Um fórum de RPG online no formato de PBF (Play by Forum).

Links úteis Anúncios Redes Sociais
31/03 - Novo quadro de anúncios.
31/03 - Mesas com mais de 3 meses SEM postagens serão automaticamente arquivadas.

ATUALIZAÇÃO DO MÊS DE MAIO
Mesas que forem abertas para serem jogadas em outras plataformas
serão excluídas do fórum.




 

    Samantha Doiley

    Bastet
    Adepto da Virtualidade
    Bastet
    Adepto da Virtualidade

    Mensagens : 1762
    Reputação : 98
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2211.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Bastet Dom Fev 06, 2022 4:43 pm




    Ela só suspira com a resposta de Anne, franzindo as sobrancelhas quando a mulher falou da tempestade. – Eu vi. A Chloe também. Foi isso que me fez entrar na casa... Eu tinha visto Aponi subir, mas não vi ela sair... E ela tava num estado que seria difícil sair sozinha né? Ai pedi ajuda da Magda quando vi a tempestade logo em cima da casa.... E tudo ficou muito doido.  Eu não sei como, mas eu sabia que não era só o tempo fechando, sabe?

    Quando o assunto se tornou William e os bebês Sam apenas bufou – Cê já pegou ele né? Só tem essa explicação – Sam deu uma risadinha – Espero que você esteja certa, Anne. Mas eu não confiaria a vida deles não. Nem a nossa – puxou a companheira pra mais perto, quando ela reclamou do frio, a acolhendo e os bebês num abraço.

    - Acho que o Stuarts era o único Uratha sensato no meio de todo mundo né? – deu um pequeno sorriso triste – Mas se eles usaram essa lasca... Devem saber um pouco mais. Talvez o suficiente pra gente se proteger... Ou, com sorte, o suficiente pra caçar e acabar com essa coisa que me usou pra fazer o que fez – Sam soltou um dos braços do abraço, começando a abrir os bolsos da mochila, procurando alguma coisa. Parou quando Anne explicou sobre Aponi – Não consigo nem imaginar a dor dela, Anne... Eu sinto muito que vocês estejam passando por isso – os olhos ficaram baixos, realmente imaginando que a interferência dela naquela merda toda tinha agravado os malefícios pós Sítio.

    O assunto dos bebês deixou a conversa mais leve de novo, mas fez Sam desfazer completamente o abraço, principalmente quando Anne falou sobre eles conseguirem por elas prontas pra “matar alguém”.

    - Isso já ia ser difícil sem nós duas termos essa preocupação. E agora? – ela pegou a mochila e colocou entre as pernas, tirando uma camiseta que provavelmente daria pra improvisar fraldinhas pros dois. Rasgou em duas, entregando pra Anne. Continuou procurando algo na mochila, até que achou um caderninho em um dos bolsos internos.

    - Ah, sabia que tava aqui – folheou, tirando umas fotos de dentro do caderno. A primeira de um homem que Anne provavelmente conhecia, muito parecido com Sam – Você falou que ele foi ao oriente médio, me lembrei que não te dei isso – passou mais uma foto, com a mãe de Sam, e logo pegou uma onde estava Theo e uma outra mulher, tomando chá em meio às ruinas de um prédio, possivelmente no meio da guerra. – Eu peguei com a Amy quando tava procurando sobre a minha família... Ia montar um convite pra ele ser padrinho das crianças... Mas... – engoliu seco – Agora eu quero te fazer uma proposta – botou a foto na mão de Anne – O nosso menino... O que acha dele chamar Teodoro?


    Samantha Doiley
    -Essência: 7/10
    -Dano: 0/7











    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu
    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2691
    Reputação : 131

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Wordspinner Dom Fev 13, 2022 1:18 am

    Sam:  Eu não sei como, mas eu sabia que não era só o tempo fechando, sabe?

    "Cê tinha os olhos né. Vai perceber que via mais antes." Então ela dá de ombros.

    Sam: Cê já pegou ele né?

    "Só nos meus sonhos, mas eu não penso com a buceta." Ele traça o contorno da orelha de Sam com a unha afiada da sua mão. "Eu conheço ele a anos. Nós somos tribo. O cara passou por um instante na sua vida. Um instante fodido e confuso do qual você não sabe o que sentir. Além de que quanto mais cê acreditar que ele tava fazendo o melhor mais cê sente culpa e remorso. Claro que cê quer pintar os espaços em branco com algo que te console. Quem não quer?" Ela fala sem tirar os olhos de Sam. Sem esconder as mãos. Sem alterar a voz. Sem sair do abraço que a nova uratha a deu. Tranquila e macia como a neve que voltava a cair na fora.


    Sam: Mas se eles usaram essa lasca... Devem saber um pouco mais. Talvez o suficiente pra gente se proteger... Ou, com sorte, o suficiente pra caçar e acabar com essa coisa que me usou pra fazer o que fez

    "Theo era o melhor." Ela não parece triste e sim orgulhosa. "Aponi sabe mais que eu. William pode saber menos que ela, mas era a única opção. Ela precisava de alguém ousado o suficiente para tentar e forte o suficiente para ajudar ela a controlar a coisa lá." Ela sacode a mão como se tivesse algo nojento grudado nela.

    "Mas vai lá sim. É bonito e cheio de mistérios." Ela dá um sorriso malicioso e afiado. "Mas acho que essa coisa passou sem ninguém ver. Ou um pedaço dela no meio da confusão." Ela dá de ombros de novo bem de leve.

    "Acho que o segredo são babas." Ela diz meio perdida. "Isso e coisas pra quebrar. Coisas pra rasgar também. Coisas pra explodir é bom, põe na lista. A xingar também. Muito bom xingar. Coisas pra xingar gritando. Acho que dá se a gente revesar." Ela enfiar o rosto no pescoço de Sam e respira fundo.

    Então ela segura a foto com carinho. Os olhos fixos na imagem preto e branco. O rosto sem nenhuma expressão. Até que "Aquela fofoqueira do caralho. Eu as vezes esqueço que elas são umas porras de esquisitões que ficam arquivando as pessoas." Ela nem parecia ter ouvido a pergunta. Um pouco de cor volta ao rosto dela.

    "Teodoro vai ser ótimo. Mas cê é catolica?" Então ela levanta a mão rápido defensivamente. "Não tem problema se for. É errado. Burro. É besta também, claro. Mas cê pode ser." Ela segura o riso. Tapa a boca e fica esperando Sam responder.

    --
    Sam podia muito bem comprar as próprias passagens, mas Anne disse que tava tudo errado e ela não podia se enfiar em Londres. Não há voos diretos de Dover para Tokyo, mas as passagens que Anne a entrega passam por Berlin e então direto para Tokyo e são na primeira classe.

    A viagem foi confortável e sem nenhum incidente. Mas pouco antes do pouso Sam começa se sentir lenta e pesada. Uma dor de cabeça fraca, mas constante. No caminho do avião até a ela ser tirada de uma fila enorme por um oficial da policia de Tokyo as coisas pareciam querer escorregar dos seus dedos.

    "Samantha Doiley." Não era uma pergunta. "Por favor, me acompanhe." Educada e firme. O inglês era ruim. As duas vão andando até uma sala apertada com uma mesa quadrada e simples e duas portas e cadeiras. Cameras bem visiveis nos cantos.

    "Por favor se sente." Ela não espera Sam para se sentar. Olha um pouco para a uratha em silêncio. Ela muda as mãos de posição em cima da mesa duas vezes antes de sorrir. "Pode seguir senhora Doiley." Uma das portas se abre em poucos segundos e uma figura conhecida sorri do outro lado. "Senhorita Samantha, eu sei que sente mal, mas não vai passar." Ele estende uma mão para ela da mesma forma que fazia nos treinos virtuais.

    "Vem com a gente." Diz Hope aparecendo ao lado dele. "Estamos com um pouco de pressa."

    A oficial permanece imóvel enquanto os dois falam.


    --

    Os três saem do estacionamento em um carro popular bem pequeno. "Vão levar a sua mala, não se preocupa." Era Junior falando. "A, essa coisa que você tá sentindo é normal. É o que acontece quando toda realidade quer que você vá embora. Os humanos não sentem isso. Não sentem quase nada." Ele não estava no volante, Hope estava e começa a falar assim que ele para.

    "Veio ver como o sindicato funciona?" Ela diz com orgulho e expectativa. "Aliança." Diz o irmão meio de saco cheio. "Eu prefiro Sindicato. O Sindicato de Tokyo soa bem melhor." Ela não tira os olhos da estrada enquanto fala. "Não liga para ela, a gente vai te levar para onde pode tomar um banho e descansar. Tem uma casinha separada para você."

    Ela para no sinal e olha para trás. "A não ser que queira ir direto ver o pai, ele tá fazendo fazendo umas tattoos pras Víboras do Asfalto. Elas são sinistras, mas parecem umas groupies sem noção na maior parte do tempo. E aí, banho? Ou tattoo?"
    Bastet
    Adepto da Virtualidade
    Bastet
    Adepto da Virtualidade

    Mensagens : 1762
    Reputação : 98
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2211.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Bastet Dom Fev 20, 2022 5:26 pm




    - Era assustador, na real – confessou, um pouco aliviada por ver “menos”... Mas sabia que agora viveria mais os horrores, o que não era exatamente uma troca justa.

    Deu uma risada baixa com a resposta de Anne sobre William. Assentiu sobre o resto, pensativa – Você não tá errada. Por isso eu disse que, se eu for lá, vou tentar não colocar esses sentimentos na frente da minha razão... – esfregou o nariz no rosto dela, se concentrando na intensidade que o cheiro da parceira trazia agora. Muito mais que antes e muito mais poderoso. – Eu confio em você e você confia nele, é bom que esteja certa nisso também – achava um bom começo, mas não conseguia toda aquela confiança que ela demonstrava.

    - Há muito tempo eu te perguntei sobre isso de tribo e você disse que eu não entenderia... E agora? Além de ter muita gente bonita, como  a sua tribo mantém todos tão juntos e unidos assim? – sabia que o pessoal da vila era da mesma tribo de Anne, assim como as pessoas lá de High Cup Hill pareciam ser da mesma, mas totalmente diferente de Anne e dos Uivadores.

