Um fórum de RPG online no formato de PBF (Play by Forum).


    Edgar Shaw

    Faor
    Tecnocrata
    Faor
    Tecnocrata

    Mensagens : 406
    Reputação : 10

    Edgar Shaw - Página 4 Empty Re: Edgar Shaw

    Mensagem por Faor em Ter 27 Out - 19:26






    Edgar Shaw - Página 4 268_2610




    Shaw fica satisfeito e menos nervoso com os primeiros passos curtos da uratha. Estar em movimento é sempre mais agradável para ele.


    Maria escreveu:"Era dela. É seu. O alimente com o essência e vou ouvir suas próximas palavras."

    Ele sorri honestamente agradecido. Não pensa em explorar isso, mas era um vínculo que ele ficou contente por manter. E isso o surpreendeu.


    Maria escreveu:"Não entendo, mas entender tudo é bobagem."

    Outra vez ele sorri. - Eu acho que precisava ouvir isso. - A interrupção é breve e ele mantem atenção sobre o que Maria diz sobre sua mãe, mas esse raciocínio acabou de ser tatuado na mente de Shaw.


    Maria escreveu:" (...) Tem coisas horrendas no mundo, horrendas o bastante para ofender por existir."

    Dessa vez ela sorri, pedindo para uma resposta e Shaw precisa de um segundo conter a satisfação com a conversa. - Eu não podia sentir isso do nada, não é? Sabe Maria, primeiro o meu mundo era limitado a um palmo do meu corpo, nunca olhava para trás e nem para frente para dizer a verdade. - Ele pensava alto, com a cabeça baixa. - Claro que eu mudei. - Era sobre a transformação, ser um Uratha, mas ele não foi tão claro. - E eu passei a querer fazer parte... - Ele não completou o raciocínio, mas era legível: fazer parte de alguma coisa, de uma família, a alcateia, uma tribo, o protetorado que seja. Pertencer a algo maior e com significado. - Mais do que ter ou defender um domínio, mais do que ser alguém importante, é fazer parte mesmo. Pertencer. Ter significado. Isso não tinha valor mas eu sinto isso cada vez mais forte. - "Só que..." A respiração deixava claro, não era tudo.

    - Mas isso não cresceu sozinho. Isso alimentou e foi alimentado justamente porque sim, você está certa. Tem coisas que ofendem mesmo por existir. Mas não ofenderiam o velho Shaw que só olhava pro próprio umbigo... Agora é diferente, e eu tenho essa sede, essa vontade.


    Maria escreveu:"Não conheço você. Não sei quem é."

    - Hehehe, você está certa outra vez. - Ele acena indicando que ela não tem do que se desculpar. - Você fala dela e as diferenças ficam por minha conta!

    Ela segue falando sobre Sortuda e ele tenta absorver cada letra, cada tom. Saboreia uma boa refeição, seu prato predileto.

    Maria escreveu: "Você se sente assim? É assim? São parecidos?

    - Sim e não. Não me sinto leve e destemido e nem muito esperançoso. Acho que sou mais prático, no sentido de que faço o que tem que ser feito, acreditando ou não no sucesso. Talvez o resultado seja o mesmo e talvez alguém ache que isso é alguma força, sei lá, não me importo. Mas sim, sou enxerido! Acho que tento cavoucar, remexer mesmo, para tentar pegar alguma coisa. Talvez seja teimosia pura..

    Quando ela fala brevemente sobre o pai e mais sobre Krants, Shaw fica sério mas apenas pelo assunto, talvez para esconder uma vergonha boba, uma inibição por falar sobre algo tão pessoal dos pais. Ele nunca tinha se feito essa pergunta e não deu valor para ela agora. Também não deu a mínima para o que Krants poderia querer.

