Um fórum de RPG online no formato de PBF (Play by Forum).


    Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original)

    Lnrd
    Mutante
    Lnrd
    Mutante

    Mensagens : 503
    Reputação : 24

    Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original) Empty Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original)

    Mensagem por Lnrd em Sex Mar 08, 2019 1:05 am

    Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original) 3710


    PROPOSTA

    Não se desperta vampiro, torna-se vampiro. A citação corrompida coloca em questão que ser uma criatura amaldiçoada é mais que sofrer uma mordida e sair assombrando lugares agourentos (ou seduzindo inocentes, dependendo da referência). “Às Portas da Noite” é uma crônica de “Vampiro: a Máscara” (baseada na 5ª versão do jogo) sobre o atravessar do “umbral” que guarda o pós-vida "imortal" – personagens começando como pessoas comuns.

    Para além – ou não – de megatramas sobre salvação ou danação mundial, o foco é no desvelar do “mundo das trevas” diante dos olhos de cada participante – braços abertos a iniciantes – e no desdobrar de relações (in)humanas numa história de “horror pessoal”.

    Ambientada na fictícia Santa Dômina, cidade algo afastada das eternas maquinações do(s) velho(s) mundo(s), trata-se de um conto dentro, porém independente, do metaplot desenvolvido no cenário ao longo de várias edições (além do respectivo – e abundante – material de apoio), podendo haver liberdades.

    “Santa Dômina” nasce de discussões sobre toxicidade em mesas de RPG e polêmicas sobre escolhas criativas “pouco sensíveis” nos materiais lançados recentemente. Este é, então, um espaço inclusivo, não sendo toleradas atitudes e representações ofensivas contra mulheres, pessoas negras, LGBTQIA+ e demais grupos.

    Temas controversos, quando/se abordados, devem ser conduzidos de maneira producente, não levianamente por mero “choque” ou "reflexo/extrapolação" das mazelas do mundo: a proposta é beber de fontes macabras que não passem por “gatilhos” (temas como violência sexual etc.) ou que os abordem com responsabilidade; além, se consideramos "verossimilhante" a existência de monstros, podemos aceitar ambientes criativos mais plurais, diversos e inclusivos (sem gordofobia, machismo etc.).


    AMBIENTAÇÃO

    Uma cidade com cerca de 300km e população entorno dos 3,5 milhões. América do Sul. Idioma oficial: português.
    Na contagem dos colonizadores, 450 anos. Na nativa... .

    Situada numa área pouco estratégica da costa, nunca desfrutou de grande importância portuária, apesar de nomeada em homenagem a uma caravela. Cercada por montanhas, vive um clima que contrasta com o seco circundante. Clima ameno – ao menos antes do “verão cinza”, o aumento das temperaturas pela urbanização desenfreada – e de estações bem marcadas.
    Saliente também a divisão social em elites riquíssimas versus população desassistida.

    Espécie de colisão cosmopolita de outras localidades, algumas zonas são surtos de engenharia e arquitetura entre Dubai e Seul; outras, sítios históricos da época mineira. Com montanhas e matas resistindo misturadas à trama das ruas, alterna paisagens verde, skyline citadino e praia, num litoral recortado e pleno de ilhotas.

    O melhor e o pior do que há por aí: transporte público desumanizador e engarrafamentos por padrão; morros tomados por construções sem condições básicas e vários bairros onde o abandono do poder público é latente; criminalidade, de todos os tipos, em patamares de guerra; corrupção, brigas de fações, doenças do corpo e – principalmente – da mente (depressão, estresse etc.) ou da “moral” (racismo, homofobia etc.) em níveis epidêmicos. Um lugar de maravilhas a quem possui “acesso”, mas afundado em desesperança ao “resto”.
    Mais insegura, áspera e opressiva que outras contrapartes, seja estatística ou sensivelmente.

    Castas quase reais, acima das preocupações mundanas, orbitadas por uma classe média/alta sempre insatisfeitas e apavorada; turistas, de predadores sexuais a famílias em pacotes de agências, ambos vivendo numa superfície de “cartão-postal”; e quem debate-se para viver algum tipo de sonho ou sobreviver ao pesadelo diário, diferenciando-se por pouco de habitantes de periferias miseráveis e favelas sem sentido de comunidade. Uma cidade monstro na qual a luz do dia cega e cria miragens, enquanto só a noite revela.


    SISTEMA

    “Vampiro: a Máscara” foca numa versão piorada do mundo atual: não só corrupção e violência são mais presentes, mas dividem espaço com uma sociedade oculta de “criaturas da noite” – uma ambientação com toques de terror sobrenatural.