    ----

    Sorriu quando Anne falou de Theo e prestou atenção sobre tokyo – Eu também acho. Mas isso que me preocupa. Aquilo é poderoso, passar sem ninguém nem sentir... Sair no momento exato pra fazer... Aquilo. Sabe-se lá mais o que pode acontecer... – suspirou.

    Se aconchega mais em Anne quando ela enfia o rosto em seu pescoço, pensando bastante, sem nem parecer ouvir sobre as coisas que ela gostava de destruir. Só voltando a focar quando a Rahu começou xingar Amy e zoar ela.

    - No fim, a fofoca me fez descobrir um pouco mais sobre mim. Não briga com ela, vai – deu um pequeno sorriso e bufou – Cala a boca, idiota – fez um beicinho – Eu fui criada num orfanato né? Sei até as orações decoradas – riu – Mas não é no sentido de batismo e tudo mais que eu pensei. Eu não queria... não quero que eles acabem como eu e você, num orfanato ou correndo sozinha por aí por muito tempo, se alguma merda acontecer com a gente, Anne...

    ---------------

    Estranhou um pouco Anne conseguir viagens de primeira classe... Mas não reclamou. Os voos eram longos e com certeza era melhor ir num banco que deita do que apertada na classe econômica (como Sam planejava no início).

    Apesar do conforto, a dor de cabeça e o mal estar pegam Samantha de jeito quando entraram no espaço aéreo de Tokyo. Pediu uma água e alguma coisa pra comer, pensando que podia ter se esquecido de se alimentar naquelas horas que passou no avião... Mas nem isso desceu. Que merda tava acontecendo?

    Ao descer, pra melhorar, foi abordada por uma policial. Será que Marco ou Joe tinham escondido maconha em uma das malas que ela pegou? Era só o que faltava. No fim, ela só foi. Não tinha energia pra questionar ou brigar... Só queria ser liberada logo e comprar um remédio pra dor de cabeça em alguma farmácia (será que esses remédios ainda funcionavam? Ela não fazia ideia).

    - Policial, por que eu estou aqui? – perguntou, da forma mais educada que conseguiu. O tom provavelmente não muito amável. A Ithaeur não tava exatamente de bom humor naquele momento. A sala apertada, as câmeras e a cara de palerma da policial olhando pra ela, como se não tivesse entendendo nada, não ajudavam em nada.

    Pouco depois, a doida manda Sam seguir. Já ia xingar, quando viu Júnior aparecendo na porta. – Fala sério – diz incrédula e se levanta da cadeira. Cumprimenta o professor de forma educada e respeitosa, como tinha aprendido e dá uma última olhada pra policial, irritada. Seguiu com eles.

    ---

    Sam encolheu as pernas pra ficar numa posição confortável dentro do carro pequeno. – Obrigada – finalmente agradeceu pela recepção – A plaquinha com o nome saiu de moda por aqui? – tentou brincar, olhando pra Hope, mas a cara de Sam não parecia tão brincalhona por causa de como se sentia. – Como assim? – perguntou sobre a realidade – É por ser território de vocês? – olhava pra fora, observando a paisagem bastante diferente de Dover.

    Quando falam sobre sindicato/aliança Samantha sorri – Desculpa, mas não a princípio. Eu sou nova nessa coisa de ser do time dos lobos. Mas eu adoraria saber mais, se tiver tempo. – fala primeiro com Hope e depois olha pra Júnior. – Nossa, um banho parece maravilhoso – comenta, até a outra possibilidade ser apresentada. Precisou pensar por um instante.

    - Groupies sem noção... – “parece o tipo do William mesmo”, pensou – Bom, já que esse mal estar não vai melhorar, acho que podemos ir direto, o banho fica pra hora de dormir – dá pra perceber a voz ficar mais murcha com a possibilidade da água quente indo pra horas depois, mas parecia o certo a fazer.  

    Roupa:


    Samantha Doiley
    -Essência: 7/10
    -Dano: 0/7











    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu
    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2691
    Reputação : 131

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Wordspinner Dom Mar 13, 2022 8:40 pm

    Sam: ...frente da minha razão.

    Anne balança a cabeça que sim, mas faz uma cara de que não acredita.

    Sam: ..., é bom que esteja certa nisso também.

    "Eu to. Eu sempre to." Uma cara safada que não parecia ter nenhum motivo.

    Sam:... juntos e unidos assim?

    "Não mantem. A gente divide conhecimento e com isso troca uns favores, normalmente uma reunião mês sim e mês não. Mas essa união toda é coisa de Dover. Coisa que veio com a Loba de Ferro e que os Crestwood fazem como se fosse o único jeito." Ela faz um estalo com língua. "Nem todo lugar tem um protetorado. Antes da Lyall você ficava fora do caminho do Trovão e fora da vista do Atiçador. Quebra Correntes tinha respeito e a gente tinha moral. Não era assim que todo mundo fala e tem voz. Claro que tem essa coisa dos Alfas falarem e cada merda que cê fala na hora errada pesa, porque mostra que cê é um cuzão sem consideração o bastante para querer que o protetorado funcione ou que é um descontrolado que não deve ser confiado com coisas que quebram." Ela sorri

    "Minha tribo é a melhor, mas isso é o que todo mundo acha. Mas eu to certa. Sempre to." Ela sorri de novo. Cheia de humor. "Cê pode ver. A gente se olha, alguns querem tirar vantagem, sim, claro, mas a gente se vê e isso muda tudo na pratica." Ela segura o rosto de Sam e a olha com paixão. "Quer conhecer o pessoal? Ver o que a tribo é?" Os olhos escuros e cheios de espectativa.

    --
    Sam: A plaquinha com o nome saiu de moda por aqui?

    "Quem é você e onde está sua paranoia?" Diz Hope tentando ser engraçada. "Aqui a segurança é importante. É bem apertada. É território de muita gente e minha responsabilidade." O irmão acrescenta rápido. "Então não conta pra ninguém por favor."

    Sam: É por ser território de vocês?

    "É" ele diz como se tivesse dito isso antes mais vezes do que podia contar. "A nossa aliança é tão impressionante e magnetica que o mundo rejeita você, a invasora. O ar. A gravidade. O atrito. O chão. A luz. Tudo. Além de tudo ajudar a gente aqui. A gente sente o contrario do que você sente. Mas só aqui." Ele claramente poderia ter sido mais detalhista, mas tinha dito o suficiente para ela entender o que estava acontecendo e se sentir aliviada por não estar tendo um derrame.

    Eles assentem sobre as escolhas de Sam e logo ela está em um lugar inusitadamente tranquilo. Quase bucólico. Uma escada de pedras cinzas longa cercada de verde por todos os lados. O cheiro era bom. Alguns braseiros de bronze apagados em pequenos pilares. No alto dava para ver um telhado rústico entre as árvores.

    "É só subir." Hope pega um cordão feito de pedrinhas cinzas rabiscadas de kanjis e coloca em um braseiro. "Eu sabia." O irmão dela diz empurando ela de forma implicante. Muito menos formal que pela aula online. "Tão te esperando. O pai te leva pra tua casinha depois. Não se preocupa muito com as Víboras, elas agem como se ele fosse delas." Ela diz. "São ciumentas." Ele completa antes de entrarem no carro e deixarem ela para trás.








    Bastet
    Adepto da Virtualidade
    Bastet
    Adepto da Virtualidade

    Mensagens : 1762
    Reputação : 98
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2211.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Bastet Sab Mar 19, 2022 3:07 pm




    Sam sente vontade de beijá-la quando Anne parece tão confiante no “próprio taco” mas só da um esbarrão nela com o ombro, fazendo um bico. Logo ouve sobre a tribo, o protetorado e tudo mais.

    - As coisas ficam mais fáceis com o protetorado em vigor, né? Mesmo com desavenças, no fim, todos se unem quando é preciso – a puxou pra um beijo rápido quando ela voltou a falar que tava sempre certa – Cê tá sempre gostosa e metida, “sempre certa” a gente vai ver – riu, claramente brincando.

    Ao ser perguntada sobre querer conhecer o pessoal da Tribo, Sam assente – Quero! Eu posso? – ainda não tinha certeza como essas coisas funcionavam. Mas repensa. Será que devia se meter em mais algum lugar que podia trazer desgraças?

    Suspirou, encolhendo os ombros.

    ----

    Sam dá um meio sorriso quando Hope pergunta aquilo, mas ele some rápido, devido ao mal estar. – Não vou falar pra ninguém. Só achei curiosa a recepção. De toda forma, foi bom não enfrentar aquela fila – apoiou a cabeça no vidro. A sensação geladinha da superfície parecia um paraíso.

    - Isso sim parece muito útil. Já deixa quem não é daqui mais fraco, se vierem fazer graça... Mas, porra, tinha de ter um jeito de dizer que fui convidada, não to invadindo. - Pensa que poderia ser algo útil em Dover, com todos aqueles puros em volta. Aproveitaria a empolgação de Hope para tentar saber mais sobre o Sindicato/Aliança.

    Enquanto o carrinho era dirigido pro destino, Samantha perguntou.

    - Hope, você vai tá livre amanhã? Se eu conseguir resolver as coisas que vim resolver até lá, você poderia me mostrar mais sobre o Sindicado... – usou a palavra que ela gostava.

    Quando chegam, Sam fica surpresa de nenhum dos dois vai subir. Talvez não estivesse esperando enfrentar William sozinha agora. Viu Hope fazendo aquilo com o colar e o irmão implicando com ela. – Sabia? – perguntou, enquanto olhava a escada. Ouve o conselho sobre as víboras e assente – Obrigada – agradece, vendo o carrinho se afastar.

    Não esperava ver um local como aquele em Tokyo. Esperava pessoas, muitas delas, tecnologia e J-popers. Inspirou profundamente o ar puro e com cheiro de mato, colocando a mente no lugar antes de tomar coragem para subir. Se lembrou do que tinha prometido pra Anne “ele não é inimigo” meditou, tentando não se lembrar do sítio.

    Logo que subiu, bateria na porta, caso tivesse uma. Se não, entraria, pedindo licença.


