandinus
    Wyrm

    Mensagens : 8939
    Reputação : 53
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/211.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Sandinus em Sab Jun 08, 2019 11:40 am

    Agora Vai! \o/
    Brazen
    Tecnocrata
    Brazen
    Tecnocrata

    Mensagens : 410
    Reputação : 8

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Brazen em Sab Jun 08, 2019 12:15 pm

    Alguém pode preencher essa ficha pra mim no MW? É tipo, MUITA INFORMAÇÃO e eu estou bem confuso aqui. :O
    Sandinus
    Wyrm
    Sandinus
    Wyrm

    Mensagens : 8939
    Reputação : 53
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/211.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Sandinus em Sab Jun 08, 2019 12:29 pm

    @Brazen escreveu:Alguém pode preencher essa ficha pra mim no MW? É tipo, MUITA INFORMAÇÃO e eu estou bem confuso aqui. :O

    Qual a dificuldade do MW? Pq é melhor te explicar e vc fazer.
    Brazen
    Tecnocrata
    Brazen
    Tecnocrata

    Mensagens : 410
    Reputação : 8

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Brazen em Sab Jun 08, 2019 1:25 pm

    Sandinus
    Wyrm
    Sandinus
    Wyrm

    Mensagens : 8939
    Reputação : 53
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/211.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/212.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/410.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Sandinus em Sab Jun 08, 2019 5:14 pm

    @Brazen escreveu:Tentei fazer aqui, falta algo?

    https://www.myth-weavers.com/sheet.html#id=1929690

    Ta certo, só tem dos ajustes diretos que vi:

    -Desmarcar as perícias da classe (Porque desmarcando você escolhe as perícias) sim é estranho pq é ao contrário.
    - E você só pode usar magias de nível 1.
    gaijin386
    Sacerdote de Cthulhu
    gaijin386
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2590
    Reputação : 3

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por gaijin386 em Sab Jun 08, 2019 8:00 pm

    @Sandinus escreveu:
    @Brazen escreveu:Tentei fazer aqui, falta algo?

    https://www.myth-weavers.com/sheet.html#id=1929690

    Ta certo, só tem dos ajustes diretos que vi:

    -Desmarcar as perícias da classe (Porque desmarcando você escolhe as perícias) sim é estranho pq é ao contrário.
    - E você só pode usar magias de nível 1.

    O dado de vida de Feiticeiro é d4 não?
    Brazen
    Tecnocrata
    Brazen
    Tecnocrata

    Mensagens : 410
    Reputação : 8

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Brazen em Sab Jun 08, 2019 8:22 pm

    @Sandinus sim, mas eu ganho magias adicionais devido ao valor de Carisma, apesar de não poder conjurar ainda.

    @gaijin386 Sim, eu coloquei o d4 no "hit dice"
    Katerine Le Blanc
    Troubleshooter
    Katerine Le Blanc
    Troubleshooter

    Mensagens : 852
    Reputação : 15
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1011.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Katerine Le Blanc em Sab Jun 08, 2019 8:57 pm

    https://www.myth-weavers.com/sheet.html#id=1925328

    Ficha terminada, só falta uma coisa que eu vou mandar pra ti Kether kkk
    Kether
    Garou de Posto Cinco
    Kether
    Garou de Posto Cinco

    Mensagens : 2291
    Reputação : 91
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1312.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png
    Premiações :
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh26.png
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh14.png
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh34.png

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Kether em Sab Jun 08, 2019 9:59 pm

    @Brazen escreveu:@Sandinus sim, mas eu ganho magias adicionais devido ao valor de Carisma, apesar de não poder conjurar ainda.

    @gaijin386  Sim, eu coloquei o d4 no "hit dice"

    Dá uma olhada nas skills, os knowledges não estão definidos e as skills de classe não foram desmarcadas.

    @Katerine Le Blanc escreveu:https://www.myth-weavers.com/sheet.html#id=1925328

    Ficha terminada, só falta uma coisa que eu vou mandar pra ti Kether kkk

    Já te respondi a mp Kate
    Kether
    Garou de Posto Cinco
    Kether
    Garou de Posto Cinco

    Mensagens : 2291
    Reputação : 91
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1312.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png
    Premiações :
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh26.png
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh14.png
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh34.png

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Kether em Sab Jun 08, 2019 10:01 pm

    O pv do feiticeiro está correto.

    Thougness e frog como familiar
    gaijin386
    Sacerdote de Cthulhu
    gaijin386
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2590
    Reputação : 3

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por gaijin386 em Dom Jun 09, 2019 10:20 am

    Eh não contei o sapo.
    Kether
    Garou de Posto Cinco
    Kether
    Garou de Posto Cinco

    Mensagens : 2291
    Reputação : 91
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1312.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png
    Premiações :
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh26.png
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh14.png
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh34.png

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Kether em Seg Jun 10, 2019 1:01 pm

    Pessoal já estou criando a estrutura para começarmos.

    Por favor postem as fichas de vocês no neste tópico por favor. Lá tem o código para o padrão a ser seguido preferencialmente.

    Em breve haverão mais tópicos e o post inicial.
    Katerine Le Blanc
    Troubleshooter
    Katerine Le Blanc
    Troubleshooter

    Mensagens : 852
    Reputação : 15
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1011.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Katerine Le Blanc em Seg Jun 10, 2019 1:19 pm

    @Kether escreveu:
    @Brazen escreveu:@Sandinus sim, mas eu ganho magias adicionais devido ao valor de Carisma, apesar de não poder conjurar ainda.

    @gaijin386  Sim, eu coloquei o d4 no "hit dice"

    Dá uma olhada nas skills, os knowledges não estão definidos e as skills de classe não foram desmarcadas.

    @Katerine Le Blanc escreveu:https://www.myth-weavers.com/sheet.html#id=1925328

    Ficha terminada, só falta uma coisa que eu vou mandar pra ti Kether kkk

    Eu vi já coloquei o inimigo na ficha obg^^

    Já te respondi a mp Kate
    Kether
    Garou de Posto Cinco
    Kether
    Garou de Posto Cinco

    Mensagens : 2291
    Reputação : 91
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/311.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1312.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/712.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1511.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png
    Premiações :
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh26.png
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh14.png
    • https://i.servimg.com/u/f89/19/67/13/04/medalh34.png

    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Kether em Seg Jun 10, 2019 1:26 pm

    @Katerine Le Blanc escreveu:
    @Kether escreveu:
    @Brazen escreveu:@Sandinus sim, mas eu ganho magias adicionais devido ao valor de Carisma, apesar de não poder conjurar ainda.

    @gaijin386  Sim, eu coloquei o d4 no "hit dice"

    Dá uma olhada nas skills, os knowledges não estão definidos e as skills de classe não foram desmarcadas.

    @Katerine Le Blanc escreveu:https://www.myth-weavers.com/sheet.html#id=1925328

    Ficha terminada, só falta uma coisa que eu vou mandar pra ti Kether kkk

    Eu vi já coloquei o inimigo na ficha obg^^

    Já te respondi a mp Kate

    Eu olhei sua ficha, está tudo ok. Mas acho que seria bom mais para frente você ter Craft(Bowmaking) para poder fazer arcos e flechas. Te ajudará a economizar bastante com flechas... rs.

    Ou pode fazer a alteração antes de iniciarmos
    Conteúdo patrocinado


    Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic - Página 8 Empty Re: Contos do Despertar Brilhante (D&D3.5) - Off toppic

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Qua Out 23, 2019 2:46 pm