Um fórum de RPG online no formato de PBF (Play by Forum).

Links úteis Anúncios Redes Sociais
31/03 - Novo quadro de anúncios.
31/03 - Mesas com mais de 2 meses SEM postagens serão automaticamente arquivadas.

ATUALIZAÇÃO DO MÊS DE MAIO
Mesas que forem abertas para serem jogadas em outras plataformas
serão excluídas do fórum.

ATUALIZAÇÃO DO MÊS DE JUNHO
A partir de agora somente mestres com mesas ativas no fórum terão o nick laranja
para ficar mais fácil a distinção. Fiquem atentos que em breve teremos
um novo modelo de pedido de mesa!




 

    Um Sonho Brilhante

    Dovahkiin
    Mutante
    Dovahkiin
    Mutante

    Mensagens : 650
    Reputação : 20

    Um Sonho Brilhante Empty Um Sonho Brilhante

    Mensagem por Dovahkiin Ter Jun 21, 2022 5:52 pm

    Um Sonho Brilhante Young-woman-crying-joseph-oland


           
    Patricia segurou o anjo em seus braços até que ele morreu.
    O demônio tinha acabado de arrancar meu polegar com uma mordida, e ele ficou sentado olhando para mim com esse sorriso de “acabei de morder seu polegar” como se eu fosse um idiota ou algo assim.
    Mas eu estava cerca de três passos do que você chamaria de estado de choque, então talvez eu não fosse uma testemunha imparcial naquele ponto. Foi a primeira vez que eu pensei seriamente sobre o Significado de Tudo. Eu me lembrei do que Patrícia disse ao seu anjo conforme a vida se esvaía dele.
    "Esse não é realmente você", ela disse enquanto chorava, mais por ela do que por ele, “este corpo é apenas uma veste. Este é apenas um receptáculo."  
    Este não sou realmente eu, pensei comigo mesmo, tentando estancar o sangue de minha mão direita com o aperto da minha esquerda. Este corpo é apenas uma veste.  Não ajudou muito. Só porque eu falei com anjos não me fez sentir nada melhor sobre a vida.
           
    Provavelmente há muito que você não compreende. quero dizer sobre os anjos e tudo, não coisas como física quântica e economia. Ninguém entende esses dois direito, nem mesmo os que fingem entender. Mas eu não sabia nada sobre o Reino Celestial até recentemente, então talvez eu seja uma boa pessoa para lhe explicar.
    Deixe-me contar sobre a primeira vez que eu conheci Nicole, meu anjo.


    Um Sonho Brilhante Smoking-thoughts-2-865x577


           
    Eu estava cambaleando por uma rua vazia da cidade depois de uma noite de bebedeira durante a semana, quando ouvi um ruído estranho vindo de um beco. Nenhum tipo particular de ruído – era mais como se eu me lembrasse de ter ouvido um som onde nenhum som havia realmente estado. Como eu disse, foi estranho. Normalmente, eu continuo andando quando eu passo por um beco, não importa o que eu ouça, mas dessa vez eu fiquei curioso.
    Faltavam apenas algumas horas para a meia-noite do meu aniversário, e eu fiz uma promessa de ser mais ousado neste ano. Eu lembro pensando: “Quero começar uma nova vida”. Além disso, eu estava completamente bêbado, então eu estava me sentindo artificialmente corajoso de qualquer maneira.
    Parada na metade da ruela cercada por paredes de tijolos, encostada em uma lixeira marrom amassada que não parece que foi esvaziada nesta década, estava essa linda garota loira em um sobretudo limpo e brilhante. Bem, ela parecia uma garota. Realmente, ela era um anjo cuja veste corpórea se parecia com uma jovem humana, mas estou me adiantando.
    Um Sonho Brilhante Beautiful-blonde-girl-wearing-a-leather-jacket-picture-id532952128?k=20&m=532952128&s=170667a&w=0&h=IgV2PaRkJA9_lGCmCBCO6ejE6sxuxyecFMuK385Mp0U=


           
    Enquanto eu estava olhando para ela, um cara sai do outro lado do beco. Não sei se ele estava escondido no lixo ou o que, mas antes que eu percebesse, ele estava em cima de mim.
    Um Sonho Brilhante Silhouette-of-maniac-with-knife-in-hand-in-long-dark-creepy-corridor-picture-id1075130348?k=20&m=1075130348&s=170667a&w=0&h=_zfG9YkF4cISlCBuw08QHg-bnP1PGT2iNGXUpPovX1Y=