    Samantha Doiley
    -Essência: 7/10
    -Dano: 0/7











    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu
    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2691
    Reputação : 131

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Wordspinner Seg Mar 21, 2022 10:00 am

    Sam escreveu:Cê tá sempre gostosa e metida, “sempre certa” a gente vai ver

    Anne balança a cabeça devagar com um sorriso que tinha nascido no beijo que recebeu logo antes, mas se tornava mais animado agora.

    Sam escreveu:Quero! Eu posso?

    "Claro que pode, como cê acha que as pessoas entram nas tribos?" Ela dá um risinho torto com uma mistura de deboche, paciência e diversão. "Cê já conhece quase todo mundo e acho que sem a Lyall a galera que tá mais no alto do conceito da tribo são Richard e Amy e cê conhece eles." O sorriso ganha uma camada extra de deboche e um polimento de diversão.

    --

    Sam escreveu: Mas, porra, tinha de ter um jeito de dizer que fui convidada, não to invadindo

    "Nem tem. Só entrando em uma das alcateias da aliança. Não melhora. Não passa. Cê não se acostuma." Diz Hope como um aviso, mas sem muita emoção. Ela claramente não tinha sentido o que Sam sentia.

    Sam escreveu:você poderia me mostrar mais sobre o Sindicado...

    "Nunca to livre. Mas ele pode acabar me pedindo para mostrar a nossa casa pra você. Ele é excêntrico desse jeito." Ela da de ombros e da o assunto por encerrado. Mas o irmão complementa. "A gente gosta de mostrar o nosso trabalho."

    Sam escreveu:Sabia?

    "A gente aposta todo tipo de coisa." Como se estivesse explicando a turista estrangeiro que as pessoas usam roupas.

    Samantha sobe as escadas e vai vendo o carro se afastando e logo entrando na selva de concreto que é a cidade de verdade. Ali era alto, mas não alto o bastante para ela poder ver além da parede de prédios. Ela encontra, debaixo do telhado que tinha visto lá debaixo, um patio com flores e pequenas árvores e um caminho de pedras cuidadosamente quadradas e polidas. Em volta do pátio uma escada de madeira muito pequena, um, dois, três passos. As paredes eram de papel e todas brancas, mas marcadas com essência formando palavras na primeira língua. As cores eram todas simples, a madeira muito vermelha, as pedras de um cinza homogeneo, o papel era bege como se espera de papel. As flores eram rosadas e vermelhas, as folhas eram todas verdes e viçosas.

    Mas tinham pessoas ali. Samantha se vê observada de imediato. Alguma coisa fazia um barulho repetido. Tap tap tap. Bem rápido. A pessoa mais perto era uma mulher alta de pernas longas e fortes que você esperaria ver em um velocista. Ela vestia um quimono aberto a despeito do frio, a barriga a mostra tinha uma tatuagem cheia de linhas azuis e o lobo dos mestres de ferro entre os seios meio escondidos. O cabelo preso com dois hashis cor de aço inoxidável. Ela não era japonesa, não era nem asiatica. Tinha olhos escuros e a pele cor de bronze, mas o cabelo era loiro e ondulado onde escapava do coque. Ela media Sam com os olhos sem nenhuma vergonha. Nenhuma expressão. A mão direita se enrolando sozinha na faixa azul que deveria prender o quimono.

    Tap, tap e tap. Uma outra mulher estava mascando chiclete com a cara no celular e só olha para Sam por um instante e então sorri voltando a atenção a tela brilhante. Ela tinha cabelo rosa e preto raspado nas laterais. O rosto sorridente tinha algo de asiatico, talvez só os olhos um pouco pertados e afiados. Ela usava uma camisa de botões, mas eles eram assimetricos e apertavam demais a camisa nela, ou apertavam o suficiente para saber tudo que tinha por dentro. Um fio conectava a camisa ao celular. Da cintura para baixo ela usava uma toalha enrolada que mostrava as pernas brancas do joelho para baixo. Ela esfregava os pés, provavelmente para lutar contra o frio das pedras. Ela tinha uma mochila dessas que são feitas sob medida para serem cinzas e sem personalidade, mas modernas e cheias de funções que ninguém nunca usa, e nela uma calça jeans estava amarrada.

    Tap, tap, tap, tap, tap. Uma terceira usava uma roupa séria e formal em cinza, branco e azul marinho. Calça comprida e um sapato baixo. O cabelo preso em um rabo de cavalo alto com uma flor igual as do jardim sobre a orelha. Cabelo cor de cobre. O par de olhos verdes intensos vigia Sam até ela cruzar o ultimo degrau. O rosto cheio de sardas. As linhas do rosto finas e cuidadosamente maquiadas. Ela parecia macia como creme de leite fresco batido. Ela limpava cuidadosamente uma faca com cabo metalico e usava a ponta de uma garra afiada para riscar a lâmina e repetir o processo. A roupa escondia mais do que mostrava, mas a cintura marcada mostrava não só a forma da mulher como também alguma arma dentro do blazer comprido.

    Tap, tap, tap, tap... Ela viu a vareta chata de bamboo descendo e subindo. As agulhas na ponta marcavam a pele da mulher que estava na maca de armar. Ela deveria estar deitada, o vão feito para o rosto estava vazio. A mulher na maca não olhava para Sam, ela tinha os olhos bem fechados e um quimono nada tradicional ainda vestido, mas só nos pulsos. O tecido escoria pela maca deixando as costas da mulher expostas, assim como todo o resto. O único escudo que a separava da nudez total era uma toalha felpuda alojada casualmente na lombar para colher qualquer gota de sangue. Em seiza ela suportava sem fazer qualquer som. Sem demonstrar nenhum desconforto. Pelo contrário, ela parecia gostar das agulhadas repetidas. O cabelo que ia do castanho escuro ao claro com toques de dourado caia todo sobre os ombros para a frente do corpo, solto e cascateando sobre os seios que Sam percebeu tarde demais que tinha encarado.

    William estava no comando das agulhas. O rosto sério e concentrado. Potes te ceramica em uma mesa ao lado dele. Vestia só uma calça simples e escura. Os braços cheios de desenhos com sangue seco e sangue novo. Uma pulseira cheia de pequenos espinhos afiados fazia ele sangrar toda vez que movia o pulso para bater as agulhas na mulher ainda sem nome. O rosto tinha linhas em cores metalicas desenhadas. Isso já era estranho, mas a fumaça dos braseiros em volta da maca não fazia o caminho que fumaças deviam fazer. As colunas quase brancas serpenteavam desavagar espiralando em volta deles como se não houvesse qualquer brisa ou vento. "Bem vinda, Samantha. Infelizmente não tenho uma cadeira para te oferecer. Mas fique a vontade, não vamos demorar." A voz era cheia de um calor aconchegante. Não só fazia parecer que Sam era uma amiga de quem se sentia muita falta, mas fazia sentir isso. Sentir acolhimento e aceitação.

    "Charllote." diz a mulher de pernas longas ainda olhando Sam como se ela fosse algum tipo de inseto exotico, apesar de colocar calor humano na voz. "Bem vinda." E então ela olha para a mais nova, a com a cara no celular, como que esperando algo. "Zhenya, quer wi-fi?" Ela diz com um pouco de má vontade antes de olhar Sam e sorrir e depois olhar a mulher sendo tatuada com uma expressão distante e nostalgica. "Leonora. Prazer, querida, talvez possa ajudar enquanto ele está ocupado com a Viozinha. Violeta ela." e então ela aponta com a faca. A ruiva com o jeito direto e preciso. Cada movimento otimizado.

    "Ela é teimosa meninas, determinada. Ela vai esperar, então sejam agradáveis, por favor." Ele diz passando a mão nas costas de Violeta. O rosto parece cansado um instante enquanto ele analisa o trabalho. As formas suaves traçavam caminhos sinuosos, plumas coloridas e escuras como luz refratada em oleo desciam das asas abertas de um corvo escuro que olhava Samantha com brilhantes olhos vermelhos. Ele confirma satisfeito com a cabeça e assopra o desenho. Uma, duas, três vezes antes de passar a toalha felpuda com cuidado na pele exposta e depois subir o quimono com cuidado. O tecido parecia seguir as mãos dele fluindo como água. Mesmo assim o desenho permacia visível pela abertura que a roupa tinha nas costas.

    Violeta escorre da maca sensual sem nenhum esforço ou necessidade. O olhar que lança para Samantha era pesado como a respiração ofegante da mulher. Um sorrio com dentes bem brancos e afiados. A mão faz um aceno em cumprimento e então bate duas vezes na superficie branca da maca e Leonora se aproxima. "Veio aqui falar de Aponi, não é?" Parecia uma invasão, como se ele tivesse tirado a informação de dentro dela. Mas na verdade, um instante depois parecia uma suposição óbvia. Enquanto isso a ruiva tirava o blazer mostrando mais uma faca e uma pistola que ela coloca de lado no chão antes de tirar a calça e os sapatos. A calcinha rendada é a ultima parte a ir e então ela se deita de lado com a camisa ainda vestida e as pernas cheias de pontinhos arrepiados. Ela aponta uma cicatriz na coxa, longa e cor de rosa, que se perdia subindo até o quadril. "Aqui, sempre aqui." Ele assente. Aperta a pulseira para sangrar um pouco em cada pote e então prossegue jogando um chip em um deles, uma cereja em outro e um fio de cabelo da mulher no ultimo. Depois disso, com um sorriso radiante e cumplice para Samantha ele começa tatuar e murmurar.


    A fumaça lentamente reaprende seu caminho sobrenatural.
    Bastet
    Adepto da Virtualidade
    Bastet
    Adepto da Virtualidade

    Mensagens : 1762
    Reputação : 98
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2211.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Bastet Qui Mar 24, 2022 2:45 pm




    - Na de vocês? Não duvidaria se tivesse um teste tipo uma dança sensual antes de falar com eles – Sam fala, fazendo uma careta pra outra e dando uma pequena risada. Realmente não fazia ideia de como funcionavam aquelas coisas. Ouviu sobre Amy e Richard, observando com calma a expressão de Anne – Bom, pelo menos a Amy eu nunca irritei... Eu acho. – tentou se lembrar, mas nada veio à mente.

