Um fórum de RPG online no formato de PBF (Play by Forum).


    Rickard Aldaran - Sayd

    Compartilhe
    Pallando
    Troubleshooter
    avatar
    Troubleshooter

    Mensagens : 918
    Reputação : 22
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png

    Rickard Aldaran - Sayd

    Mensagem por Pallando em Qua Set 13, 2017 4:37 pm

    Rickard Aldaran



    Caminhando com o andar torto e os passos lentos, um braço apoiado no lombo de sua montaria e o outro ocupado em levar a mão até o fundo da bolsa que carregava, o homem que dava alguns sinais de embriaguez seguia como o último naquele grupo em que estava. Não parecia apressado ou nervoso, apesar da boca aberta e a respiração ofegante que podiam ser explicadas pelo peso do homem e o fato de estar andando há algum tempo. Pouco a pouco vinha ficando para trás desde que a comitiva fora obrigada a seguir mais devagar, e então recebera uma suposta ordem para descer do cavalo. Havia odiado a situação logo de inicio, e chegou a queixar-se com um garoto que estava mais próximo, Donell, mas este não lhe deu atenção.

    Rumo à Winterfell, a comitiva de nove pessoas tinha começado aquele caminho com certa pressa para chegar ao local de destino, e realmente foram eficientes durante o primeiro dia de viagem. Porém, no segundo dia, logo pelo começo da manhã, veio o mal-estar da única mulher entre eles. "Não é nada demais", foi o que ouviram daquele que entre eles tinha o maior conhecimento ao lidar com doenças de toda espécie. Mas a situação da jovem ficou estranha depois de algumas horas, piorou mais no período da tarde e a derrubou do cavalo antes que a noite daquele dia chegasse.

    A jovem de apenas quinze anos, Lyanna Aldaran, era aquela que, ao menos pelo que demonstrava, estava mais empolgada com aquela curta jornada até Winterfell. E por isso foi realmente preocupante quando justamente ela caiu de sua montaria devido ao mal-estar e com isso obrigou a comitiva a diminuir o ritmo. Houve tempo para discussão entre os subordinados e preocupação geral quanto ao que fazer, mas em um segundo momento ficou claro o que fariam. Quando Lyana mostrou boa melhora, continuaram para seu destino, entretanto, foi necessário irem mais devagar. O vento soprava contra eles, a chuva fraca parecia um banho de agulhas e a doente entre eles cavalgava com dificuldade, mas o lar da Casa Stark estava próximo. Não haviam dúvidas de que tudo correria bem se apenas seguissem com calma.

    No final das contas, todos ali tinham o mínimo necessário para seguir firmes depois que escolhidos para caminhar ao lado do primeiro filho da Casa Aldaran.

    Rickard Aldaran seguia em um dos primeiros cavalos da comitiva. O lugar por onde passavam, uma pequena área com solo barroso cujas árvores se espalhavam por toda sua extensão, não lhe passava muita confiança. Apesar do vento e da pouca chuva que certamente eram um problema para os que se irritavam mais fácil, era o céu nublado e também o silêncio que pareciam querer incomodar o primogênito do Lorde Aldaran. Sua irmã Lyanna seguia em um cavalo ao seu lado vestindo um capuz cinza-escuro e ainda escondia o cabelo trançado por dentro da peça de roupa. Sua pele estava pálida, seu olhar ligeiramente cansado e quase toda a excitação inicial por causa da viagem parecia ter se esgotado depois dos problemas da noite anterior.

    Quase uma hora atrás, Donell Ryswell estivera cavalgando logo atrás dos irmãos Aldaran. Até então, o garoto pajem vinha se esforçando para se mostrar útil, isso por que fora ele que insistira em acompanhar Rickard até Winterfell. Donell timidamente havia tentado iniciar algumas conversas, mas sem sucesso. Pouco tempo depois disso acabou ficando para trás com seu cavalo e agora caminhava perto de Benfred Pé-torto, o homem que andava estranho e carregava uma bolsa.