    E então, com a mesma rapidez, ele foi jogado para o fundo do beco por alguma força invisível, uma faca voando de sua mão quando ele bateu na parede de tijolos com força e deslizou para baixo, caindo de cara no pavimento.
    “Venha,” a garota disse concisamente enquanto aproximou-se de mim, parando brevemente para recolher a faca. “Não temos muito tempo.”
    "Quem é Você?" eu exigi um tanto trêmulo. “Você acabou de arremessar aquele cara longe?” Ela era uma garota alta, mas ela parecia muito fraca para mim, não como alguém que poderia simplesmente pegar um cara e lançá-lo através do beco, e certamente não a seis metros de distância.
    “Sou um anjo”, disse ela. "Você pode me chame de Nicolle. Eu o derrubei porque ele ia te matar, e provavelmente tomar os oito dólares em sua carteira que sobrou dos dez que você roubou do seu chefe antes de sair bebendo." Isso me abalou.
    "O que você quer?" eu perguntei mais calmamente. Eu estava um pouco bêbado, mas não ia perder a compostura na frente de uma estranha, especialmente se isso fosse algum esquema elaborado. “Como... como você...?!”
    "Eu sou um anjo", disse ela com naturalidade. “Eu vou provar isso para você em apenas um momento." Agora ela estava muito perto, tão perto eu podia sentir o cheiro de sua respiração. Menta.
    “E agora, o traidor aos nossos pés está prestes a recuperar a consciência”, ela sussurrou em um ouvido, "Ele teria te matado se eu não tivesse parado ele. Eu me arrisquei salvando sua vida, eu mudei seu destino. Eu te tirei de a Sinfonia, pelo menos por enquanto.”
    "O quê?" Meu mundo girou sobre o próprio eixo.
    “A Sinfonia,” ela repetiu. Sua voz tornou-se musical e hipnótica. Ela inclinou-se mais de perto, mas sem realmente me tocar. “É como nós anjos chamamos o padrão de realidade de Deus. A Terra, e tudo nele, faz parte do Sinfonia. Veja bem, os anjos não deveriam estar na Terra. Nós não queremos estar aqui, a maioria de nós. É apenas o nosso trabalho. Mas quando um ser celestial, como eu, ocupa espaço no mundo real, estou trombando em todos os tipos de átomos e fazendo com que eles girem para direções que não deveriam caso não estivéssemos aqui. Qualquer intervenção celestial tira a Sinfonia de equilíbrio - faz todos os tipos de ondulações complicadas. Quanto maior a mudança, mais perceptível. Outros seres celestiais podem ouvir as ondulações. E rastrear sua fonte.”
    "O-onde você quer chegar?" eu estremeci, percebendo que eu não estava mais apenas de pé perto dela, eu estava paralisado por sua proximidade.
    “Você é um humano. Você pertence à Terra. Eu sou um anjo, eu não deveria estar aqui tornando as coisas ainda piores do que já são. Matar um humano é uma das mudanças mais dramáticas que alguém pode fazer para a Sinfonia. Mas felizmente... ou infelizmente, sou um anjo da justiça divina, e tenho permissão para fazê-lo sem agitar a Sinfonia, ao menos em alguns casos. Não há nada que eu possa dizer para convencê-lo de que sou um anjo", disse ela, recuando lentamente, “Nunca há. Mas relaxe, esvazie a mente e decida por si mesmo se estou ou não dizendo a verdade. Então eu vou pedir um pequeno Favor."


    Seu corpo começou a se desfazer, não em pedaços, mas em uma enxurrada de tiras, como páginas de partituras caindo da mão de um maestro. Quando suas roupas e sua carne tinham sido despojadas, apenas um brilho fraco permaneceu na minha frente - e se eu relaxasse e deixasse o brilho tomar forma própria em vez de forçar minha mente a dar-lhe uma, eu poderia ter vislumbrado o verdadeiro “Eu puro” dela: de pele lisa, macia e magra, com asas negras e olhos cheios de força, paixão e uma certa nobreza melancólica. Ninguém poderia ter olhos assim – não humano, pelo menos. Sua boca, emoldurada de cima a baixo por lábios púrpuras perfeitos, abrindo-se apenas o suficiente para deixar o tilintar suave de música sair.
    "Vire-se", ela cantou, e assim desviei o olhar, mas ainda assim pude sentir o que ocorrera. Em um gesto rápido e limpo, ela cortou a garganta do homem. Sangue derramando-se no chão como uma fonte rubra.