    A versão original foi lançada em 1991 e recebeu novas versões (e suplementos) que modificavam detalhes no sistema e na história, incluindo avanços temporais para mostrar mudanças no “panorama geral”.

    Aqui, usaremos como base (tendo algumas modificações) a 5ª versão, de 2018, cujas mudanças principais são: um “reboot” das regras, tentando dinamizá-las; um salto dos 1980 para os anos 2010 – incluindo o afastamento duma estética intitulada “punk-gótico”, abraçando gostos de um público mais contemporâneo.

    Não é cobrado conhecimento do sistema/ambientação (de igual forma, preferiríamos que não houvesse cobranças do tipo “mas na terceira versão do suplemento tal diz isso, isso e isso”). O jogo seguira um estilo misto, centrado na descrição, porém com rolagens de dado para acrescentar elementos de imprevisibilidade – sem, porém, focar na ação, tiroteios etc. (mas não havendo proibição nesse sentido).


    PERSONAGENS

    Antes da ficha em si, é necessário enviar os dados biográficos, lembrando que se tratam de PESSOAS COMUNS, e não – ainda – vampiros, muito provavelmente sem conhecimento sobre a existência deles.
    Além, personagens com enfoque no combate ou “acima do topo” (“gênia bilionária”, “escolhido da profecia”, “descendente de Van Helsing”, “maior hacker do planeta”) podem ficar fora de sintonia.  

    - Nome de personagem:
    - Conceito (resumo curtíssimo. “Policial traumatizada", "empresária sagaz"):
    - Ambição (meta "objetiva e superável" a médio/longo prazo, tendo "começo meio e fim". Obs.: "atingir a felicidade" é uma busca sem fim, enquanto "reencontrar a família" é algo alcançável na prática):
    - Desejo (meta "objetiva e superável" a curto/médio, uma "etapa" da ambição. “Reencontrar pessoa X"):
    - Data de nascimento:
    - Pilares e Convicções: 3 proibições (nunca...) ou obrigações (sempre...) pessoais, assim como “seres viventes” com relação a cada uma elas ("sempre se opor a transfobia, por conta do amigo Fulano").
    - Aparência (que tal investir em diversidade? Nem todo vampiro é aquele ator de olhos azuis Wink . Algo que se pode fazer é um “estudo de personagem”, ou seja, ao invés de uma foto que seja “a cara” específica, pode pegar-se várias imagens diferentes, dando uma “ideia” da aparência):
    - História (para criar a história, há várias perguntas que podem ser feitas, mesmo que acabem não incluídas no texto final. Quem é tal pessoa no mundo? Escolaridade, ocupação etc. O que dizer sobre a sexualidade, crenças... ? Como é a personalidade, quais os estados de humor comuns? Uma pessoa simpática, agressiva, calma etc.? O que odeia [em si, no mundo etc.]? Quais os “bons” hábitos e defeitos? Mania e/ou hobbies? Pense algum “defeito” grande, que atrapalhe a vida: fobias, necessidade diferenciada, trauma, obsessão, vício etc. Como é a casa, qual a relação com parentes? Quais principais lembranças, boas e más a moldar o caráter? Como gosta de se vestir? Tatuagens?)
    - Tema (ver abaixo):

    Escolher um tema é essencial pois: 1) nos ajuda a "personalizar" o jogo com base nas expectativas de cada pessoa; 2) pensando na experiência de iniciantes, não estamos utilizando o sistema clássico de "apresentar todas as variedades vampíricas (clãs) para escolher uma". Escolher um tema será colocar-se no "radar" de um "tipo" de vampiro específico, o qual só será descrito durante o próprio jogo.
    Obs.: temas são "preferências primárias", não "limitações gerais". Alguém das "artes" pode ambicionar o poder ou ter questões de autoimagem; uma pessoa atraída por "magia" pode ser rebelde etc.

    1 Crítica: filosofia e rebeldia. De quem luta pela destruição do sistema a quem dedica-se a teorizar utopias. De militantes com consciência política a quem gosta de causar confusão.Do pensamento crítico à ação.

    2 Primitivismo: de quem rejeita cidades a "feras" nos negócios. De quem "prefere animais" a quem gosta de "relaxar" na natureza. Pessoas com habilidade para sobreviver na selva e quem pratica consumo sustentável e modos de vida alternativos no conforto de casa. De quem organiza protestos pela causa ambiental a pessoas "abrutalhadas" e sem "trato social". Liberdade. Antimodernidade.