    ----

    A Ithaeur só suspira quando Hope esclarece que não tinha como aquele incômodo diminuir. Ainda bem que não ficaria muito tempo..., mas os poucos dias que planejou já estavam parecendo longos demais com aquela dor de cabeça dos infernos.

    - Um trabalho bem feito deve ser mostrado mesmo – ela diz, feliz por, de alguma forma, conseguir o que queria.

    ---

    Já na paisagem bucólica, Sam fica curiosa com o que eles tinham apostado, mas não pergunta. Não era da conta dela. Apenas se despede de forma respeitosa, antes de ficar sozinha e começar a subir as escadas e se deparar com aquela cena curiosa.

    O lugar realmente parecia deslocado de qualquer cenário de tokyo que ela poderia ter imaginado. Parecia um desses lugarzinhos que você encontra no interior, com um pátio cheio de flores, pedras em suas cores naturais e lugarzinhos para sentar. Ela para um pouco quando percebe as marcas com escritos da primeira língua nas paredes e tenta lê-los. Apesar de aquilo prender sua atenção, não dura muito tempo... Logo Samantha sente olhos nela... Mais olhos do que imaginava. E um barulho irritante, levando em conta a cabeça que já parecia querer explodir a qualquer momento.

    A primeira pessoa que viu foi a morena de cabelos dourados e pernas muito fortes... Com uma quase nudez não esperada naquele frio. Sam cumprimentou com um aceno de cabeça, enfiando as mãos no bolso, enquanto continuava a andar.  A segunda parecia vinda da Tokyo que Sam imaginava.  Mascava chiclete, mexia no celular, tinha cabelo colorido e assimétrico.... Advinha? Sem calças também. Provavelmente a menina nem reparou em Sam, mas, caso erguesse os olhos do celular, cumprimentaria da mesma forma, um aceno um pouco tímido. Quanto mais gente desconhecida, menos ela se sentia à vontade.

    A terceira lembrava essas executivas que trabalham sem folga. A única vestida, mas a que parecia mais sensual das três. Pele macia (?), cabelos de fogo, olhar penetrante. Sam não se aproximou pra confirmar, mas farejou o ar discretamente, tentando perceber se ela tinha o cheiro das flores que usava no cabelo. Sustentou olhar enquanto descia os últimos degraus, só desviando ao conseguir ver de onde vinha o barulho chato e irritante. Só podia ser, vinha de William.

    Com ele também tinha uma mulher praticamente nua. O que era aquilo? Um harém dos Crestwood?

    Samantha desviou os olhos dos seios da mulher, reparando no que o homem fazia com os potinhos, agulhas e sangue. A fumaça e as linhas no rosto de William tornavam a coisa mais interessante e bizarra... Tudo ali indicava que não era uma tatuagem comum. Estava tão imersa em toda essa coisa que nem disse oi quando entrou, tomando consciência disso ao ouvir a voz de William.

    - Obrigada, tô bem de pé, não se preocupa – disse em tom brando, acenando com a cabeça em cumprimento.  Não gostava de sentir aquele acolhimento que a voz dele trazia, mas era difícil resistir. Maldito William língua de mel.

    Se encostou na parede, cruzando os braços, olhando para Charllote quando a cumprimentou. Abriu um pequeno sorriso – Samantha... Obrigada – se apresentou e logo olhou pra menina de cabelo colorido – Ah, por favor – aceitou o Wifi, já que nem sabia se seu chip pegaria ali ainda. Em seguida olhou pra ruiva, mais próxima agora, com seu cheiro de flores. Os olhos vão pra faca e pra arma na cintura, que o blaser não escondia a localização. A cumprimentou também e logo William estava intervindo. Sam quase riu.

    - Bela faca, aliás – Sam não podia negar que gostava de coisas afiadas. Talvez a reação oposta que a ruiva queria ao apontar com a faca. Olhou para William, tentando entender se aquilo era um elogio... Mas, bem, não importava. – A recepção tá sendo agradável, está tudo bem – o “agradável” foi dito olhando nos olhos da ruiva, com um pequeno sorriso. A verdade é que tinha pensado as Víboras mais "punk góticas selvagens" e nenhuma delas parecia isso.

    Sorriso este que sumiu com a próxima fala do Irraka, que soou mais invasiva do que as palavras realmente diziam. Ela suspira e assente, mas não fala nada. Não queria falar sobre aquilo com as víboras perto. Percebeu o quanto ele parecia cansado após terminar a tatuagem, provavelmente pelo sangue perdido.

    Acenou de volta para Violeta, encantada com o corvo nas costas dela. William tinha feito um trabalho incrível mesmo. Logo a ruiva também estava sem calças e calcinha ali, Sam evitou encarar a nudez dela como fez com os seios de violeta, mas se aproximou da maca, observando o que o William fazia em cada potinho para a tatuagem.

    O sorriso a pegou de surpresa. Ela apenas observa, a princípio, percebendo que aquilo parecia um ritual ou algo do tipo, principalmente pela fumaça e pelo sangue. Quando tivesse a oportunidade (ou já mais pro fim da tatuagem) perguntaria – Uma tatuagem comum não pegaria em nossa pele – fala, observando a figura tomar forma na coxa de Lenora – É um ritual? – os olhos saem da pele dela e vão pro Crestwood. De todas as coisas que podia imaginar ele fazendo, tatuagem mística não tinha sido uma delas... Até então.


    Samantha Doiley
    -Essência: 7/10
    -Dano: 0/7











    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu
    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2691
    Reputação : 131

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Wordspinner Dom Mar 27, 2022 8:41 pm

    Sam: - Na de vocês? Não duvidaria se tivesse um teste tipo uma dança sensual antes de falar com eles

    Anne ri, mas não diz nada.

    "Acho que a Amy gosta de você. Pelo menos as crianças gostam e isso conta pra ela." Dando de ombros.

    --
    Os símbolos nas paredes dizem "Protegido pela Lua", "Separado da visão", "Silêncio que avança" e "Sob a Sombra vermelha".

    Ninguém parece disposto a forçar Samantha a relaxar ou se acomodar. A senha do wi-fi é uma complexa combinação de números e letras e símbolos bem grande e sem sentido.

    Sam: - Bela faca, aliás

    "É mágica." Ela diz e parece estar falando sério, mas a garota de cabelo colorido ri exatamente nesse momento.

    "Agradável, viu?" Ela sorri. "Eu sou agradável, ouviram?" Dessa vez ninguém ri enquanto ela alonga as sílabas da palavra. Os olhos dela não procuram em lugar nenhum, continuar em Sam.

    Ele responde a pergunta de Sam com a cabeça. Positivo. O tap tap tap quase no fim. Então a toalha passa pela coxa de Lenora uma vez. Lenta e cuidadosa. "Uma tatuagem funciona, mas apaga mais rápido." Era Lenora. "Essa aqui é poder e some quando é usado ou quando passar a hora." Ela se levanta lânguida e insinuate.

    "É sim. Um ritual." Ele diz como se quisesse começar agora mesmo a ensiná-lo. Ele tira a pulseira e faz uma expressão de alívio quando a carne se fecha. "Não vai encontrar uma dessas em qualquer lugar. É um segredo de tribo." Ele junta os pontinhos um em cima do outro e coloca a agulha ao lado na bandeja. "Posso considerar minha dívida paga?" A voz do irraka era respeitosa e solene de uma hora para a outra.

    "A gente ganha um banho?" A voz de Violeta era quase um ronronar. "Eu fico tão bonita na banheira." Ela ri assim que fala as palavras. Os olhos dela no rosto vermelho de Lenora. "Você sabe que sim." A ruiva fala rápido e firme. Mas para quem?

    "Não acredito que possa acompanhá-las, tenho muitos compromissos hoje." Ele volta a organizar os ingredientes e aparatos.

    "Tudo pode esperar um pouco, o banho é sempre melhor com você dentro." Charlotte reclama, mas sem muita força. As pernas longas a levando para uma das paredes de papel. "Eu também..." Zhenya subitamente interessada em algo fora do seu celular. "... Muito melhor." Ela olha de William para Samantha e então segue a companheira claramente a contra gosto.

    "Inacreditáveis... E na frente de estranhos."  Lenora chia pegando Violeta pelo braço e arrastando a mulher com ela. O corvo nas costas treme quando ela ri.

    "Me ajuda com a maca?" Ele pergunta segurando um lado. A coisa era leve, mas era um desafio equilibrar todo material em cima dela. As toalhas cheiravam a sangue e tinta e metal. Os potes de incenso não tinham cheiro nenhum. Tudo é colocado em um quartinho na lateral. De lá ela consegue ouvir as Víboras brincando na água, mas tem uma parede de papel entre eles. O irraka sai sem falar nada esperando que a ithaeur o siga. Logo se senta nos degraus da escada. Ele da uma batidinha ao lado dele. "Compartimento secreto." Ele bate de novo e o som é oco. Mas ele não Tira nada dali.

    "Não é o melhor jeito de conversar, mas eu sinto muito. Sinto muito pelo seu avô. Eu não queria que nada assim acontecesse." Tristeza, talvez, mas não culpa. "É difícil ser separado da família. É difícil perder algo assim." Ele olhava para ela sem resguardos. Vulnerável. Sentado e desarmado. O rosto com linhas demais. A expressão muito viva confundindo-se com as linhas pintadas. "Não posso reparar o que aconteceu." Ele não oferece nada. As mãos abertas na frente do corpo salpicadas de sangue fresco e seco também.

    Ele tinha começado pela pior parte. Pela dor mais profunda.
    Bastet
    Adepto da Virtualidade
    Bastet
    Adepto da Virtualidade

    Mensagens : 1762
    Reputação : 98
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2211.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Bastet Dom Mar 27, 2022 11:20 pm




    Sam gosta quando a deixam no canto dela. Depois de conseguir acertar aquela senha esquisita de wifi, se pergunta o porquê de algo tão complexo. Nem tinham casas ali por perto pra roubar internet.

    Apenas sorri quando a ruiva diz que a faca é mágica, já que parece algum tipo de ironia, visto as outras terem rido quando a frase foi dita. Manteve os olhos nos da ruiva quando ela falou sobre ser agradável e assentiu, sem muita vontade de entrar naquele jogo.