    Ela segue relatando e ele, recebendo bem todas aquelas informações. Ele sorri mais. - Nessa energia radiante, nessa animação, não tem dúvidas, não é? Não ganhei isso dela! - Ele se lembra dela basicamente como piloto, certamente como militar. - Ela não gostava de me ajudar muito com coisas da escola, mas adorava participar de brincadeiras, de mexer comigo, me provocar, mas nunca nos estudos. Lembro do sorriso dela quando aprontava alguma comigo ou com meu pai, ela se divertia. Na hora de me ajudar na escola, ficava séria e vestia a cara de soldado. Malandra!

    Shaw para de caminhar, olha o mar escuro e de volta para Maria. - Eu fui um idiota com Ash. - Ele falou sério e de repente. - Ela foi gentil comigo. - Desapontado. - Você me procurar foi um favor que eu não pedi. E que não vou esquecer. Vocês duas falaram da minha mãe com carinho, com respeito. Eu poderia ouvir qualquer absurdo. - Ele olha em volta, atento, e de volta para ela. - Eu sabia muito pouco, nada. Ela poderia ser uma porcaria e eu receberia a verdade com a mesma gratidão. Mas vocês me entregaram a verdade em um quadro que eu não poderia esperar.

    Ele suspira sem tirar os olhos da Sombra Descarnada. - Ela morreu lutando contra uma loucura maior. Poderiam ser tantos outros que estão aqui hoje. Aliás, foram muitos. A loucura ainda existe, ainda mata. Como ela via isso, o que ela sabia? - Ele levanta as mãos acenando e negando a pergunta com a cabeça. - Quero dizer, a guerra atropelou ela e a tribo dela, como poderia acontecer com qualquer um, ou ela sentia que estava no caminho da guerra, ela sentia que teria que enfrentar algo muito sério?

    O irraka meio que tenta explicar a pergunta antes de dar tempo para Maria responder. - Ser atropelado é uma coisa, faz parte, a vida segue ou é interrompida. Nem sempre dá para reagir da melhor forma a tempo. Mas eu pergunto para você, pela boa amizade de vocês, mesmo com toda a lealdade à tribo que você comentou, se você acha que ela sabia que havia algo de muito errado. Nesse caso, alguém viu algum sinal antes e isso pode querer dizer alguma coisa. - O final do raciocínio saiu mais tímido, era a linha de pensamento dele, para ele, mas ele acabou dizendo aquelas palavras também.



    Wordspinner
    Mestre Jedi
    Wordspinner
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1102
    Reputação : 43

    Edgar Shaw - Página 4 Empty Re: Edgar Shaw

    Mensagem por Wordspinner em Qui 29 Out - 3:51

    Shaw escreveu:...remexer mesmo, para tentar pegar alguma coisa...

    "Nem todas as buscas terminam em respostas. Algumas terminam em perguntas muito piores do as dúvidas que as geraram, não quero que pare de procurar. Nunca, mas esteja pronto para olhar o vazio. Esteja certo de você mesmo." A voz distante de novo. Os olhos fugindo para o céu e perdidos em qualquer lugar do tempo.


    Shaw escreveu:...ficava séria e vestia a cara de soldado. Malandra!

    "Ela teve muitas dificuldades, ela provavelmente queria te ensinar o que ela sofreu para aprender. A disciplina por trás das vitórias custosas contra as provas." Ela parece surpresa por um momento antes de procurar desculpas para a amiga.

    Shaw escreveu:...entregaram a verdade em um quadro que eu não poderia esperar.

    "É só a verdade." Ela diz puxando uma parte da roupa presa em uma planta. "Ela não era perfeita, mas chegava perto. Bem pertinho. Eu não gosto de contar histórias, mas acho que nos duas devemos isso a ela."