    3 Sanidade: de quem raciocina perfeitamente, mas numa lógica diferente, a quem sofre com "demônios internos". Profetas, pessoas visionárias e "muito à frente do seu tempo". Transtornos obsessivos-compulsivos e “manias”. Estresse pós-traumático. Teorias da conspiração. Desfuncionalidade social. "Patias”.
    Obs.: "saúde mental" é uma questão delicada e deve ser tratada de maneira cuidadosa, evitando clichês e preconceitos sobre o assunto.

    4 Autoimagem: da obsessão por beleza a problemas de estima. Reforço ou quebra de padrões. Timidez. Reclusão. Vidas secretas. O belo ou o horrendo interior.

    5 Artes: da atração a objetos artísticos aos prazeres carnais. Artes clássicas ou contemporâneas. Da arte da sedução à incapacidade de resistir ao belo. Do entretenimento das massas ao cult e alternativo. Arte nas pequenas coisas na vida. Esnobismo. Hedonismo. Narcisismo.

    6 Ocultismo: todos os sinônimos e variações para magia (prática e estudo).

    7 Elite: poder. Tradição. Dinheiro. Nobreza. Influência. Ganancia. Máfia. Negócios. Arrogância. A criança mimada. A liderança política. Do exemplo a ser seguido à ordem a se submeter.


    OUTROS DETALHES

    Vagas: 4*, selecionadas a partir da postagem ou envio por MP dos dados biográficos.
    Frequência: mínimo de 1 post por semana.
    Experiência: não necessária.
    Obs.: o jogo começará com posts individuais, só depois o grupo se juntando.

    *Serão 5 pessoas no máximo, sendo que uma personagem já está previamente feita.
    Lnrd
    Mutante
    Lnrd
    Mutante

    Mensagens : 503
    Reputação : 24

    Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original) Empty Re: Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original)

    Mensagem por Lnrd em Sex Mar 08, 2019 1:24 am

    MAIS SOBRE A AMBIENTAÇÃO

    Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original) Santa_10

    Geografia:
    Limitada ao norte pela serra do Rei (B), formação rochosa íngreme e de difícil acesso; ao oeste pela serra das Flores (C), que abriga o distrito de Quedas Verdes e a favela Dom Batista VII; e ao leste pelo oceano Atlântico, Santa Dômina costuma ser dividida três áreas: Zona Norte (D), Leste/ilha do Mirante (E) e Sul (F). Tal divisão se dá principalmente por conta de dois grandes fluxos de água que influenciaram a investida contra a população indígena original, o rio de Abril (G), principal canal da cidade e abrigo da ilha da Igreja; e o das Pedras (H), menos largo e mais raso.
    Possui como acidentes geográficos de destaque ainda os morros do Mirante (A), parque nacional onde uma enorme figura de proa recebe quem chega à cidade por mar; do Bom Deus (I); do Papa (J) – ambos de difícil edificação, mantendo-os relativamente desabitados –; da Lama (K); da Consolação (L); e da Madalena (M), enormes complexos de favela.
    Entre os principais lagos estão o da Conceição (N), de onde partem os dois rios principais; do Grito (O); e das Cobras (P), limite noroeste da cidade. Além, as lagoas do Comendador (Q), de Santa Ana (R), das Lágrimas (S) e do Raiar (T), de onde parte o rio da Natalidade, dando origem à ilha do Cosme.
    Com várias ilhas de porte variado, são habitadas a Esperança, acessível do perímetro urbano pela ponte de Londres; e Elizabeta IV, à qual chega-se apenas de barco.


    Demografia:    
    Fundada em 1568 com a chegada de conquistadores e missionários invadindo terras indígenas, foi construída à base de genocídio e escravidão, história em grande parte invisibilizada.
    O extermínio colonizador deu-se a partir do Porto Santo (2a), Antiga Zona Portuária construída na desembocadura do rio de Abril (G), importante canal para a penetração em direção ao interior e escoadouro do rápido, porém intenso, período de exploração mineral. Tal via, bastante larga, mas pouco funda para embarcações contemporâneas, é a principal divisão entre as zonas.
    Afora as margens do rio, a expansão inicial tomou conta do vale ao norte do fluxo, detendo-se à serra da Rei. Nos séculos seguinte, a tendência foi a ocupação da ilha do Mirante (E), pedaço de terra cercado pelo mar, pelo rio de Abril e finalmente pelo rio das Pedras. Tal área, nomeada por conta do morro do Mirante, é hoje a área de maior investimento imobiliário, com arranha-céus ousados surgindo da noite para o dia.
    A outra margem do rio das Pedras teve uma ocupação tardia e limitada. Isso até a explosão demográfica que em poucos anos praticamente dobrou o tamanho da cidade, apesar de o poder público não acompanhar tal mudança.
    Regra geral, as áreas à beira-mar de Santa Dômina são incrivelmente ricas, em contraste brutal com os bairros "interiores",  a "baixada", com colmeias de condomínios degradantes, disputados por facções rivais e favelas agarradas a qualquer espaço possível: literalmente, apenas escarpas íngremes demais são deixada “intocadas” pela ocupação desenfreada. A exceção é o morro da Madalena, unindo isso à proximidade com o mar.
    Santa Dômina é considerada uma cidade verticalizada, seja por conta dos altíssimos prédios das regiões ricas, das edificações que sobem as encostas ou dos blocos habitacionais que dominam os bairros periféricos, sendo difícil encontrar neles casas ou construções que não tenham pelo menos dois andares, numa paisagem quase sem respiro.