    Por sorte logo o assunto mudou pra tatuagem. O rosto de Samantha se abriu um pouco quando Lenora e William começaram a falar, confirmando que era um ritual. O lado curioso e recém-lobo dela querendo saber mais.

    A morena chega o rosto mais perto, tentando ver se o risco tinha alguma diferença das normais – Se importa se eu perguntar qual poder? – tirou os olhos da pele e olhou pra Lenora. Depois pra William, esperando uma explicação mais ampla. Deu uma pequena risada quando ele disse que era segredo de tribo – Justo – disse, pensando consigo mesma sobre a conversa que tinha tido com os gêmeos um tempo atrás. Será que alguém já tinha conseguido decifrar William?

    Voltou pro seu canto enquanto ele conversava com as víboras. Pelo menos o Irraka tinha recusado o banho, se não Sam ia mofar ali... Mas, pelo jeito que elas falavam, parecia que era uma coisa corriqueira. Isso devia ser um segredo de tribo também, a libido altíssima.

    Se despediu das víboras enquanto elas saíam e ajudou o irraka com a Maca, tomando cuidado para não deixar nada cair – Animada elas – disse, ao ouvir o banho das víboras, imaginando o quão pouco particular era viver em uma casa de papel como aquela.

    Por fim seguiu William e olhou um pouco desconfiada quando ele bateu na escada... Mas acabou se sentando ao lado dele, evitando parecer hostil. – Pra que serve? Além do obvio... – como ele não tinha tirado nada de lá, provavelmente não era o obvio mesmo.

    Quando o homem começou a falar, foi visível que pegou a ithaeur de surpresa. Ela chegou a se ajeitar no degrau, desconfortável. – É claro que você já sabe... – murmurou, sem interromper ele de fato. Não o olhou diretamente por boa parte da fala, o fazendo quando ele já tava terminando, tentando analisar se ele era sincero. Os olhos levemente marejados, mas nenhuma lágrima.

    Precisou de uns segundos pra falar, claramente não tinha planejado começar por ali. – Muito difícil... Agradeço pelas suas palavras – apesar da voz abafada, não tinha ressentimento na voz. Indicou as mãos dele com sangue – No fim foram as minhas mãos sujas com o sangue da minha própria família. Só eu devo carregar esse fardo – suspirou – Eu concordo que você não pode reparar... Mas pode me ajudar a entender. E evitar que isso ocorra novamente. – os olhos voltaram ao dele, indo direto ao assunto como ele tinha feito. – Isso ainda pode tá em mim. Nos meus filhos... Eu sei que você tem segredos. Sei que faz parte do que você é, agora eu entendo. – se a marca do augúrio dele fosse visível, olharia pra ela – Mas eu não posso voltar sem essas informações e deixar a única família que eu tenho vulnerável.  

    Diferente de William, que tinha a expressão cativante, Sam só parecia cansada, com dor e com uma tristeza que ele tinha trazido a tona de uma vez.... Mas parecia sincera, muito sincera. Principalmente quando dizia que não podia voltar sem as informações


    Samantha Doiley
    -Essência: 7/10
    -Dano: 0/7











    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu
    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2691
    Reputação : 131

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Wordspinner Sab Abr 02, 2022 12:43 am

    Sam escreveu:Pra que serve? Além do obvio...

    Ele não responde. Só olha para ela como se tivesse perguntando se podia respirar.

    Sam escreveu:Mas eu não posso voltar sem essas informações e deixar a única família que eu tenho vulnerável.

    "É um fardo que muitos compartilham em outras formas." Ele tinha ouvido Samantha falar e parecia sofrer de verdade, como se as palavras dela fossem espinhos que apertavam. "Estou aqui hoje para te ajudar. Estamos os dois aqui para isso. Temo que o que você quer de verdade não exista, mas eu vou dar o que puder." Ele segura uma das mãos de Sam com a mão suja de sangue e morna dele. "Você precisa aceitar. Precisa entender. Você é uma de nós Samantha." Samantha sente a dor de cabeça sumindo. O ar rarefeito invade seu pulmão, frio e refrescante. O chão é firme de uma hora para a outra. A luz tem de volta sua qualidade precisa e os sons não parecem mais estar debaixo da água. Pelo contrário. Ela se sente leve e forte. Mais do que antes. Como se tudo a volta dela desse um pouco da sua essência.

    Mas isso tudo vai embora em um instante quando ela afasta sua mão. Ele suspira e se levanta. "Como eu posso te ajudar com palavras se não acreditar em mim?" Ele levanta o degrau onde estava sentado com o pé e coloca os dez dedos em uma tela escura e sem botões. Um click e ele abre a tampa oca onde bateu. "Arranje alguém que leia latin. Essas foram escritas por ele. Eu queria que ele fosse o líder de uma aliança na Inglaterra. Ele era um cara evasivo quando queria e me deixava meses no escuro e não me recebia." Ele dá de ombros entregando alguns papeis para Sam. "Gurim-Ur. É isso. Esse é o problema. Era Gurim-Ur naquele fragmento. Um pedaço dele. Uma lasquinha de um deus antigo. Meu maior inimigo, se pelo menos ele percebesse que eu estou atrás dele, ou se importasse." Ele pega um disco prateado enquanto Sam estava olhando os papeis. A tampa se fecha sozinha. "Se tem algum jeito de saber se você tá ... Isso aqui vai saber. Vai ser uma merda. Vai doer e queimar e essas coisas agonizantes. Vai ser vergonhoso também, por dentro e por fora. Mas eu sei que você quer. Depois disso você descansa e só então a gente conversa de novo. Eu te levo e vou estar lá quando estiver pronta." Ele não olhava para ela quando falava e sim para o disco. "Você entende, não é?" Ele vira os olhos azuis para ela, a única coisa clara e limpa no rosto dele. O disco parecia queimar quando Sam não olhava para ele. Queimar com um fogo prateado, como prata liquida. Queimava como a adaga com que matou o avô.

    Bastet
    Adepto da Virtualidade
    Bastet
    Adepto da Virtualidade

    Mensagens : 1762
    Reputação : 98
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2211.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Bastet Sab Abr 02, 2022 6:52 pm




    Sam se surpreende com a Empatia que William parecia demonstrar. Quando ele fala que estavam os “dois” ali ela chega a olhar pro lado, se perguntando se tinha mais alguém... Mas não teve tempo de perguntar, logo a mão dele tava na dela... E aquela sensação terrível se foi. E, tão rápido sentiu, a coisa se foi. O corpo de Samantha reagiu como sempre reagia... principalmente com pessoas que ela não confiava totalmente. Ela afastou a mão.

    E a dor e o mal estar voltaram, a atingindo em cheio. Antes ela já tinha se acostumado... Era como aquela dor de cabeça que tá sempre ali e você só deixa pra lá... Mas, ao não sentir e ela voltar, aquele desconforto imenso voltou a pesar sobre seu corpo.  Ela precisou de muita força de vontade pra não se encolher ali na frente do irraka, apenas fazendo uma careta leve e respirando fundo.

    Não respondeu a primeira pergunta. Apenas observou ele se levantar, xingando a si mesma mentalmente. Bem que Anne tinha dito. Sam estava se prejudicando pelas cismas... Será que tinha prejudicado a chance de entender sobre aquilo tudo?

    Observa ele tirando as coisas de dentro do degrau, entendendo que o compartimento secreto era sim o obvio. Pegou os papéis, tentando entender o que eram – Quem é “Ele”? – perguntou folheando os papéis e ela o olha, confusa, quando ela fala em um dos lobos. – Gurim-Ur? Você está atrás de um lobo primordial? Por que?– não sabia se ele responderia, mas aquilo deu um nó na sua cabeça. Não era um dos lobos dos Destituídos... Ele tava caçando um lobo dos puros? Aponi tinha falado um pouco sobre, mas ela pensou que era apenas para acabar com o que o lobo tinha feito com os Cahalith...

    Quando ele pega o disco prateado, os olhos de Sam travam nele. Era difícil e doloroso não olhar pra ele. Que porra era aquela? Era prata? Como William o segurava daquela forma?

    Como resposta a Ithaeur se levantou – Eu não me importo com a dor. Vamos fazer isso – voltou o olhar pro dele. Não tinha um pingo de dúvida sobre isso nos olhos de Samantha. – Eu quero entender... – mas percebia que aquilo ia ser difícil. Que as coisas pareciam estar ligadas, o disco, a faca... William.

    Antes de sair, fez uma última pergunta. – Por que você está agindo assim comigo? Tão disposto. Eu não entendo você querer ajudar... Desde sempre. Você nem me conhecia... – não falava em tom de acusação, era confusão. Não gostava de fazer aquela pergunta... Mas precisava. Se ia confiar nele com uma coisa de prata ligada a um lobo primordial, não podia ter dúvidas no peito. No protetorado entendia a colaboração, principalmente pela ligação dela com Anne... Mas ali??

    Depois de receber ou não uma resposta para a pergunta, seguiria com ele sem perguntar mais nada, quieta, tentando organizar os pensamentos em sua cabeça.


    Samantha Doiley
    -Essência: 7/10
    -Dano: 0/7











    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu
    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2691
    Reputação : 131

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Wordspinner Seg Abr 04, 2022 8:37 pm

    Sam: Quem é “Ele”?

    Ele quase ri. Quase se surpriende. "Segredos as vezes são só histórias que quem sabe não quer mais contar." Ele ainda com os olhos no disco. "Seu avô. O romano."

    Sam: Por que?

    "Não acredita que eu vá vencer?" Com incredulidade genuína. Como se fosse a única pergunta possível. A única sequência possível.

    Sam: Eu quero entender...

    Ele balança a cabeça como se tivesse visto esse filme antes e pudesse falar no lugar de cada personagem.

    Sam: Por que você está agindo assim comigo? Tão disposto. Eu não entendo você querer ajudar... Desde sempre. Você nem me conhecia...

    "Tenho te conhecido mais e só piora." Ele diz com humor que ficava um pouco macabro na Luz do fogo prateado.