    - Senhor.- A voz rouca chamou por Rickard como um sussurro, e quando o jovem Aldaran olhou ao lado de seu cavalo encontrou Medger por perto. Era um homem pequeno e magricela com seus cinquenta anos e alguns restos de cabelo grisalho na cabeça, mas continuava sendo confiável apesar da aparência intimidadora. Medger era um soldado dos Aldaran desde antes mesmo de Rickard nascer.- Gostaria de verificar um pouco acima...- Apontou referindo-se ao pequeno morro na direção oeste, ainda dentro daquela zona com árvores altas. O que ele esperava encontrar depois daquilo era um mistério, mas Medger sempre fora extremamente cauteloso, por vezes até considerado paranoico.

    Também interessados no que Rickard responderia estavam os dois homens que vinham logo atrás, Tommy, um jovem cuja vontade de servir só se equiparava ao seu medo de morrer em combate, e o grande Barbrey, um soldado de meia-idade que tinha enorme respeito por Rickard e principalmente por seu pai. Ambos sabiam que se alguém fosse acompanhar Medger em sua busca pelo que provavelmente não existia, esse alguém poderia muito bem ser um deles.

    O restante da comitiva seguia no mesmo silêncio em que vinham há um bom tempo.

    OFF:
    E começamos o/

    Sinta-se livre acrescentar detalhes nos acontecimentos passados nesse primeiro post, principalmente os envolvendo membros da Casa Aldaran. Se julgar necessário, pode definir algumas características deles, Lyanna e Donell, e as levaremos pelo resto do jogo.

    Minha única experiência mestrando um RPG em fórum foi na primeira versão desse jogo e isso já tem um tempo. Por isso, se tiver alguma dúvida, não entender algo do post ou não curtir algum aspecto da narração ou qualquer outra coisa, é só se manifestar. Tamo ae  Wink
    Sayd
    Mutante
    avatar
    Mutante

    Mensagens : 594
    Reputação : 24

    Re: Rickard Aldaran - Sayd

    Mensagem por Sayd em Qua Set 13, 2017 7:09 pm

    O súbito mal estar de minha irmã Lyanna afastou os outros pensamentos e preocupações que andavam em minha mente. Minha doce e meiga irmã não merecia que isso fosse acontecer justamente em sua viagem para Winterfell. Eu bem sabia o que essa viagem significava para ela. Olho para Lyanna, tão parecida com Benjen, uma versão feminina e mais nova de mim mesmo, e tenho vontade de leva-la no colo pelo resto do caminho. Até mesmo a maneira como seu cabelo escuro agora contorna seu rosto reforça a aparência abatida.

    “Anime-se, Ly”, eu digo a ela enquanto cavalgo ao seu lado em meu corcel chamado Tufão. “Estamos quase lá. É Winterfell! Haverá um meistre para tratar de você, bebidas quentes e nobres com quem conversar. Aguente firme, querida. Lady Sansa Stark tem quase a sua idade... vocês vão se dar bem uma com a outra.”

    Alguns metros mais a frente, percebendo que minhas palavras não tiveram qualquer efeito visível de melhora em minha irmã, eu mudo de discurso. “Avise se estiver precisando parar. Ou se estiver fraca para montar sozinha. Eu posso leva-la comigo em meu cavalo se você preferir, apenas não deixe de nos dizer se você precisa de alguma coisa”.

    Reparo como Donell parece preocupado com Lyanna e sinto-me grato pela companhia do rapaz de cabelos castanho acobreados e barba rala. Sabia que poderia contar com ele para o que quer que fosse.

    Neste momento sou interpelado por Medger com suas suspeitas. Com minha irmã doente, me desagrada a ideia de fazer outra parada. Preferia chegar logo a Winterfell para que ela recebesse os cuidados necessários, mas considero que é melhor dar uma chance aos instintos do velho soldado.

    Observo com curiosidade o morro para onde ele aponta e tento ouvir alguma coisa, mas não percebo nada. “Medger, eu concedo que você vá até lá para verificar se o caminho está seguro. Tommy, acompanhe ele.”