    ÁREAS:

    1 - Ilha Elizabeta IV:
    Praias paradisíacas a poucos minutos da costa, acessíveis apenas por embarcações particulares. Refúgio de mansões milionárias, de arquiteturas ímpares e licenciamentos ambientais duvidosos.

    2 - Antiga Zona Portuária:
    O porto original, por séculos principal escoadouro marítimo da cidade. Abandonado em prol do novo terminal de carga, hoje passa por revitalizações e reurbanizações, recebendo cruzeiros no antigo Porto Santo (2a) e contando com uma nova marina para embarcações menores na baía da Consolação (2c), antigo ancoradouro auxiliar.
    Com uma ilha artificial (2b), alfandega transformada em região administrativa municipal e ponto turístico. Museus, VLT/bonde, aquário e outras atrações, tudo a pouca distância de galpões abandonados e becos perigosos, nos quais o tráfico e a prostituição imperam.

    3 – Marina da Trindade:
    Bairro tradicional, arborizado e tranquilo. Possui prédios amplos, habitados por famílias antigas. Reconhecido reduto reacionário.
    Como o nome indica, destaca-se a concentração de iates.

    4 - Centro Antigo:
    O Centro original, hoje decadente e enormemente descaracterizado. Conserva pontos de interesse histórico na área tombada, de ruas de paralelepípedos, prédios públicos imponentes e mansões coloniais.
    Igrejas barrocas e o cemitério mais antigo de Santa Dômina, além do “pelourinho” – marcos de um passado sangrento –, dividem espaço com mendicância e constantes furtos.

    5 - Luzes:
    Fruto da primeira onda de imigração japonesa (início do século XX), é lar da "área das luzes", sequência de cruzamentos tomados por telões e letreiros luminosos, “Time Square” e “Shibuya Crossing” postos a poucas ruas um do outro. De lojas que nunca fecham e ruelas sempre iluminadas por neon ou lanternas tradicionais, foi apelidado de “Nova Tóquio”.
    Curiosamente, a arquitetura atual reflete também um movimento contemporâneo de migração sul-coreana, principalmente na “Nova Seul”, casa da “avenida fashion”, aglomerado de lojas de produtos de beleza, artigos de luxo e alta costura, meca internacional da moda para classes abastadas – assim como a “rua das ilusões”, onde imitações de gosto duvidoso são encontradas a preços acessíveis.
    Numa contradição, as redondezas desses núcleos tornam-se subitamente agourentas e com baixa iluminação, armadilhas noturnas.

    6 - Cidade Baixa:
    Centro Comercial onde a população “geral” vai trabalhar ou procurar produtos baratos. Abrigando tanto a estação central do metrô quanto o terminal geral de ônibus, possui circulação intensa não importa o horário – assaltos, igualmente, não diferenciam dia e noite, a despeito da central policial.
    É também lar do Subtown, uma galeria/shopping 24h de produtos populares nos subterrâneos, onde é fácil perder a noção do dia/noite.

    7 - Cidade Alta:
    Escritórios de luxo reúnem-se em arranha-céus exóticos neste bairro. Um dos espaços mais valorizados de Santa Dômina, com shoppings, hotéis e uma vida noturna quase secreta. A circulação financeira – na bolsa ou em subornos – e o trânsito de helicópteros são intensos aqui.

    8 – Baía de Santa Adelina:
    Rivaliza com a Cidade Alta em termos de concentração de renda, apesar de possuir mais condomínios para as elites emergentes, atraídas pela na vista. Possui também casas de festa que nunca fecham, servindo as “crianças estragadas”.

    9, 10 – Universidades Públicas:
    Principais campi das universidades (federal e estadual), converteram bairros residenciais em espaços boêmios e de efervescência cultural. Uma onda reacionário-obscurantista recente, entretanto, tem não só eclodido conflitos e policiamento ideológico, mas provocado um grave sucateamento das instituições.