    "Anne nunca disse nossas palavras para você? Não são segredo. Honre seu território em todas as coisas." Como se fosse explicar tudo. Como se fosse o bastante. Mas aparentemente ele tinha visto a cara de Sam e entendido. "Meu território é mais que linhas imaginadas no chão. Mais que família. Você nunca teve o que temer de mim que não devesse temer da Mãe. Nunca terá." Era o tudo que ela ia conseguir. Ele deixava claro sem nenhuma negação. Como um copo vazio.

    Sam começa o caminho para ir, mas ele a segura pelo braço. Ele faz que não com a cabeça e as linhas no rosto pintadas com metal brilhavam com o fogo insconstante do disco. "Acontece aqui. Acontece agora."

    A volta dela a luz natural some. Lento demais para ser visto com os olhos, como as folhas que segue o sol durante o dia ou rápido demais para se ver, como o caminho das rachaduras no vidro. Estava escuro agora como não estava antes. A única luz vinha da Lua cheia e era refletida no disco. Filtrada por ele.

    Então tudo era Luz cegante que queimava cada fibra do seu corpo. Queimava cada nervo. Cada pensamento. Cada memória. Toda energia que ela era. Tudo que ela significava.

    O tempo todo ela sabia que não estava sozinha. Despida de formas que ela não conseguiria fazer por ela mesma. Um momento de clareza quando ela se vê com olhos azuis escuros demais e então ela o vê a sua frente. A mão esquerda vertia uma fumaça cheirosa, comida. A mão direita impedia Sam de cair sobre os joelhos sem vida que precisaram de três tentativas antes de suportar seu peso.

    "Agora sim a gente vai." O disco é colocado no bolso de trás da calça. "Meu carro tá nos fundos." Ele parecia cansado. Bem cansado. "Você está bem. Limpa. Vai passar mais rápido que imagina."


    Bastet
    Adepto da Virtualidade
    Bastet
    Adepto da Virtualidade

    Mensagens : 1762
    Reputação : 98
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2211.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Bastet Sex Abr 08, 2022 2:40 am




    Ao ouvir William falar que era o avô, ela olhou novamente o papel, demorando os olhos ali. – “o Romano”? – perguntou, sem medo de soar ridícula ou curiosa demais. Ela não tinha tido tempo de conhecer o avô, nem de ouvir suas histórias ou ler sua caligrafia. Aquilo a deixava com um misto de raiva e culpa no peito.

    Se tocou da ligação de “romano” e “latim” enquanto procurava um pouco do avô em seus escritos... E olhou para o zoiudo perplexa, esperando uma confirmação.

    Ele não era tão velho assim... Era?

    (...)

    Quando William pergunta se ela acha que ele não vai vencer, Samantha ergue uma sobrancelha. Ia dar a resposta direta, mas pensou no que tinha prometido para Anne... E disse apenas – Eu espero que vença – não era mentira, ela até poderia ajudar, se fosse esse maldito que a fizera matar o avô... Mas se achava que com ou sem sua ajuda o Crestwood ia vencer? Não achava. Era o um fucking lobo primordial... Esse pessoal velho tinha mesmo muito tempo pra inventar moda...

    Quão velho é ele?, pensou, mas foi tirada de seus pensamentos quando ele voltou a falar.

    Olhos do céu arrancou uma risada baixa e curta de Sam. – É o meu maior charme – ela responde, sem charme real na voz. E então ouve. Se dá por satisfeita com aquela resposta, no momento. Era melhor que nada. – Sabe, seus filhos têm razão... – diz apenas, sem esclarecer o motivo. Começa a andar, antes de ser interrompida por William.

    - Aqui? – ela pergunta, confusa. “Com três meninas tomando um banho divertido logo ali?”, queria perguntar, mas não o fez. Ele conhecia os métodos e Sam escolheu confiar.

    Antes que pudesse fazer qualquer outra coisa, os olhos se fixaram no disco... E o mundo se tornou o brilho prateado daquela porcaria. Sentia a retina, a carne e os ossos queimando... Sentia sua mente sendo vasculhada, queimada... refeita e queimada novamente. Sentia seus maiores medos e esperanças ardendo...

    E sentia a mão dele. Seus olhos... cheiro de comida e sentimento de cair. Três vezes. William a manteve com uma só mão até que ela conseguisse ficar de pé de novo. Queria xingar, queria quebrar uns ossos de William pra ele sentir aquela dor. Mas se conteve. Apenas esperou. Queria uma resposta.

    Você está bem. Limpa

    Talvez tenha sido a única coisa que ouviu. Os olhos se enchendo de lágrimas que ela não conseguiu evitar, mas piscou algumas vezes pra não deixar elas cair. Fechou a jaqueta, talvez se sentindo invadida demais. Cruzou os braços.

    - Você tá péssimo – comentou, rabugenta, ainda precisando de uns momentos pra formular algo melhor, seguindo ele. A cabeça cheia pela experiência e pela madita barreira daquele território.

    Quando estavam chegando no carro, ela suspirou e falou com ele antes de dar a volta pra entrar – Obrigada... Por me receber, pelo convite... E por isso que fez – olhava nos olhos dele, sincera. Ela queria saber mais, mas ele tinha prometido uma conversa, então não se preocupou no momento. Os dois estavam acabados demais no momento pra falar de fogo verde assassino e lobos primordiais.

    Ela foi andando pra entrar no carro, depois de agradecer.

    Samantha Doiley
    -Essência: 7/10
    -Dano: 0/7











    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu
    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2691
    Reputação : 131

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Wordspinner Dom Abr 10, 2022 8:01 pm

    Sam: o Romano?

    "Ele falava latin e ninguém sabe o quão velho o homem era. Sabe como rumores são." Ele dispensa o espanto de Sam. Mas não oferece nenhuma prova ou argumento em qualquer sentido.

    --

    Sam : Eu espero que vença.

    "Que politica. Parabéns." Ironia? Satisfação? Diversão? Era difícil precisar se era uma provocação ou aprovação.

    Sam: Sabe, seus filhos têm razão...

    Ele olha como se ela tivesse dito algo direto e claro. "Eles normalmente tem." Sem preocupação. Sem hesitação. Provavelmente sem entender nada.


    Sam: Você tá péssimo.

    "Quer um espelho, docinho?" A voz cheia de uma risada que não aparecia no rosto. "É sempre difícil." Ele falava sobre se olhar no espelho ou sobre olhar dentro dela? "Pode deixar que eu não conto. Nunca conto o que eu vi."

    Sam: Obrigada... Por me receber, pelo convite... E por isso que fez.

    Uma risada seca e cansada. "Eu disse e você não ouviu. É sempre um prazer ajudar." Os passos eram os mesmos de sempre. Fluidos e longos. Mas o carro estava aberto e gelado quando Sam entra.

    O cheiro era engraçado. Uma coleção de aromas diversos. Traços de uma duzia de perfumes diferentes. Algo como metal quente também. O couro do banco. Algum peixe oleoso do qual não restava vestigio físico. O cheiro dele era o segundo mais forte. Denso e magnetico. Como se tivesse Sido feito para isso.

    Já o cheiro mais forte era incenso. O incenso favorito de Amy.

    --

    Ela acorda com o cheiro de linguiça e bacon. A porta do carro aberta e a certeza de que estava muito mal. Estava vendo dobrado. Dois Williams em pé. Depois não. Não era assim que funcionava. Ela pisca e nada muda. Exceto... Eles tinham roupas diferentes e um era menor, mais novo.

    "Ela acordou." Diz o que estava de mochila com uma voz séria. Quase triste.

    "Eu sei. Dá para ouvir." A tranquilidade irrevente que se recusava a mudar. Era William. Tinha uma camisa agora. O rosto limpo. Quase limpo.

    Ele vai mais para perto com um pote fundo e rashis. Os palitinhos estavam espetados em pedaços de linguiça frita. Tinha bacon ali também, enrolado em algum queijo. "Não coloquei molho nenhum. Culinaria classica da sua cidade. Infelizmente não tenho miudos de bode e nem feijão." Sem nenhum arrependimento ou tristeza. O outro olha desconfiado para ela. Fechado em olhos azuis idênticos. "Eu já volto. Sua casa é essa aqui na frente. A Chave tá no seu bolso. A fechadura tá meio gasta porque os garotos usam pra treinar." Ele sorri e espera ela ter a chance de falar antes de sair com a copia.



    Bastet
    Adepto da Virtualidade
    Bastet
    Adepto da Virtualidade

    Mensagens : 1762
    Reputação : 98
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2211.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Bastet Seg Abr 11, 2022 10:41 pm




    Tanto quando William falou do avô quanto quando a “parabenizou” e depois quando falavam dos filhos, Sam apenas olhou pra ele, com uma expressão de dúvida. No primeiro momento uma dúvida ruim, que queria ter obtido resposta. No segundo uma dúvida com uma pontinha de orgulho, não dava pra saber se pelo parabéns ou por ter agido como devia... E, no terceiro, uma dúvida com divertimento, com um sorriso surgindo nos lábios dela, afinal, a resposta dele podia dar indícios que apenas tava falando qualquer coisa pra não mostrar que não sabia do que falava.

    Apesar disso, nos três momentos ela não falou nada, deixando ele ter o gostinho da última palavra ali.

    Já ao ouvir sobre o espelho ela ia responder... Mas se calou quando ele continuou, apertando mais os braços que já estavam cruzados. – Pelo menos você já esperava que ia piorar – falou, meio emburrada, usando algo que ele tinha dito antes como argumento e suspirou, constrangida ao realizar que ele estava mesmo com ela em todo o processo e não só dando apoio moral do lado de fora.

    De toda forma, ela já não tinha energia pra muita coisa, agradecendo pelo que ele tinha feito.

    - Eu ouvi. Você que não sabe ouvir um agradecimento – resmungou, entrando no carro e fazendo uma careta com os cheiros. Primeiro, não gostava como se sentia ao sentir o cheiro de William tão forte ali... Sobre o incenso e os perfumes, outra careta, chegando a olhar no banco de trás pra ver se Amy não tava ali. Todos os Creswood gostavam daquelas coisas fedorentas?

    (...)

    Talvez nem tenha visto o carro sair e chegar nas ruas movimentadas de Tokyo... Apagou antes de se dar conta, acordando com a visão de dois Williams... – Que porra...- murmurou pra si, esfregando os olhos. Em seguida prestando atenção no que eles diziam.