    Sinto um mau pressentimento quando a dupla começa a se afastar. Provavelmente não é nada, mas os velhos deuses já nos presentearam com o mal estar de Lyanna e sabe lá o que mais podem nos ter reservado. Retiro minha adaga da bainha e entrego-a a minha irmã, tentando disfarçar minha tensão. “Não há com o que se preocupar, mas mantenha isso com você até eles voltarem. Se algo acontecer você poderá se defender”. E então me afasto para onde está Donell e digo em voz baixa ao pajem “Fique atento. Se formos atacados pegue Lyanna e suma daqui. Prometa-me que vai mantê-la segura”.

    Com a mão esquerda eu apalpo a madeira de meu arco longo, atrás de mim no cavalo e observo atentamente os arredores enquanto meus dois batedores não voltam.

    off:
    Inicio maravilhoso e nem um pouco confuso. Inseri algumas informações sobre os personagens. Obrigado.
    Pallando
    Troubleshooter
    avatar
    Troubleshooter

    Mensagens : 918
    Reputação : 22
    Conquistas :
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/411.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1112.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1811.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1413.png
    • https://i11.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/1611.png

    Re: Rickard Aldaran - Sayd

    Mensagem por Pallando em Sab Set 16, 2017 4:10 pm

    Apesar de responder positivamente com firmeza ao ouvir a ordem do líder da comitiva, Tommy desceu de sua montaria com a mesma vontade que o faria se estivesse prestes a ser chicoteado, enquanto Barbrey se limitou a rir do rapaz. Acompanhar Medger nunca era uma tarefa fácil, pois o velho soldado certamente aproveitaria a oportunidade para criticar o mais jovem como sempre fazia.

    Assim que a dupla começou a se afastar, a comitiva passou a diminuir o ritmo até pararem completamente para esperar o retorno dos dois. Ouviu-se então principalmente a voz de Benfred, que resmungou alguma coisa sobre Medger, xingou e depois tentou subir em sua montaria. Donell estava logo ao lado do Pé-torto e parecia curioso com o que Rickard conversava com Lyana.

    O jovem Aldaran entregou discretamente a adaga para sua irmã e ela o retribuiu com um olhar preocupado. Segurou sem muita certeza a adaga que lhe fora entregue e gesticulou os lábios como se quisesse falar algo, provavelmente perguntar o que estava havendo, mas demorou para faze-lo e então assistiu seu irmão se distanciar na direção do pajem.

    Rickard aproximou-se com sua montaria e foi recebido por um cumprimento sempre respeitoso por parte de Donell. Também próximo deles estava Loyd, o subordinado de cabeça raspada que havia tratado de Lyana desde o primeiro momento de mal-estar. Discreto, Rickard falou ao pajem em voz baixa e o alertou de suas preocupações. Também um pouco assustado como Lyana, Donell olhou para o líder e depois na direção da doente, e apesar da surpresa inicial ele não demorou para dar resposta.

    - Sim, senhor. Eu lhe prometo.- Respondeu com confiança. Confiança que alguém mais experiente como Rickard poderia dizer que era até ingênua.

    Segundos depois da promessa, Donell tratou de se aproximar um pouco mais de Lyana com seu cavalo. Isso foi visto com certa desconfiança por Loyd e pelo Pé-torto, mas nenhum dos dois comentou nada com o Aldaran por perto. Barbrey aproveitou o intervalo para jogar conversa fora com o nono membro da comitiva, um soldado escandaloso de barba longa cujo nome Rickard desconhecia. Nenhum deles havia percebido de fato que a fraca chuva gélida havia cessado há algum tempo e nem em que momento o vento começara a soprar mais forte.

    O único som que se ouvia era o da voz de Barbrey e vez ou outra a risada rouca do soldado escandaloso. De resto, o silêncio daquela região deserta e repleta de árvores causava uma sensação ruim aos que se deixassem levar pela preocupação. A própria Lyana já havia baixado o capuz e começado a olhar com mais atenção para o cenário. E foi quando um grito abafado encerrou a conversa de Barbrey e rompeu o silêncio do lugar.