    11 – Aeroporto Internacional Deputada Joane Rafaele:
    Porta de entrada de Santa Dômina, mudou de localização após um grave acidente com os prédios que o rodeavam. A estrutura faraônica conta com amplos hangares para jatinhos particulares.

    12 – Parque Central e Jardim Botânico Princesa Maria Valência III:
    Enorme refúgio verde cercado por prédios, o parque Central atrai todo o tipo de gente, histórias e criminalidade.

    13 – Bairro Dom Batista VII:
    Mais extenso dos bairros – mesmo sem contar a favela que se espalha pela encosta – “DB” possui um dos maiores índices de criminalidade, equiparável apenas ao do morro da Madalena.

    14 - Cemitério Municipal Novo/do Bom Adeus:
    Extenso e com uma prolífica arte tumular, a parte rica consta da rota turística da cidade. Apesar disso, não são incomuns assaltos e outros crimes mais bizarros.

    15 – Estádio General Franco Costa:
    Recém reformado, é classificado como um dos mais modernos do mundo. De arquitetura única, premiada internacionalmente, tem a fama manchada apenas pelas batalhas campais que tomam as ruas em dias de decisões esportivas.

    16 – Rodoviária Senador Teixeira Lopes:
    Em contraste com o aeroporto, a rodoviária é considerada um pulgueiro caótico onde malas e crianças costumam desaparecer, além de “falsos” taxistas dando golpes. Hotéis baratos e feiras de rua rodeiam a estrutura.

    17 - Ilha Esperança:
    Outro endereço rico da cidade, apesar de viver à sombra – e sob o fogo – do morro da Madalena. Acessível por uma longa ponte, famosa pela queima de fogos de fim de ano – e por suicídios.

    18 – Porto Novo/Terminal Marcondes Silveira:
    Nova Zona Portuária, alimentando e sendo alimentada pela indústria da cidade. Numa modernização que dispensou o urbanismo, disparou a ocupação do morro da Madalena, fruto de trabalhadores procurando diminuir o tempo de deslocamento às próprias residências. A favela inicial rapidamente expandiu, tomando boa parte da encosta nas comunidades do Avião e do Vigário, em constante disputa.

    19 - Zona Industrial:
    No que foi o limite sul da cidade, políticas de isenção fiscal atraíram um diverso complexo industrial. Criticadas pela degradação ambiental, poluindo ar e água, as empresas parecem não se importar nem com a saúde de quem nelas trabalha, registrando altos índices não apenas de morte por doenças, mas suicídios.

    20 – Campos de Soja:
    Por conta da extensão do lago das Cobras, este sempre foi um limite à ocupação da cidade, salvo algumas famílias pesqueiras. Com a construção da rodovia interestadual, entretanto, a monocultura de soja tomou a região. Numa mudança radical na paisagem e ecossistema, pode-se dirigir por horas tendo apenas soja como horizonte.

    21 - Catedral Municipal:
    Construída na época do ouro/diamante em uma ilha no rio de Abril, é uma exagerada construção de influência barroca. Contando com relíquias santas que atraem peregrinações regulares, tem como anexos um mosteiro e um cemitério.

    22, 23 – Hospitais Públicos:
    Das esferas municipal e estadual, já foram referência no tratamento gratuito, mas não acompanharam o crescimento demográfico. Além, má gestão e corrupção – de desvio de verbas a funcionários fantasmas – contribuíram para transforma-los em açougues humanos onde o impensável costuma ocorrer.

    24 – Quedas Verdes:
    Distrito de Santa Dômina, foi principal estação da exploração de ouro e diamantes. Pouco dessa riqueza, entretanto, ficou no local, hoje não mais que uma vila de poucos pontos turísticos e problemas de falta de água e energia.

    25 – Zoológico Caravelli Inácio:
    O espaço amplo e arborizado, com estruturas de pedra da época colonial, não consegue disfarçar a realidade do local: um depósito bastante sortido de animais exóticos em situação de precariedade.

    26 – Museu Histórico Dona Virgínia Câmara:
    Palácio Imperial cujos inúmeros e largos salões foram convertidos em galerias, possui farto leque de objetos de arte e utensílios de época. Além da coleção mundialmente invejada, acumula lendas sobre assombrações.

    27 – Centro de Artes Angelique Signourete:
    Principal galeria contemporânea da cidade, é alvo de diversos protestos devido ao conteúdo “polêmico” dele, apesar do renome internacional. O prédio é assinado por um importante escritório de arquitetura local.