    Quando finalmente voltei meu olhar para ela, a mesma já havia voltado ao seu corpo mortal, de pé na escuridão com seu sobretudo aberto, recolhendo miligramas do sangue do homem em um saco plástico. Não ousei perguntar o porquê dela estar fazendo isso. Ela certamente não parecia eu tinha acabado de matar alguém. Foi um milagre que ninguém tenha passado por ali.
    "E agora?" Perguntei.
    “Sou um anjo”, disse ela. "Você pode juntar-se a mim, trabalhar comigo, se quiser.”
    "Então é isso?" Eu perguntei, de repente me sentindo mais sóbrio do que estive em toda a minha vida. “Tudo o que tenho a fazer é dizer: ‘Estou dentro’, e você será meu anjo da guarda?” eu pensei novamente no que ela disse, e os pensamentos racionais voltaram. “Você me removeu da Sinfonia; não iria estragar com tudo se eu dissesse não?”
    "Bem", ela disse baixinho, retesando as sobrancelhas, "Eu tenho o que eu necessário, o sangue deste miserável, então eu suponho que eu poderia remover suas memórias dessa noite. Você provavelmente assumiria que foi ao bar, embebedou-se e desmaiou. Você não se lembraria de mim, você não lembraria da Sinfonia ou nada.”
    Eu puxei um cigarro do meu casaco e acendi-o.
    "Quero dizer, vamos lá", ela sorriu, tentando amenizar uma situação obviamente sombria. “Agora, sua vida é uma rua sem saída, e quero dizer isso da melhor maneira, mas é um beco sem saída com potencial. Então você pode me ajudar, ou você pode continuar seguindo sua vida mundana, por mais curta que seja provavelmente.”
    Eu encarei o corpo sem nome aos meus pés. Nicole fechou virou o corpo de barriga para cima, cruzou as mãos do cadáver  sobre o peito com um certo carinho e fechou seus olhos. Ele provavelmente permaneceria despercebido até que começasse a cheirar, ou algum mendigo passasse pelo beco.
    "E vamos lá", ela afirmou com uma risadinha, "Eu salvei sua vida!”
    Isso certamente colocou as coisas em uma perspectiva diferente.
    "Bem", eu disse através de uma mandíbula apertada, “você com certeza fez soar como a coisa mais segura a fazer.”
    "É sim. Mais que importante, é a coisa certa a fazer."
    Ficamos em silêncio por um momento.
    “Claro, há uma desvantagem”, ela adicionou.
    "Eu sabia!" eu gritei, jogando no chão meu cigarro.
    "Não é nada demais", ela disse.
    "Oh, o que, você quer minha alma?!" eu gritei.
    “Apenas sua ajuda,” ela disse calmamente. “Mas quando você trabalha conosco, você não é mais apenas uma parte da Sinfonia, você é um músico nela - e você não deve fazer coisas ruins. Como roubar seu chefe.”
    "Sem coisas ruins", eu retruquei de volta. "Como, digamos, matar alguém.”
    "Isso foi diferente", ela retrucou. “Serviu a um propósito.” De repente, a expressão de Nicole mudou. Ela sorriu, deu um tapinha nas minhas costas e soltou uma risadinha.
    "Alegre-se. Mesmo que você faça parte dos exércitos de Deus, você tem permissão para divertir-se, você sabe.”
    Eu cambaleei para fora do beco, em estado de choque, voltando para o mundo. Ele não tinha mudado muito nos últimos cinco minutos, mas eu tinha.
    “Eu não pensei que os anjos fossem capazes de matar alguém assim!” eu disse.
    “Aposto que você acha que todos nós gostamos de usar branco também”.
    "Usam?" Perguntei.
    Ela sorriu nervosa, fechando mais seu sobretudo.
    “Não há nada de errado com o branco”, ela disse.
    "Ok", eu disse, quase sorrindo, "Eu aceito que você é um anjo. E, como eu não tenho nada melhor para fazer, suponho que o pelo menos eu possa convidar você para sair”.
    “Sair...?!”
    “É... tipo, passar um tempo juntos, nos conhecermos melhor, essas coisas. Você gosta de dançar?"
    Nicole pareceu sem jeito. Era tão estranho ver isso em alguém que diz ser um anjo.
    “Desculpe, prefiro passar meu tempo sozinha”
    “Podemos “passar o tempo sozinhos” juntos! Afinal, se vai ser meu anjo da guarda, nada mais justo do que nos conhecermos!”
    Por fim, ela acabou concordando, meio a contragosto. Fomos a uma casa noturna estilo retrô do início dos anos 80. Meu anjo – Isto é, Nicole, a garota assustadora que eu tinha todos os motivos para acreditar que era um anjo - disse que nunca havia ido a um lugar desses. Muito barulhento, com cheiro de cigarro em toda a parte. Eu a convidei para dançar um pouco.
    “Vai que você acabe gostando” Disse eu, tentando animá-la.