    Ela ouve o irraka até o final. Não tenta forçar uma responde onde ele claramente pretende continuar falando. Ela espera. A expressão do rosto se torna preocupada. Um pouco contrariada. "Queria poder dizer que não sabiamos de nada e mesmo assim queria poder dizer que sabiamos muito bem o que estava para acontecer. Mas não sabiamos e nem sabemos. Mas tinha acontecido antes. Primeiro em um tempo de grandes provações. As grandes guerras tiveram um alcance e uma magnitude incomparável no nosso mundo. Talvez só a morte de Urfarah tenha sido um impacto tão grande. Uma alcateia se perder num dos piores momentos da existência... Improvável? Não." Ela não está feliz. Mas a expressão no rosto não é desagrado ou raiva. Ela está pensando. Se concentrando profundamente para alcançar e filtrar memórias. "A segunda que nós soubemos, eles foram corrompidos pelos devoradores de Lyon. Formidáveis e aterrorizantes. Com poderes além dos nossos. Quão fácil é ver as conexões hoje? Quão difícil era antes?" Ela assumia um tom inquisitivo, questionava tanto o irraka quanto a si mesma. "Ela não tinha ideia. A verdade é que não temos prova alguma. Um matematico diria que existe uma chance de não haver qualquer força externa. De não haver até agora nenhuma mão movendo peças nas sombras. Nenhuma serpente gotejando veneno nas almas dos nossos irmãos fantasmas. O que nos temos como prova? Nada além do desejo de que as coisas façam sentido. Rumores quebrados e vazios. Sonhos mal esquecidos. Não convenceriamos nenhum juri hoje. Vinte anos atrás?" Ela suspira. Imediatamente cansada. Sombras do passado se esgueiram para os olhos dela.

    "Desculpa Shaw. Eu não sabia. Não soube no dia. Ash e eu fomos poupadas da batalha. Muito novas se comparadas aos inimigos. Nosso alfa achou que seriamos uma fraqueza. Mas sua mãe era um dos Espinhos de Prata e eles todos lutavam todas as batalhas e a sabedoria dessa posturas matou a alcateia junto com ela. Se eu e Ash estivessemos lá isso teria feito alguma diferença? Se ela não estivesse lá o sua alfa teria morrido protegendo ela? O passado tem sempre mais perguntas que respostas." Ela se abaixa. Depois se senta na grama. Os olhos que até agora estavam fixos no uratha olham para o céu procurando a lua. "Vimos muitos sinais. Muitos. O que eles querem dizer? Ainda não sei, mas é algo convoluto e obscuro e complexo e cruel. Ou o simples encontro frio das nossas expectativas com uma realidade extremamente desagradável. Eu não estava lá. Eu não me despedi. Eu não a vi indo para luta. Eu estava lendo na varanda enquanto a luta acontecia. O que estava no coração dela? Na mente dela? Não sei. Mas... ela lutou e caçou o que acreditava e como acreditava. Todos já vigiavamos os fantasmas, ela deve ter desconfiado de algo quando soube, mas não tivemos a chance de conversar." Ela hesita. Olha o irraka.

    "Senta. Eu falei demais. Ela era forte e posso apostar que não reprovou a própria alcateia nem no seu último segundo. Mas talvez ela tenha se perguntado onde eu estava. Eu e Ash. Também não sei essa resposta." A expressão dela lentamente abandonando o esforço e a dor. "Com quem eu to falando? Pra quem eu dei as preciosas lembranças sobre minha amiga?"


    Off:
    Quando ela diz fantasmas ela quer dizer, aqueles que caçam nas sombras. É o apelido deles.
    Faor
    Tecnocrata
    Faor
    Tecnocrata

    Mensagens : 406
    Reputação : 10

    Edgar Shaw - Página 4 Empty Re: Edgar Shaw

    Mensagem por Faor em Sex 30 Out - 15:25






    Edgar Shaw - Página 4 268_2610




    Shaw observava Maria com respeito e atenção. E percebe com alegria que ela tenta defender Elizabeth.


    Maria escreveu:"Queria poder dizer que não sabiamos de nada e mesmo assim queria poder dizer que sabiamos muito bem o que estava para acontecer. Mas não sabiamos e nem sabemos. (...) O que nos temos como prova? Nada além do desejo de que as coisas façam sentido. Rumores quebrados e vazios. Sonhos mal esquecidos. Não convenceriamos nenhum juri hoje. Vinte anos atrás?"