    Ao olhar na direção indicada pelo som que assustou a todos, os olhos do herdeiro de Aldaran capturaram o exato momento em que uma segunda flecha encontrou o pescoço de Tommy mais uma vez, e então o jovem caiu e seu corpo começou a rolar morro abaixo. Sobre o topo do morro, figuras montadas começavam a aparecer uma a uma, todos eles com armas em mãos. Medger, que havia se escondido atrás de uma árvore por perto, agora corria na direção da comitiva enquanto rezava para que nenhuma flecha o atingisse.

    - Emboscada!! Emboscada!!!- Medger berrou o mais alto e forte que seus velhos pulmões permitiram.
    Sayd
    Mutante
    avatar
    Mutante

    Mensagens : 594
    Reputação : 24

    Re: Rickard Aldaran - Sayd

    Mensagem por Sayd em Sab Set 16, 2017 6:09 pm

    A voz de Benfred começa a me incomodar enquanto meus batedores avançam, mas me concentro em ignorá-lo e me manter preparado para agir em caso de algum problema.

    Seguro o arco longo em antecipação e prendo momentaneamente a respiração quando escuto um grito ao longe. ‘Flechas! Emboscada!’ Não há muito tempo para pensar.

    ”Donell, tire Lyanna daqui AGORA!”, eu grito para que todos ao redor possam ouvir, inclusive minha irmã, enquanto pulo do cavalo para o chão com o arco na mão e já procurando uma flecha.

    ”Homens, às armas! Arqueiros no chão e os demais preparem-se para a carga!”, eu continuo, enquanto empurro meu corcel para alguma proteção entre às árvores ao lado da estrada e organizo as posições dos meus homens. ”Arqueiros! Preparar! Apontar!”, eu grito enquanto procuro um alvo para mim mesmo.

    Assim que um dos adversários estiver ao alcance do meu arco longo (que tem um alcance mais longo que um arco comum) eu libero a flecha e grito ”Atirar! Soldados, em posição! Arqueiros, atirem livremente!”

    Olho uma vez para trás para me certificar que Donell está levando Lyanna para segurança. Talvez eu e meus homens sejamos capazes de vencer os inimigos, mas se isso se mostrar impossível, podemos ao menos atrasá-los com nossas flechas antes de bater em retirada, dando assim uma vantagem maior à minha irmã e seu defensor.

    Mantenho-me atirando ininterruptamente contra o inimigo, mirando sempre naquele que está mais a frente de seu grupo (e, portanto, mais perto do meu) e dando ordens aos homens para que atirem ou mantenham-se em posição.

    Se os adversários estiverem em muito maior numero, ou estiverem se aproximando rápido demais apesar das flechas, ordeno que meus homens batam em retirada. (”Recuar! Comigo!”), caso contrário, mantenho os arqueiros atirando até que os inimigos comecem a atirar de volta ou até que estejam na metade da distância até onde estamos, quando então ordeno aos homens sem arcos que ataquem (“Cavaleiros e infantaria, carga!”). Caso as coisas cheguem a esse ponto eu volto a subir em meu cavalo e, sacando minha espada, parto para cima dos oponentes gritando para que os arqueiros me acompanhem com armas de curto alcance (”Arqueiros, às armas! Comigo! Avançar! ALDARAN!”

    Tento identificar entre os inimigos algum brasão ou rosto que possa dizer algo sobre a identidade deles.


    off:
    Bom, espero que não tenha ficado um texto confuso. Não sei se é necessário que eu faça alguma rolagem de “Comandar” agora, mas se for, peço a orientação do mestre. Imagino que terei que fazer ao menos algumas rolagens de pontaria, mas não sei se devo fazer apenas uma, ou várias de uma vez e também não sei se faço isso neste tópico ou no off, então vou esperar orientação para prosseguir com os dados.
    Conteúdo patrocinado


    Re: Rickard Aldaran - Sayd

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Qui Jun 21, 2018 6:22 pm