    Dançamos como um casal por alguns momentos. Inicialmente ela estava meio travada, mas com o tempo pareceu se soltar um pouco mais. Foi ótimo deixar minha consciência relaxar e deixar meu corpo se mover com o ritmo, transpirando o medo que eu senti no beco. De qualquer forma, meu cérebro começou a voltar ao normal, e eu comecei a pensar sobre o que poderia acontecer se, como seu servo, eu fizesse coisas ruins. Afinal, ninguém é perfeito. Eu roubo ocasionalmente. Nunca é de quem não merece. E talvez às vezes eu minta. Grande coisa. Quem nunca?!
    Em dado momento, nossos olhos se encontraram e senti a sombra de um sorriso nos lábios dela. Me arrisquei a tentar beijá-la, mas ela imediatamente se afastou.
    “O que você está fazendo?” Perguntou ela, parecendo um pouco transtornada.
    “Bem... sabe, casais dançando costumam... se beijar” Disse eu, totalmente sem jeito.
    “... Desculpe, não tenho permissão para isso”
    “Você precisa de permissão para beijar alguém?” Perguntei, quase rindo comigo mesmo.
    “Você não entenderia. Sem ofensa!”
    “Hum, ok, hã... quer tomar alguma coisa?” Disse, tentando quebrar o clima de desconforto.
    Então, saímos da pista de dança. À medida que abrimos caminho pela multidão, perguntei-lhe o que aconteceria se eu fizesse coisas ruins.
    "Eventualmente", disse ela, "coisas ruins aconteceria com você.”
    “Hum, tipo o carma?”
    “O que é o carma?”
    “Ah, um conceito budista”
    “Budista? Você é religioso?”
    “Bem, não, mas já li algo sobre em uma revista uma vez. Tipo, se você faz coisas ruins, o universo retribui, e vice versa”
    "Hum", ela deu de ombros. “Acho que você poderia ver assim. Se você fizer coisas ruins na Sinfonia, elas ecoam de volta em você. A verdade completa é bem mais complexa que isso, mas as mentes humanas costumam simplificar tudo"
    “Mas trabalhando com você, um anjo, você disse que não estou mais preso na Sinfonia, eu sou um jogador nela. eu tenho algum controle sobre isso”.
    Ela assentiu. “Vou te ensinar algumas coisas. Agora que você está fora da Sinfonia, você já está controlando mais do que você imagina, mas em breve você vai ser capaz de fazê-lo conscientemente. Talvez eu vá ensinar-lhe algumas canções.”
    Eu passei minha vida inteira procurando brechas. Eu não sou um vagabundo ou qualquer coisa do tipo, mas brechas tornam sua vida mais fácil e eu pensei que tinha encontrado uma grande brecha.
    “Mas se eu posso controlar a Sinfonia, eu poderia impedir que essas coisas ruins acontecessem comigo.”
    Ela sorriu para mim, mais intensamente do que eu tinha visto antes. O tipo de sorriso que faz um cara se apaixonar por uma garota. Mas não era o sorriso de uma garota apaixonada, estava mais para uma professora que sorri com a ingenuidade de uma criança.
    "Não é tão simples", disse ela lentamente. “Bom, para simplificar um pouco, nós salvamos sua vida, então seria gentil de sua parte que nos ajudasse a promover o propósito geral de altruísmo neste mundo decadente. Se você fizer mal, você não estará nos ajudando e teríamos que retirar nosso apoio."
    “Meu projeto perderia seu financiamento.”
    "É um jeito de ver as coisas", ela respondeu.
    “E eu não conseguiria sair mais com um anjo.”
    “Mais importante, você não teria a proteção de um anjo mais."
    "Proteção?" Perguntei. "De que?"
    “Quando você está brincando com a Sinfonia, é bom ter proteção.”
    Ela chamou a atenção de um garçom que passava e pediu uma bebida. Vodka e tônica, eu acho.
    “Vocês podem beber álcool?”
    “Sim, o primeiro milagre de Jesus foi transformar água em vinho. Beber não é pecado, embriagar-se é, e eu não fico bêbada, antes que me pergunte”
    “Hum, então qual a graça de beber?”
    “Mortais...” Disse ela, quase sorrindo.
    Celestiais, eu descobri, são grandes em pausas dramáticas. Meu anjo se voltou para mim, mexendo sua bebida em seu pequeno copo de plástico com seu fino canudo vermelho.
    “Você falou em proteção?!” Voltei no assunto.
    "Sim", disse ela. "Proteção."
    “Proteção de quê?”
    Ela tomou um gole de sua bebida, então um lado de sua boca se crispou em um sorriso que quase parecia triste.
    "Você não vai gostar disso", ela disse.
    "Estou pronto para isso", eu disse, esfregando minhas palmas nos meus jeans.
    “Demônios,” ela disse.
    Eu não comecei a gritar imediatamente. Foi crescendo dentro de mim. Primeiro, eu disse: “Demônios” de volta para ela, só para ter certeza que eu ouvi certo. Então, quando ela assentiu, eu disse novamente, mas mais alto, apenas no caso de ela não ouvir-me bem. Ela assentiu novamente e eu disse mais alto, então calei a boca quando percebi que mesmo com o sistema de som do clube, as pessoas estavam começando a se virar e olhar para mim. Desta vez, Nicole me puxou pelo cinto para outra parte mais tranquila do clube.
    "Demônios?", eu sussurrei.
    “Demônios!” ela disse.
    “Você esqueceu de mencionar os demônios antes,” eu apontei.
    “Bom, quando você tem anjos, você tem demônios”, disse ela. "É simples. Você faz parecer que muito importante. A verdade é que raramente tenho que mexer com demônios.”
    “Demônios...” eu repeti.
    "Quase nunca!"
    Isso não me fez sentir melhor.
    “Então eu deveria ter medo de demônios, mas não ligar muito para isso. Mas se eu puder controlar a Sinfonia, eu não poderia evitar demônios e ainda . . . talvez . . . não exatamente fazer coisas boas o tempo todo?”
    Nicole suspirou, olhando para um canto distante da sala e passando a mão através de seus longos cabelos loiros.
    “Humanos... sempre fugindo do dever e buscando o prazer fácil. É por isso que estamos perdendo a guerra...”. Os humanos têm que fazer as coisas por si mesmos ou qual seria o sentido de tudo?  Estamos aqui apenas para ajudar, mas quem tem que fazer o trabalho são vocês. Eu me arrisquei por você, o mínimo que você poderia fazer para retribuir é não sair por aí fazendo abertamente coisas ruins,” ela terminou.
    "Porque coisas ruins aconteceriam comigo se eu fizesse.”
    "Coisas ruins aconteceriam", disse ela, bebendo sua bebida.
    “E eu não seria capaz de pará-las.”
    “E você não seria capaz de me parar” ela disse, e isso acabou conversa.
    Saímos por uma porta dos fundos onde as pessoas não um pareciam estar prestando atenção. Nicole teve o cuidado de manobrar seus saltos brancos em torno das poças de chuva do dia anterior que estagnavam na parte de trás beco.
    “Então...os anjos passam muito tempo nos becos?”, observei, tentando quebrar o gelo.
    "Alguns sim", ela respondeu. "Eu tenho uma casa. Tem acabamento rosa e uma cerquinha branca. Você vai gostar. Mas estou quase sem Essência, então agora eu vou deixá-lo com um amigo meu.”
    “Ah, ótimo,” eu disse. "Eu acabei de te conhecer, e já estou sendo entregue como um animal de estimação irritante.”
    “Você só é irritante quando age assim” meu anjo repreendeu. "Eu verei você em breve." Ela parou na boca do beco. “‘Diga-me quando vir um carro roxo. Não tem como errar.”
    Enquanto esperávamos, fiz mais uma pergunta.
    “Você falou algo sobre estar sem... Essência, essa é a palavra?”
    “A essência é a energia do universo. Tudo que vive gera Essência, de uma forma ou outra. Você sabe como os maratonistas falam sobre o “pico do corredor”? É assim que esse tipo de pessoa gera Essência. Nós celestiais usamos Essência para controlar o Sinfonia, como pudermos. Lembra quando aquele cara voou para longe de você no beco? Eu usei Essência para jogá-lo longe”
    “Hum, acho que estou começando a entender”
    Então, em poucos minutos o carro mais feio e mais horrivelmente roxo que eu já tinha visto surgiu pela esquina. Deveria ser o tal amigo dela. Eu fiz sinal para ela e ela saiu do beco, sinalizando como se fosse pegar um táxi. Ele parou instantaneamente, o cheiro de borracha queimada pairando no ar.


