Um fórum de RPG online no formato de PBF (Play by Forum).

Links úteis Anúncios Redes Sociais
31/03 - Novo quadro de anúncios.
31/03 - Mesas com mais de 2 meses SEM postagens serão automaticamente arquivadas.

ATUALIZAÇÃO DO MÊS DE MAIO
Mesas que forem abertas para serem jogadas em outras plataformas
serão excluídas do fórum.

ATUALIZAÇÃO DO MÊS DE JUNHO
A partir de agora somente mestres com mesas ativas no fórum terão o nick laranja
para ficar mais fácil a distinção. Fiquem atentos que em breve teremos
um novo modelo de pedido de mesa!




 

    Casa dos Algozes

    Ankou
    Adepto da Virtualidade
    Ankou
    Adepto da Virtualidade

    Mensagens : 1696
    Reputação : 62

    Casa dos Algozes - Página 13 Empty Re: Casa dos Algozes

    Mensagem por Ankou Ter Abr 19, 2022 8:24 pm


    - Um salário gigante, férias no Caribe, um iate? Magina, quem ia querer isso? - puro sarcasmo que se finda em um sorriso afiado que a graça vai escorrendo pelos cantos da boca, um menear negativo com a cabeça e um gole no scotch, café da manhã dos campeões só que não.

    - Eu nunca entendi o lance de você adotar um garoto humano. - ele diz girando o copo devagar sobre o balcão - Mas eu posso sentir sua culpa, seu remorso, a gente tem que olhar pra frente e ser esperto. Agora, você sabe que amanhã a gente pode ter um trabalho ingrato pra fazer. - ele sabia que era melhor a criança ficar longe, era perigoso demais, e esperava que Chloe soubesse também, o olhar triste e baixo.

    Ele não se pronuncia mais sobre Tokyo, ele achava aquilo loucura, beirava o impossível em Dover, mas não impediria de ninguém tentar articular aquilo.



    O rosto vermelho, ele mordisca os dedos dela - "Muifa sovevivência e muita sassa e sempos ruins" - os dedos na fazem a voz dele ficarem engraçada, mas ainda tinha o rosto quadrado e bonito o queixo digno de um súper herói, quando os dedos dela saem da boca dele o fazem com um barulho quase indecente e ele nem parece ligar quando ela passa o dedo meio babado no rosto dele, ele a arrasta do balcão e a coloca de pé de volta no lugar com cuidado.

    Ele ri acompanhando Chloe, a felicidade dela contagiante, ele estica o braço e a água tá em cima do balcão antes dela verbalizar, ele ajeita as calças, não parece ter o menor pudor com as coisas dele.

    Ele ouve a gracinha de Axel e o sorriso contido aparece no rosto - Na sua situação eu tenho medo de entrar no banheiro do seu quarto e ficar colado, não sei como não tá com as calças meladas. - ele retruca em tom de piada, não acreditando nem de perto que um dia ele fosse fazer parte de um menáge ou uma suruba.

    Ele parece relaxado agora de volta no balcão rodando o copo de Scotch lentamente de novo. - Pode cuidar do livro, sem problemas. - ele diz parecendo confiar nas mãos de Axel pra aquilo.

    - Então você e James hã? - ele diz olhando pra Chloe, aquele tipo de pergunta que quase se tem certeza de um sim. - Eu não devia ter feito essa bosta, sentir o coração da alcatéia é mágico, num momento eu só queria tirar você de toda aquela angústia, no seguinte eu tava contaminado pela pepeka em chamas da Samantha, eu nem devia ter feito isso, a milf no entanto... - ele dá um risadinha, como se ela existisse em algum lugar.

    Ele se levanta e vira o resto do copo, a garrafa quase no fim, faltando uns quatro dedos - Deixa o Judas matar - ele fala pra Axel - O papo tá bom, mas eu tenho que pagar uma visita pro tio e tomar uma breja preta. - ele se move até o kit de primeiros socorros e faz uma tipoia improvisada com gaze, vai até a porta de saída e olha pra trás assim que abre dizendo pouco antes de sair. - Pornô anos 70 é uma merda, buceta cabeluda não é pra mim, a dela é lisinha. - ele dá uma piscadela pra ruiva e um sorriso, como se a zoeira não tivesse limites e sai no momento seguinte.

    Connor Mcleary
    -Essência: 7/11
    -Dano: 0/12






    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu
    Wordspinner
    Sacerdote de Cthulhu

    Mensagens : 2781
    Reputação : 141

    Casa dos Algozes - Página 13 Empty Re: Casa dos Algozes

    Mensagem por Wordspinner Qua Abr 20, 2022 3:25 am

    As fitas eram magneticas, daquelas que só guardam audio das conversas. Porém não foi difícil conseguir um tocador antigo com o músico da casa. Cada uma delas tinha um registro de identificação amarelado escrito a caneta. Nomes de pessoas. Pessoas que contavam suas histórias e relembravam canções e folclore. Velhos, todas as vozes eram velhas. Não parecia nada especial. Nada mesmo.

    Exceto... que a atenção dos urathas encontrava sinais de algo mais profundo. Pedaços da história de Dover entrelaçados com acontecimentos do outro lado. Nada que fosse imediatamente útil. As fitas somavam quase duzentas horas de história se realmente estivessem cheias.

    Já o livro era claramente um registro uratha. Rituais rabiscados que podem nem existir, pensamentos de todo o tipo, memórias e colagens. Tudo escrito na primeira língua. Formulas e instruções. Tudo feito para ser lido por uma só pessoa. Caótico e esburacado, com espaços preenchidos pelas memórias de quem escreveu aquelas palavras.

      Data/hora atual: Sab Out 01, 2022 8:14 am