    Ele a vê cansada e leva a mão ao ombro dela, pressionando levemente, como um apoio. - Acho que isso encerra o assunto. Se olhando para trás, sabendo mais e conhecendo as consequências ninguém pode explicar o que aconteceu... bom, isso significa alguma coisa, não é?

    A voz dele saiu suave, distante e ela seguiu dizendo, pedindo desculpas. Ele gesticula negando, afastando as desculpas e ela segue o raciocínio, ponderando opções que ninguém teve. Ela se senta e ele se abaixa, ficando de cócoras pouco à frente dela.


    \"Maria escreveu:"Vimos muitos sinais. Muitos. O que eles querem dizer? Ainda não sei, mas é algo convoluto e obscuro e complexo e cruel. Ou o simples encontro frio das nossas expectativas com uma realidade extremamente desagradável..."

    - Isso faz sentido, e é cruel, não é? Pode simplesmente não ter explicação... - Ele fala com um pouco de frustação, sem encarar a visitante. Esperava que houvesse alguma explicação, mas nada alimentava essa esperança.


    \"Maria escreveu:"...Eu não estava lá. Eu não me despedi. Eu não a vi indo para luta. Eu estava lendo na varanda enquanto a luta acontecia. O que estava no coração dela? Na mente dela? Não sei. Mas... ela lutou e caçou o que acreditava e como acreditava. Todos já vigiavamos os fantasmas, ela deve ter desconfiado de algo quando soube, mas não tivemos a chance de conversar."

    Novamente ele reage, tocando ela brevemente no braço e tentando oferecer uma expressão que a conforte. - Ela deve ter ficado satisfeita em vocês não estarem com ela no momento final. - Não podia saber se estava certo, mas ele sentia isso, seria o desejo dele.


    \"Maria escreveu:"Senta. Eu falei demais. Ela era forte e posso apostar que não reprovou a própria alcateia nem no seu último segundo. Mas talvez ela tenha se perguntado onde eu estava. Eu e Ash. Também não sei essa resposta." A expressão dela lentamente abandonando o esforço e a dor. "Com quem eu to falando? Pra quem eu dei as preciosas lembranças sobre minha amiga?"

    Ele senta ao lado dela. - É isso, duvido que ela tenha se arrependido. Caiu fazendo o que acreditava. Talvez ela tenha se perguntado sim onde vocês estavam, mas é como eu disse, acho que ficou satisfeita que vocês estavam seguras naquela hora. Deve ter sorrido pensando nisso. - Ele falava com o coração, não tentando achar as palavras. Sentia ainda menos certeza agora, mas a lembrança do sorriso da mãe foi boa.

    - Você deu suas lembranças para um amigo, Maria. - Ele sorria para ela, com os braços apoiados nos joelhos dobrados. - Tudo a seu tempo, claro. E gratidão não é amizade, não ainda, pelo menos. Mas eu sou muito grato e vou lembrar com carinho que você veio aqui sem eu te chamar. - Ele lembra da conversa com Ash e sente vergonha. - Eu ainda vou falar com Ash, que me recebeu muito bem, mas fiz ela se desgastar, pressionando por uma pista, um norte por onde eu poderia procurar...