    A porta traseira do carro se abriu e Nicole me empurrou em direção a ela.
    "Ele é um amigo meu", ela falou, recuando para o beco. “Encontro vocês dois em breve.”
    Eu tropecei, e o carro mais feio do mundo acelerou tão rápido que eu caí no assoalho.
    Quando entrei pela porta, vi duas outras pessoas no carro, nos bancos da frente.
    Um Sonho Brilhante The-Undertaker-de-WWE-dice-que-American-Bad-Ass-lo


    Uma mulher de braços cruzados e cara amarrada no lado do passageiro. O motorista era um homem grande e musculoso, com tufos vermelhos de cabelo saindo dos muitos buracos em sua desgastada jaqueta de couro. Fizemos contato visual pelo espelho retrovisor. Ele usava óculos de aviador desgastados pelo vento e se vestia como um motoqueiro dos “Hell’s Angels”. Ele acenou com a cabeça um olá. A menina e eu fizemos um contato visual rápido, mas ela instantaneamente o desviou. Ela realmente parecia estar furiosa com algo.
    “Ei,” eu disse, acenando, tentando quebrar o gelo.
    "Então você é o novo amigo de Nicole" disse o motorista.
    “Ah, sim.” O carro era positivamente silencioso.
    “Quanto tempo você trabalhou com ela?” ele perguntou.
    “Algumas horas,” eu disse.
    "Ah, droga", ele gritou, batendo a palma de sua mão contra o volante. “Não há ninguém com experiência hoje em dia'-"
    "Então, você é um anjo?" Eu perguntei, não querendo voltar o dolorosamente desconfortável silêncio.
    “Eu sou um Gabrielita” ele corrigiu.
    “Qual é a diferença entre um Gabrielita e um anjo normal?”
    "Ei, ei", disse ele, franzindo a testa “Um Gabrielita é um anjo normal. Não, esqueça isso, um Gabrielita é uma espécie de anjo normal. Veja, existem diferentes Coros de anjos. Eu pertenço ao Coro de Gabriel. Seu anjo, Nicole, ela é uma Orfielita .”
    “Então, hum, quantos anjos existem?"
    "Muitos", disse ele.
    “E quantos demônios existem?” eu perguntei hesitante.
    “Muitos e muitos. Demônios de diferentes formas e tamanhos, trabalhando para promover todo tipo de mal que você possa imaginar. Há cerca de um gaguilhão de demônios por aí. Falando em demônios, você sabe o que aconteceu com o outro servo de Nicole?"
    "Não sei", eu dei de ombros.
    “Ela provavelmente o matou, e agora ela foi provavelmente entregar seu sangue para seu Arcanjo.”
    Justo quando eu estava chegando ao ponto que eu pensei que nada iria me chocar mais, caramba. Ele era o antigo servo dela?!
    "Ela fez!" Eu gritei freneticamente. "Ela fez! Ela matou esse cara, drenou seu sangue, e então...
    "Espera, cara", ele gritou mim. Eu calei a boca. “O antigo servo de Nicole era um babaca dos piores, entende? O filho da mãe revelou nosso disfarce para um par de demônios que quase nos mataram. “
    INTERLÚDIO

    Nicole torceu o guidão para esquerda, forçando sua motocicleta para fora da estrada como um cavalo de corrida em direção ao fim da linha. Finalmente ela estacionava em sua garagem e abria a porta para entrar em sua casa, quando um calafrio em sua espinha lhe indicava que não estava sozinha. Ao acender a luz, ela podia ver uma névoa no piso de sua sala, e à sua frente, uma figura alta, coberta com um manto negro e enormes asas da mesma cor saindo de suas costas.