    Grande metrópole, Santa Dômina conta com vários outros pontos de destaque, de bibliotecas públicas (28, 29) aos teatros  municipal (30) e estadual (31); da base militar (32) ao centro de tratamento de águas e esgoto (33) e à estação de distribuição elétrica (35). Aras (34), shoppings, cinemas de rua, parques e outras localidades, possui tudo o que um grande centro urbano precisa. No geral, apesar de as maiores comodidades concentrarem-se nas zonas Norte e Leste (incluindo a maior parte da malha metroviária), havendo agrupamentos com “índice de desenvolvimento humano” parecidos, é fácil encontrar quarteirões ricos ladeados por pobreza, bairros chiques separados de comunidades pobres por paredes ou avenidas, além de ruas inseguras não importa a parte.
    nahna
    Tecnocrata
    nahna
    Tecnocrata

    Mensagens : 475
    Reputação : 16

    Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original) Empty Re: Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original)

    Mensagem por nahna em Sex Mar 08, 2019 12:25 pm

    Que massa! Eu quero participar! Very Happy
    Até o fim do dia em envio uma idéia de personagem! Wink
    Claude Speedy
    Garou de Posto Cinco
    Claude Speedy
    Garou de Posto Cinco

    Mensagens : 2163
    Reputação : 49

    Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original) Empty Re: Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original)

    Mensagem por Claude Speedy em Sex Mar 08, 2019 12:59 pm

    Estou interessado, mas tenho algumas d´vuidas

    Vai usar os clãs clássicos? Essa cidade fica em algum estado brasileiro em particupar ? Que ano será a crônica?
    gaijin386
    Sacerdote de Cthulhu
    gaijin386
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2619
    Reputação : 3

    Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original) Empty Re: Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original)

    Mensagem por gaijin386 em Sex Mar 08, 2019 1:52 pm

    Belo cenário e descrição atiçou meu interesse Smile. Existe restrição de clãs?
    Lnrd
    Mutante
    Lnrd
    Mutante

    Mensagens : 503
    Reputação : 24

    Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original) Empty Re: Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original)

    Mensagem por Lnrd em Sex Mar 08, 2019 1:56 pm

    @Claude Speedy escreveu:Estou interessado, mas tenho algumas d´vuidas

    Vai usar os clãs clássicos? Essa cidade fica em algum estado brasileiro em particupar ? Que ano será a crônica?

    - Os "temas" são os 7 clãs principais*, mas os nomes "oficiais" e a explicação sobre eles só será dada durante o próprio jogo... isso é, pra quem não conhecer o cenário (quem já souber pode participar sem problema - informações sobre os clãs não-disponíveis etc. por MP)

    - Fica "em aberto" onde a cidade fica. Aliás, é como se fosse no Brasil, mas o país em si não é nomeado, sendo tudo fictício

    - Contemporâneo. 2019


    *Aliás, ocorreram “rachas” políticos na 5ª edição. Mas, de resto, os clãs não foram modificados.
    Lnrd
    Mutante
    Lnrd
    Mutante

    Mensagens : 503
    Reputação : 24

    Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original) Empty Re: Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original)

    Mensagem por Lnrd em Sex Mar 08, 2019 2:00 pm

    @gaijin386 escreveu:Belo cenário e descrição atiçou meu interesse Smile. Existe restrição de clãs?

    Então... os "temas" correspondem aos 7 clãs principais clássicos, mas nomes "oficiais"/explicações sobre eles serão dados durante o próprio jogo - pra quem NÃO conhecer o cenário.

    Pra quem JÁ conhece, posso passar por MP.
    Lnrd
    Mutante
    Lnrd
    Mutante

    Mensagens : 503
    Reputação : 24

    Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original) Empty Re: Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original)

    Mensagem por Lnrd em Sex Mar 08, 2019 2:21 pm

    @nahna escreveu:Que massa! Eu quero participar! Very Happy
    Até o fim do dia em envio uma idéia de personagem! Wink

    Manda!!! Smile
    Lnrd
    Mutante
    Lnrd
    Mutante

    Mensagens : 503
    Reputação : 24

    Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original) Empty Re: Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original)

    Mensagem por Lnrd em Sab Mar 09, 2019 4:58 pm

    Só queria dizer que - além da 5ª vaga, que já tava acertada antes de postar aqui - já tem gente fazendo ficha, viu?

    Cool
    gaijin386
    Sacerdote de Cthulhu
    gaijin386
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2619
    Reputação : 3

    Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original) Empty Re: Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original)

    Mensagem por gaijin386 em Sab Mar 09, 2019 5:07 pm

    O conceito e ideia já tem agora seria converter dentro de uma ficha. Confesso que não joguei a versão V5 e muito pouco as outras.
    Lnrd
    Mutante
    Lnrd
    Mutante

    Mensagens : 503
    Reputação : 24

    Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original) Empty Re: Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original)

    Mensagem por Lnrd em Sab Mar 09, 2019 5:46 pm

    @gaijin386 escreveu:O conceito e ideia já tem agora seria converter dentro de uma ficha. Confesso que não joguei a versão V5 e muito pouco as outras.