    Depois de um breve silêncio, ele continua. - Enfim, obrigado. E conte comigo. Chame de Edgar, ou Ed, se não quiser misturar os Shaw. Mas quem eu sou? - Ele ri e olha pro horizonte. - Eu cresci em revolta, acho que revolta infantil mesmo. Culpando tudo e todos, menos eu, claro. Meu pai meio que desistiu, ela não estava aqui, eu também desisti, ao meu modo. Mas aí eu me descobri sendo algo a mais do que aquele garoto. Isso foi muito louco mas é fato que sinto isso, sinto a Lua. - As mãos inquietas procuram alguma coisa na grama. - Mas agora estou conhecendo mais a minha mãe e pô... isso é muito, sabe? - Ele está quase emocionado, a ausência da mãe sempre o marcou e agora ele sente a presença dela. - Um mundo de boas lembranças está passando na minha cabeça e eu sinto que posso me apoiar nela. Sou um Shaw, um Garra Sangrenta, mas sou um Algoz do Escuro, não sou a Elizabeth radiante, não sou a Sortuda e mesmo assim sou filho dela. Acho que estou na minha melhor fase! - Ele falava em tom de piada, mas era verdade.

    - Maria! - Falou de subto. - Qual era a Lua dela? - Ele sorri olhando devolta para ela pensando em como não tinha feito essa pergunta ainda.




    Wordspinner
    Mestre Jedi
    Wordspinner
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1102
    Reputação : 43

    Edgar Shaw - Página 4 Empty Re: Edgar Shaw

    Mensagem por Wordspinner em Qui 5 Nov - 12:42

    Ela faz que sim com a cabeça. Mas é um movimento difícil. Custoso.

    Shaw escreveu:”Não ter explicação...”

    “Deve ter alguma. Muitas. Quem sabe?” Ela suspira olhando o céu de novo. “É cruel. É injusto. Quanto risco você tá correndo com seus amigos? Ninguém sabe. Não de verdade. Mas ninguém quer passar por isso de novo. Ninguém quer passar todos os dias procurando mudanças sutis. Sendo paranoicos sobre cada movimento ou palavra que um deles diz. Você estaria prestando atenção, não é?”


    Shaw escreveu:"...ela no momento final."

    Ela continua olhando o céu. "Ela tinha a alcateia dela. Então eu espero que esteja certo."

    Shaw escreveu: "Deve ter sorrido pensando nisso."

    Ela respira fundo prendendo o ar um longo instante. "Eu teria preferido ela aqui. Mas eu e Ash nunca íamos ter coragem de começar um ataque em outra alcateia. Não do jeito que eles fizeram. Não antes. De verdade, eles estavam melhores sem a gente."

    Ela assiste o irraka falar com alegria nos olhos. Prestando muita atenção em cada movimento dele. O céu temporariamente esquecido. "Lua cheia. A lua bem em cima de Marte." O telefone de Shaw sacode com uma mensagem. Ela olha na direção do barulho. "Hora de ir?" Ela diz preguiçosa.

    Não era nenhuma mensagem humana. Um aviso da agenda. Um dos blogs que Shaw segue tinha recebido uma postagem. O titulo "Magnata desaparecido volta a cidade com festa milhonaria!"
    Faor
    Tecnocrata
    Faor
    Tecnocrata

    Mensagens : 406
    Reputação : 10

    Edgar Shaw - Página 4 Empty Re: Edgar Shaw

    Mensagem por Faor em Seg 16 Nov - 18:25






    Edgar Shaw - Página 4 268_2610



    Maria escreveu: “É cruel. É injusto. Quanto risco você tá correndo com seus amigos? Ninguém sabe. Não de verdade. Mas ninguém quer passar por isso de novo. Ninguém quer passar todos os dias procurando mudanças sutis. Sendo paranoicos sobre cada movimento ou palavra que um deles diz. Você estaria prestando atenção, não é?”


    Ele acompanha o olhar dela para o céu, sintonizado com ela mas continua com o rosto virado para cima quando ela o questiona. - É difícil Maria. - Ele não explica e não olha para ela ainda. Agora procura identificar ervas daninhas na grama à frente. - Ninguém quer passar por isso. - Shaw fala baixo, evitando o olhar dela. - Eu sigo tudo e todos com o nariz e com os olhos. O tempo todo. Os algozes também? Claro! - Ele sorri visualizando a casa. - E isso nem é cansativo... é, sei lá, natural! - A voz não é firme e nem tem animação. - Mas quanto tempo mais vou precisar conhecê-los para perceber alguma mudança, se acontecer? Nós estamos nos descobrindo. Eu mesmo estou mudando, me transformando. - E ao evitar olhar para ela, o pensamento fica mais claro, as dúvidas mais evidentes, mas a imagem do pai ofusca todo o resto. Saudades? Ele perde o raciocínio e olha para ela, inseguro. Era disso que ela estava falando? Ele nem tem certeza.