    Eram mesmo dois. Voz, tamanho e roupas diferentes. Tentou se ajeitar no banco... A cabeça doendo mais, o corpo também. Suspirou. Caralho de disco.

    Se concentrou em perceber as diferenças neles. O menor parecia mais sério, mais pesaroso... Ao contrário do William William... Que não demorou a se aproximar. Samantha deu um sorriso que foi quase um rosnado, quando ele falou da comida – Engraçado, pensei que vocês só comiam peixe e arroz – provocou, aceitando a comida e suspirando. Levou a mão ao bolso, pensando quando ele tinha colocado ali.

    - Obrigada...– olhou pro outro – Sou Samantha, prazer – falou, sem acenar. Será que o braço obedeceria se acenasse?  Depois olhou pra William, como quem espera uma resposta, mesmo sem ter feito uma pergunta. – Eu fiz algo pro seu... Filho (?)? – perguntou apenas, antes dele sair.

    Sam já começava a se levantar pra ir pra casa que ele tinha oferecido.    

    Samantha Doiley
    -Essência: 7/10
    -Dano: 0/7











    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu
    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2691
    Reputação : 131

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Wordspinner Qui Abr 14, 2022 2:21 pm

    Sam: Pelo menos você já esperava que ia piorar

    Um sorriso pequeno e torto no canto da boca é tudo que ele tem a dizer.

    Sam: Eu ouvi. Você que não sabe ouvir um agradecimento

    "Só não quero que deixe a gratidão nublar seu julgamento. Só isso." Como um tratador que diz para não alimentar os ursos.

    "Você gosta?" Sem motivo algum. "Amy adora isso, a mãe dela gostava e os filhos todos acham fascinate." A voz dele mais e mais distante. "Me faz sentir perto del..."

    --

    Sam: Engraçado, pensei que vocês só comiam peixe e arroz.

    "Ofensivo e xenofóbico. Uma verdadeira lady do velho mundo." Ele diz nem um pouco ofendido. "Eu como tubarão normalmente." E da de ombros.

    Sam: Sou Samantha, prazer.

    Uma reverência curta e mecânica. "Connor." Aparentemente sem nenhum prazer. Olhos sérios e atentos.

    "Que amável!" Diz o outro.

    Sam: Eu fiz algo pro seu... Filho ?

    Ele estava perto, ela vê a mão se movendo e parando. A expressão no rosto, por um instante algo terno e cuidadoso. Como se fosse consolar uma criança ou tocar algo exótico ou até mesmo precioso. Mesmo assim o gesto nati-morto continuava impossível de ser lido existindo somente em sua mente completo apenas por seus pensamentos, expectavas e passado. "Não espere justiça do mundo." Como se fosse uma dessas tragedias universais que, juntos, visitamos em toda humanidade.


    A casa era pequena. A Sala era separada da cozinha por uma parede de papel que estava aberta. O quarto era a sala e o banheiro era tão grande quanto todo o resto. Uma banheira de madeira embaixo de um teto que claramente podia ser aberto e um espaço livre onde seis pessoas poderiam Fazer sauna confortavelmente. Um armário vazio na sala e um colchonetinho sem graça perto da televisão grande. Em uma parede uma nota em inglês escrito "cama". Na mesma nota em outra letra e cor estava escrito "sofá também". Sinos de vento presos com elástico na frente da janela, janela bem grande e com grades que podiam ser abertas por dentro e pareciam mais resistentes que as paredes de madeira fina.

    Ela demorou a ver o teto. Ver o dragão nele. Os olhos cor de aço fixos nela. Para onde ela ia, estalando a madeira, ele estava olhando. Entre as nuvens pintadas com cuidado. Ele parecia Solido. Real. Pesado e denso demais para voar mesmo em uma pintura.

    "Você não me contou." As coisas dela estavam quase todas arrumadas, não eram muitas. "Eles são lindos? Seguram seu coração e alma nos dedinhos gorduchos e descuidados?" Ele estava na porta, que ela não lembrava de ter trancado, com uma cara muito melhor do que ela sentia. Era trabalhoso lutar contra tudo o tempo todo.

    Já o irraka mal parece andar. É como se flutuasse acima das tabuas ranzinzas e reclamonas do chão. Ele olha na direção do banheiro. "Quente? Se preferir frio tudo bem, mas já tem água esquentando para você." Os olhos de volta nela. Olhos que fazem ela se perguntar se ele ainda a via tão claramente quanto quando a via pelo disco. Ela já olhava assim antes e era só a experiência mudando a sua própria perspective?

    Bastet
    Adepto da Virtualidade
    Bastet
    Adepto da Virtualidade

    Mensagens : 1762
    Reputação : 98
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2211.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Bastet Sex Abr 15, 2022 2:17 am




    Ela chega a abrir a boca pra dizer algo sobre ter o julgamento nublado... Mas logo estala os lábios e vai andando em direção ao lado do carro que deveria entrar.

    Quando ele pergunta sobre o incenso, Sam nega – Acho que me acostumei, no entanto. Pelo menos tinha, com o nariz humano – agora era mais intenso, fedorento. Apesar de não ser seu gosto, a frase sem terminar torna o cheiro mais afetivo. Sam olha bem pra ele, com um pequeno sorriso compreensivo – Deve ser difícil viver do outro lado do mundo...

    Pelas histórias de Amy, ele não parecia ser o pai mais presente... Mas ainda era pai.

    ---

    Se tinha uma coisa que Sam gostava (e odiava ao mesmo tempo) em William era esse humor inabalável dele. Só tinha visto ele perder o sorriso no rosto duas vezes, até aquele momento... E a piada péssima não tinha sido um deles. – Um predador, faz todo sentido – disse, quase que pensando alto, enquanto cumprimentava Connor.

    Ao contrário do pai (?), o mini William não era cheio de sorrisos. Samantha apenas acena com a cabeça quando ele diz seu nome, olhando pro irraka com uma expressão estranha, quando ele ameaça fazer aquele carinho (?) ou algo do tipo. A expressão dele fez ela ficar um tanto desconcertada, pronta pra sair do carro e acabar com aquele momento esquisito.

    Olhou pra Connor ao se levantar e depois pra William. – Não espero... Ele não me conhece, eu faria o mesmo. Eu só esqueço às vezes que esses olhos azuis aí mais observam que falam – e foi andando em direção à casa.

    ---

    Deixou os sapatos logo na entrada, como Jason havia explicado nos treinos. Arrancou  a jaqueta também, pendurando ela e ia desabotoando o sutiã enquanto andava, sem tirar a blusa, observando o local.

    Era uma casinha confortável, com um design bem diferente. Paredes de papel e madeira, grades que não ornavam exatamente, banheiro bem maior que o resto da casa e o colchonete que aparentemente era cama e sofá. Pegou o bilhete na mão, imaginando se o recado era de Júnior e Hope.

    Puxou o sutiã pelo decote, deixando ele no banheiro, que planejava se banhar, enquanto olhava pra cima e via o dragão. Nunca o nome da alcateia de Amy fez tanto sentido. Pegou o celular pra tirar uma foto, enquanto testava andar pra lá e pra cá, vendo a pintura realista a acompanhar com os olhos. Era mesmo uma pintura?

    A voz dele a fez olhar rápido pra trás, surpresa. Não estava esperando que ele voltasse tão rápido. Tinha de se lembrar de trancar a porta, pra pelo menos dar trabalho pros iron máster da região. Fez uma careta ao ver ele bem. Bem melhor que antes, bem melhor que ela.

    Suspirou pesado.

    - Eles me fizeram viajar até Tokyo poucos dias depois de parir. Nenhuma pessoa teve tanto poder sobre mim antes – ela desbloqueou o celular que tava na mão, abrindo uma foto, se aproximando dele e mostrando – Teodoro e Aria – apontou os gêmeos certos ao dizer os nomes, com um orgulho que só alguém com filhos saberia identificar – Como você pôde ter tantos? Nesse mundo... – uma dúvida cheia de incertezas. Ela não sabia que eram mais dos que ela conhecia... Mas ainda sim achava muitos.

    Percebeu o quão barulhenta era quando o irraka começou a andar pela casa. Até testou um passo, torcendo o nariz ao ouvir o ranger da tábua.

    Sam olha pra ele quando ele fala, ficando desconfortável com o quão invasivo e íntimo é o olhar dele. Faz ela sentir vergonha. Não tinha certeza se o que ele parecia ver era bom. Tinha quase certeza que não. Nem ela gostava exatamente do que via dentro de si.

    - Quente tá ótimo, obrigada – finalmente desviou o olhar do dele, passando pelo irraka indo até onde tinham arrumado suas coisas pra pegar uma roupa pra dormir.  - Como eu te encontro? Agora que sabemos que estou limpa... - bem, ele tinha prometido uma conversa depois de usar o disco.


    Samantha Doiley
    -Essência: 7/10
    -Dano: 0/7











    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu
    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2691
    Reputação : 131

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Wordspinner Ter Abr 19, 2022 8:56 pm

    Sam: Teodoro e Aria

    "Tão pequenos. Tiranos estridentes que querem você por complete e te descartam por qualquer coisa colorida." Mas olhava a foto com atenção como uma criança assistindo um daqueles desenhos barulhentos.

    Sam: Como você pôde ter tantos? Nesse mundo..

    Ele responde sem olhar para Sam. "Você não é niilista e nem desesperançosa. Você sabe como. Só tem um mundo e as ecpectativas e regras dos humanos não cabem em mim. São um recorte pequeno demais para caber neles por muito tempo." Ele olha para Sam sério, mas sem hostilidade. "Eu os amo, Samantha, como você e esses dois tiranos. Eu aguento a dor e ela não é sem recompensa." Sem charme, sem humor. Só uma parte real do uratha, sem verniz ou ilusões.


    Sam: Quente tá ótimo, obrigada.

    "Connor vai trazer a água. Ele é desconfiado, mas não é ruim." Ele testa a tabua onde Sam pisou antes e ela faz barulho. "Quer que troque? Eu não faria isso sem prestar atenção. Makoto adora armadilhas. Sempre é brincadeira, mas nem sempre é engraçado."