    Um Sonho Brilhante Main-qimg-e72e575a9cf1d6d5bbfb7bc6f14813c5


    “Bom”, disse Orphiel, o arcanjo da Justiça, sua voz como o vento sussurrando em seus ouvidos em uma noite fria. “Eu presumo que você o tenha feito?”
    “Sim,” disse Nicole, retirando o frasco com sangue de sua jaqueta. Eles ficaram em silêncio por alguns instantes. Era outono e o ar da noite estava perdendo seu calor (mas provavelmente era apenas efeito da presença de Orphiel).
    “Primeiro,” ela disse lentamente, “o sangue é do meu servo. Meu falecido servo.
    Orphiel olhou para o frasco por trás de seu capuz que nada revelava, segurando-os cuidadosamente.
    “Segundo, há alguns demônios em cidade, mas acho que os coloquei nas gargantas uns dos outros.”
    O Arcanjo assentiu.
    "Mas...", disse Orphiel.
    “Mas eu preciso de um Raguelita. Apenas em último caso. Só por um dia.”
    “Eu não posso fazer isso. Há outras coisas acontecendo, e Raguel também está ocupado para ceder seus servos.”
    “Então me devolva minha arma,” Nicole disse, olhando para seu superior. "Pelo menos me dê uma chance de lutar.”
    Mesmo com suas feições totalmente escondidas, era possível sentir seu olhar julgando-a.
    “Você está sem Essência?! Esperava mais de você!”
    Nicole virou a cabeça como se tivesse levado um tapa.
    "Foi necessário, tive de salvar um inocente, e além do mais, isso me garantiu instantaneamente um novo servo", ela murmurou.
    “Um descuido!” Orphiel cuspiu, o clima na sala ia ficando mais frio e pesado.
    “Peço perdão”, disse Nicole.
    "Você é um dos meus servos favoritos", ele entoou. “Me desagradaria ver alguma coisa acontecer com você”.
    "Sim, meu senhor", disse Nicole, curvando-se, sentindo a névoa fria que emanava de Orphiel.
    “Você encontrará sua arma em seu bolso. Eu não acho que você tenha tempo de voltar para a cidade. Assuma sua forma celestial, e vou mascarar sua presença enquanto você se move através da Sinfonia.”
    “Sim, meu senhor.”
    "Algo mais?" disse o arcanjo.
    "Sim", Nicole sussurrou enquanto sua carne virou-se para a luz. "Obrigada."
    “Se não se importar,” eu disse, “você poderia retornar um pouco e falar sobre o que está acontecendo? Quero dizer, o plano de ação atual?”
    “Nicole descobriu esta pintura de, bem, eu ouvi dizer que é da Idade Média, não duvido nada, não se fazem mais obras tão belas desde a Idade Média. Mas enfim, não é a arte em si a questão, ela não é uma simples obra de arte. Nas mãos de um artista, um verdadeiro artista, esta pintura em particular pode ser usada para prender um celestial.”
    "Prender?"
    "Sim. Se o celestial está em sua presença, o artista pode pintar o demônio – ou, eu acho, o anjo – na imagem, prendendo-o lá dentro, indetectável, até que alguém seja pintado em seu lugar, ou um artista diferente pinte sobre ele, libertando o prisioneiro. Claro, ambos os lados estão procurando por isso há algum tempo – galerias privadas japonesas, o Vaticano, infelizmente o vaticano não é mais tão confiável quanto antes dos anos 60.
    “Onde ela a encontrou?”
    "Eu não sei", disse ele. “Mas nós a temos agora. Devemos arranjar uma Entrega. Mas o artista que ela arranjou para trabalhar em prender nossa vítima está... bem... indisposto."
    "Indisposto?"
    “Morto, na verdade. Ele teve uma overdose nessa manhã, bem suspeito. Nós suspeitamos dos Diabólicos”.
    “Os demônios?!” eu disse.
    "Sim. Seu antecessor nos denunciou."
    "Inferno, me dê um pincel", eu disse, "eu mesmo pintarei."
    “Não, não, não, não funciona para qualquer um. Você tem que ter um artista sintonizado com a pintura, o que leva muito de tempo e esforço, para não mencionar encontrar o cara certo, primeiro.”
    "E agora?" Perguntei. "Onde então nós vamos?"
    "Nenhum lugar", disse ele, "estamos apenas tentando manter a pintura em movimento, longe daqueles malditos. Em tempos como este, eu gostaria de ter algum Raguelita por perto.”
    “Raguelita?”
    “Eles são os agentes da Sinfonia da verdade. Cada Coro de anjos tem sua própria maneira especial de perceber a Sinfonia, sua própria ressonância com a realidade. Raguel tem o dom de ver verdades que outros não conseguem. Seriam muito úteis neste momento, onde não se sabe em quem confiar.”'
    “Parece legal.”
    “Sim, é útil. Orfielitas , como Nicole, sabem todo tipo de fraquezas sobre uma pessoa só de olhar para ela. Ou encontrar o melhor caminho caso esteja em apuros”
    "E você?" Perguntei. "O que você faz?"
    “Eu sou um Gabrielita – nós protegemos as coisas. Como a Patrícia aqui. Ela é uma garota importante." O Gabrielita deu um tapinha no joelho da passageira quando pararam em um sinal vermelho, mas ela ficou olhando para frente.
    “Estou sintonizado com ela, viu? Assim como aquele artista estava sintonizado com aquela pintura. Ela está me ignorando agora porque ela sabe que isso me deixa louco, mas não importa onde ela vá ou o que ela faz, eu vou sei disso porque essa é a minha ressonância.” “Ela não queria que eu me envolvesse, mas esse é meu trabalho, e como estou sendo caçado, esses desgraçados com certeza a pegariam para chamar minha atenção, então preciso manter ela por perto.” Ele estremeceu. “Sim, esse é o problema. Tempos como este, quando há demônios rastejando em torno de cada porta, você preciso tomar alguns cuidados. Quando eu digo que estou sintonizado com ela, não é só que eu tenha alguma ligação com ela, é isso, literalmente! Ela é uma parte de mim.” "Eu a amo mais do que eu amo qualquer outra coisa em toda a Sinfonia, e mesmo que ela me odeie por fazer isso quando as coisas ficam um pouco tensas, eu tenho que fazer.” “Se eu não o fizesse, e algo acontecesse com ela, isso me destruiria, literalmente. É apenas como nós somos. eu devo proteger ela, viu? É minha natureza. E permitir que qualquer coisa. Se qualquer coisa acontecer a ela, isso iria deixar minha ressonância com a sinfonia fora de controle. “Quanto mais distante você fica da Sinfonia,” o anjo disse, seus olhos estreitando e sua voz ficando baixa, “Mais você começa a se questionar, entende? Talvez haja um bem maior além daquele que você esteve protegendo todo esse tempo. Talvez todos os caras do outro lado estejam certos. Primeiro você fica confuso, depois acha que está “se tornando mais sábio”, e então você cai.” Ele ilustrou isso batendo um punho em uma mão aberta, e eu pulei tão alto que bati cabeça no teto do carro. O anjo riu. Patrícia também.
    “Mas não se assuste”, ele disse, afastando-se do semáforo. “Conseguimos ficar longe dos demônios até agora”.
    E, claro, foi nesse exato instante em que o pequeno carro esportivo vermelho bateu em nós, arremessando-nos através da rua em um poste telefônico.
    Falando no diabo.
    Quando recobrei a consciência, o banco do motorista estava vazio e Patricia parecia muito grogue. Ela tinha um corte feio em sua testa, sangrando como as feridas na cabeça tendem a sangrar. Eu olhei pela janela. O carro esportivo, que parecia surpreendentemente intacto, estava estacionado do outro lado da rua. Duas figuras caminharam em direção ao nosso veículo. eu podia ver o Gabrielita entre nós e eles. Só de tempo para o Gabrielita lançar um olhar para mim, como que dizendo: proteja ela, ou eu te mato.


    Um Sonho Brilhante Images?q=tbn:ANd9GcRPE_6az8oFLEh8mpG_oViK9dncXette8wEnrv9A6ethlbV_gktfPPpDM2u9EprYUVj5CU&usqp=CAU  Um Sonho Brilhante Images?q=tbn:ANd9GcRtYITjQGI689KFctJjKdo7c80lUKT9Xlbbt2xoiWKeWqnVFpxWE1z5Wc6beiIXTJbsUcU&usqp=CAU