    Ela reage bem, mas ainda reflete sobre os últimos momentos de Sortuda. Shaw apenas sorri de volta. Ele era sincero na aprovação dele e tinha absoluta certeza de que isso não faria diferença. O barulho do mar, suave, e um carro duas quadras dali mantém Shaw no mundo real, mas ele está satisfeito com a conversa.


    Maria escreveu: "Lua cheia. A lua bem em cima de Marte."

    - Olha só! Uma Rahu Garra Vermelha! Sortuda e Gloriosa... acho que consigo imaginá-la feliz. - Ele diz para si próprio mas o telefone vibra e instintivamente ele monitora a mensagem.


    Maria escreveu: "Hora de ir?"

    Dedicado, ele encaminha a mensagem para Karen com uma interrogação logo depois. Rapidamente devolve o celular para o bolso. - Não é tarde e isso aqui não é urgente. - Ele ponta para o bolso onde guardou o celular mas ela poderia ler a tentativa dele de mentir. Era tarde e ele não sabia se aquilo era sério ou não. Na dúvida, Shaw sempre fica desconfiado. Sempre.

    - O que você gostaria de fazer? - Ele sorria novamente. - Se quiser ir, eu gostaria de caminhar com você de volta. - Até o início do território dela, não apenas até o final do dele. - Obrigado. - Por vir, pelo tag, pela conversa.



    Wordspinner
    Mestre Jedi
    Wordspinner
    Mestre Jedi

    Mensagens : 1102
    Reputação : 43

    Edgar Shaw - Página 4 Empty Re: Edgar Shaw

    Mensagem por Wordspinner em Ter 24 Nov - 19:46

    Shaw escreveu:...imaginá-la feliz.

    "Ela era..." Ela diz num sussurro sem pensar. Quando o irraka termina ela se levanta. Bate a grama da roupa lentamente. "Que eu quero fazer? Eu tenho que correr. Correr em um lugar perigoso com coisas estranhas espreitando." Ela olha para ele pensativa. Claramente pensando em algo distante. "A noite é para isso. Mas pode andar comigo até lá." Ela deixa um leve sorriso tocar os lábios.

    Em pouco tempo os dois estão andando juntos em silêncio. Passos sincronizados pelo tempo. Um carro passa rápido enchendo de a noite de luz e som por um instante. Era curioso pensar aquele breve momento séria agonia pura para o Totem, para o Caminhante Noturno. Era engraçado que tenha sido através dela que eles se conectaram ao espírito e depois sozinhos conquistaram sua confiança e patronagem.

    Terra de ninguém. Eles estão em uma rua mal iluminada em território que não pertence a nenhuma alcateia. Um monte de trailers e casas populares com suas luzes acesas logo abaixo. Shaw já esteve ali antes. Perto dali, entre as árvores, ele conheceu Wendy. Ele viu um uratha corrompido. Algo que foi como ele um dia. Uma pessoa normal. Depois um lobisomem, uma especie de monstro muito particular. Agora... O que era aquilo?

    "É aqui. O fim da linha. Pode voltar." Ela olha lá para baixo e depois para o céu de novo. Uma respiração longa e ela deixa a contemplação para trás. "Seja um bom garoto por favor, mas não bom demais." Ela sorri e espera a despedida de Shaw antes de correr para longe como um lobo cinza de olhos bem amarelos.