    Sam: Como eu te encontro? Agora que sabemos que estou limpa...

    "Tem um jeito fácil, agora, você confia em mim?" Era o mesmo de sempre, mais perto do parecia um segundo antes. Feito de fumaça e sombras. Mais perguntas que respostas. Sam ouviu as palavras seguintes antes mesmo de ele falar. "É uma de nós?" A pegunta pesada no espaço entre os dois. As ecpectativas dele impossíveis de ler, ou talvez fosse só a insegurança dela.

    --

    A parede do banheiro abre sem nenhum aviso. Connor entra sem nenhuma cerimónia. Sem nenhuma desculpa. Os baldes de água nos ombros faziam uma fumacinha gentil. "Oi eu sou a Lizi." Uma vozinha pequena e aguda e cheia de sotaque, toda quadrada.

    A menina empurrava um carinho, que mesmo pequeno era alto demais para ela, que soltava uma fumaça mais escura. Fogo. "Se quiser mais quente!" Já que mais quente era claramente universalmente bom. Os olhos curiosos analisando Sam. Os baldes fazem barulho na bancada ao serem colocados e derramam um pouquinho de água.

    Connor não diz nada, só balança a cabeça em algo que deve ser uma reverência educada já que a menina imediatamente faz uma versão muito mais clara e depois faz uma versão desajeitada de uma princesa da Disney. "Não fica com medo do dragão, ele é bonzinho." Ela diz nenhum constrangimento.

    "Deixa a moça em paz, ela tá cansada e não é pra chatear ela." A voz de Connor era firme e sem paciência, mas muito mais calorosa que antes.






    Bastet
    Adepto da Virtualidade
    Bastet
    Adepto da Virtualidade

    Mensagens : 1762
    Reputação : 98
    Conquistas :
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2211.png
    • https://i.servimg.com/u/f11/17/02/65/26/2111.png

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Bastet Qua Abr 20, 2022 7:41 pm




    Samantha observava William, sem falar. A princípio orgulhosa sobre os bebês e depois curiosa sobre ele. Era a primeira vez que ele se mostrava sem ficar sob os véus das ilusões que ele criava. Sem se esconder atrás de charme ou sorrisos bonitos e perigosos. Ali, ela acreditava no que Anne tinha dito, principalmente no fato de ele poder manter as crianças seguras, se fosse preciso.

    Um sorriso sincero surgiu no canto de seus lábios.

    - Eu não conhecia esse seu lado – falou, mesmo que soubesse não conhecer muitos lados do irraka. Aquele era um que ela nem imaginara – Se desvencilhar do lado humano, dos medos e expectativas é algo que ainda me atormenta. Principalmente com eles. Mas ao mesmo tempo eu vejo as crianças da Amy, do Richard, do James... No meio de tudo e ainda tão felizes – ela suspirou, falando com carinho nas crianças – A dor vale a pena, de fato – o desespero? Provavelmente não tanto, mas era algo que ela teria de aprender a lidar.

    Ao ouvir sobre Connor, ela assente. – Não vou perturbar o menino, fica tranquilo. Ele é tão parecido contigo, é seu filho? – perguntou, curiosa, enquanto via ele testar a tábua.  – Makoto... Amy me disse que ele era um dos gêmeos complicados. Devo me preocupar de andar por aqui? – observou a tábua e assentiu sobre trocar. Menos uma coisa pra ela cair em uma pegadinha.

    Quando ele falou aquilo, dessa vez ela entendeu. Teve menos dúvidas. Como ele se movimentava tão rápido? As perguntas conhecidas. Sentimentos novos na balança da resposta. Talvez se ele não tivesse mostrado o lado pai e cru dele, mais cedo, ainda fosse um não... Mas, para Sam, o interesse dele real em ajudar o Povo e o interesse em seus filhos pesou em positivo. Mesmo que ele se movesse de forma contraditória e que suas palavravas fossem duvidosas.

    O que William realmente esperava de Sam?
    Ou ela era mesmo tão ruim que ele só tentava não fazê-la afundar mais?


    Os olhos dela desviam dos dele só por um instante, a respiração pesada, ansiosa. Ela olha pra mão dele e a ergue com a sua, até as duas ficarem na altura do peito deles, palma colada com palma. Como resposta à primeira pergunta, um voto de confiança, já que o toque dele a tinha repelido horas antes.

    - Sou – responde finalmente, ficando vermelha. Se o mesmo alívio acontecesse, fecharia os olhos por um momento, respirando fundo, antes de deixar a mão dele se afastar. – Não vou te agradecer dessa vez. Já que agradecer pode ofuscar meu julgamento – o tom era de brincadeira, mas a expressão era grata.

    ---

    Sam já estava esperando o menino, ainda vestida, apenas tirando a maquiagem do rosto na pia. Como prometeu, não perturbou ele, apenas o cumprimentando e agradecendo pela água... Até ver a coisinha pequena carregando o carrinho grande demais pra ela. – Oi, Lizi. Eu sou a Sam, deixa eu te ajudar com isso – empurrou o carrinho, com medo da pequena se machucar.

    - Tá tudo bem, ela não tá chateando. Obrigada, Connor. Eu consigo me virar, não se preocupa. Pode descansar também – falou pra Connor, não querendo que o menino pensasse que, além de uma estrangeira duvidosa, ela era uma folgada.  Olhou pra Lizi, se aproximando da porta – Quer me contar mais do dragão? Ele parece brabo olhando daqui – indicou com a cabeça. A pequena parecia doida pra falar e Sam gostava de ouvir a imaginação das crianças.

    Estava cansada, mas podia esperar uns minutinhos pelo banho. Olhou pra connor com um pequeno sorriso, deixando ele ficar ali se não quisesse deixar a pequena sozinha. – É com inspiração nele o nome da alcateia da Amy? – perguntou ao menino.

    Samantha Doiley
    -Essência: 7/10
    -Dano: 0/7











    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu
    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2691
    Reputação : 131

    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Wordspinner Ter Abr 26, 2022 4:13 am

    Samantha: eu vejo as crianças da Amy, do Richard, do James... No meio de tudo e ainda tão felizes

    "Não é fácil, mas é possível, e mesmo assim frágil." Ele balança a cabeça como que negando. "Tenho histórias que você poderia usar para desistir de Tudo. Mas riscos são necessários." Ele parecia completamente certo do que falava.

    Samantha: A dor vale a pena, de fato

    Ele reponde só confirmando. Casualmente. Como se fosse impossível Sam dizer outra coisa.

    Samantha: é seu filho?

    "Não é meu clone, com certeza. São gêmeos. Você adoraria conhecer o Liam. Ele é desconfiado assim feito você. Mas é mais bonito." Ele diz sem vergonha nenhuma e cheio de bom humor.

    Samantha: Makoto... Amy me disse que ele era um dos gêmeos complicados. Devo me preocupar de andar por aqui?

    "Ela adorava ele e Conall." Ele olha para o dragão no teto por um momento que se alonga demais. "Makoto ainda faz as armadilhas dele. Eles me ajudaram a colar ela com fita no teto." Uma risadinha curta. Um tom nostalgico. Demorou um segundo inteiro para ela perceber que não tinha respondido nada.


    Samantha: Sou

    O alívio é a primeira coisa que ela sente. Como se levantassem um peso de cada um dos seus músculos. Até os ossos pareciam mais livres. O ar não era mais seco e lento. O chão parecia finalmente firme e parado. Os pés parecem leves, ela sente o próprio peso menor. Os sons fluem para ela para ansiosos para agradar. A Luz desenha linhas claras e definidas. Mas alguma outra se intromete nos pequenos prazeres sensoriais.

    A primeira conexão é quase esperada. William estava perto demais para ser uma surpresa. Exceto porque qualquer informação clara vindo dele digna de nota e sentir ele como parte da sua alcateia foi uma surpresa. Sentir onde estava. Sentir o que sentia. Então as outras vieram como uma enxurrada. Tantos que faziam ela perder a conta que faziam ela temer perder a si mesma. Pessoas demais para contar. Gente demais para fazer sentido. Urathas. Sangues de lobo. Humanos. Uma constelação onde Sam era mais uma estrela. Um gota no oceano.

    Ainda assim era mais claro que nunca quem ela era. O constraste com todos os outros a fazia mais segura de quem era e do próprio valor. Isso, ou era só mais um truque.

    "Você sentiu? Pode apontar eles, não pode? Fechar os olhos e me dizer como eles estão? Dá para se perder na sensação. Passar horas sentindo eles como um banho quente." A expressão ao mesmo tempo cheia de cumplicidade e alegria. "Melhor não agradecer mesmo. Não teria as palavras certas de qualquer forma." Mas sem nenhum veneno. Ele segura a mão de Sam que se afastava e a puxa em um abraço apertado e lento que encaixa Sam carinho inesperado.


    --

    Samantha: Oi, Lizi. Eu sou a Sam, deixa eu te ajudar com isso.

    Ela não deixa. As mãozinhas ficam presas no carinho com toda a força, mas ela sorri para Sam como se não estivesse sendo carregada com ele.

    Sam: Quer me contar mais do dragão?

    "Ele voa no céu que nunca acaba!" Ela fala toda feliz. Connor a segura pelas costas antes que ela prossiga como dona para dentro da casa. "Ele é o dragão mais furioooooooo..." Ele a coloca no ombro e ela continua falando sem se importar. Um dedinhos em riste apontando o dragão. "Não dá pra se esconder. O céu dele nunca acaba."

    Sam: É com inspiração nele o nome da alcateia da Amy?

    "Ou no marido." Ele diz sem tentar ser misterioso. Um movimento lento escorrega a garotinha gargalhando para o chão. Sam consegue sentir a alegria dela. O lampejo curto de satisfação nele. Ele mostra um dedo para ela e a menina o segura como se fosse uma mão. "Posso te mostrar minha casa amanhã? Você vai amar o jardim!"
    Conteúdo patrocinado


    Samantha Doiley - Página 11 Empty Re: Samantha Doiley

    Mensagem por Conteúdo patrocinado

      Tópicos semelhantes

      -

      Data/hora atual: Ter Maio 24, 2022 6:58 pm