    “Não tinha como você dirigir um carro mais discreto, homem,” disse a primeira figura, um magro e jovial cara de terno preto, fumando dois cigarros em uma mão e segurando um faca longa e afiada na outra. Ele deu uma tragada profunda, jogou a cabeça para trás e exalou uma nuvem de fumaça que quase obscureceu o céu.
    A outra figura era enorme. Ainda maior que o Gabrielita, eu estava com medo só de vê-lo. Inclinando-me para frente, Patrícia imediatamente tentou saír do carro para ajudar o Gabrielita (como se ela pudesse fazer algo), então eu a segurei com força, como se minha vida dependesse disso (e talvez dependesse mesmo). Eu podia ouvir a luta lá fora enquanto eu lutava com ela. Porém, ela acabou dando uma cotovelada em meu olho, fazendo com que eu a soltasse por uma fração de segundo, o que foi tempo necessário para ela escapar. Antes que eu pudesse dizer qualquer coisa, ela saiu correndo do carro e começou a gritar.
    Caramba, pensei comigo mesmo. Agora eu vou ter que sair do carro.
    Patricia estava segurando o Gabrielita, e ele estava tossindo sangue em cima dela. Seu peito se moveu um pouco, e então parou. Eu mal conseguia distinguir a figura deformada que deve ter sido o demônio maior, porque o cara magro estava em cima de mim em um lampejo, agarrando minha mão direita e mordendo com força. Eu podia sentir a junta se deslocar, e eu pensei: “Certamente ele não arrancou meu polegar com uma dentada.” Eu olhei para baixo para minha mão. Ele mordeu meu polegar. Sangue escorreu pelo seu queixo em um sorriso selvagem e brutal.
    Obviamente, pensei comigo mesmo através de um cérebro em choque, este é um demônio.
    “Onde está a pintura?” ele gritou em tons lentos e medidos, cuspindo meu sangue por todo o meu rosto.
    “Eu não sei,” eu disse. Ele deu um tapa em meu rosto, e através de tudo, a única coisa que consegui perceber foi Patrícia murmurando seu mantra para o moribundo Gabrielita – “Isto é apenas uma veste, este é apenas um receptáculo.”
    “Você não tem ideia de quão ruim foi o meu dia", disse ele, chutando-me no lado depois que eu caí no chão. Por sorte, ele pareceu cansado de abusar de mim e decidiu verificar o carro. Não demorou muito para ele olhar no porta-malas, de onde ele tirou um pacote longo e plano embrulhado em papel pardo.
    "Oh, isso é doce", disse ele, beijando-o.
    Mesmo reclinado na calçada, eu podia ver uma grande impressão labial sangrenta na embalagem conforme o demônio passava por mim, como uma nota de amor de uma namorada demente. Ele caminhou calmamente até seu carro, colocou-o no banco do passageiro e acelerou, deixando Patricia e eu tremendo e soluçando. Somente algumas horas antes, eu continuava pensando, eu estava feliz e bêbado.
    Uma forma escura apareceu do céu noturno, descendo até nós. Nicole coagulou em sua forma corpórea, fervendo.
    “Ele pegou a pintura”, disse Patricia ela entre soluços.
    Meu anjo me pegou, me jogou no carro do Gabrielita e abandonou a cena da carnificina, não sem antes gritar para Patrícia entrar no carro, mas ela parecia nem nos ouvir. Meu anjo tinha pressa, então precisou deixar Patricia acalentando o corpo de seu anjo como um pietà moderna.
    “Tariel te contou?” ela perguntou quando nós voamos pela estrada como, bem, como um morcego do inferno. Eu balancei minha cabeça, ainda um pouco fraco pela perda de sangue. "Tariel", ela perguntou. “O Gabrielita”.
    "Sim", eu balancei a cabeça, tentando permanecer acordado. “Artista, Arcanjo, Coros.”
    "Bom. Achei que ele lhe contar o básico.” Nós dirigimos alguns momentos em silêncio. “Desculpe pelo seu polegar. eu posso conserte isso quando eu recuperar minha essência.”
    O que acontece com Tariel?
    “Ah, suponho que ele vai acordar no Paraíso a qualquer momento, sentindo-se bem deprimido. Ele deve ter realmente levado um chute na bunda pelo grande demônio, mas notei que o outro cara não estava exatamente de pé. Logo Tariel ganhará Essência suficiente para fazer outra veste corpórea para si mesmo, então ele estará de volta, rondando as ruas novamente.
    E não se preocupe com Patrícia. Eles mataram Tariel e têm a pintura, ela está mais segura longe de nós.”
    Ao lembrar de Patrícia e Tariel, um estranho pensamento me veio à mente.
    “Tariel e Patrícia... bem, eles eram... amantes?!”
    “Não da forma como você está pensando. Não temos permissão para “acasalarmos” com mortais. O relacionamento deles é mais complicado do que você possa imaginar. Tariel vai estar de volta em breve, e ela com certeza vai chorar de felicidade.”
    “O que você conseguiu do seu Arcanjo?"
    "Um pouco de tempo. E porque eu fiz meu dever de casa, ele me devolveu minha pequenina arminha de fogo.
    "Sua o quê?"
    “É uma pequena pistola, com uma câmara abençoada grande o suficiente para conter uma única bala sagrada. Não é muito precisa, mas se você der um bom tiro, você pode matar um demônio. Se tiver sorte.
    Meu Arcanjo, Orphiel, a tirou de mim porque ele disse que eu estava muito dependente dela. Ele a devolveu para mim por encontrar o rato em nossa pequena organização, meu velho servo." Nós dois ficamos em silêncio por um momento. “Suponho que Tariel lhe disse sobre isso também.” eu não disse nada.
    “Bem, de qualquer maneira, nós temos isso para nós e apenas mais um demônio para caçar, tanto quanto se sabe. Mas sem mais milagres esta noite - estou sem Essência."
    “Você não poderia ter pedido mais Essência do seu Arcanjo?”