    ----

    Shaw não consegue terminar de ler a noticia no blog. Não pela falta de sinal. Era ruim ali, mas nem tanto. Shaw para de ler quando as letras são interrompidas por uma foto dividida em duas. A primeira metade era uma mansão. A segunda era um homem jovem e sorridente. Nada terrível até aí. Ninguém acharia aquela foto assustadora. Mas Shaw tremia. Sentia gosto de sangue na boca. Ele conhecia os dois. Ele conhecia a mansão, ele a tinha invadido na primeira noite. Ele conhecia aquele rosto, ele o tinha despedaçado na primeira noite.
    Faor
    Tecnocrata
    Faor
    Tecnocrata

    Mensagens : 406
    Reputação : 10

    Edgar Shaw - Página 4 Empty Re: Edgar Shaw

    Mensagem por Faor em Sex 27 Nov - 12:16






    Edgar Shaw - Página 4 268_2610



    Shaw se levanta com ela, enquanto avalia o entorno.

    Maria escreveu:"Que eu quero fazer? Eu tenho que correr. Correr em um lugar perigoso com coisas estranhas espreitando." (...) "A noite é para isso. Mas pode andar comigo até lá."


    Ele percebe o sorriso depois do momento de reflexão e gosta disso, mas tem um ar preocupado.
    - Não quero ser inocente demais, mas a sensação de urgência é geral... - Mas ele sorri, já caminhando ao lado dela. - Seus assuntos são seus, mas não consigo imaginar o que você pode encarar como estranho, como desconhecido. Que você precise enfrentar perigos, ameaças, não tenho dúvidas. - Ele mesmo se reprova, sorrindo e olhando o chão sob os pés. - Inocência minha outra vez. - Mas não se explica ou se retrata.

    Totem.

    Foi preciso esse momento com Loba sem Sombra para Shaw olhar mais para outros lados, até para ele mesmo. Sentiu um aperto, um remorso, ao avaliar o quão pouco ele considera a visão do Caminhante, quase sempre apenas reagindo. Ele sente raiva do carro, mas isso não é verdade. Sentiu raiva dele mesmo. Ao fazer isso, lembrou do telefone moderno no bolso mas logo ignorou.

    - Esse lugar aqui me provocou, me fez mudar alguma coisa. - Estavam próximos de onde Wendy foi atacada tempos antes. - Vi uma aberração aqui e sabia que não podia fazer nada. Ali quis fazer parte de alguma coisa maior.


    Maria escreveu:"É aqui. O fim da linha. Pode voltar." (...) "Seja um bom garoto por favor, mas não bom demais."


    Ele sorri sem tirar os olhos dela. - Está certo. - Ele estica o braço, estendo a mão não para um aperto, mas para um toque, um carinho. - Eu não sei bem o que sou, mas acho que esse risco eu não corro. - Pisca o olho para ela e não se move observando a transformação e o movimento do corpo da loba se afastando. Da mesma forma, como um lobo com um manto cinza escuro e os pelos claro no abdômen ele retorna para o território para o compromisso.

    Apenas sobre as areias ele abandona as quatro patas e segue até o mar, oferecendo seu sangue. Antes de retornar para casa, ele confere o telefone, não sem fazer uma careta. Abre o blog e não consegur se mover.

    Ele decide ir lá, o quanto antes. Precisa ir.

    OFF:
    Lembro que era em uma área nobre, mas não sei se é perto ou do outro lado da cidade. Fica no território de alguém? Precisa passar no território de alguém para chegar lá? Não sei se é tarde, longe, idiota de alguma forma ir para lá agora, mas se não for desrespeitar outras alcateias, ele vai agora.

    Acho que dá para abrir espaço aqui para um Sangue de Lobo. Sílvia ou Joe devem topar uma volta, uma história e ver um morto vivo milionário. Shaw pode passar na casa, reportar para onde vai e conseguir alguma companhia.



    Conteúdo patrocinado


    Edgar Shaw - Página 4 Empty Re: Edgar Shaw

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Qui 3 Dez - 20:47