    Não tem problema: tenho pronto um resumo das regras básicas. É pouca coisa, na real (ao menos pra começar a jogar rsrsrsrs).

    O mais trabalhoso mesmo é a ficha, por conta do detalhamento (mas acho que naquele tutorial que enviei por MP dá pra resolver). Smile
    nahna
    Tecnocrata
    nahna
    Tecnocrata

    Mensagens : 475
    Reputação : 16

    Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original) Empty Re: Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original)

    Mensagem por nahna em Seg Mar 11, 2019 3:43 pm

    @lnrd, segue o esboço da personagem:


    - Nome de personagem:
      . Letícia de Oliveira Barros

    - Conceito:
      . Cantora de banda de rock alternativa

    - Ambição:
      . Reconhecimento de seu talento
      . Estabilidade financeira


    - Desejo:
      . Formar uma família “tradicional” algum dia

    - Data de nascimento:
      . 27 de março de 1999 (19 anos)

    - Pilares e Convicções:
      . Ama animais. Sempre ajuda animais em necessidade. Não consegue ver bichinhos sofrendo.
      . Feminista. Sempre luta por seus direitos e prega igualdade de gêneros.
      . Orgulhosa. Nunca mais vai se rebaixar para alcançar seus objetivos.


    - Sobre:

    Letícia teve uma adolescência difícil… com 16 anos engravidou do namorado e seus pais a expulsaram de casa. Parou de frequentar o colégio e foi viver na casa dele por um tempo. No desespero, acabou cedendo à pressão que sofreu dele e dos pais em abortar, perdendo a criança. Além do remorso, ao interromper a gravidez também teve fim seu relacionamento, e ela se viu novamente em grandes dificuldades.
    Precisou fazer de tudo para não viver na rua durante um período, até encontrar seu namorado atual.

    Conheceu Ricardo enquanto fazia bico em um boteco, servindo mesas. Ele puxou papo, saíram, e acabaram juntos… Foi através dele também que conheceu seus amigos de banda. Ele conhecia muita gente, e indicou Letícia para uns conhecidos que estavam com desfalque nos vocais. E ela canta bem demais!
    Letícia e Ricardo moram juntos a mais de um ano… Ele é mais velho, tem 41 anos, é designer de pranchas de surf e tatuador, e ela agora tem a banda, que não rende rios de dinheiro, mas conseguem se sustentar em um pequeno apartamento não muito longe da praia. Ela o convenceu a adotar dois cachorros em um feira, no fim do ano passado, que ele deu os nomes de Rocky e Rambo.

    Atualmente não possui mais qualquer contato com sua família, e guarda imenso rancor de seus pais. Mas exceto por isso, é uma pessoa bastante gentil e prestativa. Gosta demais da vida noturna com as baladas e shows em que se apresenta. Sua banda de chama “Os perdidos”, nome que para ela até faz bastante sentido.

    Nunca foi uma pessoa religiosa, e suas angústias acentuaram isso, embora tenha o hábito de ficar lendo bobagens sobre signo e alinhamentos de planetas… Frequentou alguns centros com Ricardo, que é espírita, mas realmente não era algo que gostava ou tinha afinidade, preferindo deixar-lo ir sozinho. Ele, por sua vez, também não implica com seus roteiros noturnos quando não pode acompanhá-la, e nem com sua forma de se vestir.


    - Aparência:

    Letícia é uma mulher bastante jovem ainda, mas que amadureceu cedo pelas dificuldades que passou. É bonita e simpática, sendo bastante comum vê-la sorrindo.
    Tem cabelos castanhos quase loiros, que usa curtos, na altura dos ombros. Possui heterocromia… o olho direito é verde e o esquerdo é castanho claro. Sua pele está sempre bronzeada do sol, por praticar bastante o surf com o namorado.
    Veste-se com roupas leves e em estilo meio praiano, dando preferência para shorts, saias, e camisas regatas.
    Possui algumas tatuagens nos braços, nas costas, e na perna. (Coloco as imagens de referência mais tarde)
    Não gosta de usar brincos nem colares, só uma pulseirinha de tecido no pulso esquerdo.
    De calçados usa sempre sandalinhas sem salto, com poucas excessões durante as noites de trabalho.