    “Quando você pede mais do Arcanjo,” ela disse como se recitasse um ditado popular, “eles esperam ainda mais de você.” devo ter parecido intrigado, porque ela acrescentou: "E isso pode ser ruim. Mas, se pudermos fazer isso até nascer do sol,” ela disse, conduzindo o carro do anjo morto pela interestadual, "estaremos salvos.”
    “O que acontece ao nascer do sol?”
    “Recebo um pouco de essência de volta. Todas as manhãs, enquanto o sol se levanta sobre o horizonte, os anjos recuperam alguma de sua Essência gasta. Com um pouco de Essência, eu poderia fritar aquele demônio. As forças de Lúcifer dependem de seus números, não de sua força."
    "E se não?"
    Nicole riu. “Se não, então devemos esperar que nosso demônio chegue perto o suficiente para ser baleado por minha pequena arma antes que ele arranque nossas cabeças.”
    "E se isso não funcionar?"
    "Então espero que você tenha tempo de encontrar um bom padre e se confessar... para que possamos nos ver no céu", ela disse, acelerando o carro pela entrada de sua casa.
    Quando ela saiu do carro, eu a agarrei pelo pulso.
    "Espere um segundo", eu gritei. "Como sabemos que ele não está lá esperando nós?"
    "Nós não sabemos", disse ela. “Na verdade, ele provavelmente está. Eu dei a ele uma chave da última vez que eu vi ele."
    “Você não tem algum tipo de detector de demônios embutido ou algo assim?”
    Ela deu de ombros. "Não mais que demônios têm detectores de anjos embutidos. Mas se isso faz você se sentir melhor -” ela fechou seus olhos e colocou a mão em sua testa
    "mmm, não, sem demônios aqui."
    "Tem certeza?"
    "Não", ela sorriu. “Pare com isso.” "Droga", disse ela, passando pela porta, pegando um vestido embrulhado em um plástico, pendurado em um gancho no corredor e girando-o ao redor da sala.
    “Lavanderias. Eles chamam isso de branco? eu sabia. Eu deveria ter pegado sozinha. Eu teria feito eles fazerem certo.”
    "Olá, querida", disse o demônio, mostrando todos os dentes quando emergiu da escuridão de sua cozinha. "Que bom que pôde dar uma passadinha. “
    Ela deixou cair sua roupa. "Você novamente”, ela perguntou. Ele caminhou em nossa direção, fora das sombras. Ele estava com a faca novamente, o que implicava para mim que ele estava sem Essência ou ele teria tentado nos fritar quando entramos. Interiormente, eu me senti orgulho de mim mesmo por começar a entender como coisas funcionavam.
    “Isso vai ser divertido”, disse. "Eu não faço nada assim em, oh, meia hora mais ou menos”.
    "Tente", ela cuspiu.
    "Vamos, baby", ele olhou de soslaio, agarrando o pulso dela com sua mão vazia com a mão vazia, puxando-a para perto. "Me dê um beije e me chame de Jesus”.
    Mais rápido do que eu podia ver, ela puxou a arma de seu casaco e fez um pequeno buraco em seu peito.
    "Você é... a maior das vadias”, ele disse, seu sorriso congelando em seu rosto enquanto ele caiu de joelhos. Ela plantou um salto alto branco cravado em seu peito sangrando e gentilmente empurrou-o para trás, para o chão, para que ele não caísse “do lado da manteiga para baixo”, por assim dizer, e ensanguentasse seu tapete. Porém, ao fazê-lo, ela de dobrou como se tivesse sentido uma forte dor no estômago.
    "Vejo você mais tarde, maldito", disse ela, e com um grande arfar, a veste morreu.
    "Isso foi anticlimático", eu disse, tremendo.
    “Vá para casa e durma um pouco”, ela disse, virando-se para mim e recarregando a pequena pistola. A bala entoou sussurros de devoção eterna quando ela o deslizou no sepulcro disparador. “Amanhã é um dia movimentado. Você tem que encontrar para mim outro artista com uma reputação não convencional. Tenho certeza há muitos por aí nessa Cidade."
    “Mas por que eu tenho que fazer o trabalho? Eu pensei que você fosse meu anjo da guarda.”
    Nicole riu. “Você é mesmo a coisa mais fofa. Eu tenho que te manter por perto. Claro, você poderia pensar em mim como um anjo da guarda, mas na verdade é mais como você ser meu humano guardião. "Agora vá", disse ela, me lançando um olhar duro e frio, “Lembre-se do que lhe disse”.
    "Coisas boas", eu gaguejei, pensando sobre o meu antecessor.
    "Apenas as melhores", ela cantou. “Agora me ajude a tirar este corpo daqui, e não deixe nenhum sangue no tapete. É uma criatura suja que descartamos esta noite, mas talvez o mortal que ele possuía fosse um inocente.”
    “Ele parecia pensar que era seu namorado,” eu apontei.
    "Ele sempre foi um convencido, sempre achando que todas se interessam por ele", disse ela, olhando para o cadáver. "Agora por favor, mãos à obra.”
    "Claro", eu disse, ficando cada vez mais resignado ao meu destino. Eu prometi a mim mesmo uma nova vida, não foi? Parecia que eu tinha encontrado 1.
    Eu olhei para baixo para o cadáver retorcido do demônio. Seu sorriso mortal e vidrado me observava.
    "Eu vou dormir um pouco primeiro", eu disse, fechando minha jaqueta e indo rapidamente para a porta.
    "Certo. Ligue para a polícia e descubra se o carro do morto aqui apareceu estacionado em alguma vaga para deficientes ou algo assim. É a cara dele. Precisamos recuperar logo a pintura”.
    "Algo mais?" Perguntei.
    “Sim, tenha um feliz aniversário”, ela sorriu através de dentes perfeitos e perolados.
    "Claro", eu disse, tropeçando até a porta.
    O ar antes do amanhecer da cidade parecia limpo e claro. Estendi os braços em direção ao horizonte, bocejando, ansiando pelo brilhante sonho com o nascer do sol, o descanso temporário da liberdade.
    “E você levaria minha roupa de volta à lavanderia?" ela gritou através da porta. "Eu não posso acreditar que eles chamam isso de branco.”

      Data/hora atual: Sex Jul 01, 2022 8:16 am