    Tema 5: Artes

    Da atração a objetos artísticos aos prazeres carnais. Artes clássicas ou contemporâneas. Da arte da sedução à incapacidade de resistir ao belo. Do entretenimento das massas ao cult e alternativo. Arte nas pequenas coisas na vida. Esnobismo. Hedonismo. Narcisismo.
    Lnrd
    Mutante
    Lnrd
    Mutante

    Mensagens : 503
    Reputação : 24

    Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original) Empty Re: Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original)

    Mensagem por Lnrd em Ter Mar 12, 2019 10:08 am

    @nahna escreveu:@lnrd, segue o esboço da personagem:


    - Nome de personagem:
      . Letícia de Oliveira Barros

    - Conceito:
      . Cantora de banda de rock alternativa

    - Ambição:
      . Reconhecimento de seu talento
      . Estabilidade financeira


    - Desejo:
      . Formar uma família “tradicional” algum dia

    - Data de nascimento:
      . 27 de março de 1999 (19 anos)

    - Pilares e Convicções:
      . Ama animais. Sempre ajuda animais em necessidade. Não consegue ver bichinhos sofrendo.
      . Feminista. Sempre luta por seus direitos e prega igualdade de gêneros.
      . Orgulhosa. Nunca mais vai se rebaixar para alcançar seus objetivos.


    - Sobre:

    Letícia teve uma adolescência difícil… com 16 anos engravidou do namorado e seus pais a expulsaram de casa. Parou de frequentar o colégio e foi viver na casa dele por um tempo. No desespero, acabou cedendo à pressão que sofreu dele e dos pais em abortar, perdendo a criança. Além do remorso, ao interromper a gravidez também teve fim seu relacionamento, e ela se viu novamente em grandes dificuldades.
    Precisou fazer de tudo para não viver na rua durante um período, até encontrar seu namorado atual.

    Conheceu Ricardo enquanto fazia bico em um boteco, servindo mesas. Ele puxou papo, saíram, e acabaram juntos… Foi através dele também que conheceu seus amigos de banda. Ele conhecia muita gente, e indicou Letícia para uns conhecidos que estavam com desfalque nos vocais. E ela canta bem demais!
    Letícia e Ricardo moram juntos a mais de um ano… Ele é mais velho, tem 41 anos, é designer de pranchas de surf e tatuador, e ela agora tem a banda, que não rende rios de dinheiro, mas conseguem se sustentar em um pequeno apartamento não muito longe da praia. Ela o convenceu a adotar dois cachorros em um feira, no fim do ano passado, que ele deu os nomes de Rocky e Rambo.

    Atualmente não possui mais qualquer contato com sua família, e guarda imenso rancor de seus pais. Mas exceto por isso, é uma pessoa bastante gentil e prestativa. Gosta demais da vida noturna com as baladas e shows em que se apresenta. Sua banda de chama “Os perdidos”, nome que para ela até faz bastante sentido.

    Nunca foi uma pessoa religiosa, e suas angústias acentuaram isso, embora tenha o hábito de ficar lendo bobagens sobre signo e alinhamentos de planetas… Frequentou alguns centros com Ricardo, que é espírita, mas realmente não era algo que gostava ou tinha afinidade, preferindo deixar-lo ir sozinho. Ele, por sua vez, também não implica com seus roteiros noturnos quando não pode acompanhá-la, e nem com sua forma de se vestir.


    - Aparência:

    Letícia é uma mulher bastante jovem ainda, mas que amadureceu cedo pelas dificuldades que passou. É bonita e simpática, sendo bastante comum vê-la sorrindo.
    Tem cabelos castanhos quase loiros, que usa curtos, na altura dos ombros. Possui heterocromia… o olho direito é verde e o esquerdo é castanho claro. Sua pele está sempre bronzeada do sol, por praticar bastante o surf com o namorado.
    Veste-se com roupas leves e em estilo meio praiano, dando preferência para shorts, saias, e camisas regatas.
    Possui algumas tatuagens nos braços, nas costas, e na perna. (Coloco as imagens de referência mais tarde)
    Não gosta de usar brincos nem colares, só uma pulseirinha de tecido no pulso esquerdo.
    De calçados usa sempre sandalinhas sem salto, com poucas excessões durante as noites de trabalho.


    Tema 5: Artes

    Da atração a objetos artísticos aos prazeres carnais. Artes clássicas ou contemporâneas. Da arte da sedução à incapacidade de resistir ao belo. Do entretenimento das massas ao cult e alternativo. Arte nas pequenas coisas na vida. Esnobismo. Hedonismo. Narcisismo.


    =D

    Vou te passar por MP as instruções pra ficha em si!
    Conteúdo patrocinado


    Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original) Empty Re: Santa Dômina: às portas da noite (Vampiro V5) – 04 vagas (Chamada original)

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Sex Nov 22, 2019 7:05 am